Domingo, 25 de Maio de 2008

Outono

 

O Outono já chegou…

Deitou as folhas ao chão!

E procurou ávido, curioso,

O âmago, o coração!...

Veio em redemoinhos…

Veio nos pés do vento…

Não atendeu um lamento,

E devassou, e despiu

Sem carinho, em gesto cru,

Quis ver tudo bem por dentro…

Tinha a volúpia do nu!...

 

Era satânico, cruel,

Mas disfarçou seu intento

Num entardecer doce, lento,

Que o simulava de santo

No seu manto de burel!

Sob tanto enfeite lindo

De frutos, folhas, flores,

O Outono desconfiou

Que as árvores queriam esconder

Erros de estranhos amores!...

 

Então a raiva cegou-o!...

Chegou, despojou, varreu…

Em procura de pecados

Quase nenhuma esqueceu!

Mas parou envergonhado

Porque disfarçadas nas graças

Que a Primavera lhes deu,

Tudo o que as árvores fizeram

Foi crescer direito ao céu!...

 

Enganara-se o Outono

No conceito de beleza…

Primavera – é mocidade

E ser menina – é pureza!

 

Então o Outono triste,

Cheio de mágoa recuou…

E deixou passar o Inverno

Que a tristeza – chorou!!!

.

Maria José Rijo

1953

.

 

 

 

I Livro de Poemas

Poema nº 13

Pág 73

Desenhos da autora

 

estou:
música: I Livro de Poemas - Poema - 13

publicado por Maria José Rijo às 23:36
| comentar | Favorito
partilhar
5 comentários:
De Adalgisa Alexandra a 26 de Maio de 2008 às 00:05
Mas que maravilha de poema, realmente a Tia
é mesmo muito querida.
Gosto imenso desta sua forma de escrever a
poesia... é tão natural - tão bela.

Parabéns por mais este belissimo poema.
Só uma pessoa de almas grande consegue
assim- escrever tão belos poemas.

Um beijinho enorme
Gisa


De Flor do Cardo a 26 de Maio de 2008 às 00:52
Alma de Poeta.
Alma cristalina de uma beleza ímpar.
Assim são os seus poemas - muito lindos.

Sou um apreciador compulsivo pelos seus
escritos - tanto poeticos como apenas
textos de prosa.

Não deixe de escrever.
Sei que lhe peço algo - dificil - sei (olhando
para as minhas vontades) que deve-lhe (por
vezes) custar a escrever - ou porque não lhe
apetece - porque outras coisas ocupam o tempo,
ou mil e uma - outras razões também importantes.

Vejo por mim.
A Cada ano que passa - a minha vontade para
certos afazeres - desmorona-se e agora - até
dou por mim a pensar que deveria fazer isto
ou aquilo - mas parece que o meu corpo se
recusa a levantar-se - costumo dizer que a
genica que eu tinha (ainda no ano passado)
se deitou para dormir - abandonou-me com
esta vontade de fazer - mas sem a concretizar -
resumindo - dentro da minha cabeça - faço tudo,
até o que eu diria ser impossivel...
bom... estou velho - este sintoma que a cada dia
aumenta drásticamente.
Eu já partiria MAS - os que me rodeiam precisam
de mim (imagine) - o meu neto chora a meu lado
dizendo que não consegue imaginar a sua vida
sem a minha por perto.
Eu também tenho pena que isso aconteça - e vai
acontecer - mais cedo ou mais tarde - mas ele
não se conforma... e eu nem sei o que lhe dizer.
Nada posso fazer para modificar isto...

Desculpe amiga Maria José por esta a falar destes
tristes assuntos -. mas é o que se depara aqui em
casa.
Estou... nem tenho palavras para poder remediar
esta criança de chorar assim.

É bom sentirmo-nos amados por quem nos olha
de perto, por quem nos telefona muitas vezes
durante o dia...
Posso dizer que me sinto amado - tão importante
neste final de vida.

Um abraço Maria José
e desculpe este desabafo - de alma.

Com imensa admiração por si
Luciano


De Gustavo Frederich a 26 de Maio de 2008 às 01:11
Hoje fiquei tão feliz...
Este poema é lindo, ADOREI tia.

Sáo todos perfeitos os seus poemas e principalmente
são assim desta forma - assim tal como os
fáz.

Encantou-me a forma sua de apresentar este
Outono.

Ah é verdade - uma boa novidade - este fim de semana o meu amigo padre veio cá a casa e
consegui que ele entre as horas das rezas e as
de descanso - lhe mostrei os seus blog.
Ficou boquiaberto por tanta beleza.
Adorou todo o blog - as fotos - a apresentação
que era de uma beleza imensa.
levou has a ver o seu blog e a tecer belos
comentários.

Fiquei Feliz por ele ter tido a oportunidade de ver.
Enviou um abraço e um pedido para continuar e
não deixar de continuar esta maravilha de blog.

Com um beijinho grande

Gus


De linhaseletras a 26 de Maio de 2008 às 01:14
Este poema é muito bonito, deu-me muito prazer lê-lo
É quase da minha idade, também estou no Outono da vida ,mas como sou teimosa, tento sempre estar na Primavera, e fazer da vida um jardim.
Boa noite


De Dolores Maria a 26 de Maio de 2008 às 22:21
Minha querida Tia
Mas que poeminha tão lindoooooo.

A tia é mesmo muito querida. Este seu blog
é o blog mais querido que eu conheço.

Não vim cá ontem porque estive num jantar
do grupo das danças de Salão - estivemos
eu e o Avelino numa espécie de concurso
e eu e o meu Avelino ganhamos o bailarico
com um passo doble.
Foi lindo Tia, Adorei.

Mas senti a falta de vir aqui a esta sua casa.
Faz-me falta estar aqui nesta sua casa.
Obrigada Tia
por este este blog que eu gosto tanto.

Beijinhos Tia
Tia querida

DO LO RES


Comentar post

.Maria José Rijo


. ver perfil

. seguir perfil

. 53 seguidores

.pesquisar

 

.Setembro 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
13
14
15
16

17
19
21
22
23

24
27
28
29
30


.posts recentes

. São Mateus 2017

. Participação - Programas ...

. Programa de São Mateus 20...

. Carta aos meus queridos A...

. Aniversário do Linhas - 2...

. Viagem a Fátima

. Reportagem do Jornal Linh...

. Parabéns Avelino

. Parabéns Luciano

. CONVITE

.arquivos

.tags

. todas as tags

. Dia de Anos

. Então como é ?!

. Em nome de quem se cala.....

. Amarga Lucidez

. Com água no bico

. Elvas com alguma rima e ....

. 28 de Fevereiro...

. Obras do Cadete

. REGRESSO

. Feição de nobreza

.links

.Contador desde- 7-2-2007

Nova Contagem-17-4-2009 - @@@@@@@@@@@@@@@@ @@@@@@@@@@@@@@@

@@@@@@@@@@@@@@@ A Seguir-nos por aqui. Obrigado @@@@@@@@@@@@@@@@ free counters
Free counters @@@@@@

.Pensamentos de Mª José

@@@@@@@@@@@@@@@@@

@@@@ O caminho acaba ali... Ali onde começa a descoberta, O caminho é sempre estrada feita O fim do caminho É uma porta aberta... Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@ Quando o homem se render à força que o amor tem e a arma for oração pulsará na vida a paz como bate um coração. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Ser semente do futuro, é a mensagem de esperança, Que como um recado antigo, A vida nos dá a herança.- Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@ Eu penso, que é saudável e honesto reconhecer e respeitar as diferenças que nos individualizam no campo, também dosi deais.----- Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@ Há uma tal comunhão entre a obra e o autor Que até Deus concebe o Homem e o Homem - o Criador! Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ UMA IDEIA : É uma LUZ que se acende i nesperadamente no nossos espirito iluminando um caminho novo. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Sei para onde vou- pela ansia de galgar a distância- de onde estou- para o que não sou. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ A solidão é o que preenche o vazio de todas as ausências. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Quando na vida se perde, Um amigo ou um parente, P’ra que serve a Primavera? Se o frio está dentro da gente. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Mesmo sobre a saudade, a doçura do Natal, embala cada coração como uma música de esperança. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Em passadas de gigante nobre de traça e idade vem da nascente p'ras fontes dar de beber à cidade. -- Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Nas flores como nas pessoas, ás vezes a aparente fragilidade também pode esconder astúcias e artificiosos bluffes ”. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ A cada um seu direito, A cada terra seu uso, A cada boca um quinhão, A cada roca seu fuso, Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Seja cada dia um fruto- Cada fruto uma semente- Cada semente o produto- Dos passos dados em frente. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Coisas e loisas esparsas- Como a ferrugem – se pica- Como a lama dos caminhos- Se pisada… nos salpica. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Todos os dias amanhecem Crianças Pássaros Flores ! Sobre a noite das crianças Pássaros Flores que já não amanhecem Amanhecerá! Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Ao longe vejo Olivença Mais perto, Vila Real A meus pés o Guadiana Correndo manso – na crença De que tudo é Portugal Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Pátria sagrada de povo, Que emigrada- ganha pão, estás repartida- mas viva Se te bate o coração. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Portugal mais se define Onde a fronteira se traça Pode partir, mas não dobra Quem defende Pátria e Raça Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Bom seria se os recados do nosso coração chegassem ao ouvido de quem os motiva, porque então saberíamos como somos queridos e lembrados sem necessidade de telefones ou cartas. As comunicações seriam de coração para coração como a música de alma que se soltasse de um poema. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@

.ARTIGOS PUBLICADOS Em :

Jornal Linhas de Elvas - Desde 1950 @ @@@@@@@@@@@ Jornal da Beira - (Guarda) @@@@@@@@@@@ Jornal da Ilha Terceira (Açores) @@@@@@@@@@@ Jornal O Dia @@@@@@@@@@@ Jornal O Despertador @@@@@@@@@@@ Revista Norte Alentejo @@@@@@@@@@@

.LIVROS PUBLICADOS:

-E vim cantar- 1955@ -Paisagem- 1956@ -Rezas e Benzeduras- 2000@ @@@@@@@@@@@