Sexta-feira, 4 de Julho de 2008

'Sinto a saudade mais perto'

CONVERSAS SOLTAS

 3 de Julho de 2008

Nº 2.976

Jornal Linhas de Elvas

Fernando Pessoa,

 

'também' escreveu sobre os sinos. Aliás na nossa literatura, muitos poetas e prosadores dissertaram sobre esse tema.
Alguns, limitaram-se a fazer-lhe referências, quando retratavam costumes das nossas gentes e, sempre que de temas campestres se falava, lá vinha a referência ao toque das Avé-Marias por ser das tradições mais arreigadas na alma do nosso povo.
Assim ao correr da conversa, ocorre-me por ser alentejano, o Conde de Monsaraz, no célebre poema ;- Tragédia Rústica .


'Quando o sino batia
As doze badaladas do meio-dia,
O trabalho parava.
E todo o bom católico rezava,
De cabeça inclinada e olhos no chão,
Um Padre-Nosso e uma
Avé – Maria,
Com o chapéu na mão. ‘
[Este escritor viveu entre 1852 e 1913]


O sino, é uma referência sempre presente na nossa cultura de católicos.

O sino, quase pode dizer-se, que, se não comandava, pelo menos pontuava a vida de aldeias, cidades e lugares.

sino1.gif
Até nas lendas com que se entretinham as crianças, quando a cultura era mais oralizada lá vinham as referências aos sinos:
'Tocam os sinos da torre!
Ai, meu Deus - quem morreria!?
- responde o filho de colo que inda falar nem sabia:
- morreu Dona Silvana pelo mal que fazia
- descasar os bem casados, coisa que Deus não queria'


Os sinos tocavam a rebate nas desgraças.
Os sinos repicavam nas festas.
Os sinos 'dobravam ' nos funerais...
Os sinos, sempre foram e são os anunciantes dos actos religioso que regem as nossas vidas de católicos.
'Foi a enterrar, como um cão, nem o sino tocou', dizia-se também nas histórias para execrar o comportamento dos bandidos e proscritos.
E, estas referências, passam de geração em geração, agarram-se

à nossa alma, fazem parte dela e entram nos nossos costumes

mais queridos.
- Vê se ouves o sino para irmos ver a noiva a sair da Igreja...
- Vê se ouves o sino para não faltarmos à Missa ou à novena...
- Vê se ouves o sino para não faltarmos ao funeral...
Mas o sino do cemitério de Elvas, não tem espalhado pelos ares a notícia da dor que até aqui sempre anunciava...
- Vêm perguntar-me porquê? - que não entendem - queixam-se...
- Não sei. É o que posso responder.
Mas, posso relembrar a todos, como Fernando Pessoa falou dos sinos. Para que se entenda que o assunto não é de brincadeira...

 

 

 

 

Ó sino da minha aldeia
Dolente na tarde calma
Cada tua badalada
Soa dentro da minha alma

E é tão lento o teu soar,
Tão como triste da vida,
Que já a primeira pancada
Tem o som de repetida

Por mais que tanjas perto
Quando passo, sempre errante,
És para mim como um sonho
Soas-me na alma distante

A cada pancada tua
Vibrante no céu aberto
Sinto mais longe o passado
Sinto a saudade mais perto

estou: saudade
música: Sinto a saudade mais de perto

publicado por Maria José Rijo às 12:17
| comentar | Favorito
partilhar
4 comentários:
De Gustavo Frederich a 4 de Julho de 2008 às 19:14
Querida Tia
Sonhei consigo e fiquei preocupado...
A Tia está bem? Bem de saúde?
Espero que sim.
Diga-me alguma coisa, sim?

Adorei o texto, os sinos são muito importantes...
tocam dentro de nós!

Beijinhos Tia querida

Gus


De Dolores,Avelino,Luizinha a 4 de Julho de 2008 às 19:19
Tiazinha...
Olá
Cá estamos os três a ler o seu (nosso) tão
querido blog.
Adoramos este seu texto.
Muito Bom!

Beijinhos tia
DOLORES e Avelino

...

Olá Tia
Sou a Luizinha e hoje tenho uma boa novidade
já sei o sexo do meu bébé - é mesmo uma
menina - confirmadissimo - a minha Magé está
mesmo comigo.
Estou tão Feliz.
A Tia está bem?
Espero que fique tão feliz quanto eu.
Gosto muito de si.
Beizinhos

Luizinha


De Fisga a 5 de Julho de 2008 às 09:50
Perdoe-me o palavrão, Mas é o termo mais apropriado que eu consegui de repente encontrar, e creia que se o termo de que falo tem na imaginação de muita gente, o significado de pejorativo, eu nunca o vi como tal, mas é por isso mesmo que lhe chamei palavrão. (Arauto) É aquele que leva a notícia de boca-em-boca. Os Arautos do Evangelho. É isso mesmo o que a Sra. Me faz lembrar. A Sra. Uma espalhadora da notícia, é uma propagadora, em suma é uma cultivadora, para que a nossa cultura não se acabe de apagar, junta com as nossas tradições, os nossos usos e costumes. Bem-haja, por o fazer. Um bom fim-de-semana. Um abraço. P. S. eu tomei a liverdade, de adicionar este tema tão importante aos meus favoritos. Obrigado.


De poetaporkedeusker a 5 de Julho de 2008 às 16:01
Minha querida amiga, se os seus afazeres lho permitirem, venha participar na comemoração do nascimento do Friend 2008, o meu novo portátil, no poetaporkedeusker. É uma daquelas festas em que todos podemos participar e ficarei muito honrada com a sua presença!
Um grande abraço!
Maria joão


Comentar post

.Maria José Rijo


. ver perfil

. seguir perfil

. 53 seguidores

.pesquisar

 

.Setembro 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
13
14
15
16

17
19
21
22
23

24
27
28
29
30


.posts recentes

. São Mateus 2017

. Participação - Programas ...

. Programa de São Mateus 20...

. Carta aos meus queridos A...

. Aniversário do Linhas - 2...

. Viagem a Fátima

. Reportagem do Jornal Linh...

. Parabéns Avelino

. Parabéns Luciano

. CONVITE

.arquivos

.tags

. todas as tags

. Dia de Anos

. Então como é ?!

. Em nome de quem se cala.....

. Amarga Lucidez

. Com água no bico

. Elvas com alguma rima e ....

. 28 de Fevereiro...

. Obras do Cadete

. REGRESSO

. Feição de nobreza

.links

.Contador desde- 7-2-2007

Nova Contagem-17-4-2009 - @@@@@@@@@@@@@@@@ @@@@@@@@@@@@@@@

@@@@@@@@@@@@@@@ A Seguir-nos por aqui. Obrigado @@@@@@@@@@@@@@@@ free counters
Free counters @@@@@@

.Pensamentos de Mª José

@@@@@@@@@@@@@@@@@

@@@@ O caminho acaba ali... Ali onde começa a descoberta, O caminho é sempre estrada feita O fim do caminho É uma porta aberta... Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@ Quando o homem se render à força que o amor tem e a arma for oração pulsará na vida a paz como bate um coração. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Ser semente do futuro, é a mensagem de esperança, Que como um recado antigo, A vida nos dá a herança.- Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@ Eu penso, que é saudável e honesto reconhecer e respeitar as diferenças que nos individualizam no campo, também dosi deais.----- Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@ Há uma tal comunhão entre a obra e o autor Que até Deus concebe o Homem e o Homem - o Criador! Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ UMA IDEIA : É uma LUZ que se acende i nesperadamente no nossos espirito iluminando um caminho novo. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Sei para onde vou- pela ansia de galgar a distância- de onde estou- para o que não sou. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ A solidão é o que preenche o vazio de todas as ausências. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Quando na vida se perde, Um amigo ou um parente, P’ra que serve a Primavera? Se o frio está dentro da gente. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Mesmo sobre a saudade, a doçura do Natal, embala cada coração como uma música de esperança. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Em passadas de gigante nobre de traça e idade vem da nascente p'ras fontes dar de beber à cidade. -- Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Nas flores como nas pessoas, ás vezes a aparente fragilidade também pode esconder astúcias e artificiosos bluffes ”. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ A cada um seu direito, A cada terra seu uso, A cada boca um quinhão, A cada roca seu fuso, Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Seja cada dia um fruto- Cada fruto uma semente- Cada semente o produto- Dos passos dados em frente. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Coisas e loisas esparsas- Como a ferrugem – se pica- Como a lama dos caminhos- Se pisada… nos salpica. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Todos os dias amanhecem Crianças Pássaros Flores ! Sobre a noite das crianças Pássaros Flores que já não amanhecem Amanhecerá! Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Ao longe vejo Olivença Mais perto, Vila Real A meus pés o Guadiana Correndo manso – na crença De que tudo é Portugal Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Pátria sagrada de povo, Que emigrada- ganha pão, estás repartida- mas viva Se te bate o coração. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Portugal mais se define Onde a fronteira se traça Pode partir, mas não dobra Quem defende Pátria e Raça Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Bom seria se os recados do nosso coração chegassem ao ouvido de quem os motiva, porque então saberíamos como somos queridos e lembrados sem necessidade de telefones ou cartas. As comunicações seriam de coração para coração como a música de alma que se soltasse de um poema. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@

.ARTIGOS PUBLICADOS Em :

Jornal Linhas de Elvas - Desde 1950 @ @@@@@@@@@@@ Jornal da Beira - (Guarda) @@@@@@@@@@@ Jornal da Ilha Terceira (Açores) @@@@@@@@@@@ Jornal O Dia @@@@@@@@@@@ Jornal O Despertador @@@@@@@@@@@ Revista Norte Alentejo @@@@@@@@@@@

.LIVROS PUBLICADOS:

-E vim cantar- 1955@ -Paisagem- 1956@ -Rezas e Benzeduras- 2000@ @@@@@@@@@@@