Terça-feira, 22 de Janeiro de 2008

“Reminiscências”---- Pontos de vista

Considero que há uma certa ligeireza, uma certa insensatez, na forma como por vezes, se definem escolhas e comportamentos.

O que está na moda é bom e belo, o que não estiver, tenha a qualidade que tiver nem merece apreciação.

Objectos vários, em bom estado, vão parar ao lixo porque são de cor verde e saiu em qualquer “maria” ou “anúncio” de rádio ou jornal que a moda é o amarelo ou o azul ou a cor de burro quando foge...

Ora, cá no meu conceito, como aprendi com o Ti Carrapiço que era o maioral das vacas lá naquela aldeia igual a todas as aldeias do Alentejo, que, como ilhas, perdidas no mar das searas estavam longe das rotas das modas –“ bom é sempre bom, menina! – acredite”

         “E, mau é sempre mau, nunca se deixe enganar...”

E, destas e de outras tais reminiscências se sustenta de verdade o meu coração.

Ele era um tanto filósofo.

De Inverno vestia pelico e safões sobre a jaqueta e as calças de serrobeco. No Verão as calças eram de cotim, mas não dispensava o pelico sobre a camisa de riscado.

Curtia os dias sozinho com os seus cães, acompanhando a manada pelos pastos que conhecia como a palma das próprias mãos.

Encostava-se ao cajado, olhava os longes, seguia o voo das abetardas. Sabia à distância onde havia gado morto “por via da chusma de corvos que se ajuntam! “

            Conhecia os pássaros pelo canto, sabia-lhes os hábitos, identificava cada ninho, convivia com toda a natureza envolvente, pensava nas “coisas desta vida” e reflectia.

Para o seu tempo e para o seu mister de pastor, era “letrado”. Desenhava o nome com alguns suspiros no peito a acompanhar o sacrifício dos lentos movimentos da mão calejada e fartos suores a escorrerem-lhe pelo rosto que ia limpando com um lenço que fechava enrodilhado na outra mão.

Mas, lia razoavelmente as letras gordas dos jornais e os rótulos das garrafas na taberna que, mais para ler não tinha nas redondezas, a não ser o “Borda d’Água” que se consultava o ano inteiro com a atenção que mereceria um Breviário.

Aprendera a juntar as letras só, assim se gabava, e era cheio de sabedoria.

“ Há coisas que nunca mudam!

Daqui p´ra Lisboa são as léguas que são. S´a menina for de trem, ou no camboio leva menos tempo ca mim, s’ê for a péi. Mas as léguas são nas mesmas, a questão são-nos stramportes...

Nã emporta vestir o mal de bonito! – é sempre mal, mesmo desfarçado!

Olhe, ê cá dou-me bem com ricos e pobres.

Só nã m’entendo com a corja dos polintras que querem pracer o que nã são.”

E, assim, com lucidez e convicção, defendia os seus pontos de vista bem amadurecidos no silêncio dos seus dias.

Vou andando, dizia às vezes no meio duma conversa, vou que o tempo vai piorar, o vento mudou, olhe os bezerros a farejar a chuva!

E lá ia, prevendo o tempo por sinais que pressentia como se para além dos sentidos dispusesse de códigos secretos que lhe desvendassem os ocultos mistérios da vida.

Muitas vezes me quedava a vê-lo afastar-se, no seu passo vagaroso que a idade também já condicionava e sentia que dele irradiava uma paz, uma tranquilidade como se fosse uma árvore frondosa que fizesse parte da harmonia da paisagem.

Era autêntico e verdadeiro como a terra que pisava e o céu que lhe servia de dossel.

Não o enganavam as modas, que entre o ser e o parecer, havia a raça dos pelintras que ele, por instinto, esconjurava.

 

                                   Maria José Rijo

 

@@@@@@

Jornal Linhas de Elvas

28-Abril-05 – Nº 2.811

Conversas Soltas

 

estou:

publicado por Maria José Rijo às 00:25
| comentar | Favorito
partilhar
4 comentários:
De Diogo Lourenço a 22 de Janeiro de 2008 às 01:09
Já cá estou novamente.
Li e com muita atenção - gosto das suas
reminiscencias e muito.
Os meus Parabens pela forma linda como
fala da vida, das suas memórias.

Obrigado.
Diogo Lourenço


De Dolores Maria a 22 de Janeiro de 2008 às 01:31
Mas que bem...
Que reminiscencia tão engraçada.
Gostei imenso e já tenho uma certa alegria por
ver o Ti Carrapiço. Era mesmo assim este Senhor?
Como está nesta fotografia?
E era seu Tio?
Gosto muito destas histórias.
Obrigada por no-las contar,

Beijinhos
Dolores Maria


De Flor do Cardo a 22 de Janeiro de 2008 às 01:41
Minha boa Amiga.
Sabe que estou bastante contente pelo prémio
que recebeu do Zé de Mello. Acho que ele desta
vez soube escolher muito bem.
Beijinhos à sua sobrinha Paula que tem muito
jeito e gosto para embelezar este seu lar on line.
Mas os seus textos merecem serem apreciados,
apenas os elvenses beneficiarem deste bem...
É POUCO - tem mesmo de caminhar nesta estrada
da Net - ela vai longe - e com ela os seus belos
artigo.
Lamento bastante que o Jornal Linhas não tenha a
página actualizada - eu leio - on- line - mas para a
ler a si tenho de mandar vir o Jornal por um amigo
que mo envia pelo correio. Senão como faço?
Vale mais eliminar a página on-line - não está
a servir como deveria.
Mas... minha cara amiga este blog já me alegra
nestes dias frios de inverno - em que não posso
sair de casa (coisas da idade) ...
Mas hoje - tem aqui uma reminiscencia muito
bonita - como todas da colecção.
Bem haja por tanta beleza...
Pela primavera que espalha em cada monitor
que se abre para a olhar.
Grato beijo-lhe a mão.
Até amanhã
Seu amigo
e admirador

Flor do Cardo


De Gustavo Frederich a 22 de Janeiro de 2008 às 02:19
Fico sempre encantado...
Maravilhado com a sua imensa capacidade de
contar o passado, de rever - tantos anos depois
os acontecimentos - que depois conta assim...
desta forma belissimamente encantadora.

Mil vezes obrigado por ter este blog on-line
este blog que me aproxima das minhas raizes
porque não só é preciso asas para voar ... as
raizes são muito importantes.

Beijinhos Tia.
Sabe estou olhando a minha floresta negra
agora com um manto branco a cobri-la - á
lindo.

Seu admirador

Gustavo frederich


Comentar post

.Maria José Rijo

.pesquisar

 

.Abril 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

17
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30


.posts recentes

. A afilhada da Tia Zé

. Páscoa - 2017

. Homenagem a Maria José Ri...

. Cá Estou ... - 1

. OLÁ Dolores

. 2007 - 2017 = 10 º Aniver...

. ENCONTROS DE CIRCUNSTÂNCI...

. Recado para os Sobrinhos ...

. Saudades

. A Feira de São Mateus 201...

.arquivos

.tags

. todas as tags

. Dia de Anos

. Então como é ?!

. Em nome de quem se cala.....

. Amarga Lucidez

. Com água no bico

. Elvas com alguma rima e ....

. 28 de Fevereiro...

. Obras do Cadete

. REGRESSO

. Feição de nobreza

.links

.Contador desde- 7-2-2007

Nova Contagem-17-4-2009 - @@@@@@@@@@@@@@@@ @@@@@@@@@@@@@@@

@@@@@@@@@@@@@@@ A Seguir-nos por aqui. Obrigado @@@@@@@@@@@@@@@@ free counters
Free counters @@@@@@

.Pensamentos de Mª José

@@@@@@@@@@@@@@@@@

@@@@ O caminho acaba ali... Ali onde começa a descoberta, O caminho é sempre estrada feita O fim do caminho É uma porta aberta... Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@ Quando o homem se render à força que o amor tem e a arma for oração pulsará na vida a paz como bate um coração. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Ser semente do futuro, é a mensagem de esperança, Que como um recado antigo, A vida nos dá a herança.- Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@ Eu penso, que é saudável e honesto reconhecer e respeitar as diferenças que nos individualizam no campo, também dosi deais.----- Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@ Há uma tal comunhão entre a obra e o autor Que até Deus concebe o Homem e o Homem - o Criador! Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ UMA IDEIA : É uma LUZ que se acende i nesperadamente no nossos espirito iluminando um caminho novo. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Sei para onde vou- pela ansia de galgar a distância- de onde estou- para o que não sou. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ A solidão é o que preenche o vazio de todas as ausências. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Quando na vida se perde, Um amigo ou um parente, P’ra que serve a Primavera? Se o frio está dentro da gente. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Mesmo sobre a saudade, a doçura do Natal, embala cada coração como uma música de esperança. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Em passadas de gigante nobre de traça e idade vem da nascente p'ras fontes dar de beber à cidade. -- Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Nas flores como nas pessoas, ás vezes a aparente fragilidade também pode esconder astúcias e artificiosos bluffes ”. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ A cada um seu direito, A cada terra seu uso, A cada boca um quinhão, A cada roca seu fuso, Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Seja cada dia um fruto- Cada fruto uma semente- Cada semente o produto- Dos passos dados em frente. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Coisas e loisas esparsas- Como a ferrugem – se pica- Como a lama dos caminhos- Se pisada… nos salpica. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Todos os dias amanhecem Crianças Pássaros Flores ! Sobre a noite das crianças Pássaros Flores que já não amanhecem Amanhecerá! Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Ao longe vejo Olivença Mais perto, Vila Real A meus pés o Guadiana Correndo manso – na crença De que tudo é Portugal Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Pátria sagrada de povo, Que emigrada- ganha pão, estás repartida- mas viva Se te bate o coração. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Portugal mais se define Onde a fronteira se traça Pode partir, mas não dobra Quem defende Pátria e Raça Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Bom seria se os recados do nosso coração chegassem ao ouvido de quem os motiva, porque então saberíamos como somos queridos e lembrados sem necessidade de telefones ou cartas. As comunicações seriam de coração para coração como a música de alma que se soltasse de um poema. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@

.ARTIGOS PUBLICADOS Em :

Jornal Linhas de Elvas - Desde 1950 @ @@@@@@@@@@@ Jornal da Beira - (Guarda) @@@@@@@@@@@ Jornal da Ilha Terceira (Açores) @@@@@@@@@@@ Jornal O Dia @@@@@@@@@@@ Jornal O Despertador @@@@@@@@@@@ Revista Norte Alentejo @@@@@@@@@@@

.LIVROS PUBLICADOS:

-E vim cantar- 1955@ -Paisagem- 1956@ -Rezas e Benzeduras- 2000@ @@@@@@@@@@@