Sexta-feira, 15 de Fevereiro de 2008

Magnólia

Magnolia não tem rima

-mas como uma pomba branca

-que se sonhasse flor

-vive aninhada na rama

-(verde escura , envernizada

da árvore onde foi criada)

-espalhando fino odor

com candura delicada

Magnólia não tem rima

-mas nem precisa rimar

-é formosa e surpreende

-cativa qualquer olhar

-parece que veio da China

-e mostra, sendo impostora,

-pureza duma menina

-compostura de senhora

Magnólia não tem rima

-deve ser filha dum cisne

-vogando em lago parado

-que a julgava um nenufar

-como ele tinha sonhado

-e deslizava a seu lado

-num silencio de mistério

-do seu branco imaculado

Magnólia não tem rima

-até que em noite sem lua

-a sua vida mudou

-cansada de não ter rima

-roubou da alma do cisne

-o sonho de liberdade

-que sempre tem qualquer ave

-e ganhando asas voou

Magnólia    tem rima!

-sonhou , ousou, viveu, amou !

-magnólia já rimou!

.

Maria José Rijo

.

LIVRO DAS FLORES

estou:
tags: ,

publicado por Maria José Rijo às 21:14
| comentar | Favorito
partilhar
4 comentários:
De Dolores Maria a 16 de Fevereiro de 2008 às 01:05
Meu Deus Tia
Mas esta flor é uma maravilha.
O poema um primor.
Adoro estas flores que a Tia aqui nos mostra.
A minha filha diz que vai imprimir a página
de cada uma das flores e fazer quadrinhos
para por no quarto dela. Gostei da ideia...
também quero para mim.
Obrigado Tia a cada dia gosto mais do seu blog.
Muitos beijinhos e agora vou dormir.

DO LO RES


De Gustavo Frederich a 16 de Fevereiro de 2008 às 01:24
Este poema é de uma grande beleza.
A mágnólia é uma flor que me encanta a alma
e me perfuma por inteiro. É estranho gostar
assim de uma flor. Gosto de outras, como
lhe disse - mas esta é uma flor com alma...
e a alma da magnólia - está aqui escrita pelo
seu punho.
Bem haja tia por conseguir embelezar ainda
mais o que já é belo.
Gosto muito da sua forma - escreve de alma
e coração, escreve com emoção pela vida e
entende a vida - de uma forma que eu nunca
a entenderei - porque a minha alma é
pequena e a sua grande e extremamente bela.
Vou-lhe aqui escrever o que certa vez encontre
sobre a magnólia - sem querer comparar o seu
belo poema.



das magnólias
Sabes, leitor, que estamos ambos na mesma
página
E aproveito o facto de teres chegado agora
Para te explicar como vejo o crescer de uma magnólia.
A magnólia cresce na terra que pisas —
podes pensar
Que te digo alguma coisa não necessária,
mas podia ter-te dito, acredita,
Que a magnólia te cresce como um livro
entre as mãos. Ou melhor,
Que a magnólia — e essa é a verdade —
cresce sempre
Apesar de nós.
Esta raiz para a palavra que ela lançou
no poema
Pode bem significar que no ramo que ficar
desse lado
A flor que se abrir é já um pouco de ti.
E a flor que te estendo,
Mesmo que a recuses
Nunca a poderei conhecer, nem jamais,
por muito que a ame,
A colherei.

A magnólia estende contra a minha
escrita a tua sombra
E eu toco na sombra da magnólia
como se pegasse na tua mão



Daniel Faria, in Dos Líquidos

Beijinhos e até amanhã
Gustavo Frederich


De Flor do Cardo a 16 de Fevereiro de 2008 às 14:45
Gosto das suas poesias.
Desta forma, tão sua e brilhante, de cantar
a vida, a natureza.
Os meus parabéns e também pelo prémio
que ganhou - vi - na barra lateral esquerda
o bonequinho. Muitos Parabéns.

Seu admirador

Flor do Cardo


De Maria José a 17 de Fevereiro de 2008 às 18:05
Quis, no outro dia, agradecer a bonita hitória que me contou sobre a escolha do nome de seu filho, que, alias, achei enternecedora. Obrigada por te-la contado.
Também desejei, ter-lhe expicado logo, que não tenho nenhum livro de flores publicado.O que acontece é que a Paulinha,as juntou, fez um livro para ela e outro para mim e, agora, diz :-o livro das Flores.e, desta forma, com a verdade nos engana!
Nem as histórias infantis, que escrevi para a antiga Emissora Nacional,nada, nada mais, além dos livritos que já conhece foi publicado.
Talvez devesse ter pugnado por isso, mas vivendo fora do meio onde essas coisas podem acontecer com mais fcilidade, afora as esculturinhas em madeira, nunca pensei que o que faço valesse para tanto.
E, desde que o meu marido partiu - impossivel.
Hoje, partiu mais uma das minhas Amigas de sempre.
Cada dia me sinto mais "sobrevivente", razão porque ainda que triste não quero, enquanto é tempo, deixar de mostrar como sou grata a quem me trata com amizade
Um abraço - Maria José


Comentar post

.Maria José Rijo


. ver perfil

. seguir perfil

. 55 seguidores

.pesquisar

 

.Dezembro 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
13
14
15
16

17
18
19
20
21
22
23

24
25
26
27
28
29
30

31


.posts recentes

. Apresentação do Livro de ...

. O Natal e os Poetas - 201...

. São Mateus 2017

. Participação - Programas ...

. Programa de São Mateus 20...

. Carta aos meus queridos A...

. Aniversário do Linhas - 2...

. Viagem a Fátima

. Reportagem do Jornal Linh...

. Parabéns Avelino

.arquivos

.tags

. todas as tags

. Dia de Anos

. Então como é ?!

. Em nome de quem se cala.....

. Amarga Lucidez

. Com água no bico

. Elvas com alguma rima e ....

. 28 de Fevereiro...

. Obras do Cadete

. REGRESSO

. Feição de nobreza

.links

.Contador desde- 7-2-2007

Nova Contagem-17-4-2009 - @@@@@@@@@@@@@@@@ @@@@@@@@@@@@@@@

@@@@@@@@@@@@@@@ A Seguir-nos por aqui. Obrigado @@@@@@@@@@@@@@@@ free counters
Free counters @@@@@@

.Pensamentos de Mª José

@@@@@@@@@@@@@@@@@

@@@@ O caminho acaba ali... Ali onde começa a descoberta, O caminho é sempre estrada feita O fim do caminho É uma porta aberta... Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@ Quando o homem se render à força que o amor tem e a arma for oração pulsará na vida a paz como bate um coração. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Ser semente do futuro, é a mensagem de esperança, Que como um recado antigo, A vida nos dá a herança.- Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@ Eu penso, que é saudável e honesto reconhecer e respeitar as diferenças que nos individualizam no campo, também dosi deais.----- Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@ Há uma tal comunhão entre a obra e o autor Que até Deus concebe o Homem e o Homem - o Criador! Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ UMA IDEIA : É uma LUZ que se acende i nesperadamente no nossos espirito iluminando um caminho novo. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Sei para onde vou- pela ansia de galgar a distância- de onde estou- para o que não sou. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ A solidão é o que preenche o vazio de todas as ausências. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Quando na vida se perde, Um amigo ou um parente, P’ra que serve a Primavera? Se o frio está dentro da gente. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Mesmo sobre a saudade, a doçura do Natal, embala cada coração como uma música de esperança. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Em passadas de gigante nobre de traça e idade vem da nascente p'ras fontes dar de beber à cidade. -- Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Nas flores como nas pessoas, ás vezes a aparente fragilidade também pode esconder astúcias e artificiosos bluffes ”. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ A cada um seu direito, A cada terra seu uso, A cada boca um quinhão, A cada roca seu fuso, Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Seja cada dia um fruto- Cada fruto uma semente- Cada semente o produto- Dos passos dados em frente. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Coisas e loisas esparsas- Como a ferrugem – se pica- Como a lama dos caminhos- Se pisada… nos salpica. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Todos os dias amanhecem Crianças Pássaros Flores ! Sobre a noite das crianças Pássaros Flores que já não amanhecem Amanhecerá! Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Ao longe vejo Olivença Mais perto, Vila Real A meus pés o Guadiana Correndo manso – na crença De que tudo é Portugal Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Pátria sagrada de povo, Que emigrada- ganha pão, estás repartida- mas viva Se te bate o coração. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Portugal mais se define Onde a fronteira se traça Pode partir, mas não dobra Quem defende Pátria e Raça Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Bom seria se os recados do nosso coração chegassem ao ouvido de quem os motiva, porque então saberíamos como somos queridos e lembrados sem necessidade de telefones ou cartas. As comunicações seriam de coração para coração como a música de alma que se soltasse de um poema. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@

.ARTIGOS PUBLICADOS Em :

Jornal Linhas de Elvas - Desde 1950 @ @@@@@@@@@@@ Jornal da Beira - (Guarda) @@@@@@@@@@@ Jornal da Ilha Terceira (Açores) @@@@@@@@@@@ Jornal O Dia @@@@@@@@@@@ Jornal O Despertador @@@@@@@@@@@ Revista Norte Alentejo @@@@@@@@@@@

.LIVROS PUBLICADOS:

-E vim cantar- 1955@ -Paisagem- 1956@ -Rezas e Benzeduras- 2000@ @@@@@@@@@@@