Sábado, 22 de Dezembro de 2007

“Pisem o chão devagarinho”

          Há muitos anos uns amigos meus, hoje já com bisnetos, esperavam o primeiro filho. Quis o destino que uma queda da mãe, precipitasse o nascimento dessa criança, que não sobreviveu.

                            

            Passou-se então ante os meus olhos qualquer coisa que não esquecerei jamais.

            Como sempre, em tais circunstâncias, surgiram os amigos e familiares mais próximos. Todos, mais ou menos, compungidos se esforçavam por explicar o inexplicável tentando fazer aceitar o que todos nós tão mal aceitamos – a morte.

            Foi então que chegou a avó do nado morto. Era uma idosa e linda senhora que idolatrava os netos, e, tinha muitos. Cumprimentou os circunstantes com um baixar de cabeça, e dirigindo-se para a cama onde o menino repousava disse com o maior carinho:

- Meu menino, tem que adormecer ao colo da sua avó como adormecem os outros netos. E debruçando-se sobre o pequeno vulto envolveu-o no xalinho branco que o cobria e começou a embalá-lo apertando-o junto ao peito e cantando, ou rezando baixinho; nem sei...

            Decorreram uns minutos – ou horas, - quem saberia contar tal tempo a não ser pelas batidas do coração ...

            Depois, deitando o pequenito de novo no berço que lhe havia sido destinado, e o esperava para viver e crescer, saiu  do aposento, pé ante pé ,encostando com suavidade a janela e a porta  como se receasse que algo o acordasse .

            Assistindo em silêncio (como todos os demais) a esta estranha manifestação de mágoa e amor, o pai do menino sussurrou a frase que havia de lhe servir de epitáfio: “pisem o chão devagarinho que o nosso filho adormeceu.”

            Os anos passam, as coisas, boas e más, tristes e alegres, arrumam-se na memória indisciplinadamente, esquecem-se, e, um dia ,por um pequeno indício, um quase nada , aí estão de volta impondo-se como uma dor ou um remorso , uma alegria que se recorda. Vivas, latentes, insuperáveis.

             ..............

            A criança nasceu com problemas de saúde graves.

Tem convulsões atrás de convulsões. Cai, fere-se sangra. Perde os sentidos. Fica como se fora de cera. Configura a morte.

            O amor dos pais por ela não se cansa, nem cansa, mas o sofrimento, esgota mesmo quando o amor é a sua raiz.

            Então a tragédia irremediável duma criança, torna-se quase intolerável para a nossa compreensão.

            Ser santo, não é profissão.

            É caminho, longo e difícil.

            Nas jornadas penosas, é natural que se caía mais vezes.

 Divergir, procurar atalhos, tentar de qualquer forma iludir a fatalidade que oprime – que viver, – como disse Rilke em” Cartas a um Poeta” – é bom, porque é difícil – tem a lógica da nossa fragilidade de sermos gente, tem toda a carga da ansiedade de ser feliz que todos afagamos com esperança.

”Ajoelhada no chão, ao lado da criança, que despertava, lentamente, de mais um acidente, a mãe, com suavidade limpava o sangue que da boca lhe escorria manchando o rosto pálido e sereno na imobilidade do transe.

            As lágrimas corriam-lhe. Mas cantava com voz doce a canção preferida da criança para que o seu despertar fosse confiante.

            Foi aí, nesse momento, que a outra história reapareceu.

            A outra velha história de um outro sono, esse, sem despertar, que outro coração de mãe-avó embalou a cantar assim, pateticamente.

            Foi aí que me surgiu a necessidade de, nesta época, como quem conta um conto de Natal, contar estas duas histórias verdadeiras

            Nem sei explicar porquê.

            Talvez porque a intensidade do sofrimento às vezes nos deixa perplexos.

            Talvez pela consciência de que há dores de que não se acorda ou que não adormecem jamais.

            Talvez porque seja bom que “pisemos o chão devagarinho” sempre que nos escape o entendimento de qualquer situação.

            Em boa verdade, o que sabemos nós do sofrimento que se esconde e vive em cada coração e dos caminhos a que impele o desespero no humaníssimo desejo que todos temos de ser felizes...

            Isso, só Deus sabe!

Volto a citar Rilke, nas cartas a um poeta – “ quem sabe se, para poder começar em si (em nós) Deus não teria necessidade da sua angústia perante a vida? “

Estamos à beira do Natal.

Celebramos de novo o nascimento de Jesus.

            “ O menos que podemos fazer é não LHE resistir mais do que a Terra resiste à Primavera quando esta chega...”

            Tenhamos confiança.

Estas são também palavras de Rilke que foi considerado o poeta, por excelência, do Amor e da Morte

           

            Boas Festas para todos

Um Santo Natal de Paz e Alegria.

 

                                                                           

                      Maria José Rijo

@@@@

Jornal linhas de Elvas

           Nº 2.484 – 25/ Dez. / 98

        Conversas Soltas

 

 

estou:

publicado por Maria José Rijo às 14:55
| comentar | Favorito
partilhar
6 comentários:
De Dolores Maria a 22 de Dezembro de 2007 às 17:35
Será pela proximidade do Natal...
É Lindo e ao mesmo tempo triste este texto...
Mas gostei...
Muitos beijinhos...

Vou voltar ao trabalho... o meu leitão está
assando... hoje o perfume anda nesta casa.

Beijinhos e Feliz Natal.

Sua sobrinha virtual e admiradora

DO LO RES


De Amilcar Martins a 22 de Dezembro de 2007 às 17:40
Neste blog - cheira a Natal ...
Este mês tem sido Natal - agrada-me o bem
que me sinto aqui.

Bem haja e Feliz NAtal

Amilcar Martins


De Ana Maria Lourenço a 22 de Dezembro de 2007 às 17:48
Passei para ler mais este belo artigo.
Festas Felizes

Ana Maria


De Alberto Mateus a 22 de Dezembro de 2007 às 17:50
Tenho caminhado por aqui todos os dias.
Gosto e estou sempre à espera de artigos
novos.
Devo dizer-lhe que adoro os de caris politico.
Gosto da forma corajosa como os aborda
e como diz, desta sua maneira tão unica.

Parabéns e Feliz Natal

Alberto Mateus


De Jofre Alves a 23 de Dezembro de 2007 às 05:56
Nesta madrugada passei com apreço, e afim desejo Boas Festas e Feliz Natal com muita harmonia.


De Anónimo a 23 de Dezembro de 2007 às 14:43
Olá! Olá!
Passei só para lhe deixar um grande beijinho e desejar que tenha um feliz e santo natal na companhia dos seus entes queridos com muita saúde, paz e alegria.

Nuno Pires


Comentar post

.Maria José Rijo

.pesquisar

 

.Abril 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

17
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30


.posts recentes

. A afilhada da Tia Zé

. Páscoa - 2017

. Homenagem a Maria José Ri...

. Cá Estou ... - 1

. OLÁ Dolores

. 2007 - 2017 = 10 º Aniver...

. ENCONTROS DE CIRCUNSTÂNCI...

. Recado para os Sobrinhos ...

. Saudades

. A Feira de São Mateus 201...

.arquivos

.tags

. todas as tags

. Dia de Anos

. Então como é ?!

. Em nome de quem se cala.....

. Amarga Lucidez

. Com água no bico

. Elvas com alguma rima e ....

. 28 de Fevereiro...

. Obras do Cadete

. REGRESSO

. Feição de nobreza

.links

.Contador desde- 7-2-2007

Nova Contagem-17-4-2009 - @@@@@@@@@@@@@@@@ @@@@@@@@@@@@@@@

@@@@@@@@@@@@@@@ A Seguir-nos por aqui. Obrigado @@@@@@@@@@@@@@@@ free counters
Free counters @@@@@@

.Pensamentos de Mª José

@@@@@@@@@@@@@@@@@

@@@@ O caminho acaba ali... Ali onde começa a descoberta, O caminho é sempre estrada feita O fim do caminho É uma porta aberta... Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@ Quando o homem se render à força que o amor tem e a arma for oração pulsará na vida a paz como bate um coração. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Ser semente do futuro, é a mensagem de esperança, Que como um recado antigo, A vida nos dá a herança.- Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@ Eu penso, que é saudável e honesto reconhecer e respeitar as diferenças que nos individualizam no campo, também dosi deais.----- Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@ Há uma tal comunhão entre a obra e o autor Que até Deus concebe o Homem e o Homem - o Criador! Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ UMA IDEIA : É uma LUZ que se acende i nesperadamente no nossos espirito iluminando um caminho novo. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Sei para onde vou- pela ansia de galgar a distância- de onde estou- para o que não sou. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ A solidão é o que preenche o vazio de todas as ausências. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Quando na vida se perde, Um amigo ou um parente, P’ra que serve a Primavera? Se o frio está dentro da gente. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Mesmo sobre a saudade, a doçura do Natal, embala cada coração como uma música de esperança. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Em passadas de gigante nobre de traça e idade vem da nascente p'ras fontes dar de beber à cidade. -- Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Nas flores como nas pessoas, ás vezes a aparente fragilidade também pode esconder astúcias e artificiosos bluffes ”. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ A cada um seu direito, A cada terra seu uso, A cada boca um quinhão, A cada roca seu fuso, Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Seja cada dia um fruto- Cada fruto uma semente- Cada semente o produto- Dos passos dados em frente. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Coisas e loisas esparsas- Como a ferrugem – se pica- Como a lama dos caminhos- Se pisada… nos salpica. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Todos os dias amanhecem Crianças Pássaros Flores ! Sobre a noite das crianças Pássaros Flores que já não amanhecem Amanhecerá! Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Ao longe vejo Olivença Mais perto, Vila Real A meus pés o Guadiana Correndo manso – na crença De que tudo é Portugal Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Pátria sagrada de povo, Que emigrada- ganha pão, estás repartida- mas viva Se te bate o coração. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Portugal mais se define Onde a fronteira se traça Pode partir, mas não dobra Quem defende Pátria e Raça Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Bom seria se os recados do nosso coração chegassem ao ouvido de quem os motiva, porque então saberíamos como somos queridos e lembrados sem necessidade de telefones ou cartas. As comunicações seriam de coração para coração como a música de alma que se soltasse de um poema. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@

.ARTIGOS PUBLICADOS Em :

Jornal Linhas de Elvas - Desde 1950 @ @@@@@@@@@@@ Jornal da Beira - (Guarda) @@@@@@@@@@@ Jornal da Ilha Terceira (Açores) @@@@@@@@@@@ Jornal O Dia @@@@@@@@@@@ Jornal O Despertador @@@@@@@@@@@ Revista Norte Alentejo @@@@@@@@@@@

.LIVROS PUBLICADOS:

-E vim cantar- 1955@ -Paisagem- 1956@ -Rezas e Benzeduras- 2000@ @@@@@@@@@@@