Sexta-feira, 29 de Agosto de 2008

Último e primeiro...

Jornal Linhas de Elvas

Nº 2.693 – 17 – Janeiro - 2003

Conversas Soltas

                   

Que a morte é apenas um dia das nossas Vidas, disse com admirável dignidade um Homem que sabia que estava a conviver com a proximidade do fim da sua existência.

                Joao_Amaral.jpg

Chamava-se João Amaral e foi no dizer de todos os seus contemporâneos, um homem notável.

Só que, não foi notável, pelos cargos que ocupou, mas sim, pela forma como os desempenhou, pela sua excelência como ser humano.

Como qualquer espectador anónimo, mas atento, eu conhecia o doutor João Amaral dos écrans da televisão, de onde, aliás, como a maioria dos portugueses, conhecemos todos os políticos.

Não tenho dúvidas de que em todas as suas intervenções – deixava, como algumas outras figuras políticas, - poucas, infelizmente – uma impressão de imparcialidade, saber e honestidade que o tornavam credível, quer para os seus partidários, quer para adversários políticos.

Lembro-me também de uma sua participação num programa, um tanto ou quanto brejeiro, onde parecia impensável ver a presença de um comunista, a não ser, claro, que se tratasse de um homem charmoso, culto, inteligente, com sentido de humor, e seguro de si como ele deve ter sido, ou, pelo menos, parecia ser.

Refiro, “na cama com” em que, como todos os outros intervenientes que o antecederam, ou lhe sucederam, aceitava o provocante desafio de dialogar com Alexandra Lencastre.

Ninguém pensaria por exemplo, ver Carlos Carvalhas numa situação idêntica!

É essa, outra das diferenças, entre os que conservam a liberdade de espírito, e, aqueles que adaptados às viseiras, só enxergam numa direcção.

Pensemos no que lhe aconteceu a nível partidário...

Mas, não é disto que eu venho falar.

Venho, sim, partilhar com alguns leitores, que por ventura tenha, o apelo de consciência que a frase de João Amaral me propôs.

“Afinal a morte é apenas um dia da nossa Vida”; foi o que corajosamente disse.

É apenas um dia da nossa Vida!

 - Nunca eu, pensara isso, pensara assim... mas, agora, que me detive a sopesar o valor desta afirmação, não resisto a acrescentar:- um dia, sim!- mas o último.

Se pensarmos também no desaparecimento – bem recente - de Zé Viana, havemos de ser levados a crer, que se a frase fora dita por ele, seria da apoteose, da cena final do último acto duma representação, que ele falaria.

Do encerrar do espectáculo.

O momento em que se reafirma em força, em beleza, em cor, em luz, o sentido, a mensagem, daquilo, que de traz se vinha somando – o clímax, – o fecho de um todo.

Eram ambos comunistas.

Convictos, honestos, admiráveis nos seus diversos percursos de Vida.

E, nós os católicos? – se a frase tivesse sido proferida por um qualquer de nós que sentido lhe emprestaríamos?...

Ao pensar no último dia teríamos que ser levados a crer que esse último – sendo um, qualquer que ele fosse, qualquer que ele seja - é o primeiro de um regresso prometido.

Simultaneamente, fim e princípio.

Daí que nunca será para nós apenas, um dia, mas o dia!

perdao-filho-prodigo.jpg

Remoendo estas ideias, talvez por influência do livro que tenho em mãos – O regresso do filho pródigo – de Henri NouwenMeditações perante um quadro de Rembrandt”... Foi para a parábola de: - o filho pródigo – que, mais ou menos todos somos - que o meu pensamento voou.

E, fixei-me na mensagem de esperança que ela encerra.

É que na verdade, pelo menos para quem crê, o último dia, pode sempre ser o primeiro, – do regresso – porque a porta está sempre aberta para quem, das penas, que causou, carregue arrependimento, e do bem que tenha conseguido fazer apenas guarde a alegria de ter andado no caminho da confiança, que a todos é proposto.

Da Paz, que conseguirmos estabelecer nos nossos corações, entre o “filho mais velho”, e o “filho mais novo” que sempre habitam em nós, dependerá, por certo, a leitura que até ao derradeiro instante haveremos de fazer entre último e primeiro.

 

   Maria José Rijo.

 

estou:

publicado por Maria José Rijo às 21:03
| comentar | Favorito
partilhar
5 comentários:
De Aristeu a 29 de Agosto de 2008 às 23:49
Já estou em casa.
Como é bom chegar a casa e reencontrar a
familia.
Também vim ve-la a si e deuxar um beijinho.
Bom fim de semana.
Aristeu


De Maria José a 2 de Setembro de 2008 às 22:26
Aristeu - venho só deixar-lhe um beijinho com muito carinho.
Creia que gosta muito de si a tia Zé


De Gustavp Frederich a 30 de Agosto de 2008 às 10:39
Querida Tia
Desculpe a minha ausencia mas tenho tido visitas em
casa e o tempo ficou minimo, pelo que só hoje
consegui abrir a net.

É sempre uma delicia entrar aqui, na sua "casa" na
Casa das Letras, das belissimas letras suas.
Tem sempre textos especiais e devo confessar que
estes últimos são de uma lucidez impressionante e de
uma honestidade arrepiante.
Realmente Maria José Rijo, a minha Tia é uma Senhora
que sabe dar a sua opinião, na medida certa. Sei que
quando damos a nossa opinião, nem sempre se é do
agrado de todos, mas é mesmo assim - não podemos
que todos apreciem... mas uma boa parte vai ler
com a devida atenção e escutar de alma e coração.
Gosto das suas opiniões, da forma incrivel como as
passa.
Gosto do seu blog(s)
Gosto de si.

Beijinhos Tia querida
Gus


De Luis Manuel a 30 de Agosto de 2008 às 10:45
Olá Bom dia
Acabei de conhecer o seu blog.
Sou de Faro e procurava poesia e eis que encontrei
este magnifico blog - onde reina a poesia.
Uma belissima poesia.
Os meus Parabéns.

Voltarei certamente ao seu convivio.
Luis Manuel Trindade


De Maria José a 2 de Setembro de 2008 às 22:32
Luis Manuel
obrigada pela sua visita
Curiosamente , minha irmã é natural de Faro. Todos os anos visito essa cidade onde temos a sepultura de meus Pais e família próxima.
duplamente bem -vindo
um abraço - maria josé


Comentar post

.Maria José Rijo

.pesquisar

 

.Agosto 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10
11
12

13
14
15
16
17
19

20
21
22
23
24
25
26

27
28
29
30
31


.posts recentes

. Parabéns Avelino

. Parabéns Luciano

. CONVITE

. Cá Estou ... - 2

. CORAL PÚBLIA HORTÊNSIA DE...

. CRIANÇA - 1990

. Parabéns

. A afilhada da Tia Zé

. Páscoa - 2017

. Homenagem a Maria José Ri...

.arquivos

.tags

. todas as tags

. Dia de Anos

. Então como é ?!

. Em nome de quem se cala.....

. Amarga Lucidez

. Com água no bico

. Elvas com alguma rima e ....

. 28 de Fevereiro...

. Obras do Cadete

. REGRESSO

. Feição de nobreza

.links

.Contador desde- 7-2-2007

Nova Contagem-17-4-2009 - @@@@@@@@@@@@@@@@ @@@@@@@@@@@@@@@

@@@@@@@@@@@@@@@ A Seguir-nos por aqui. Obrigado @@@@@@@@@@@@@@@@ free counters
Free counters @@@@@@

.Pensamentos de Mª José

@@@@@@@@@@@@@@@@@

@@@@ O caminho acaba ali... Ali onde começa a descoberta, O caminho é sempre estrada feita O fim do caminho É uma porta aberta... Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@ Quando o homem se render à força que o amor tem e a arma for oração pulsará na vida a paz como bate um coração. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Ser semente do futuro, é a mensagem de esperança, Que como um recado antigo, A vida nos dá a herança.- Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@ Eu penso, que é saudável e honesto reconhecer e respeitar as diferenças que nos individualizam no campo, também dosi deais.----- Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@ Há uma tal comunhão entre a obra e o autor Que até Deus concebe o Homem e o Homem - o Criador! Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ UMA IDEIA : É uma LUZ que se acende i nesperadamente no nossos espirito iluminando um caminho novo. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Sei para onde vou- pela ansia de galgar a distância- de onde estou- para o que não sou. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ A solidão é o que preenche o vazio de todas as ausências. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Quando na vida se perde, Um amigo ou um parente, P’ra que serve a Primavera? Se o frio está dentro da gente. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Mesmo sobre a saudade, a doçura do Natal, embala cada coração como uma música de esperança. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Em passadas de gigante nobre de traça e idade vem da nascente p'ras fontes dar de beber à cidade. -- Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Nas flores como nas pessoas, ás vezes a aparente fragilidade também pode esconder astúcias e artificiosos bluffes ”. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ A cada um seu direito, A cada terra seu uso, A cada boca um quinhão, A cada roca seu fuso, Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Seja cada dia um fruto- Cada fruto uma semente- Cada semente o produto- Dos passos dados em frente. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Coisas e loisas esparsas- Como a ferrugem – se pica- Como a lama dos caminhos- Se pisada… nos salpica. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Todos os dias amanhecem Crianças Pássaros Flores ! Sobre a noite das crianças Pássaros Flores que já não amanhecem Amanhecerá! Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Ao longe vejo Olivença Mais perto, Vila Real A meus pés o Guadiana Correndo manso – na crença De que tudo é Portugal Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Pátria sagrada de povo, Que emigrada- ganha pão, estás repartida- mas viva Se te bate o coração. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Portugal mais se define Onde a fronteira se traça Pode partir, mas não dobra Quem defende Pátria e Raça Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Bom seria se os recados do nosso coração chegassem ao ouvido de quem os motiva, porque então saberíamos como somos queridos e lembrados sem necessidade de telefones ou cartas. As comunicações seriam de coração para coração como a música de alma que se soltasse de um poema. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@

.ARTIGOS PUBLICADOS Em :

Jornal Linhas de Elvas - Desde 1950 @ @@@@@@@@@@@ Jornal da Beira - (Guarda) @@@@@@@@@@@ Jornal da Ilha Terceira (Açores) @@@@@@@@@@@ Jornal O Dia @@@@@@@@@@@ Jornal O Despertador @@@@@@@@@@@ Revista Norte Alentejo @@@@@@@@@@@

.LIVROS PUBLICADOS:

-E vim cantar- 1955@ -Paisagem- 1956@ -Rezas e Benzeduras- 2000@ @@@@@@@@@@@