Sexta-feira, 2 de Maio de 2008

Cácia

À memória

de

Maria da Conceição Caldeira Tierno

(Cácia)

 

 

Nela, o que eu mais gostava

Era da alma, que eu não via

Mas que a iluminava!...

 

Ela era bonita, mas se agradava…

Era mais o jeito com que cativava…

 

Nunca mais a vi, Morreu,

E a saudade torturante nasceu.

Porquê? Não sei!

Se aquilo que nela mais queria

Era a alma

Que existe, como existia…

 

Não, não percebo esta vontade louca

De ver falar ou sorrir a sua boca…

Se nela mais gostava,

Se nela mais se queria…

De alma que Deus guardou

Para estar connosco algum dia!

 

Ela era bonita, mas se agradava…

Era mais do jeito com que a cativava!...

 

Maria José Rijo

20 – Novembro– 1953

I Livro de Poemas

... E vim cantar

Poema nº 17

Pág – 89

Desenhos da Autora

 

estou:
música: I livro de Poemas - Poema nº 17

publicado por Maria José Rijo às 00:21
| comentar | Favorito
partilhar
6 comentários:
De Dolores Maria a 2 de Maio de 2008 às 01:36
Querida Tia
Sei que já está informasa do que se passa.
Venho agradecer as suas palavras amigas e
tirar-lhe mais uma preocupação. Decidi que
apenas vou parar com as medicações - não
vou fazer cura de sonho nenhuma - vou apenas
viver um dia após o outro e será o que Deus
quizer.
Agora não tomarei nada de nada...

No entanto não deixo de tomar... uma colherada
do melhor remédia para a minha alma - que é
andar por aqui - pelo seu blog - onde espero a
cada dia as suas novidades.

Este poema é uma maravilha - se eu morresse
gostaria que alguém escreve assim de mim...
Mas estamos longe e não é assim...
Obrigado por ser minha amiga

Agora vou dormir ou ainda caio para o lado.
Beijinhos

DO LO RES


De Maria josé a 2 de Maio de 2008 às 22:47
Querida Dolores - venho contar a minha alegria por saber que se recusa a tornar-se uma senhora dependente de " pastilhas"e que vai continuar a ser alegre, espontânea, engraçada e irradiante de simpatia. A "paxão" de Avelino e de Luisinha,ternura de Sogrinha, encanto de amigos.
Creia que, com mais ou menos chá de tília com flor de laranjeira, o tempo, como disse o nosso grande épico a tudo dá talho.
Força! - Beijinhos da Paulinha e da tia Zé


De Gustavo Frederich a 2 de Maio de 2008 às 01:39
Mas que poema Lindo
Estou mais que apaixonado pela sua
maravilhosa poesia.
Mais um poema lindi ssi mo que muito me agradou.
Até fiquei emocionado...

Parabéns Tiazinha

Gus


De Maria José a 2 de Maio de 2008 às 23:02
Meu sobrinho querido
Mas que silêncio sobre os passeios com o cavalo novo!
Porquê?
Essa amizade como vai?
Não acredito que Antares seja indiferente a dono tão afectuoso.
Ainda não lhe disse como acho lindo o seu deminutivo - Gus.
Chego a pensar que nasceu mesmo meu sobrinho
Um beijo - tia Zé


De Gisa a 2 de Maio de 2008 às 09:53
Oh tia
que lindo o seu poema.
Estou deveras encantada com ele.
Deve mesmo de ter sido muito sua amiga - para
que a sua alma conseguisse escrever assim...
Também a sua alma é linda que vê a beleza de
outras e as descreve assim.
Adorei

Gisa


De maria José a 2 de Maio de 2008 às 23:14
Gisa
Já estou ficando tão habituada com as vossas presenças que quando me faltam já quase me preocupo.
É bom contar com a vossa amizade ,companhia e o vosso interesse pelo blog. Obrigada.
Um beijo
Tia Zé


Comentar post

.Maria José Rijo


. ver perfil

. seguir perfil

. 55 seguidores

.pesquisar

 

.Dezembro 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
13
14
15
16

17
18
19
20
21
22
23

24
25
26
27
28
29
30

31


.posts recentes

. Apresentação do Livro de ...

. O Natal e os Poetas - 201...

. São Mateus 2017

. Participação - Programas ...

. Programa de São Mateus 20...

. Carta aos meus queridos A...

. Aniversário do Linhas - 2...

. Viagem a Fátima

. Reportagem do Jornal Linh...

. Parabéns Avelino

.arquivos

.tags

. todas as tags

. Dia de Anos

. Então como é ?!

. Em nome de quem se cala.....

. Amarga Lucidez

. Com água no bico

. Elvas com alguma rima e ....

. 28 de Fevereiro...

. Obras do Cadete

. REGRESSO

. Feição de nobreza

.links

.Contador desde- 7-2-2007

Nova Contagem-17-4-2009 - @@@@@@@@@@@@@@@@ @@@@@@@@@@@@@@@

@@@@@@@@@@@@@@@ A Seguir-nos por aqui. Obrigado @@@@@@@@@@@@@@@@ free counters
Free counters @@@@@@

.Pensamentos de Mª José

@@@@@@@@@@@@@@@@@

@@@@ O caminho acaba ali... Ali onde começa a descoberta, O caminho é sempre estrada feita O fim do caminho É uma porta aberta... Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@ Quando o homem se render à força que o amor tem e a arma for oração pulsará na vida a paz como bate um coração. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Ser semente do futuro, é a mensagem de esperança, Que como um recado antigo, A vida nos dá a herança.- Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@ Eu penso, que é saudável e honesto reconhecer e respeitar as diferenças que nos individualizam no campo, também dosi deais.----- Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@ Há uma tal comunhão entre a obra e o autor Que até Deus concebe o Homem e o Homem - o Criador! Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ UMA IDEIA : É uma LUZ que se acende i nesperadamente no nossos espirito iluminando um caminho novo. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Sei para onde vou- pela ansia de galgar a distância- de onde estou- para o que não sou. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ A solidão é o que preenche o vazio de todas as ausências. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Quando na vida se perde, Um amigo ou um parente, P’ra que serve a Primavera? Se o frio está dentro da gente. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Mesmo sobre a saudade, a doçura do Natal, embala cada coração como uma música de esperança. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Em passadas de gigante nobre de traça e idade vem da nascente p'ras fontes dar de beber à cidade. -- Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Nas flores como nas pessoas, ás vezes a aparente fragilidade também pode esconder astúcias e artificiosos bluffes ”. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ A cada um seu direito, A cada terra seu uso, A cada boca um quinhão, A cada roca seu fuso, Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Seja cada dia um fruto- Cada fruto uma semente- Cada semente o produto- Dos passos dados em frente. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Coisas e loisas esparsas- Como a ferrugem – se pica- Como a lama dos caminhos- Se pisada… nos salpica. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Todos os dias amanhecem Crianças Pássaros Flores ! Sobre a noite das crianças Pássaros Flores que já não amanhecem Amanhecerá! Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Ao longe vejo Olivença Mais perto, Vila Real A meus pés o Guadiana Correndo manso – na crença De que tudo é Portugal Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Pátria sagrada de povo, Que emigrada- ganha pão, estás repartida- mas viva Se te bate o coração. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Portugal mais se define Onde a fronteira se traça Pode partir, mas não dobra Quem defende Pátria e Raça Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Bom seria se os recados do nosso coração chegassem ao ouvido de quem os motiva, porque então saberíamos como somos queridos e lembrados sem necessidade de telefones ou cartas. As comunicações seriam de coração para coração como a música de alma que se soltasse de um poema. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@

.ARTIGOS PUBLICADOS Em :

Jornal Linhas de Elvas - Desde 1950 @ @@@@@@@@@@@ Jornal da Beira - (Guarda) @@@@@@@@@@@ Jornal da Ilha Terceira (Açores) @@@@@@@@@@@ Jornal O Dia @@@@@@@@@@@ Jornal O Despertador @@@@@@@@@@@ Revista Norte Alentejo @@@@@@@@@@@

.LIVROS PUBLICADOS:

-E vim cantar- 1955@ -Paisagem- 1956@ -Rezas e Benzeduras- 2000@ @@@@@@@@@@@