Quinta-feira, 26 de Junho de 2008

Desvairamento

 

.

Não mereço a vida,

Não sei sublimar

A dor que ela me deu!

 

E melhor não nasci

Depois que morri…

Que morri dentro de mim!

 

Eu, não valho a pena,

Se acaso a pena valesse

Nasceria melhor

De tudo que em mim morresse!

 

Não!

Não mereço a vida!

 

Valha a verdade:

-- Não a pedi,

E, se a estrago,

É com a mesma sem vontade

Com que a recebi!

 

Não me fiz!...

Achei-me assim…

 

Não escolhi esta vida para mim,

E, se em mim há tanta dor,

É que estou vibrando bem

À vontade do Autor!

 

Não será pois um favor

Que ouça palmas no fim!

Maria José Rijo

2- Julho- 1956

 

II Livro de Poemas

Poema nº 12

Pág – 57

Desenhos da Autora

música: II Livro de Poesia - poema - nº 12

publicado por Maria José Rijo às 00:00
| comentar | Favorito
partilhar
16 comentários:
De Flor do Cardo a 26 de Junho de 2008 às 00:15
Mas como????
Como pode ter escrito um poema assim...
Merece SIM - desde o primeiro instante que a vida
a merece a si.

Apesar de triste - é um bom poema, como todos
os poemas dos seus livros de Poemas.

Mas...
Merece Sim e muito a vida e todos os dons que
Deus lhe Deu.

Um abraço

Luciano


De Maria José a 27 de Junho de 2008 às 23:43
Meu Amigo
não queira saber como têm sido quentes estes últimos dias aqui na nossa terra.
Recorda por certo alguns assim, embora eu acredite que não tem saudades deles.
Agora, que já é tarde e corre aquele fresquinho reconfortante, vejo das minhas janelas as esplanadas fervilhando de gente, resolvi procurar a companhia dos meus amigos.
Obrigada - também - pelas visitas às minhas cruzadas.
A Ana a quem se refere é uma grande amiga que desses tempos conservo. A filha, aquela menina linda, formou-se em radiologia. Teve 18 de média e porque exigiam 19 para entrar em medicina, fez essa opção.
Que pena que estejam lá tão longe!
Tinhamos aqui pano para mangas até por a escrita em dia.
Eu, também penso que cada dia, segue a outro dia. Um, não o apaga o outro, e, ainda que o tenhamos passado a dormir, ele não deixou, por isso, de existir
Um grande, grande abraço muito amigo
Maria José.


De Dolores Maria a 26 de Junho de 2008 às 00:25
Oh Tia
Mas então que derrotísmo é este ?
Se há alguém que merece a vida é a Tia, por ser
assim tão querida e ter tantos dons que nos deixa
tão feliz.
E sao os poemas, os textos, as pinturas, as peças
de artesanato... etc, etc, etc,

Eu sei, foi um poema de uma época - mas nunca
foi certamente uma vida que não merecia.

Merecia SIM!
Muitos beijinhos
DO LO RES


De Maria José a 28 de Junho de 2008 às 00:05
Meus queridos, ando nas arrumações das mil caixas e caixinhas onde guardo todas as espécies de materiais que - penso - vir a utilizar nas minhas fantasias.
Todos os anos é a mesma via sacra. Antes de saír deixo toda a mnha tralha arrumadinha em pormenor para a minha Bia aproveitat a minha ausência e, muito à alentejana, caiar, lavar , pintar a manta, como eu digo, à sua realíssima vontade.
Ao fim destes anos todos de casa,ela ri-se quando eu digo que ela já manda em mim, mas, manda mesmo.
Às vezes ,até me enternece quando me diz: - não gosto de lhe ver esse fato - mude, não saia assim!
Eu mudo e ela fica feliz.
32 anos - é muito tempo.ela merece.
Beijinhos a todos da tia Zé


De Dina a 26 de Junho de 2008 às 17:46
Foi um ano difícil?
O banco está lá à sua espera sempre que precisar dele, hoje com novidades.


De maria José a 28 de Junho de 2008 às 00:09
Já fui sentar-me no banco.
É na verdade um local priveligiado.
É como um ponto de encontro de amigos
Um beijo
Maria José


De Gostavo Frederich a 27 de Junho de 2008 às 01:50
OH tia
Adorei este seu poema embora lamente o facto do
seu coração/alma ter sentido esta tristeza tão
profunda.
Mas os grandes poemas libertam-se para o papel
quando a alma esta assim - em estado de abandono,
de dor e confusão - do eu assim...
Mas eu gostei porque mostra o que está no fundo de
cada um. Qualquer pessoa - um dia - uma vez tem
assim - pensamentos destes - mas nem todos terão
a fluidez de a contar assim... não é muito fácil
descrever a dor - com beleza triste.
A tia consegue tal como o fez Florbela Espanca um
dia.

Parabéns Tiazinha querida
Um abraço e um beijinho muito grande

Gus


De Gustavo Frederich a 27 de Junho de 2008 às 01:52
Beijinhos Tia
Um grande beijinho e pense que hoje
- por este seu sobrinho - é muito querida.

Gus


De Maria josé a 28 de Junho de 2008 às 00:25
Meu sobrinho Querido
Nunca mais me falou de "antares". Não tem tido tempo para lhe prestar atenção?
Gosto de "inventar" que sei onde está. Já construí na sua casa uma enorme varanda coberta onde o ponho a fumar de cachimbo e a olhar as estrelas.
Até já sei como rangem os degraus sob os seus passos...
Assim me acompanho.
Um beijo - tia Zé


De Adalgisa Alexandra a 27 de Junho de 2008 às 02:38
Querida Tia
Já tenho um gatinho novo este é todo negro como
a noite e tem junto do nariz uma manchinha branca,
como um sinal de nascença.
Chamei-lhe Estrelinha da noite a que ele responde
sempre com um miado. Adorei - deve de ter gostado.

Agora...
estive no outro seu blog novo - no Ficou escrito e
tenho andado a ler post por post - tenho de dizer
que acho muito bem em contar todas essas coisas
porque as pessoas são sempre injustas e têm
SEMPRE curta memória - aqui fica neste Ficou escrito
uma sequencia de assuntos que vão correr mundo
o que é muito bom.
Parabém Tia pela ideia do blog.
gostei imenso

Beijinhos meus e um romrom do estrelinha
Gisa


De maria José a 28 de Junho de 2008 às 00:34
Fiquei contente por saber que tem outro bichano.
Voltar a casa e ter uns olhos à nossa espera, conforta.
Ainda que sejam dum gatinho que miando e roçando pelas nossas pernas, pede mimo e atenção.
A coisa mais triste da vida é sentir que não se faz falta nem que seja para uma flor que beba pela nossa mão em cada dia.
Beijinhos -Tia Zé


De Fisga a 27 de Junho de 2008 às 18:58
Sra. Dona Maria: Obrigado por mais este lindo poema. Este poema tem um conteúdo Muito grande e muito belo, é construído de realidades, nuas e cruas. Parabéns, e bom fim-de-semana


De maria José a 28 de Junho de 2008 às 00:38
Amigo - Venho também desejar-lhe um bom fim de semana e ,agradecer a sua presença tão amiga e simpática
Desejo-lhe a melhor saude
Um abraço
Maria José


De Gustavo Frederich a 30 de Junho de 2008 às 00:57
Nesta espera de esperar por si...
Não apareceu... aqui...
Por onde anda a minha querida Tia?
Espero não esteja doente?
É hoje o quarto dia sem postagem...
Que se passa?
Que aconteceu consigo?

Muitos beijinhos tia
Gus


De Dolores,Avelino,Luizinha a 30 de Junho de 2008 às 01:03
Tia, Tiazinha
Como diz e bem o Gus - hoje é já o 4to dia que
não nos dá nem um sorriso, nem um textinho.
A Tia está doente? É a sua sobrinha que está
doente?
Que vos aconteceu que já não querem saber de nós
- esta sua nova familia on-line?
Não escrevemos nada porque pensamos que não
teriam tido tempo - mas quatro dias já é tempo de
nos sentirmos preocupados.

Que aconteceu?
Estamos tristes tia.
Voltaremos para saber de si.
Beijinhos Tia querida
de nós tres e meio... para si


DO LO RES
Avelino
Luizinha e magé


De Aristeu a 30 de Junho de 2008 às 01:09
Querida Tia
Hoje, como ontem e ainda antes de ontem...
A tia não nos ofereceu um textos sequer... só estou a
comentar porque todos 3 - nós aqui - estamos
sentindo falta das suas actualizações e quanto pude
perceber os seus sobrinhos - frequentes todos
reclamam...
Nós três:
Luciano
Virgilio
e eu próprio Aristeu
estamos aqui para lhe perguntar se aconteceu
alguma coisa, se está doente.
Desculpe-nos, por favor, esta nossa curiosidade
mas nunca tivemos tantos dias - sem si por aqui...
Fica a nossa preocupação...
Com um beijinho triplo

Luciano
Virgilio
e Aristeu



Comentar post

.Maria José Rijo


. ver perfil

. seguir perfil

. 53 seguidores

.pesquisar

 

.Setembro 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
13
14
15
16

17
19
21
22
23

24
27
28
29
30


.posts recentes

. São Mateus 2017

. Participação - Programas ...

. Programa de São Mateus 20...

. Carta aos meus queridos A...

. Aniversário do Linhas - 2...

. Viagem a Fátima

. Reportagem do Jornal Linh...

. Parabéns Avelino

. Parabéns Luciano

. CONVITE

.arquivos

.tags

. todas as tags

. Dia de Anos

. Então como é ?!

. Em nome de quem se cala.....

. Amarga Lucidez

. Com água no bico

. Elvas com alguma rima e ....

. 28 de Fevereiro...

. Obras do Cadete

. REGRESSO

. Feição de nobreza

.links

.Contador desde- 7-2-2007

Nova Contagem-17-4-2009 - @@@@@@@@@@@@@@@@ @@@@@@@@@@@@@@@

@@@@@@@@@@@@@@@ A Seguir-nos por aqui. Obrigado @@@@@@@@@@@@@@@@ free counters
Free counters @@@@@@

.Pensamentos de Mª José

@@@@@@@@@@@@@@@@@

@@@@ O caminho acaba ali... Ali onde começa a descoberta, O caminho é sempre estrada feita O fim do caminho É uma porta aberta... Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@ Quando o homem se render à força que o amor tem e a arma for oração pulsará na vida a paz como bate um coração. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Ser semente do futuro, é a mensagem de esperança, Que como um recado antigo, A vida nos dá a herança.- Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@ Eu penso, que é saudável e honesto reconhecer e respeitar as diferenças que nos individualizam no campo, também dosi deais.----- Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@ Há uma tal comunhão entre a obra e o autor Que até Deus concebe o Homem e o Homem - o Criador! Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ UMA IDEIA : É uma LUZ que se acende i nesperadamente no nossos espirito iluminando um caminho novo. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Sei para onde vou- pela ansia de galgar a distância- de onde estou- para o que não sou. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ A solidão é o que preenche o vazio de todas as ausências. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Quando na vida se perde, Um amigo ou um parente, P’ra que serve a Primavera? Se o frio está dentro da gente. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Mesmo sobre a saudade, a doçura do Natal, embala cada coração como uma música de esperança. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Em passadas de gigante nobre de traça e idade vem da nascente p'ras fontes dar de beber à cidade. -- Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Nas flores como nas pessoas, ás vezes a aparente fragilidade também pode esconder astúcias e artificiosos bluffes ”. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ A cada um seu direito, A cada terra seu uso, A cada boca um quinhão, A cada roca seu fuso, Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Seja cada dia um fruto- Cada fruto uma semente- Cada semente o produto- Dos passos dados em frente. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Coisas e loisas esparsas- Como a ferrugem – se pica- Como a lama dos caminhos- Se pisada… nos salpica. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Todos os dias amanhecem Crianças Pássaros Flores ! Sobre a noite das crianças Pássaros Flores que já não amanhecem Amanhecerá! Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Ao longe vejo Olivença Mais perto, Vila Real A meus pés o Guadiana Correndo manso – na crença De que tudo é Portugal Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Pátria sagrada de povo, Que emigrada- ganha pão, estás repartida- mas viva Se te bate o coração. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Portugal mais se define Onde a fronteira se traça Pode partir, mas não dobra Quem defende Pátria e Raça Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Bom seria se os recados do nosso coração chegassem ao ouvido de quem os motiva, porque então saberíamos como somos queridos e lembrados sem necessidade de telefones ou cartas. As comunicações seriam de coração para coração como a música de alma que se soltasse de um poema. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@

.ARTIGOS PUBLICADOS Em :

Jornal Linhas de Elvas - Desde 1950 @ @@@@@@@@@@@ Jornal da Beira - (Guarda) @@@@@@@@@@@ Jornal da Ilha Terceira (Açores) @@@@@@@@@@@ Jornal O Dia @@@@@@@@@@@ Jornal O Despertador @@@@@@@@@@@ Revista Norte Alentejo @@@@@@@@@@@

.LIVROS PUBLICADOS:

-E vim cantar- 1955@ -Paisagem- 1956@ -Rezas e Benzeduras- 2000@ @@@@@@@@@@@