Terça-feira, 26 de Fevereiro de 2008

Cerejeira do Japão

Se um dia os beijos de amor

tivessem aberto em flor

nos lábios das doces gueixas

e por milagre voassem

como borboletas loucas

que roubassem dessas bocas

a cor

onde quer que elas pousassem

seria a festa

da sedução

do mistério

do encanto

do chamamento ao espanto

aos milagres de Beleza

das bênçãos que o Criador

espalhou por sua mão

ao criar a inefável

Cerejeira do Japão

 

Maria José Rijo

(25 de Fevereiro de 2008)

( ...para um Jardim Japonês…)

LIVRO DAS FLORES

estou:

publicado por Maria José Rijo às 13:49
| comentar | Favorito
partilhar
13 comentários:
De Gustavo Frederich a 26 de Fevereiro de 2008 às 20:23
Minha querida Tia
Estou deslumbrado com este poema
presumo - que seja feito em minha honra -
o que me deixa deveras lisongeado.
Com o pormenor do jardim japonês... é mesmo
para mim. Muitissimo obrigado Tia.

O poema está muito mais que Maravilhoso, o
poema enaltece a beleza da delicada flor e
dá-nos a conhecer a extrema sensibilidade
da Tia Zé que a sente assim, desta forma
sublime, podendo sentir-se-lhe o perfume.

A Cerejeira do Japão é
originária da Ásia, na cultura japonesa é
(chamada de Sakura no ki) sendo o
significado de Sakura flor de cerejeira. A
cerejeira era associada ao samurai cuja
vida era tão efémera quanto a da flor da
cerejeira que se desprendia da árvore.

Contou-me o meu fiel amigo Jardineiro que
uma das principais características da
cerejeira é sua efemeridade. Que o facto
das flores durarem pouco tempo nos
galhos das árvores impressionou muito
os japoneses na Idade Média, período
de guerras, o que fazia com que as
pessoas sentissem que tinham a vida
ameaçada a todo momento.
Assim, a sakura foi associada
à imagem do samurai, guerreiros
que estavam
dispostos a dar sua vida quando
necessário e de existência muitas
vezes tão breve quanto a flor da
cerejeira.

É uma história terrivel e bela mas é
o que está associado a esta flor que
acho ser perfeita.

Obrigado Tia Zé por este belissimo e
encantador poema da cerejeira do Japão.
Vou traduzir e mandar ao meu amigo
padre e ainda le-lo aqui ao meu jardineiro.
Depois lhe contarei as suas opiniões.
Eu estou encantado, a minha alma rejubila
de alegria porque a tia me dedicou um
poema tão belo.
Parabéns Tia querida.

Muitos beijinhos
Gustavo



De Dolores Maria a 26 de Fevereiro de 2008 às 21:41
Mas que linda a flor!
E o poema não se fica por menos. Está mesmo
muito lindo.
Não conhecia esta cerejeira do japão.
Conheço a cerejeira comum, aquela de sempre.
O meu pai tinha-as na hortinha lá de casa.
Todas em volta do muro. Quando floresciam era
uma maravilha, era a nossa neve. A luisinha
levava horas a apanhar todas as folhinhas para
dentro de um baldinho pequenino. Não se cansava.
Guardava-as a´té ficarem amarelas, depois
chorava imenso quando as tinhamos que deitar
ao lixo. Mas então não se podiam conservar
para sempre.

O seu poema está lindissimo.
A minha sogra gosta muito de poesia e
sabe este poema de Eugénio de Andrade
que o marido dizia vezes sem conta.

Acordar, ser na manhã de Abril
a brancura desta cerejeira;
arder das folhas à raiz,
dar versos ou florir desta maneira.

Abrir os braços, acolher nos ramos
o vento, a luz, ou o quer que seja;
sentir o tempo, fibra a fibra,
a tecer o coração de uma cereja.

...
Muitos beijinhos nossos

DO LO RES



De Adalgisa Alexandra a 26 de Fevereiro de 2008 às 22:31
TIA ZÈ
Mas este poema é LINDOOOO.
AMEI ELI - como dizem os nossos amigos
brasileiros.
É Linda esta florzinha e deve de ter um perfume,
que adoraria sentir.
Quem sabe um dia... me encontre com esta
belissima flor, então aí lembrar-me-ei de si
e deste belo poema - que vou imprimir para
a minha colecção de textos seus.

ADOREI, adoro o seu blog.
A Tia escreve tão bem e tão bonito.
Beijinhos para si minha Tia querida.
Beijinhos de Parabéns por esta flor.

Com muita amizade

Gisa


De Flor do Cardo a 26 de Fevereiro de 2008 às 22:50
Minha Amiga Maria José

Finalmente já me sinto muito melhor, creio que
este sol me trouxe mais vitalidade, por vezes
acho que morro, todos um dia um pouco mais
se os dias estão tristes, parece que a tristeza
dos céus cinzentos se junta a esta alma cansada
da vida e da solidão demim.
O meu menino que agora vive fora de Portugal,
deixa-me bem acompanhado, com uns amigos
especiais mas estou velho, acho que a cada dia
me sinto cada vez mais longe da vida.
Não fique triste pelas minhas palavras cheias
de amargura e tristeza infinitas - mas penso
que não morrerei aqui - nesta minha casa junto
ao mar - talvez eu vá para Brazilia, para junto
do meu menino - mas mesmo de lá a internet
será o meu ponto de contacto com este blog,
consigo e esta sua sensibilidade - feita de sol
e cheiro de plantas, de árvores e verdes lugares,
de primaveras e luares.
Em si a vida é luz, praia e sol - também está o
outro lado, o da noite - naturalmente que ambos
são a vida.

Estou encantado com este seu poema.
É uma maravilha maravilhosa. Uma pérola de
poesia - sem deixar de falar bem destas bonitas
fotografias - que acompanham bem as suas
palavras.

Adoro caminhar a seu lado, ouvindo-a falar...
Um abraço
Darei noticias.
Beija-lhe a mão

Flor do Cardo


De Oliveira e Sá a 27 de Fevereiro de 2008 às 01:14
Depois de algum tempo sem ter a honra de vir
ler Maria José Rijo - eis que hoje apareci.
Quedei-me a olhar e a ler enternecido o seu
blog.
Felicidades pelo aniversário do 1º ano de
existencia, pelos prémio que somou, desde a
última vez que por aqui passei.
Achei muito interessantes as colecções de
Postais das Gastronomias - uma forma brilhante
de falar e conservar os costumes das regiões
que com o tempo têm tendencia para desaparecer.
Também adorei os poemas dos livros
publicados - este belissimo de Paisagem.
E agora, estas belissimas flores, todas muito
bem urdidas, escolhidas a primor.
Este blog está muito bonito e tem fotografias
muito boas. Excelentes!

Parabéns daqui de Gondomar, a minha terra
no momento.
Resido por causa do trabalho,mas sou do Porto.
Muitos Parabéns.

Seu admirador

Oliveira e Sá


De maria josé a 28 de Fevereiro de 2008 às 13:50
Nem sempre disponho de tempo, como queria para ficar aqui na boa conversa com todos quantos fazem o favor de dar opinião sobre o conteudo deste blog. Na minha idade, já vai sendo difícil, por vezes estruturar tarefas de molde a não deixar para trás muitas coisas que me alegra fazer, até porque, o compromisso de escrever para os jornais da cidade, embora seja apenas uma tarefa não renumerada é um vínculo de amizade que me dá alguma preocupação e, embora por gosto, me ocupa tempo e espírito.
Assim hoje , já livre desses compromissos vim passar estas horas saudando-vos e agradecendo o vosso apoio.
Para dividir tarefas, peço-lhe Oliveira e Sá que faça o favor de permitir que, aqui no seu espaço eu deixe também um abraço para
Ana Maria Lourenço, que já "conheço" e para "tibeu" que acabei de encontrar.
Um abraço para todos - Maria José


De Ana Maria Lourenço a 27 de Fevereiro de 2008 às 01:17
A Senhora escreve realmente bem.
A sua poesia e prosa surpreendem-me
bastante e fico com imensa ternura por si.
Uma Senhora de oitenta anos cuja alma é
imensa, imensamente sensível e bonita.
Gosto de caminhar a seu lado, é muito
interessante ouvi-la falar...

Beijinhos
Ana maria Lourenço


De Maria josé a 1 de Março de 2008 às 15:17
Eu receio sempre deixar de agradecer qualquer "visita", porém, por vezes, já nem sei se isso acontece o que seria lamentável.Quem justifica a existência do blog, são os amigos que lhe prestam atenção. Assim que, sendo todos preciosos a todos devo o meu muito obrigada
Beijinhos - maria josé


De Gustavo Frederich a 27 de Fevereiro de 2008 às 01:36
Mesmo agora me ia deitar, mas resolvi abrir
novamente o blog e ver o presente que deixou
para mim.
É lindo.
Acredita que estou deveras encantado e deslumbrado
pela sua sensibilidade.
Este poema é como um encontro da sua alma
bonita com a beleza plena da alma da flor.
O meu jardineiro ficou encantado com o poema,
diz que conhece alguns sobre a cerejeira do
japão, alguns que ouvia aos seus avós, coisas
de ouvido, que velhos bardos que recitavam
belas e antigas baladas, cheias de encanto.
Falou-me de alguns - em japonês - idioma que
ainda não domino - arrasto a asa - mas não
consigo manter uma conversação decente.
Mas ele gostou achou com muita alma poetica,
e vindo de uma pessoa que não sendo Japonês
conseguiu colocar nas palavras a beleza das
cerejeiras. portanto está de parabéns minha
querida Tia.

Hoje no trabalho tive alguns problemas e as
reuniões sucederam-se, estou de alma partida...
um capitel coríntio caiu de uma estrutura de metal
e multiplicou-se... ainda bem que não foi uma figura
do meu Padre Pio de Pietrlcina, já que a exposição
recai sobre este homem fantástico que foi este
Padre estigmatizado.
É verdade o meu ramo é com exposições e arte,
mas também sou eu que trato dos negócios de
minha tia. Aqui em Veneza, mas não sei se ficarei
por muito tempo... parece que a minha alma
que ficou na minha floresta negra, reclama por
mim.
Estou dividido, mais uma vez...
Desculpe esta exposição de chatices, de vidas,
da minha vida, aqui tão longe, mas ao mesmo
tempo tão perto de si.
Foi um desabafo.

Obrigado Tia querida - por este poema que
vou emoldurar e colocar sobre a minha mesa
de trabalho.
Obrigada Tia.

Seu sobrinho - de longeeeee...

Gustavo Frederich


De maria josé a 27 de Fevereiro de 2008 às 10:08
está um sol magnifico - vamos para Juromenha passar o dia, a Paula, a Bia (minha empregada) e eu.De há dois ou tres anos para cá, deixei de andar de carro só.A distância é curta, são 18 K por boa estrada, mas...já não me aventuro...receio dar preocupações a quem pense em mim.
Bem gostaria de lhe mostrar o nosso retiro, que foi criado, muito especialmente para receber sobrinhos e amigos com independência, e para que pudessemos com uma simplicidade espartana envelhecer com o chão de terra à nossa porta, como sempre desejei.
Agora, aproveito a beleza do cenário em redor para algumas refeições que gosto de oferecer.Sirvo só comida típica e começo invariavelmente por sopa de pão. É um ritual.É como uma comunhão na amizade.
Quis aproveitar este intervalinho para lhe dizer que fiquei feliz por lhe ter agradado, a flor , que "li" olhando a pensar no seu jardim.Outra coisa que me tocou, ainda nem sei a que ponto, é a descoberta do seu culto pelo Padre Pio de que comungamos a Paula e eu. Temos todos os livros que encontramos sobre a sua vida. Um dos nossos sonhos era ir a Pietrelcina.
Vou deixá-o que estou com pressa mas, não ante de agradecer as" noticias"que me dá de si, da sua vida.
obrigada.Assim a sua presença fica mais real junto de nós e, até me apetece perguntar: então, meu sobrinho como correu o dia?e, arranjar uma chávena de chá para beberricarmos enquanto o ouço.
(e, aqui muito em segredo: - é uma delícia ouvi-lo e
aprender um mundo de coisas consigo)
Um beijo - tia Zé


De Gustavo Frederich a 27 de Fevereiro de 2008 às 20:41
Querida Tia
A surpresa agora é minha. Eu sei que o culto do
nosso Querido Padre Pio está a aumentar a cada
dia, o que faz Dele um culto importante, porque o
Padre Pio é importante nas nossas vidas.
Não sou muito dado na pratica do catolicismo, mas
o Santo Padre Pio ilumina por completo a minha
alma, sinto que sou ouvido, sinto que o Padre Pio
nos ouve e nos entende. Sinto que Ele é importante
em mim... sou um fervoroso "filho" de Padre Pio.
De alma e coração.
Fiquei feliz de saber que tanto Tia como sobrinha
comungam na mesma fé no Santo Padre.

Estou satisfeito por saber que Juromenha é como
um espaço, de liberdade e alegria, para si.
Imagino-a sentada numa cadeira a olhar o rio,
deixando que no seu espirito se escrevam crónicas
belas, coloridas e perfumadas - pela sua imensa
sensibilidade.
Acredito que a sua sobrinha e a sua empregada a
adorem porque - eu aqui - de longe - e só -
através da sua escrita me sinto feliz por só a
poder ler. Imagino podendo privar com V. Exª.
É um imenso privilégio.

É verdade - que venho várias vezes ao dia
olhar, ler e reler - entre um e outro afazer, é
como se espreitasse para dentro do paraiso.

Obrigado Tia
Seu sobrinho o do jardim Japonês

Gustavo Frederich


De TiBéu ( Isa) a 27 de Fevereiro de 2008 às 10:03
Nem sei como comentar, adorei, e neste momento não tenho palavras. Voltarei de certeza. Bj e boa continuação


De maria josé a 4 de Março de 2008 às 11:31
´só agora me apercebi que não lhe tinha deixado um sinal de gratidão pela visita...
Remedeio agora a falta com um abraço- valeu?
Maria josé


Comentar post

.Maria José Rijo

.pesquisar

 

.Abril 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

17
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30


.posts recentes

. A afilhada da Tia Zé

. Páscoa - 2017

. Homenagem a Maria José Ri...

. Cá Estou ... - 1

. OLÁ Dolores

. 2007 - 2017 = 10 º Aniver...

. ENCONTROS DE CIRCUNSTÂNCI...

. Recado para os Sobrinhos ...

. Saudades

. A Feira de São Mateus 201...

.arquivos

.tags

. todas as tags

. Dia de Anos

. Então como é ?!

. Em nome de quem se cala.....

. Amarga Lucidez

. Com água no bico

. Elvas com alguma rima e ....

. 28 de Fevereiro...

. Obras do Cadete

. REGRESSO

. Feição de nobreza

.links

.Contador desde- 7-2-2007

Nova Contagem-17-4-2009 - @@@@@@@@@@@@@@@@ @@@@@@@@@@@@@@@

@@@@@@@@@@@@@@@ A Seguir-nos por aqui. Obrigado @@@@@@@@@@@@@@@@ free counters
Free counters @@@@@@

.Pensamentos de Mª José

@@@@@@@@@@@@@@@@@

@@@@ O caminho acaba ali... Ali onde começa a descoberta, O caminho é sempre estrada feita O fim do caminho É uma porta aberta... Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@ Quando o homem se render à força que o amor tem e a arma for oração pulsará na vida a paz como bate um coração. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Ser semente do futuro, é a mensagem de esperança, Que como um recado antigo, A vida nos dá a herança.- Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@ Eu penso, que é saudável e honesto reconhecer e respeitar as diferenças que nos individualizam no campo, também dosi deais.----- Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@ Há uma tal comunhão entre a obra e o autor Que até Deus concebe o Homem e o Homem - o Criador! Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ UMA IDEIA : É uma LUZ que se acende i nesperadamente no nossos espirito iluminando um caminho novo. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Sei para onde vou- pela ansia de galgar a distância- de onde estou- para o que não sou. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ A solidão é o que preenche o vazio de todas as ausências. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Quando na vida se perde, Um amigo ou um parente, P’ra que serve a Primavera? Se o frio está dentro da gente. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Mesmo sobre a saudade, a doçura do Natal, embala cada coração como uma música de esperança. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Em passadas de gigante nobre de traça e idade vem da nascente p'ras fontes dar de beber à cidade. -- Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Nas flores como nas pessoas, ás vezes a aparente fragilidade também pode esconder astúcias e artificiosos bluffes ”. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ A cada um seu direito, A cada terra seu uso, A cada boca um quinhão, A cada roca seu fuso, Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Seja cada dia um fruto- Cada fruto uma semente- Cada semente o produto- Dos passos dados em frente. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Coisas e loisas esparsas- Como a ferrugem – se pica- Como a lama dos caminhos- Se pisada… nos salpica. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Todos os dias amanhecem Crianças Pássaros Flores ! Sobre a noite das crianças Pássaros Flores que já não amanhecem Amanhecerá! Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Ao longe vejo Olivença Mais perto, Vila Real A meus pés o Guadiana Correndo manso – na crença De que tudo é Portugal Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Pátria sagrada de povo, Que emigrada- ganha pão, estás repartida- mas viva Se te bate o coração. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Portugal mais se define Onde a fronteira se traça Pode partir, mas não dobra Quem defende Pátria e Raça Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Bom seria se os recados do nosso coração chegassem ao ouvido de quem os motiva, porque então saberíamos como somos queridos e lembrados sem necessidade de telefones ou cartas. As comunicações seriam de coração para coração como a música de alma que se soltasse de um poema. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@

.ARTIGOS PUBLICADOS Em :

Jornal Linhas de Elvas - Desde 1950 @ @@@@@@@@@@@ Jornal da Beira - (Guarda) @@@@@@@@@@@ Jornal da Ilha Terceira (Açores) @@@@@@@@@@@ Jornal O Dia @@@@@@@@@@@ Jornal O Despertador @@@@@@@@@@@ Revista Norte Alentejo @@@@@@@@@@@

.LIVROS PUBLICADOS:

-E vim cantar- 1955@ -Paisagem- 1956@ -Rezas e Benzeduras- 2000@ @@@@@@@@@@@