Sábado, 16 de Agosto de 2008

A primeira Á Lá Minute - 1984

Á Lá Minute

Jornal Linhas de Elvas

Nº 1.721 – 10 de Fevereiro de 1984

 

 

Elvas, o Hospital e a Lei do Aborto…

 

Curiosamente aquilo que pouco presta, serve-nos bem.

É o caso da lei do aborto.

Senão, vejamos:

                  aborto

-- É lícito praticar o aborto quando o feito faz perigar a vida da Mãe.

    Temos pois o direito de fazer abortar no estado fetal a lei que atenta contra a vida de Elvas estropiando o seu hospital.

       aborto.png

-- É lícito praticar o aborto quando há má formação congénita.

     Temos pois o direito de fazer abortar um “projecto monstruoso”.

        

-- É lícito praticar o aborto para eliminar o feto da violação.

      Temos pois o direito de fazer abortar tudo quanto viola a dignidade e a honra da nossa Cidade.

         Elvas : Aqueducto das Amoreiras

-- Assim sendo – é tempo de se exigir aquilo a que Elvas tem direito.

-- É tempo de se exigir que o património da cidade jamais volte a ser lesado – seja no que for.

            elvas

     Se tanto for preciso, embora contra o temperamento da nossa gente – cordata por natureza – também cortaremos “artérias” e faremos os “atropelos da moda” para que nos respeitem…

       Entretanto embalemos a nossa esperança de justiça, cantarolando:

 

Oh, minha gente não durmas,

Não durmas cidade minha,

Ou – acordarás chorando:

Elvas era… teve… tinha…

 

… E rezemos com toda a força da nossa fé:

 

“Custodi nos Domine ut pupilam oculi.”

 

Maria José Rijo

 

… Por pedido de

Xavier Martins

 

estou:
música: A primeira publicação - Á lá Minute

publicado por Maria José Rijo às 21:27
| comentar | Favorito
partilhar
12 comentários:
De Xavier Martins a 16 de Agosto de 2008 às 23:11
Cara amiga
Muitisimo obrigado por ter colocado o seu primeiro
texto das sua belissimas A La Minutes.
Grande tema - cheio dessa vida - tão importante
para si.
Só uma sensibilidade assim teria força e dignidade
para falar desta maneira.

Os meus Parabéns.

Um Abraço
Xavier Martins


De Adalgisa Alexandra a 16 de Agosto de 2008 às 23:37
Olá tia
passei hoje para lhe deixar um grande GRANDE
beijinho.
Realmente o seu blog toca sempre assuntos importantes como este do Aborto.

Gosto muito de si.
Acredite tia

Beijinhos e desejos de bom domingo

Gisa


De Maria josé a 20 de Agosto de 2008 às 21:56
Já contei dos meus trabalhos, das preocupações de família , de tudo um pouco...
de modo que só me falta deixar um beijinho especial para si - aqui fica
tia Zé


De Aristeu a 16 de Agosto de 2008 às 23:44
Hoje é o dia dos sobrinhos
pelo que hoje este sobrinhos vem cá deixar-he um
grande beijinho e dizer que nunca me esqueço de si,
nem o mar é imenso o suficiente para isso.

Muitas saudades
Aristeu
.........
Saudade
de Casimiro de Abreu

Nas horas mortas da noite
Como é doce o meditar
Quando as estrelas cintilam
Nas ondas quietas do mar;
Quando a lua majestosa
Surgindo linda e formosa,
Como donzela vaidosa
Nas águas se vai mirar!

Nessas horas de silêncio
De tristezas e de amor,
Eu gosto de ouvir ao longe,
Cheio de mágoa e de dor,
O sino do campanário
Que fala tão solitário
Com esse som mortuário
Que nos enche de pavor.

Então — Proscrito e sozinho —
Eu solto aos ecos da serra
Suspiros dessa saudade
Que no meu peito se encerra
Esses prantos de amargores
São prantos cheios de dores:
— Saudades — Dos meus amores
— Saudades — Da minha terra!



De Maria José a 20 de Agosto de 2008 às 22:05
Meu querido sobrinho
Também eu penso muito em si e nesse seu pequeno clã tão enternecedoramente unido.
Creia que trazer-vos no meu coração é uma riqueza para a minha vida.
Beiinhos tia Zé


De Gustavo Frederich a 16 de Agosto de 2008 às 23:57
A sua força é extraordináriamente poderosa.
As suas palavras têm a força do seu coração a
grandeza tão especial da sua alma.
Adorava ter o privilégio de privar consigo, sinto
que os seus amigos são pessoas de muita sorte.

Oh tia este texto é bom - a sua sensibilidade é de
uma imensidão e profundidade que me deixam a
pensar e a meditar nas suas palavras.
Obrigado por partilhar comnosco este texto tão
especial.

Gosto muito de si
Seu sobrinho querido

Gus



De Cilene a 17 de Agosto de 2008 às 00:52
Oi Tia
Minha Tia - Hoje estive todo o dia no aras do Gílio
também com o pai e o avó.
É uma familia linda, três homens especiais.
O Avó Luciano fala da vida de uma forma que fico
boquiaberta ouvindo-o, fala dessa sua cidade de
Elvas - que já conheço - de tanto ouvir falar. O avó
Luciano é um cavalheiro, fala muito do passado com
muita poesia. Fala de si e diz os seus poemas- que me
encantam. Sou novinha mas gosto imenso de o ouvir
flar dessa cidade que ele ama.
É um bom home.

O Aristeu - um homem meio solitário, de grande
alma e coração. Ama a familia e é muito especial.
Também gosta de poesia e têm conversas muito
interessantes. É uma familia especialmente poética.
Na sala têm uma tela imensa - da mulher, da mãe e
da avó - a mesma mulher que eles não cansam de
falar.
Ah têm uma prateleira cheia dos seus textos e livros
com uma foto sua - aliás todos os autores da sua
luxuosa biblioteca têm foto do autor.
Acho um luxo.

E o Gílio - é um lindo menino que é muito amigo.
Hoje fiz 18 anos e fizeram para mim uma festinha.
Fiquei muito contente e resolvo lhe vir contar este dia
tão feliz da minha vida.

Muitos beijinhos Tia
O seu blog cresce a cada dia.

Cilene


De Maria josé a 20 de Agosto de 2008 às 22:17
Cilene:- Eu sempre fui sua tia, e, a menina vem padir para ser o que sempre foi?!
Na verdade basta ser a amiga preciosa que é para essa família maravilhosa, para ter lugar cativo no meu afecto.
Seja bem-vinda com a alegria e a generosidade que transparecem do que escreve e tão bem fica como uma coroa de rainha da Primavera em quem fez dezoito anos.
Sejam felizes - por favor- sejam felizes
Beijinhos tia Zé


De Manuel Domingos a 17 de Agosto de 2008 às 17:23
Olá muito boa tarde
acabei de encontrar o seu blog o que me deixou
muito feliz, porque gostei imenso da sua fluidez a escrever.
É um bom blog, de caracter sensoivel e honesto.

Muitos Parabens

M. Domingos


De Maria José a 20 de Agosto de 2008 às 22:23
Obrigada pela visita e pelo comentário.
Nada mais agradável para quem escreve do que ter leitores. De outra forma escrever, não faz sentido
Cumprimentos
Maria José


De Anónimo a 18 de Agosto de 2008 às 11:36
Estamos de volta, www.cidadelvas.blogspot.com


De Maya a 24 de Janeiro de 2009 às 00:51
Olá, Maria José,

Uso uma de suas fotos, publicada em seu Blog, para ilustrar um texto meu, que publiquei no meu Blog. Cito a fonte. Obrigada!

Maya

:)

http://mayafelix.blogspot.com/


Comentar post

.Maria José Rijo


. ver perfil

. seguir perfil

. 55 seguidores

.pesquisar

 

.Dezembro 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
13
14
15
16

17
18
19
20
21
22
23

24
25
26
27
28
29
30

31


.posts recentes

. Apresentação do Livro de ...

. O Natal e os Poetas - 201...

. São Mateus 2017

. Participação - Programas ...

. Programa de São Mateus 20...

. Carta aos meus queridos A...

. Aniversário do Linhas - 2...

. Viagem a Fátima

. Reportagem do Jornal Linh...

. Parabéns Avelino

.arquivos

.tags

. todas as tags

. Dia de Anos

. Então como é ?!

. Em nome de quem se cala.....

. Amarga Lucidez

. Com água no bico

. Elvas com alguma rima e ....

. 28 de Fevereiro...

. Obras do Cadete

. REGRESSO

. Feição de nobreza

.links

.Contador desde- 7-2-2007

Nova Contagem-17-4-2009 - @@@@@@@@@@@@@@@@ @@@@@@@@@@@@@@@

@@@@@@@@@@@@@@@ A Seguir-nos por aqui. Obrigado @@@@@@@@@@@@@@@@ free counters
Free counters @@@@@@

.Pensamentos de Mª José

@@@@@@@@@@@@@@@@@

@@@@ O caminho acaba ali... Ali onde começa a descoberta, O caminho é sempre estrada feita O fim do caminho É uma porta aberta... Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@ Quando o homem se render à força que o amor tem e a arma for oração pulsará na vida a paz como bate um coração. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Ser semente do futuro, é a mensagem de esperança, Que como um recado antigo, A vida nos dá a herança.- Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@ Eu penso, que é saudável e honesto reconhecer e respeitar as diferenças que nos individualizam no campo, também dosi deais.----- Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@ Há uma tal comunhão entre a obra e o autor Que até Deus concebe o Homem e o Homem - o Criador! Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ UMA IDEIA : É uma LUZ que se acende i nesperadamente no nossos espirito iluminando um caminho novo. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Sei para onde vou- pela ansia de galgar a distância- de onde estou- para o que não sou. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ A solidão é o que preenche o vazio de todas as ausências. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Quando na vida se perde, Um amigo ou um parente, P’ra que serve a Primavera? Se o frio está dentro da gente. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Mesmo sobre a saudade, a doçura do Natal, embala cada coração como uma música de esperança. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Em passadas de gigante nobre de traça e idade vem da nascente p'ras fontes dar de beber à cidade. -- Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Nas flores como nas pessoas, ás vezes a aparente fragilidade também pode esconder astúcias e artificiosos bluffes ”. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ A cada um seu direito, A cada terra seu uso, A cada boca um quinhão, A cada roca seu fuso, Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Seja cada dia um fruto- Cada fruto uma semente- Cada semente o produto- Dos passos dados em frente. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Coisas e loisas esparsas- Como a ferrugem – se pica- Como a lama dos caminhos- Se pisada… nos salpica. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Todos os dias amanhecem Crianças Pássaros Flores ! Sobre a noite das crianças Pássaros Flores que já não amanhecem Amanhecerá! Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Ao longe vejo Olivença Mais perto, Vila Real A meus pés o Guadiana Correndo manso – na crença De que tudo é Portugal Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Pátria sagrada de povo, Que emigrada- ganha pão, estás repartida- mas viva Se te bate o coração. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Portugal mais se define Onde a fronteira se traça Pode partir, mas não dobra Quem defende Pátria e Raça Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Bom seria se os recados do nosso coração chegassem ao ouvido de quem os motiva, porque então saberíamos como somos queridos e lembrados sem necessidade de telefones ou cartas. As comunicações seriam de coração para coração como a música de alma que se soltasse de um poema. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@

.ARTIGOS PUBLICADOS Em :

Jornal Linhas de Elvas - Desde 1950 @ @@@@@@@@@@@ Jornal da Beira - (Guarda) @@@@@@@@@@@ Jornal da Ilha Terceira (Açores) @@@@@@@@@@@ Jornal O Dia @@@@@@@@@@@ Jornal O Despertador @@@@@@@@@@@ Revista Norte Alentejo @@@@@@@@@@@

.LIVROS PUBLICADOS:

-E vim cantar- 1955@ -Paisagem- 1956@ -Rezas e Benzeduras- 2000@ @@@@@@@@@@@