Terça-feira, 4 de Dezembro de 2007

A escrita e o tempo

Quer queiramos, quer não, tudo o que nos cerca tem influência no nosso ritmo de vida.

 Até o tempo. Ou melhor, especialmente o tempo.

E, já nem me refiro ao tempo condições atmosféricas.

Penso que todos reconhecemos que um dia luminoso tem sobre nós a influencia positiva que um dia sombrio ou chuvoso, não oferece.

Porém, mais do que as condições atmosféricas: o tempo - época; quero dizer: - Natal, Páscoa...agarram-se á consciência de cada pessoa como se fora um atributo, um sinal, um jeito, quase um desígnio incontrolável, que nos altera o comportamento.

Retornam do passado as lembranças arrumadas na memória, que tantas vezes julgamos sepultadas no esquecimento.

Aparecem-nos vivas, frescas, viçosas como acontecidas na hora, cores, tons de voz, gestos, situações, presenças, perfumes...

Talvez que no Natal todos nos sintamos mais dispostos à ternura, ao perdão e ao amor porque todos nós deixamos reviver nos nossos corações as crianças que fomos. Todos nos enternecemos com o sonho e a esperança que canta inconsciente no olhar das crianças e, sem remissão, mesmo aqueles que o negam, deixam aflorar ao espírito alguma reminiscência mais teimosa que persiste em sobreviver...

São as toalhas de mesa que só em aniversários e festas aparecem...

É a mesa, mais farta, onde azevias e nógados, imiscuem o cheiro de fritos com o perfume exótico da canela...

São as conversas cruzadas de amigos e familiares que se cumprimentam e procuram porque é Natal...

É a troca de segredos de receitas novas de petiscos especiais provados algures, em festas ou viagens...

É o por em dia das novidades de casamentos, mortes, doenças e nascimentos... 

É o exibir de testemunhos: - Retratos das bodas, baptizados, comunhões, queima de fitas, praxes, festas...

É a troca de lembranças...

É o aquecer do coração no convívio de que se faz o melhor da Vida...

É, até, um bocado de poema que na adolescência se escreveu, e nos martela na memória quase ininterruptamente...

...................................

...eu lembro-me ainda!

 

E como esquecer o mundo das gavetas,

Proibido de mexer?

As malas da Avózinha e das Tias,

Que só elas abriam...e em certos dias!...

 

Ai, encantos meus!

Retalhos de seus encantos...

Que punham cobiça em meus olhos

E nos seus névoas de pranto!...

................................................

Minha Avózinha morreu...

Não mais mexe em suas malas,

Agora, mexo-lhes eu!..

 

É também isto o Natal. Passagem de testemunho de tradições, heranças de Amor que cabem nas almas de todos, pobres e ricos, velhos e novos... e, também, tema obrigatório até para divagar, quando se escreve seja lá o que for que sempre se remata, por este tempo, com a cordial saudação de:

      - Boas Festas!

Assim seja!

 

 

                                              Maria José Rijo

@@@@

Norte Alentejo

Dezembro 2001 nº 16

Crónica Norte Alentejano

estou:

publicado por Maria José Rijo às 00:06
| comentar | Favorito
partilhar
8 comentários:
De Dolores Maria a 4 de Dezembro de 2007 às 00:48
LINDO!
Lindo texto.
Muitos Parabéns por esa pequena maravilha.

Beizinhos

DO LO RES


De Adalgisa Alexandra a 4 de Dezembro de 2007 às 00:51
Olá Boa-noite
Estou com uma insónia imensa.
Vim ve-la e eis a surpresa - Natal - o melhor
tempo do ano.
Adoro o Natal.
Este seu post está uma maravilha.
Muitos Parabens pelos textos que faz o favor
de nos mostrar.
Aprecio bastante a sua forma de escrita.
Os meus Parabens.
Com admiração

Gisa


De Anónimo a 6 de Dezembro de 2007 às 17:04
Sabe Gisa,o Natal já foi para mim a festa das presenças que alegravam a minha vida.
Agora, é a hora das lembranças, das doces lembranças que enchem o meu coração.
Até ao fim, agora, terei que dar graças pelo que a vida me deu. E deu muito! mas terei que o fazer com a dor de todas as ausências .
Obrigada pela visita e pelo apreço, mas quem faz o blog, não sou eu, é o meu anjo da guarda - a Paula!
Um abraço
Maria José


De Adalgisa Alexandra a 7 de Dezembro de 2007 às 21:37
Muitissimo obrigada pelas palavras
que me dirige.
Concordo consigo, o mes de Dezembro é o
mês das lembranças, das faltas ( de quem
amamos e já partiu).

E este blog é uma maravilha - a Sra e o seu
anjo - trabalham muito bem. A Senhora escreve
maravilhosamente bem e eu fico sempre
fascinada pela forma como trabalha com as
palavras.

Beijinhos e continue assim... que eu adoro!!

Gisa


De Horácio Baptista a 4 de Dezembro de 2007 às 19:35
Muito Boa Noite
Este seu texto é muito bonito, aliás
como todos os que estão neste blog.
Feliz do Jornal/Revista que tenha a
honra de que os seus textos
apareçam nas suas páginas.
Lamento dizer-lhe mas eu acho que
os seus textos são - como se costuma
dizer - "pérolas a porcos" - estes textos
deveriam estar em jornais da capital, aí sim
aí tinham o valor de que estes artigos merecem.
Pense nisso - escreva antes para um
jornal da capital que aí é bem melhor.

No entanto - os meus imensos PARABÉNS
Os meus cumprimentos,

Horácio Baptista


De maria josé a 6 de Dezembro de 2007 às 17:19
Deliciou-me o seu entusiasmo. Ainda bem que se distraiu com as minhas "conversas soltas".
Obrigada pela sua franqueza e apreço.
Para mim basta-me saber que sou entendida por pessoas tão sem pretensões quanto eu.
No entanto, quero-lhe dizer que o Linhas de Elvas já tem sido -ou- ainda - está a ser pressionado para recusar a minha colaboração!
Vamos ver...
O dia a dia é feito de alguns discretos heroismos...
Um abraço
maria José


De Maria Emilia a 4 de Dezembro de 2007 às 19:39
Adoro este seu blog.
Adoro os textos/artigos que escreve.

Muitos Parabéns

Maria Emilia


De Anónimo a 6 de Dezembro de 2007 às 17:53
Obrigada maria Emília pela sua visita e pelo seu apreço
Um abraço Maria josé


Comentar post

.Maria José Rijo

.pesquisar

 

.Abril 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

17
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30


.posts recentes

. A afilhada da Tia Zé

. Páscoa - 2017

. Homenagem a Maria José Ri...

. Cá Estou ... - 1

. OLÁ Dolores

. 2007 - 2017 = 10 º Aniver...

. ENCONTROS DE CIRCUNSTÂNCI...

. Recado para os Sobrinhos ...

. Saudades

. A Feira de São Mateus 201...

.arquivos

.tags

. todas as tags

. Dia de Anos

. Então como é ?!

. Em nome de quem se cala.....

. Amarga Lucidez

. Com água no bico

. Elvas com alguma rima e ....

. 28 de Fevereiro...

. Obras do Cadete

. REGRESSO

. Feição de nobreza

.links

.Contador desde- 7-2-2007

Nova Contagem-17-4-2009 - @@@@@@@@@@@@@@@@ @@@@@@@@@@@@@@@

@@@@@@@@@@@@@@@ A Seguir-nos por aqui. Obrigado @@@@@@@@@@@@@@@@ free counters
Free counters @@@@@@

.Pensamentos de Mª José

@@@@@@@@@@@@@@@@@

@@@@ O caminho acaba ali... Ali onde começa a descoberta, O caminho é sempre estrada feita O fim do caminho É uma porta aberta... Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@ Quando o homem se render à força que o amor tem e a arma for oração pulsará na vida a paz como bate um coração. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Ser semente do futuro, é a mensagem de esperança, Que como um recado antigo, A vida nos dá a herança.- Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@ Eu penso, que é saudável e honesto reconhecer e respeitar as diferenças que nos individualizam no campo, também dosi deais.----- Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@ Há uma tal comunhão entre a obra e o autor Que até Deus concebe o Homem e o Homem - o Criador! Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ UMA IDEIA : É uma LUZ que se acende i nesperadamente no nossos espirito iluminando um caminho novo. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Sei para onde vou- pela ansia de galgar a distância- de onde estou- para o que não sou. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ A solidão é o que preenche o vazio de todas as ausências. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Quando na vida se perde, Um amigo ou um parente, P’ra que serve a Primavera? Se o frio está dentro da gente. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Mesmo sobre a saudade, a doçura do Natal, embala cada coração como uma música de esperança. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Em passadas de gigante nobre de traça e idade vem da nascente p'ras fontes dar de beber à cidade. -- Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Nas flores como nas pessoas, ás vezes a aparente fragilidade também pode esconder astúcias e artificiosos bluffes ”. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ A cada um seu direito, A cada terra seu uso, A cada boca um quinhão, A cada roca seu fuso, Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Seja cada dia um fruto- Cada fruto uma semente- Cada semente o produto- Dos passos dados em frente. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Coisas e loisas esparsas- Como a ferrugem – se pica- Como a lama dos caminhos- Se pisada… nos salpica. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Todos os dias amanhecem Crianças Pássaros Flores ! Sobre a noite das crianças Pássaros Flores que já não amanhecem Amanhecerá! Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Ao longe vejo Olivença Mais perto, Vila Real A meus pés o Guadiana Correndo manso – na crença De que tudo é Portugal Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Pátria sagrada de povo, Que emigrada- ganha pão, estás repartida- mas viva Se te bate o coração. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Portugal mais se define Onde a fronteira se traça Pode partir, mas não dobra Quem defende Pátria e Raça Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Bom seria se os recados do nosso coração chegassem ao ouvido de quem os motiva, porque então saberíamos como somos queridos e lembrados sem necessidade de telefones ou cartas. As comunicações seriam de coração para coração como a música de alma que se soltasse de um poema. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@

.ARTIGOS PUBLICADOS Em :

Jornal Linhas de Elvas - Desde 1950 @ @@@@@@@@@@@ Jornal da Beira - (Guarda) @@@@@@@@@@@ Jornal da Ilha Terceira (Açores) @@@@@@@@@@@ Jornal O Dia @@@@@@@@@@@ Jornal O Despertador @@@@@@@@@@@ Revista Norte Alentejo @@@@@@@@@@@

.LIVROS PUBLICADOS:

-E vim cantar- 1955@ -Paisagem- 1956@ -Rezas e Benzeduras- 2000@ @@@@@@@@@@@