Quarta-feira, 2 de Abril de 2008

Reminiscências III

           

        No começo de um novo ano – e, desta feita, um ano tão especial que é o último antes do tão esperado, cantado e louvado ano 2000 – nada mais a preceito do que levantar de sob a poeira dos tempos recordações. E, se não forem tristes, bem melhor será...

Reminiscências têm a leveza do que é vagamente recordado. São a ponta, o esparso do que vagueia na memória e é lembrado sem a exactidão, o peso, o recorte preciso, a importância do que se pode designar por uma verdadeira lembrança, penso eu.

            Gosto de reminiscências.

            São uma espécie de indícios, sugestões para caminhos do pensamento por onde se avança, ou não... De onde se foge, ou não...

            Como contraponto a este 2000 em que tudo será novo, reluzente, imponderável, em que até os computadores tremerão...e a nossa moeda, o consagrado escudo se prepara para falecer, embora nunca tivesse gozado de tão boa saúde...

            Nesta mesma era, em que os homens, creio e receio, vão continuar a fazer guerras cada vez mais cruéis e injustas vou relembrar uma quase anedota com raízes muito fundas no tempo. Talvez lá pelos princípios do século XIII, quando as ordens religiosas eram compostas de frades mendicantes, porque os seus princípios assentavam no voto de pobreza.

           Quem sabe!...                                                                   

Dos personagens mais usados nas velhas historietas eram os padres, e os frades, para além das princesas, reis e rainhas , quando se tratasse de narrativas amorosas

            Os padres e os frades andavam mais ligados a contos de pobreza ,a falta de proventos que os faziam criar ardis e manhas para vencer necessidades de sobrevivência  .Assim que, em certa época, nada tendo, havia dias , para comer ,amarelo de fome ,disse um padre ao sacristão para ir pelos arredores pedir aos proprietários ricos das redondezas qualquer coisa que os salvasse de tal aperto, enquanto ele dizia missa e  pregava o seu sermão.

            Decorria a cerimónia quando o padre avistou o sacristão a entrar discretamente na igreja. Não resistiu o coitado a indagar a sorte que o esperava e, metendo os seus cuidados no meio das latinadas cantou com ansiedade: - tu que foste e que vieste dize-me lá o que trouxeste?

            Apanhando a entoação, respondeu o sacristão: - trouxe um mémé preso por um pé.

            Não podendo conter a alegria levantou o padre os braços para os céus e disse: graças a Deus! - E os fiéis repetiram: - graças a Deus!

            Porém, faminto e curioso continuou na mesma cantilena: - o que lhe fizeste?

            Já está morto e esfolado boiando num ensopado, esclareceu cúmplice o sacristão.

            Radiante diz o padre: - Deus seja louvado!

            Deus seja louvado! Repete a assistência.

            Está o sermão acabado que se Deus não me acudia de jejum eu já morria

            Amem! Disse o povo que de latim e cantoria nada entendia.

 

           Estas historietas, aparentemente inócuas, revelam na sua ingenuidade, segredos de outras eras.

            São contos chegados até nós por tradição oral. Para muitos não terão interesse, para outros, darão para sorrir e para pensar.

            Pessoalmente, encantam-me e, passo-os com a intenção com que me foram

narrados, como herança da memória do povo que somos.

 

                                   Maria José Rijo

 

@@@@@

Jornal Linhas de Elvas

Nº 2.486 – 8 / Janeiro / 1999

Conversas Soltas

 

estou:
música: Reminiscência - 3

publicado por Maria José Rijo às 00:03
| comentar | Favorito
partilhar
2 comentários:
De Bernardo Oliveira a 2 de Abril de 2008 às 09:51
EXCELENTE.
Adoro sempre as suas reminiscências.
Gosto imenso, imenso do seu blog.
Os meus sinceros Parabéns a Senhora tem
uma escrita Fantástica, gosto de coração.

Um beijinho deste seu admirador do Porto
Bernardo Oliveira


De Flor do Cardo a 2 de Abril de 2008 às 16:08
Cara amiga
é com trisreza que lhe venho dizer que a nossa
empregada a Dulcimar morreu ontem de dengue.
Estamos muito tristes porque era uma rapariguita
muito simpatica e atenta, principalmente comigo.
Não conseguiram salva-la...
Coitadita...

Cé vim eu ler o seu belo texto, a sua reminiscência
sempre tão bonitas e cheias desse seu passado
- sempre presente em nós.
As oliveiras anteriores são uma preciosidade, umas
árvores belissimas.
O seu blog é realmente um mundo muito bonito.
Até logo

Com muita admiração
Luciano


Comentar post

.Maria José Rijo


. ver perfil

. seguir perfil

. 55 seguidores

.pesquisar

 

.Dezembro 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
13
14
15
16

17
18
19
20
21
22
23

24
25
26
27
28
29
30

31


.posts recentes

. Apresentação do Livro de ...

. O Natal e os Poetas - 201...

. São Mateus 2017

. Participação - Programas ...

. Programa de São Mateus 20...

. Carta aos meus queridos A...

. Aniversário do Linhas - 2...

. Viagem a Fátima

. Reportagem do Jornal Linh...

. Parabéns Avelino

.arquivos

.tags

. todas as tags

. Dia de Anos

. Então como é ?!

. Em nome de quem se cala.....

. Amarga Lucidez

. Com água no bico

. Elvas com alguma rima e ....

. 28 de Fevereiro...

. Obras do Cadete

. REGRESSO

. Feição de nobreza

.links

.Contador desde- 7-2-2007

Nova Contagem-17-4-2009 - @@@@@@@@@@@@@@@@ @@@@@@@@@@@@@@@

@@@@@@@@@@@@@@@ A Seguir-nos por aqui. Obrigado @@@@@@@@@@@@@@@@ free counters
Free counters @@@@@@

.Pensamentos de Mª José

@@@@@@@@@@@@@@@@@

@@@@ O caminho acaba ali... Ali onde começa a descoberta, O caminho é sempre estrada feita O fim do caminho É uma porta aberta... Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@ Quando o homem se render à força que o amor tem e a arma for oração pulsará na vida a paz como bate um coração. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Ser semente do futuro, é a mensagem de esperança, Que como um recado antigo, A vida nos dá a herança.- Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@ Eu penso, que é saudável e honesto reconhecer e respeitar as diferenças que nos individualizam no campo, também dosi deais.----- Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@ Há uma tal comunhão entre a obra e o autor Que até Deus concebe o Homem e o Homem - o Criador! Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ UMA IDEIA : É uma LUZ que se acende i nesperadamente no nossos espirito iluminando um caminho novo. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Sei para onde vou- pela ansia de galgar a distância- de onde estou- para o que não sou. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ A solidão é o que preenche o vazio de todas as ausências. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Quando na vida se perde, Um amigo ou um parente, P’ra que serve a Primavera? Se o frio está dentro da gente. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Mesmo sobre a saudade, a doçura do Natal, embala cada coração como uma música de esperança. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Em passadas de gigante nobre de traça e idade vem da nascente p'ras fontes dar de beber à cidade. -- Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Nas flores como nas pessoas, ás vezes a aparente fragilidade também pode esconder astúcias e artificiosos bluffes ”. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ A cada um seu direito, A cada terra seu uso, A cada boca um quinhão, A cada roca seu fuso, Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Seja cada dia um fruto- Cada fruto uma semente- Cada semente o produto- Dos passos dados em frente. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Coisas e loisas esparsas- Como a ferrugem – se pica- Como a lama dos caminhos- Se pisada… nos salpica. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Todos os dias amanhecem Crianças Pássaros Flores ! Sobre a noite das crianças Pássaros Flores que já não amanhecem Amanhecerá! Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Ao longe vejo Olivença Mais perto, Vila Real A meus pés o Guadiana Correndo manso – na crença De que tudo é Portugal Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Pátria sagrada de povo, Que emigrada- ganha pão, estás repartida- mas viva Se te bate o coração. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Portugal mais se define Onde a fronteira se traça Pode partir, mas não dobra Quem defende Pátria e Raça Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Bom seria se os recados do nosso coração chegassem ao ouvido de quem os motiva, porque então saberíamos como somos queridos e lembrados sem necessidade de telefones ou cartas. As comunicações seriam de coração para coração como a música de alma que se soltasse de um poema. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@

.ARTIGOS PUBLICADOS Em :

Jornal Linhas de Elvas - Desde 1950 @ @@@@@@@@@@@ Jornal da Beira - (Guarda) @@@@@@@@@@@ Jornal da Ilha Terceira (Açores) @@@@@@@@@@@ Jornal O Dia @@@@@@@@@@@ Jornal O Despertador @@@@@@@@@@@ Revista Norte Alentejo @@@@@@@@@@@

.LIVROS PUBLICADOS:

-E vim cantar- 1955@ -Paisagem- 1956@ -Rezas e Benzeduras- 2000@ @@@@@@@@@@@