Terça-feira, 8 de Abril de 2008

POEMA – PREOCUPAÇÂO

.

Para que nasci eu?...

 

Que desígnio foi o TEU

Quando me criaste?

 

Aponta-me o caminho,

Põe-me na peugada do sonho que tiveste

Quando fui gerada!

 

O tempo urge, Senhor!

E eu, ando à toa...

 

Dá-me a Tua mão!

Que, encaminhada,

Quando me chamares,

Estarei na Tua estrada!...

 

 

 

Maria José Rijo

28 – 1 - 1954

.

.

LIVRO de Poemas

… E VIM CANTAR

 .

Poema nº 9

Pág. – 53

Desenhos da autora

estou:
música: Livro - I - Poema 9

publicado por Maria José Rijo às 17:27
| comentar | Favorito
partilhar
7 comentários:
De Dolores Maria a 8 de Abril de 2008 às 22:02
É LINDA TIA.
Triste mas muito profunda.
Gosto muito dos seus poemas.
Mas hoje está triste daí ter feito este poema tão triste.
Estive a ler o comentário que fez para a Flor do
Cardo.
Não esteja triste Tia querida nós aqui na net
eu e a minha familia gostamos muito do que escreve
e pensamos muito em si.
Acredite.
Beijinhos

DO LO RES

Ah! uma novidade a minha Luisinha hoje teve um
desejo de comer migas e imagine peguei na sua
receita das miguinhas e fui ter com ela.
Ainda nos lembramos do seu convite de ir a sua casa
comer as suas miguinhas mas era impossivel.
Estavam boas - achamos - mas certamente não
tão boas quanto as suas.
Entretant a Luizinha deu-nos uma noticia de que
brevemente iriam para espanha - e a tia imagine
que o meu Avelino também quer ir.
Deixe lá ver que volta ainda vamos dar.
Depois contu-lhe tudo no entanto uma coisa é
certa vá eu para onde for - a net vai comigo e
a Tia também

Muitos beijinhos tia querida

DO LO RES


De Flor do Cardo a 8 de Abril de 2008 às 22:13
Cara Maria José
Estive a ler com imensa atenção o seu comentário
para mim e sinto muito que sofra tanto.
A morte é inevitável mas arrasta-nos sempre por
terra, para aquele lugar profundo de nós.
Ainda não tinha dito nada da sua amiga que morreu
é que não me recordava de quem era e na verdade
penso que ainda não sei muito bem de quem se
trata.
Lamento essas mortes - de pessoas suas amigas e
tão seguidas.
Ficamos sem plavaras quando a morte vem assim
de mansinho e nos rouba pessoas que nos fazem
falta.

Nota-se a sua tristeza no poema escolhido.
Minha amiga a sua alma é imensa e linda como
diz por vezes um senhor que aqui comenta
assiduamente - Gustavo Frederich.
Compreendo que ele sinta paixão pela sua
forma de escrever - é que eu sinto o mesmo.
A Senhora enriquece quem a lê.
O meu filho diz que é uma prosa que convida
a permanecer no blog - já que tem o dom de
encantar quem a lê.

Parabéns amiga Maria José e não se deixe
abater a vida é uma só e temos de turar dela
o melhor que ele tem para nos oferecer.

Um abraço
e Parabéns por mais um belo poema

Luciano


De Gustavo Frederich a 8 de Abril de 2008 às 23:48
Queridinha Tia
Mas este poema é uma delicia...
Nasceu porque tem uma alma grande talhada
na mão de Deus , cresceu de alma pura e verdadeira
onde a escrita se tornou no seu caminho - num
caminho de encantar - DE me encantar - mesmo
80 anos depois - encanta na mesma forma, como
no primeiro olhar, que encantou sua Mãe.

Triste mas Belo - a sua vida vale muito tia, a sua
presença é um raio de sol - pergunte a quem a
ama, a quem lhe sorri, a quem olha para si.
A Senhora encanta - este seu blog é como parte
da sua alma - um pedacinho da sua sala de
visitas - eu assim vejo este blog - lindo e cheio
de uma beleza especial - tem aqui muito de si e
a escrita - delicia-me - a poesia que a Tia me
mostra.

Mas noto-a mais triste que outras vezes - não sei
(foi no que li) noutro comentário...
.
Como diz Froid:
Somos feitos de carne, mas temos de viver como se fôssemos de ferro.
.
Nem sempre é facil e acredito até que é bem mais
dificil.
.
Gosto muito de si Tia e não a queria ver triste

.
.
MADRIGAL

Toda a manhã
fui a flor
impaciente
por abrir

Toda a manhã
fui ardor
do sol
no teu telhado

Toda a manhã
fui ave
inquieta
no teu jardim

Toda a manhã
fui ave ou sol ou flor
secretamente
ao pé de ti.

Eugánio de Andrade

....
Muitos beijinhos Tia querida.
Gosto muito de si.

Gustavo Frederich


De Álvaro Lopes Ranita a 9 de Abril de 2008 às 00:50
Perfeito.
Este poema tem a grandeza dos grandes poetas
de alma e coração.
A sua poesia é digna de alguém que tem uma
alma linda capaz de escrever uma poesia assim.

Que Deus a bendiga como até aqui.
Gosto do seu Blog - encanta pela forma bela
em que está exposto e encanta principalmente
pela qualidade dos Textos - ambos - prosa ou
poesia - me encantam bastante.

Parabéns

Álvaro Lopes Ranita


De Maria José a 12 de Abril de 2008 às 21:16
São os leitores como Alvaro Ranita que justificam que pessoas como eu continuem a escrever.
Obrigada, muito obrigada
maria José


De Damasio Teixeira a 9 de Abril de 2008 às 09:12
Sinceramente gosto...
Gosto imenso do seu blog.
Gosto da sua forma Lusiada de falar, de escrever.
É sempre um prazer ler a sua prosa e eu e a minha
mulher somos uns apaixonados pela sua poesia.
Todos os dias lemos o seu blog, nem sempre
escrevemos mas Adoramos.
Este seu poema é muito bom, como todos os que
aqui nos mostra.

Ah e muitos Parabéns pelo seu aniversário - para
nós é um exemplo de vida - uma Senhora com
82 anos - na net e com um blog tão bonito e BOM.
É de louvar a sua nobreza de alma, a sua
sensibilidade e bom gosto.
Tem também boas fotografias e nós gostamos
imensos de ler tantas maravilhas.

Continue por favor.
Com admiração

Damasio e Lurdes Teixeira


De Maria José a 12 de Abril de 2008 às 21:27
Obrigada pelos parabens
Obrigada pelo apoio
E...obrigada a Deus, por me dar amigos novos e tão generosos nesta altura do "caminho"...
Um abraço grande para Lurdes e Damásio Teixeira
Maria josé Rijo


Comentar post

.Maria José Rijo


. ver perfil

. seguir perfil

. 53 seguidores

.pesquisar

 

.Setembro 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
13
14
15
16

17
19
21
22
23

24
27
28
29
30


.posts recentes

. São Mateus 2017

. Participação - Programas ...

. Programa de São Mateus 20...

. Carta aos meus queridos A...

. Aniversário do Linhas - 2...

. Viagem a Fátima

. Reportagem do Jornal Linh...

. Parabéns Avelino

. Parabéns Luciano

. CONVITE

.arquivos

.tags

. todas as tags

. Dia de Anos

. Então como é ?!

. Em nome de quem se cala.....

. Amarga Lucidez

. Com água no bico

. Elvas com alguma rima e ....

. 28 de Fevereiro...

. Obras do Cadete

. REGRESSO

. Feição de nobreza

.links

.Contador desde- 7-2-2007

Nova Contagem-17-4-2009 - @@@@@@@@@@@@@@@@ @@@@@@@@@@@@@@@

@@@@@@@@@@@@@@@ A Seguir-nos por aqui. Obrigado @@@@@@@@@@@@@@@@ free counters
Free counters @@@@@@

.Pensamentos de Mª José

@@@@@@@@@@@@@@@@@

@@@@ O caminho acaba ali... Ali onde começa a descoberta, O caminho é sempre estrada feita O fim do caminho É uma porta aberta... Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@ Quando o homem se render à força que o amor tem e a arma for oração pulsará na vida a paz como bate um coração. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Ser semente do futuro, é a mensagem de esperança, Que como um recado antigo, A vida nos dá a herança.- Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@ Eu penso, que é saudável e honesto reconhecer e respeitar as diferenças que nos individualizam no campo, também dosi deais.----- Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@ Há uma tal comunhão entre a obra e o autor Que até Deus concebe o Homem e o Homem - o Criador! Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ UMA IDEIA : É uma LUZ que se acende i nesperadamente no nossos espirito iluminando um caminho novo. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Sei para onde vou- pela ansia de galgar a distância- de onde estou- para o que não sou. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ A solidão é o que preenche o vazio de todas as ausências. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Quando na vida se perde, Um amigo ou um parente, P’ra que serve a Primavera? Se o frio está dentro da gente. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Mesmo sobre a saudade, a doçura do Natal, embala cada coração como uma música de esperança. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Em passadas de gigante nobre de traça e idade vem da nascente p'ras fontes dar de beber à cidade. -- Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Nas flores como nas pessoas, ás vezes a aparente fragilidade também pode esconder astúcias e artificiosos bluffes ”. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ A cada um seu direito, A cada terra seu uso, A cada boca um quinhão, A cada roca seu fuso, Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Seja cada dia um fruto- Cada fruto uma semente- Cada semente o produto- Dos passos dados em frente. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Coisas e loisas esparsas- Como a ferrugem – se pica- Como a lama dos caminhos- Se pisada… nos salpica. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Todos os dias amanhecem Crianças Pássaros Flores ! Sobre a noite das crianças Pássaros Flores que já não amanhecem Amanhecerá! Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Ao longe vejo Olivença Mais perto, Vila Real A meus pés o Guadiana Correndo manso – na crença De que tudo é Portugal Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Pátria sagrada de povo, Que emigrada- ganha pão, estás repartida- mas viva Se te bate o coração. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Portugal mais se define Onde a fronteira se traça Pode partir, mas não dobra Quem defende Pátria e Raça Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Bom seria se os recados do nosso coração chegassem ao ouvido de quem os motiva, porque então saberíamos como somos queridos e lembrados sem necessidade de telefones ou cartas. As comunicações seriam de coração para coração como a música de alma que se soltasse de um poema. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@

.ARTIGOS PUBLICADOS Em :

Jornal Linhas de Elvas - Desde 1950 @ @@@@@@@@@@@ Jornal da Beira - (Guarda) @@@@@@@@@@@ Jornal da Ilha Terceira (Açores) @@@@@@@@@@@ Jornal O Dia @@@@@@@@@@@ Jornal O Despertador @@@@@@@@@@@ Revista Norte Alentejo @@@@@@@@@@@

.LIVROS PUBLICADOS:

-E vim cantar- 1955@ -Paisagem- 1956@ -Rezas e Benzeduras- 2000@ @@@@@@@@@@@