Domingo, 9 de Março de 2008

POEMA – EGOISMO

..

Este mundo em que vivemos

Não me serve!

Vê lá como eu sou ruim!

Este mundo… fê-lo Deus!

E eu, que nada sou,

Quero um mundo só p’ra mim!

Maria Jose Rijo

17-Março-1954

 

Poema nº III

Pag – 28

...

I LIVRO DE POEMAS

… E VIM CANTAR

DESENHOS da Autora

estou:
música: Livro I - Poema 3

publicado por Maria José Rijo às 21:50
| comentar | Favorito
partilhar
6 comentários:
De Gustavo Frederich a 10 de Março de 2008 às 00:58
Pequenino mas Lindo e Perfeito.
Compreendo bem as suas palavras,
quantas vezes , também me sinto assim...

Minha querida Tia Adoro os seus poemas.
Todos eles.
Sabe, antes de voltar para a minha floresta
negra, confidencio-lhe que este filho de
portugueses, tem o coração na Suiça - junto
da minha floresta negra - que amanhã vou
a um amigo - que tem uma belissima
tipografia buscar o exemplar - encadernado
a couro - com todos os textos que já foram
publicados aqui, neste seu blog, um segundo
com as quatro colecções de gastronomia, um
terceiro com as rezas e benzeduras e quando
terminarem as reminiscencias, as flores e
estes dois livros de poemas - farei o mesmo
com os restantes.
Paecem livros antigos, primeiras edições
diria eu...
estou encantado depois digo-lhe como ficaram,
por esta razão - e espero não a magoar - não
vou aceitar o livro que tão gentilmente me
oferece. - Quem sabe se no futuro - nalguma
vez que eu vá aPortugal,
de férias, eu passe por Elvas, e vá finalmente
conhecer a minha queridinha Tia Zé.
Muitos beijinhos

Gustavo Frederich


De Maria José a 10 de Março de 2008 às 12:43
Meu sobrinho querido - Vou-lhe contar uma coisa: tenho a mania de oferecer livros. Este ano no Verão, até levei um, de presente, para a empregada que trata da casa de minha irmã, no Algarve.
A minha irmã riu-se, mas a Lina leu e gostou.
Acontece que ,só os meus livros, me envergonho de dar, porque sendo meus, interiorizei que nada valem.
razão pela qual ainda possuo -cinco-de há cinquenta anos!!
Ora acontece,- como no fado da Amália - que, "quis Deus",- me aparecesse alguém com uma cultura e sensibilidade notáveis, que me deu o melhor e mais reconfortante prémio da minha vida - fez-me acreditar que algumas coisas, mesmo sendo minhas podem ter algum valor.
Daí a lembrança,de os oferecer aos cinco primeiros amigos que desde o início do blog me acompanham.
Sei, porque pelo Natal já me dissera que havia mandado encadernar os artigos do blog de que tinha gostado.
Acho desnecessário que chova no molhado, como se diz aqui no Alentejo .
Claro que o entendo, e também lhe conto que a minha maior preocupação é não saber o que fazer aos livros .etc.etc. de que nos fomos rodeando ao longo da vida ,e que gostaria permanecessem juntos como estão.
Vou tentar, quanto antes, que o tempo urge, oferecer tudo a Juromenha para inicio de uma pequena biblioteca. Vamos ver! - Sonhos não faltam.
Adorei as lenga- lengas, delas só conhecia uma.
A Paula começou outro blog para mim, desta vez é com o relato das minhas cruzadas em defeza da cidade.Dela tem alguns, mas nõ gosta que se fale disso. Tenho pena mas respeito.
Ela é uma artista, é a filha ou neta que qualquer velhota sonha
Assim como o Frederich é o ideal de sobrinho querido.
Um beijo - Maria José.


De Regina a 13 de Julho de 2008 às 09:04
Descobri o seu blog por acaso quando procurava poesias. Considere-me sua fã...são tão profundas algumas delas que me emociono.
Especialmente a que se refere ao Alentejo (eu vivi em Reguengos, terra natal da minha mãe), "ser vagabundo no mundo", "encontrei-te", "ai deve ser bom estar louco"...enfim...todas maravilhosas.
Sem dúvida por detrás do nome se esconde um espirito esclarecido...
Um grande abraço
Regina


De Dolores Maria a 10 de Março de 2008 às 02:27
Passei para deixar um beijinho.
Tia querida já é muito tarde.
Vou dormir e adorei este seu poema.

DO LO RES


De Maria josé a 10 de Março de 2008 às 12:51
Queridos - vim aqui a net falar com outro sobrinho, mas não posso passar à sua porta sem dizer :- olá e dar-lhes um beijinho.
Vou ter a tarde cheia mas, graças a Deus a Paula não tem visitas guiadas nem outros afazeres . Assim vamos as duas e, embora o dia esteja ventoso e frio contamos ir espreitar as olaias que já estão em festa cheias de flor.
Beijinhos - tia Zé


De Dolores Maria a 10 de Março de 2008 às 20:38
Um comentário para mim.
Que linda a minha Tia.
Aqui rtambém temos bonitas Olaias, a
Luisinha adorava recolher as florzinhas
e andava com elas numa cestinha, dizia
que era fruta.

Espero ter conseguido terminar todos os
afazeres desta tarde.
Eu também ando muito atarefada com a
Páscoa e as cerimónias da Igreja, são
também os ensaios... uma imensa agenda
para cumprir - se não fosse a minha querida
sogrinha nem sei como seria.
A Luisinha também está cá em casa - veio
passar a Pascoa - o que nos deixa muito
feliz. A familia toda reunida mas veio também
porque a gravidez está a ser muito dificil...

Beijinhos Tia.
Desculpe se agora não estou tão presente
como gostaria mas o tempo está muito curto...
Se poder hoje virei ver as actualizações.

Beijinhos Tia zinha querida

DO LO RES


Comentar post

.Maria José Rijo


. ver perfil

. seguir perfil

. 53 seguidores

.pesquisar

 

.Setembro 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
13
14
15
16

17
19
21
22
23

24
27
28
29
30


.posts recentes

. São Mateus 2017

. Participação - Programas ...

. Programa de São Mateus 20...

. Carta aos meus queridos A...

. Aniversário do Linhas - 2...

. Viagem a Fátima

. Reportagem do Jornal Linh...

. Parabéns Avelino

. Parabéns Luciano

. CONVITE

.arquivos

.tags

. todas as tags

. Dia de Anos

. Então como é ?!

. Em nome de quem se cala.....

. Amarga Lucidez

. Com água no bico

. Elvas com alguma rima e ....

. 28 de Fevereiro...

. Obras do Cadete

. REGRESSO

. Feição de nobreza

.links

.Contador desde- 7-2-2007

Nova Contagem-17-4-2009 - @@@@@@@@@@@@@@@@ @@@@@@@@@@@@@@@

@@@@@@@@@@@@@@@ A Seguir-nos por aqui. Obrigado @@@@@@@@@@@@@@@@ free counters
Free counters @@@@@@

.Pensamentos de Mª José

@@@@@@@@@@@@@@@@@

@@@@ O caminho acaba ali... Ali onde começa a descoberta, O caminho é sempre estrada feita O fim do caminho É uma porta aberta... Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@ Quando o homem se render à força que o amor tem e a arma for oração pulsará na vida a paz como bate um coração. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Ser semente do futuro, é a mensagem de esperança, Que como um recado antigo, A vida nos dá a herança.- Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@ Eu penso, que é saudável e honesto reconhecer e respeitar as diferenças que nos individualizam no campo, também dosi deais.----- Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@ Há uma tal comunhão entre a obra e o autor Que até Deus concebe o Homem e o Homem - o Criador! Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ UMA IDEIA : É uma LUZ que se acende i nesperadamente no nossos espirito iluminando um caminho novo. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Sei para onde vou- pela ansia de galgar a distância- de onde estou- para o que não sou. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ A solidão é o que preenche o vazio de todas as ausências. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Quando na vida se perde, Um amigo ou um parente, P’ra que serve a Primavera? Se o frio está dentro da gente. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Mesmo sobre a saudade, a doçura do Natal, embala cada coração como uma música de esperança. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Em passadas de gigante nobre de traça e idade vem da nascente p'ras fontes dar de beber à cidade. -- Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Nas flores como nas pessoas, ás vezes a aparente fragilidade também pode esconder astúcias e artificiosos bluffes ”. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ A cada um seu direito, A cada terra seu uso, A cada boca um quinhão, A cada roca seu fuso, Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Seja cada dia um fruto- Cada fruto uma semente- Cada semente o produto- Dos passos dados em frente. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Coisas e loisas esparsas- Como a ferrugem – se pica- Como a lama dos caminhos- Se pisada… nos salpica. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Todos os dias amanhecem Crianças Pássaros Flores ! Sobre a noite das crianças Pássaros Flores que já não amanhecem Amanhecerá! Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Ao longe vejo Olivença Mais perto, Vila Real A meus pés o Guadiana Correndo manso – na crença De que tudo é Portugal Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Pátria sagrada de povo, Que emigrada- ganha pão, estás repartida- mas viva Se te bate o coração. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Portugal mais se define Onde a fronteira se traça Pode partir, mas não dobra Quem defende Pátria e Raça Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Bom seria se os recados do nosso coração chegassem ao ouvido de quem os motiva, porque então saberíamos como somos queridos e lembrados sem necessidade de telefones ou cartas. As comunicações seriam de coração para coração como a música de alma que se soltasse de um poema. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@

.ARTIGOS PUBLICADOS Em :

Jornal Linhas de Elvas - Desde 1950 @ @@@@@@@@@@@ Jornal da Beira - (Guarda) @@@@@@@@@@@ Jornal da Ilha Terceira (Açores) @@@@@@@@@@@ Jornal O Dia @@@@@@@@@@@ Jornal O Despertador @@@@@@@@@@@ Revista Norte Alentejo @@@@@@@@@@@

.LIVROS PUBLICADOS:

-E vim cantar- 1955@ -Paisagem- 1956@ -Rezas e Benzeduras- 2000@ @@@@@@@@@@@