Quarta-feira, 20 de Agosto de 2008

Adenda

Conversas Soltas

Jornal Linhas de Elvas

Nº 2.928 – 26-Julho - 2007

 

 

João Aranha, disse-me, pelo telefone, a rir, no seu jeito de amigo: - “então você – estava de pé feito – para não meter os pés pelas mãos – e não disse que a escrever ninguém faz um: pé-de-meia?”

                 

Reconheci, divertida, que essas metáforas me haviam escapado e, claro está, outras, muitas mais, que nunca soube ou saberei.

De qualquer modo, rendida ao bom humor do justo comentário, só pude dizer: - mas que graça! e vim acrescentar  esta adenda ao texto que já havia publicado.

           

Porém, o tira e põe, leva ou não leva, do fazer a mala para ir de férias, fez-me deixar no computador meio esquecidas as duas ou três frases com que iniciara esta crónica semanal a que não dei seguimento na altura por falta de oportunidade.

                 Desenho-de-homem-de-oculos-lendo-jornal

Regressada a casa e, já, cumprindo a praxe de ler os jornais da terra, dei com surpresa minha, com mais umas achegas para a “colecção” que eu tinha trazido à baila.

Desta vez, vêm de Victor Beltram-Sabino – que aqui saúdo – e são: - “ pé-de-meia”, “de pé atrás”, “rapa pé”, “rodapé”, “pé de atleta”, “pé-coxinho”, “pé firme” e, “pé de salsa2. (algumas destas expressões, estão, também, incluídas nas sugestões de João Aranha)

Obrigada a ambos pela ajuda e por se darem ao trabalho de ler os meus escritos dando-lhes assim sentido de existência.

Cumpridas as formalidades que nos impõem coração e educação

Retomo este velho jeito de olhar a vida da cidade e comentar de acordo com o meu critério o que me toca, dando-me alegria, prazer, orgulho ou sofrimento.

Hoje, são 22 de Julho de 2007e, é neste dia que retomo as minhas crónicas.

           morte.jpg

Não posso, por isso, escrever seja o que for, sem antes deixar aqui um sinal de profunda mágoa pela morte da minha amiga Firmelinda.

Conhecia-lhe a história desde o berço. Vi-a crescer, com seu jeitinho doce, delicado, seu brio e eficiência na profissão que desempenhava exemplarmente, sua aceitação da doença sem ares

De tragédia – com humildade e profunda Fé.

 Ainda muito recentemente me contava que fazia insulina havia cinquenta anos!

Ultimamente, quando nos cruzávamos no “Sr.Bandeiras” costumava, acompanha-la até à porta e levar-lhe as compras.

Seguíamos de braço dado, devagarinho e, como amigas que éramos, e sempre fomos, revivíamos com saudade outros afectos comuns que o tempo também já havia desfeito.

Deixo-lhe aqui, hoje, publicamente um aceno de adeus e apreço pela sua nobre coragem de viver, casando, tendo filhos, superando a doença, sem fraquejar, até ao fim .

Aos que ainda vão resistindo, enche-os a Vida, cada vez, de mais saudades para o resto do caminho...

Para o Frias, Joaninha e a toda a família um sentido abraço de terna solidariedade e respeito pela dor que sofrem.

 

    Maria José Rijo

 

música: Firmelinda Frias

publicado por Maria José Rijo às 21:41
| comentar | Favorito
partilhar
2 comentários:
De Adalgisa Alexandra a 20 de Agosto de 2008 às 22:38
Querida Tia
O seu blog está cada vez mais lindo, mais composto
e cada vez mais aparecem textos preciosos.
Todos e cada um deles com os seus temas, mas todos
de mão dada por essa sua forma tão especial de
escrever.
Comove-me a sua amizade e alegria pela vida.

Muitos beijinhos Tia
Gisa


De Aristeu a 21 de Agosto de 2008 às 12:45
Bom dia tia zinha
Passei rapidamentepara deixar um grande
beijinho desta sua familia aqui no Brasil.

Aristeu


Comentar post

.Maria José Rijo

.pesquisar

 

.Agosto 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10
11
12

13
14
15
16
17
19

20
21
22
23
24
25
26

27
28
29
30
31


.posts recentes

. Parabéns Avelino

. Parabéns Luciano

. CONVITE

. Cá Estou ... - 2

. CORAL PÚBLIA HORTÊNSIA DE...

. CRIANÇA - 1990

. Parabéns

. A afilhada da Tia Zé

. Páscoa - 2017

. Homenagem a Maria José Ri...

.arquivos

.tags

. todas as tags

. Dia de Anos

. Então como é ?!

. Em nome de quem se cala.....

. Amarga Lucidez

. Com água no bico

. Elvas com alguma rima e ....

. 28 de Fevereiro...

. Obras do Cadete

. REGRESSO

. Feição de nobreza

.links

.Contador desde- 7-2-2007

Nova Contagem-17-4-2009 - @@@@@@@@@@@@@@@@ @@@@@@@@@@@@@@@

@@@@@@@@@@@@@@@ A Seguir-nos por aqui. Obrigado @@@@@@@@@@@@@@@@ free counters
Free counters @@@@@@

.Pensamentos de Mª José

@@@@@@@@@@@@@@@@@

@@@@ O caminho acaba ali... Ali onde começa a descoberta, O caminho é sempre estrada feita O fim do caminho É uma porta aberta... Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@ Quando o homem se render à força que o amor tem e a arma for oração pulsará na vida a paz como bate um coração. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Ser semente do futuro, é a mensagem de esperança, Que como um recado antigo, A vida nos dá a herança.- Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@ Eu penso, que é saudável e honesto reconhecer e respeitar as diferenças que nos individualizam no campo, também dosi deais.----- Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@ Há uma tal comunhão entre a obra e o autor Que até Deus concebe o Homem e o Homem - o Criador! Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ UMA IDEIA : É uma LUZ que se acende i nesperadamente no nossos espirito iluminando um caminho novo. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Sei para onde vou- pela ansia de galgar a distância- de onde estou- para o que não sou. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ A solidão é o que preenche o vazio de todas as ausências. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Quando na vida se perde, Um amigo ou um parente, P’ra que serve a Primavera? Se o frio está dentro da gente. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Mesmo sobre a saudade, a doçura do Natal, embala cada coração como uma música de esperança. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Em passadas de gigante nobre de traça e idade vem da nascente p'ras fontes dar de beber à cidade. -- Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Nas flores como nas pessoas, ás vezes a aparente fragilidade também pode esconder astúcias e artificiosos bluffes ”. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ A cada um seu direito, A cada terra seu uso, A cada boca um quinhão, A cada roca seu fuso, Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Seja cada dia um fruto- Cada fruto uma semente- Cada semente o produto- Dos passos dados em frente. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Coisas e loisas esparsas- Como a ferrugem – se pica- Como a lama dos caminhos- Se pisada… nos salpica. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Todos os dias amanhecem Crianças Pássaros Flores ! Sobre a noite das crianças Pássaros Flores que já não amanhecem Amanhecerá! Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Ao longe vejo Olivença Mais perto, Vila Real A meus pés o Guadiana Correndo manso – na crença De que tudo é Portugal Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Pátria sagrada de povo, Que emigrada- ganha pão, estás repartida- mas viva Se te bate o coração. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Portugal mais se define Onde a fronteira se traça Pode partir, mas não dobra Quem defende Pátria e Raça Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Bom seria se os recados do nosso coração chegassem ao ouvido de quem os motiva, porque então saberíamos como somos queridos e lembrados sem necessidade de telefones ou cartas. As comunicações seriam de coração para coração como a música de alma que se soltasse de um poema. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@

.ARTIGOS PUBLICADOS Em :

Jornal Linhas de Elvas - Desde 1950 @ @@@@@@@@@@@ Jornal da Beira - (Guarda) @@@@@@@@@@@ Jornal da Ilha Terceira (Açores) @@@@@@@@@@@ Jornal O Dia @@@@@@@@@@@ Jornal O Despertador @@@@@@@@@@@ Revista Norte Alentejo @@@@@@@@@@@

.LIVROS PUBLICADOS:

-E vim cantar- 1955@ -Paisagem- 1956@ -Rezas e Benzeduras- 2000@ @@@@@@@@@@@