Domingo, 14 de Setembro de 2008

A SIC sabe...

Jornal Linhas de Elvas

Nº 2.734 – 7 de Novembro de 2003

Conversas Soltas

 

Chega a ser irritante a presunção implícita na pequena frase: - a SIC, sabe...

A SIC soube em primeira-mão...

Não é que esteja mal que saiba! – Nem é pecado que tenha sabido em primeira-mão!

Nem é que se possa sequer discutir o direito de informar antes que outros o façam.

Não é nada disso!

O que choca, o que fere as consciências, é a guerra subjacente à maneira como as coisas são ditas e como são feitas, é aquele: - em primeira-mão – repetido até ao cansaço que encerra toda a agressividade com que presentemente se faz jornalismo informativo.

É o despique.

É a falsa mensagem, que essa circunstância passa, de que o saber antes de outros, valoriza a notícia ou quem a der.

É, como dizem os brasileiros: - o contar vantagem...A bazófia!

É – o levar – a competição até à falta de ética.

Podem esgatanhar-se lá entre eles.

Podem, embora não devam. Porém, quando a notícia é passada para o grande público, não precisaria, penso, de vir ainda imbuída dos sinais da contenda, da arrogância que, afinal, em nada enriquece ou valoriza, nem a notícia, nem quem a dá.

O facto de ter sido aventada em primeira-mão, não torna a boa notícia melhor, nem piora a que for má. 

              

O que pode acontecer sempre, é lembrar as querelas das crianças. As disputas, entre irmãos, colegas de escola etc. etc. etc.

É o infantil esfregar, um punho fechado, na palma da outra mão, bem aberta, para arreliar os competidores vencidos, dizendo com ares provocatórios e trocistas: - ganhei! - Cheguei primeiro! - Ganhei!

Porque, isso, que nessa circunstância, não passa de criancice; na melhor das hipóteses, neste outro caso, é prova de -  lamentável imaturidade intelectual...

indigo_childern.jpg

Há agora, qualquer coisa, qualquer subtileza em certas formas de noticiar, que nos atinge de forma incómoda – quase ofensiva da nossa dignidade e da postura cívica que a todos se recomenda.

É certamente, mas não “só” falta de sobriedade!

É, porventura a desenfreada competição, que afasta da medida comportamental certa os intervenientes no processo.

Parece que toda a preocupação consiste mais na “ultrapassagem,” do que propriamente na forma como se processa a abordagem dos assuntos e, até, no sádico prazer de coscuvilhar a desgraça alheia.

Sem dúvida, transparece a mesma fúria, a mesma louca inconsciência, que faz das estradas de Portugal vias inseguras, onde o atropelo a códigos é a regra de que se orgulham os “espertalhuços” que vão (porque são, sempre, eles os primeiros e os melhores) – espalhando desgraça e morte!

Que país é o nosso afinal, que gente somos nós, se nos desvanece “tramar” o próximo, ao invés de nos centrarmos no que nos cabe cumprir...

Cumprir como pessoas de bom senso, pessoas de bem, gente com consciência dos seus deveres morais e cívicos!

Noticiar não será pura e simplesmente dar a notícia? – Informar sobre os acontecimentos? – Relatar com a maior independência, honestidade e rigor factos concretos?

 

Porquê especular?

Porquê, e, para quê?

Noticiar, é uma tarefa nobre e responsável, que não se compadece com despiques e populismos.

A notícia é, tem de ser, a face objectiva da verdade.

              

Referi-me à SIC, porque me parece, que estação que anuncia, a toda e qualquer hora, de forma tão grosseira, um programa de anedotas, de que parecem orgulhar-se, (em lugar de, dele, se envergonhar...) ainda não encontrou, por certo, o necessário equilíbrio entre o saber estar, o dito de espírito, a graça e a desgraça de não ter bitola para a justa medida do que informa, e instrui, valoriza ou degrada e polui a consciência moral de um povo.

 

 

Maria José Rijo

 

ROTA chamada filme

estou:

publicado por Maria José Rijo às 20:44
| comentar | Favorito
partilhar
4 comentários:
De Adalgisa Alexandra a 14 de Setembro de 2008 às 23:14
Olá Tiazinha
muitos beijinhos de boa noite e desejos de que
descanse bem para esta semana... breve estará
aí a sua exposição. Não é?

Muitos beijinhos

Gisa


De Maria José a 15 de Setembro de 2008 às 14:17
Gisa! - só mesmo mesmo um Xi-Coração que estou afogada em caixas e caixinhas...
Beijinhos - Tia Zé


De Artur Batista a 14 de Setembro de 2008 às 23:16
Cara Maria José
Tem realmente razão neste seu artigo.
Concordo plenamente.

Parabens pelo seu blog.

Artur Batista


De Maria José a 15 de Setembro de 2008 às 14:30
Artur Batista - fico feliz por concordar comigo.
É sempre bom ter quem nos entenda
Um abraço grato da
Maria José Rijo


Comentar post

.Maria José Rijo

.pesquisar

 

.Agosto 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10
11
12

13
14
15
16
17
19

20
21
22
23
24
25
26

27
28
29
30
31


.posts recentes

. Parabéns Avelino

. Parabéns Luciano

. CONVITE

. Cá Estou ... - 2

. CORAL PÚBLIA HORTÊNSIA DE...

. CRIANÇA - 1990

. Parabéns

. A afilhada da Tia Zé

. Páscoa - 2017

. Homenagem a Maria José Ri...

.arquivos

.tags

. todas as tags

. Dia de Anos

. Então como é ?!

. Em nome de quem se cala.....

. Amarga Lucidez

. Com água no bico

. Elvas com alguma rima e ....

. 28 de Fevereiro...

. Obras do Cadete

. REGRESSO

. Feição de nobreza

.links

.Contador desde- 7-2-2007

Nova Contagem-17-4-2009 - @@@@@@@@@@@@@@@@ @@@@@@@@@@@@@@@

@@@@@@@@@@@@@@@ A Seguir-nos por aqui. Obrigado @@@@@@@@@@@@@@@@ free counters
Free counters @@@@@@

.Pensamentos de Mª José

@@@@@@@@@@@@@@@@@

@@@@ O caminho acaba ali... Ali onde começa a descoberta, O caminho é sempre estrada feita O fim do caminho É uma porta aberta... Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@ Quando o homem se render à força que o amor tem e a arma for oração pulsará na vida a paz como bate um coração. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Ser semente do futuro, é a mensagem de esperança, Que como um recado antigo, A vida nos dá a herança.- Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@ Eu penso, que é saudável e honesto reconhecer e respeitar as diferenças que nos individualizam no campo, também dosi deais.----- Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@ Há uma tal comunhão entre a obra e o autor Que até Deus concebe o Homem e o Homem - o Criador! Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ UMA IDEIA : É uma LUZ que se acende i nesperadamente no nossos espirito iluminando um caminho novo. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Sei para onde vou- pela ansia de galgar a distância- de onde estou- para o que não sou. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ A solidão é o que preenche o vazio de todas as ausências. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Quando na vida se perde, Um amigo ou um parente, P’ra que serve a Primavera? Se o frio está dentro da gente. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Mesmo sobre a saudade, a doçura do Natal, embala cada coração como uma música de esperança. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Em passadas de gigante nobre de traça e idade vem da nascente p'ras fontes dar de beber à cidade. -- Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Nas flores como nas pessoas, ás vezes a aparente fragilidade também pode esconder astúcias e artificiosos bluffes ”. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ A cada um seu direito, A cada terra seu uso, A cada boca um quinhão, A cada roca seu fuso, Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Seja cada dia um fruto- Cada fruto uma semente- Cada semente o produto- Dos passos dados em frente. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Coisas e loisas esparsas- Como a ferrugem – se pica- Como a lama dos caminhos- Se pisada… nos salpica. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Todos os dias amanhecem Crianças Pássaros Flores ! Sobre a noite das crianças Pássaros Flores que já não amanhecem Amanhecerá! Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Ao longe vejo Olivença Mais perto, Vila Real A meus pés o Guadiana Correndo manso – na crença De que tudo é Portugal Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Pátria sagrada de povo, Que emigrada- ganha pão, estás repartida- mas viva Se te bate o coração. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Portugal mais se define Onde a fronteira se traça Pode partir, mas não dobra Quem defende Pátria e Raça Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Bom seria se os recados do nosso coração chegassem ao ouvido de quem os motiva, porque então saberíamos como somos queridos e lembrados sem necessidade de telefones ou cartas. As comunicações seriam de coração para coração como a música de alma que se soltasse de um poema. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@

.ARTIGOS PUBLICADOS Em :

Jornal Linhas de Elvas - Desde 1950 @ @@@@@@@@@@@ Jornal da Beira - (Guarda) @@@@@@@@@@@ Jornal da Ilha Terceira (Açores) @@@@@@@@@@@ Jornal O Dia @@@@@@@@@@@ Jornal O Despertador @@@@@@@@@@@ Revista Norte Alentejo @@@@@@@@@@@

.LIVROS PUBLICADOS:

-E vim cantar- 1955@ -Paisagem- 1956@ -Rezas e Benzeduras- 2000@ @@@@@@@@@@@