Quinta-feira, 27 de Dezembro de 2007

A visita

Não venho, só, por compromisso, fazer a visita da praxe.

Não! – Venho por compromisso – é verdade!

Mas, venho em cumprimento da promessa feita aos leitores que muito insistiram para que eu também fizesse parte da família deste jornal, e também e muito principalmente, porque a isso me convocam, a gratidão e o bem-querer.

Estou aqui porque quando o Natal se aproxima passa a ser o coração a impor os seus desígnios, e a não consentir que qualquer outro sentimento, que não o afecto, comande os nossos actos.

Como tal, hoje, é a minha vez de falar “com a ternura dos oitenta” que um leitor, (que, deduzo, antigo como eu) – referiu – e que tomo como paradigma – para agradecer as dezenas e dezenas de cartas que me fazem crer que todos podemos e devemos da forma que nos for possível, dar algum contributo, que julguemos útil, para o bem comum.

E, muito embora, algumas vezes me sinta pouco á vontade com a importância que me parece excessiva, com que generosamente, falam do que escrevo, sei, que não são as cartas de apoio que me expõem. Sou eu que me exponho escrevendo com frontalidade o que penso, fazendo-o sem medo e assumindo com toda a responsabilidade os meus direitos e deveres de cidadania. E, sou levada a confessar que, se não fora, este sentimento de receptividade e de partilha, talvez, nem me valesse a pena escrever.

Assim que, apreço ou desapreço, são consequências naturais do risco em que incorro, e que tenho que saber aceitar, porque nada do que se diz, ou faz, é inócuo.

Santo António falou aos peixes...

São Francisco, ao irmão sol, à irmã lua, aos irmãos lobos...

Eram Santos.

Eu, sou apenas uma pessoa comum, de entre a gente comum, a quem tocam os problemas comuns a todos os comuns mortais, e acredito, que, por isso, sou entendida, por quem aplaude e, também por quem desdenha.

Quem me escreve – quase sempre – o faz sob pseudónimo e não me dá direcção para responder em particular, razão porque não me sentindo superior a ninguém, não posso, nem devo, ficar muda como se fora santa intocável, louvada em seu altar.

Assim, que neste Natal – a uma distância imensa, quando se avaliam perdas de afectos que nesta época, mais nos assombram com a saudade que sempre nos veste como uma segunda pele – eu tenha sentido a imperiosa necessidade de confessar, que com a companhia dos meus fieis leitores tem sido mais suave o passar do tempo que todos temos que percorrer para nos reencontrarmos com quem amámos e já partiu à nossa frente.

Não admira, portanto, que me abeire do Presépio com o coração cheio de gratidão pela Vida, que me deu, e dá, tantos e tão bons amigos, e que, para eles, e também para todos - quantos fazem e lêem este jornal - peça – como peço  para mim – com desejos de um Santo Natal e de um Ano Bom -  a  Paz  de Cristo.

                  

                                             Maria José Rijo

@@@@@

Jornal O Despertador

Nº 200 – 20-Dezembro-2007

 

estou:

publicado por Maria José Rijo às 16:45
| comentar | Favorito
partilhar
1 comentário:
De Gustavo Frederich a 27 de Dezembro de 2007 às 22:54
Excelente!
Mais um texto excelente, é verdade.
Gosto sempre muito de textos como este.
Onde possa estar algo mais de si, como
escritora e poetisa que é.

Este blog é prova das minhas palavras.
O fim do ano está proximo - sinto sempre
uma certa nostalgia quando o ano chega ao
fim - mas também uma espécie de alivio
misturado com uma percentagem de
curiosidade pelo ano que vem, sem esquecer
que há também uma espécie de receio pelo
Ano Novo que está prestes a entrar.

Os meus Parabens por estes belos posts.
Gosto sempre muito.

Gustavo Frederich


Comentar post

.Maria José Rijo


. ver perfil

. seguir perfil

. 55 seguidores

.pesquisar

 

.Dezembro 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
13
14
15
16

17
18
19
20
21
22
23

24
25
26
27
28
29
30

31


.posts recentes

. Apresentação do Livro de ...

. O Natal e os Poetas - 201...

. São Mateus 2017

. Participação - Programas ...

. Programa de São Mateus 20...

. Carta aos meus queridos A...

. Aniversário do Linhas - 2...

. Viagem a Fátima

. Reportagem do Jornal Linh...

. Parabéns Avelino

.arquivos

.tags

. todas as tags

. Dia de Anos

. Então como é ?!

. Em nome de quem se cala.....

. Amarga Lucidez

. Com água no bico

. Elvas com alguma rima e ....

. 28 de Fevereiro...

. Obras do Cadete

. REGRESSO

. Feição de nobreza

.links

.Contador desde- 7-2-2007

Nova Contagem-17-4-2009 - @@@@@@@@@@@@@@@@ @@@@@@@@@@@@@@@

@@@@@@@@@@@@@@@ A Seguir-nos por aqui. Obrigado @@@@@@@@@@@@@@@@ free counters
Free counters @@@@@@

.Pensamentos de Mª José

@@@@@@@@@@@@@@@@@

@@@@ O caminho acaba ali... Ali onde começa a descoberta, O caminho é sempre estrada feita O fim do caminho É uma porta aberta... Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@ Quando o homem se render à força que o amor tem e a arma for oração pulsará na vida a paz como bate um coração. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Ser semente do futuro, é a mensagem de esperança, Que como um recado antigo, A vida nos dá a herança.- Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@ Eu penso, que é saudável e honesto reconhecer e respeitar as diferenças que nos individualizam no campo, também dosi deais.----- Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@ Há uma tal comunhão entre a obra e o autor Que até Deus concebe o Homem e o Homem - o Criador! Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ UMA IDEIA : É uma LUZ que se acende i nesperadamente no nossos espirito iluminando um caminho novo. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Sei para onde vou- pela ansia de galgar a distância- de onde estou- para o que não sou. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ A solidão é o que preenche o vazio de todas as ausências. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Quando na vida se perde, Um amigo ou um parente, P’ra que serve a Primavera? Se o frio está dentro da gente. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Mesmo sobre a saudade, a doçura do Natal, embala cada coração como uma música de esperança. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Em passadas de gigante nobre de traça e idade vem da nascente p'ras fontes dar de beber à cidade. -- Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Nas flores como nas pessoas, ás vezes a aparente fragilidade também pode esconder astúcias e artificiosos bluffes ”. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ A cada um seu direito, A cada terra seu uso, A cada boca um quinhão, A cada roca seu fuso, Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Seja cada dia um fruto- Cada fruto uma semente- Cada semente o produto- Dos passos dados em frente. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Coisas e loisas esparsas- Como a ferrugem – se pica- Como a lama dos caminhos- Se pisada… nos salpica. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Todos os dias amanhecem Crianças Pássaros Flores ! Sobre a noite das crianças Pássaros Flores que já não amanhecem Amanhecerá! Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Ao longe vejo Olivença Mais perto, Vila Real A meus pés o Guadiana Correndo manso – na crença De que tudo é Portugal Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Pátria sagrada de povo, Que emigrada- ganha pão, estás repartida- mas viva Se te bate o coração. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Portugal mais se define Onde a fronteira se traça Pode partir, mas não dobra Quem defende Pátria e Raça Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Bom seria se os recados do nosso coração chegassem ao ouvido de quem os motiva, porque então saberíamos como somos queridos e lembrados sem necessidade de telefones ou cartas. As comunicações seriam de coração para coração como a música de alma que se soltasse de um poema. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@

.ARTIGOS PUBLICADOS Em :

Jornal Linhas de Elvas - Desde 1950 @ @@@@@@@@@@@ Jornal da Beira - (Guarda) @@@@@@@@@@@ Jornal da Ilha Terceira (Açores) @@@@@@@@@@@ Jornal O Dia @@@@@@@@@@@ Jornal O Despertador @@@@@@@@@@@ Revista Norte Alentejo @@@@@@@@@@@

.LIVROS PUBLICADOS:

-E vim cantar- 1955@ -Paisagem- 1956@ -Rezas e Benzeduras- 2000@ @@@@@@@@@@@