Quinta-feira, 2 de Outubro de 2008

Retrato de Menina

 

Oleo de Maria José Rijo

(1982)

que pode ser apreciado

no Museu de Fotografia de Elvas

estou: Oleo de Maria Jose
música: Retrato da Ana

publicado por Maria José Rijo às 23:05
| comentar | Favorito
partilhar
19 comentários:
De Adalgisa Alexandra a 3 de Outubro de 2008 às 01:03
LINDA este menina.
Um baleza e a sua pincelada divinal.
Parabens tia

Gisa


De Manuel Barbosa a 5 de Outubro de 2008 às 18:06
Mas que surpresa ter encontrado hoje este seu
blog, D. maria José Rijo
Sabe que durante a semana do São Mateus estive
em Elvas para resolver um problema no Registo
Civil e acabei por visitar a sua exposição.
Gostei Imenso de conhecer as suas obras de arte,
os seus belos quadros - como esta menina - que foi
uma agradavel surpresa, tal como os seus lindos
bonecos de madeira e os trabalhos de conchas.
Tudo muito lindo no entanto achei que a Senhora
que nos recebeu muito mal encarada, ou estaria
doente ou estava muito mal disposta, não a achei
nada simpática. Desculpe estar a contar este
pormenor de menor importancia mas pareceu-me
um contraste fora do contexto.
... acabei por nem escrever nada no seu livro de
comentários, o que peço desculpa - mas fica aqui
então a minha apreciação a esta sua belissima
exposição.

Seu muito admirador

Manuel Barbosa


De maria José a 8 de Outubro de 2008 às 18:36
Que notícia boa que tenha visitado a exposição que tenha gostado e, que ainda tenha tido a gentileza de o contar.
Obrigada de coração
Maria José


De Ana Maria Lourenço a 5 de Outubro de 2008 às 18:23
Minha boa amiga
Cá estou eu novamente para rever toda a sua
exposição.
É LINDISSIMA.
Este quadro é uma ternura, que menina tão linda,
que luz, que expressão, que tom de pele...
Estou veramente contente.
A Senhora é uma grande GRANDE pintora, uma
grande artista e como diziam aqui nos comentários
eu também acho que merecei também fazer esta
mesma exposição aqui em Lisboa - assim também
era mais facil para eu me aproximar.

Mas para já os meus Parabens amiga e boa
continuação.
Adorei tudo.

Ana maria Lourenço


De Maria José a 8 de Outubro de 2008 às 18:41
Ana Maria Lourenço - obrigada pelo apreço. Realmente algumas coisas saiem-me bem - mas outras não.
Precalços de amadorismo...
Um beijo de muito obrigada
Maria José


De Flor do Cardo a 5 de Outubro de 2008 às 18:47
Cara Maria José
Mas que maravilha, que Lindo quadro.
Esta menina é uma das suas sobrinhas, é a paulinha?
È uma Maravilha até me parece que sorri para nós.

Maria José nem acredita mas o Gílio diz que agora
assim que poder que vai passar uma semana consigo
e que iremos todos, mas todos não acredito, o Aristeu
está muito ocupado na nova universidade, a Cílene
com a grande barriga, não me perece que queira
sair do Brazil, e eu , eu estou mesmo muito velho e
sem paciência menhuma para aviões e então para
fazer uma viagem tão grande, como esta.
MAs ele diz que sim que vai.
deixe ver, o que isto dá. Esta teimosia de sair do
Brazil a todo o custo.
Valha-nos Deus com este menino.
Um abraço

Luciano


De Lucas Marquês a 5 de Outubro de 2008 às 20:27
D. Maria José
Vim ver a sua exposição aqui no blog porque afinal,
parece que tive azar, estive no Museu para tentar
ver mas estava fechado - foi na semana passada -
foi por uma caso - o meu genro foi com a minha
filha a Badajoz e deixou-nos em Elvas com uma
prima que conhecia a cidade.
Indicaram-nos o Museu e a sua exposição no Posto
de turismo e lá fomos - eu todo contente porque
afinal poderia ter a possibilidade de a encontrar a si,
mas parece que o dia não foi bom.
O Museu estava fechado e nada foi possivel. Foi
uma pena realmente.
Mas... quem sabe se não se proporciona outro
passeio - é que vivemos em Alamada e pode ser
que outro dia... deixe ver o que o tempo nos dá.
Mas fica a pena de uma ilusão perdida.
Aqui está muito bem exposta a exposição no entanto,
nada comover ao vivo.

Bem haja
Seu admirador


Lucas Marquês


De Maria José a 8 de Outubro de 2008 às 18:55
Lucas Marquês
A vida é mesmo feita de desencontros.
Tenho, como é lógico curiosidade e interesse por conhecer melhor as pessoas com quem comunico pela net o que não é fácil.
Surge uma oportunidade. Constipo-me o bastante para não sair de casa e, algumas Amigos que tentam ver os meus trabalhos - desencontram-se com os horários que as festas alteraram...
que pena! - mas, mesmo assim obrigada pela tentativa e pelas suas palavras.
Um abraço - Maria José


De Augusta Silva Torres a 5 de Outubro de 2008 às 21:18
Minha amiga Maria José
Permita-me que a trate assim.
Desde que descobri o eu blog tenho vindo cá todos
os dias e devo dizer-lhe que a minha amiga não é só
uma belissima escritora mas tem umas mãos de
artista genuina.

O meu neto veio mostrar-lhe a resposta ao meu
comentário, ainda está aqui sentado a meu lado,a
sorrir como um anjo da guarda.
Muito grata pelas suas palavras, nem imagina como
eu ficaria feliz se a amiga pudesse estar nas nossas
quintas feiras a tomar o chazinho das 5h.

A Margarida ficou encantada com essa possibilidade.
Mas claro, como seria isso possível se nós vivemos
tão a norte. e a Senhora a caminho do Algarve...

Mas, retomando o meu pensamento primeiro, devo
e quero dizer-lhe que muito me emocionei com os
seus Bonecos de Madeira.
São de uma beleza, de uma autenticidade que só
lhes falta falar. Até as roupinhas são igualzinhas à
antiga uzança, como dizem os nossos amigos
espanhóis. (É que tenho uma empregada nova, a
Soledad que paraticamente só fala o castelhano, e
eu tão velha e sem coragem de aprender o idioma -
mas ela coitadinha, quer ensinar-me.)

Miinha amiga hoje cá em casa foi dia de compotas,
de fazer algmas compotas e a casa está cheia de
perfumes, é impossivel não lembrar a minha
meninice na casa de meus pais.
casa abastada onde a criadagem não parava pelos
afazeres, e a Rosinha, que cuidava de mim e das
minhas irmãs, aparecia com os lanches onde as
compotas faziam a nossa alegria. Belos tempos...
agora tão longinquos.

Maria José queira saber que esta velhota de 92
primaveras (como diz o antónio) está a gostar
imenso deste seu cantinho - que faz a minhas
delicias.

Muito obrigada amiga

Augusta Silva Torres


De Augusta Silva Torres a 5 de Outubro de 2008 às 21:23
Esqueci-me de lhe comentar que este quadro de
menina faz muito lembrar a minha primogenita.
tal e qual, tanto que até me baralhei, mas tomara
que o quadro que mandei pintar das minhas filhas,
tivesse ficado tão bem quanto este seu.
É mesmo uma artista de mão cheia.
Parabens pela grande obra que tem feito ao longo
destes anos.
Que seja muito amada, isso do amor que nos têm
é como anos de vida que nos dão.
Um beijinho

Augusta Silva Torres


De Maria José a 8 de Outubro de 2008 às 19:13
Minha Amiga
Chegou cá o cheirinho das compotas...Chegou em saudade da casa de meus Pais onde se viviam as matanças, as conservas e tudo o mais que fazia a fartura das casas antigas. As azeitonas de conserva temperavam-se na primeira terça feira ( ou sexta?, não lembro bem) de Fevereiro, e por aí fora...
Minha muito querida Mãe faleceu com quase 104 anos aqui em nossa casa. Enquanto a tive ainda fui cumprindo os rituais, há cinco anos. Ela estava cega- só via claro e escuro - mas tinha um olfacto privilegiado e, uma resignação de santidade, e revivia assim as suas lembranças.
Vim somar estas lembranças ás suas para nos conhecermos melhor
Um abraço - Maria josé


De Dolores e Luizinha e Avelino a 5 de Outubro de 2008 às 23:38
Nossa querida Tia
Muito obrigada pelas suas palavras, sempre tão
querida e carinhosa comnosco.
Já estamos aqui na nossa nova casa em Santiago.
É tudo muito diferente... estranho... é mesmo começar do nada...
Mas Deus há-de-nos ajudar, e se não... nem sei como
vai ser.
O Avelino está muito abalado, parece que perdeu o
interesse pela vida, nada lhe importa. Está muito
calado, sempre de olhar preso dentro de si...
nem sei... sinceramente....
A Luizinha também não está muito bem, diz que tem
medo que o bébé nasça para ser infeliz, que isto...
que mais aquilo...
Eu nem sei o que lhe diga... Santiago, agora aqui
meu vizinho tem de nos olhar e ajudar...
Que coisas que eu digo...

Tia desculpe este desabafo, mas já nem sei nada
da nossa vida.

Beijinhos Tiazinha querida
Gostamos muito de si.

DO LO RES


De Maria José a 6 de Outubro de 2008 às 10:54
Meus Queridos
A Paulinha contou-me do vosso desabafo e, eu vim aqui só, só, para lhes dar um beijinho de bons dias e para vos dizer que não vos esqueço um só momento.
Espero que a Luizinha já esteja mais tranquila e o Avelino também.
Santiago é uma maravilha. Deixem-se impregnar por esse halo misterioso que emana da catedral. Por favor olhem em frente.
Não se esquece o passado, é certo, mas o caminho é em frente.
Vão os tres juntos à Catedral rezar com os dedos nos "argujeros?"não sei como se escreve - e pensem em quantos milhares de pessoas já por lá passaram com esperança no coração apesar do sofrimento.
Também eu lá estive ainda com meu marido...
É uma saudade, é certo! Mas foi um bem que se teve e que tantos nunca tiveram.
Força, meus Queridos!
Força! Está quase aí a nossa Princesinha e só pode ser feliz quem tem uma família tão querida à sua espera.
Mnha irmã, que ainda está comigo também vos manda toda a sua ternura e apreço num granda, grande abraço.
Beijinhos grandes da vossa Tia Zé.


De Dolores e Luizinha e Avelino a 6 de Outubro de 2008 às 21:56
Minha querida Tia
Que bom que nos respondeu rapidamente. Obrigado.
Li este seu comentário aos meus queridos e vi nos
seus lábios um sorriso, ainda que vago, mas um
sorriso que fazia dias que não via.
Enquanto eu tento por esta casa de pé, o Avelino vai
e vem da igreja e ajuda um pouco, mas depois não
tem condições e tem que se deitar.
A Luisinha não tem interesse por nada, nem mesmo
pela barriga que carrega.
Não sei Tia o que vai acontecer mas espero em Deus
que esta fase não demore muito mais tempo ou quem
cai sou eu...

E a tia como é que está?
Está feliz com o exito da sua exposição?
Espero que sim, a tia merece.

Beijinhos tia
Sua sobrinha

Dolores


De Ana a 6 de Outubro de 2008 às 22:18
Viajo no tempo e recordo um presente nas maos.
O cheiro de papel novo, de oleo fresco e pensava nao pode ser um livro pois um livro nao cheira assim. Que seria que se escondia por tras daquele presente.Olhei à minha volta e todos me sorriam,mas especialmente alguem me sorria de maneira muito especial era o meu padrinho(saberia ele o que se escondia ).Aquele presente nao era destinado para mim,mas o meu padrinho olhava para mim como se fosse. Jà passaram 26 anos e ainda me recordo deste dia como se fosse hoje.Obrigada D. Maria José Rijo por esta lembrança, por esse momento inesquecivel de todos nos.Obrigada pois a sua arte tornou um dia de anos de alguem muito especial um dia inesquecivel para mim. Quando vou casa e olho para o" meu quadro" vejo a ternura,e o amor com que foi pintado.Escrevo isto com a certeza de que o seu grande amigo iria adorar ver a sua exposiçao e dizer:Linda exposiçao e obrigado.
Parabens D. Maria Jose Rijo.Mais uma vez obrigada pois este quadro tem um significado sentimental enorme para mim.


De Maria José a 8 de Outubro de 2008 às 13:11
Ana - fiz a viagem contigo.
Faço-a só muitas vezes... Os serões aqui em casa para assistir à òpera na antena dois, que em vossa casa não se via.
Os lanches de sábado com o bolo de maçã, aqui em casa. Os serões em casa dos teus Padrinhos com a tua madrinha, com ternura, ironisando a dizer que o teu padrinho era feito de música... O vosso desfile para os cumprimentos.
O Luis loirinho e lindo. O Alexandre moreno, todo belaço, o nosso ciganito, como a tua madrinha e eu gostavamos de dizer... depois tu e o resto do rancho que foi chegando.
A Méa delirava com a Rute. Eu, ainda me propus a fazer o retratinho dela , era tão mimosa e linda também...mas eu tinha 14 sobrinhos, juntando os filhos das amigas era quase um regimento. Fiz mais ou menos um por casa e desisti...
Mas, ainda bem que fiz o teu e que teus Pais mo emprestaram. Tu fazias umas caras tão ratonas que eram uma tentação...
Desde que faleceu a tia Joaquina pouco sei e vós. Ela é que me visitava e trazia fotografias para eu ver.
A vida passa, mas estes reencontros em torno de afectos que a tudo sobrevivem aquecem o coração
Um beijo grande e obrigada - saudades - Maria José


De Aristeu a 6 de Outubro de 2008 às 23:57
Minha querida Tiazinha
Desculpe eu estar a intrometer-me mas está tudo
bem consigo?
A tia não está doente pois não?
É que nós aqui, do outro lado do oceano, tão longe e
sem sabermos de nada, porque afinal, desde o dia
2 que não nos mostra mais nada, nem aqui nem nos
outros blogs.
Que se passa tia? A tia está mesmo bem?

Cá espero uma resposta tia.
muitos beijinhos
Aristeu


De Amilcar Martins a 7 de Outubro de 2008 às 11:55
Muito Linda a sua exposição.
Muitos Parabens

Amilcar Martins


De Maria José a 8 de Outubro de 2008 às 18:31
Sabe que tenho sempre um certo acanhamento em mostrar o meu irabalho?
Pode por isso avaliar como é imprtante para mim
saber que agrada
Um abraço grato -maria José


Comentar post

.Maria José Rijo

.pesquisar

 

.Agosto 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10
11
12

13
14
15
16
17
19

20
21
22
23
24
25
26

27
28
29
30
31


.posts recentes

. Parabéns Avelino

. Parabéns Luciano

. CONVITE

. Cá Estou ... - 2

. CORAL PÚBLIA HORTÊNSIA DE...

. CRIANÇA - 1990

. Parabéns

. A afilhada da Tia Zé

. Páscoa - 2017

. Homenagem a Maria José Ri...

.arquivos

.tags

. todas as tags

. Dia de Anos

. Então como é ?!

. Em nome de quem se cala.....

. Amarga Lucidez

. Com água no bico

. Elvas com alguma rima e ....

. 28 de Fevereiro...

. Obras do Cadete

. REGRESSO

. Feição de nobreza

.links

.Contador desde- 7-2-2007

Nova Contagem-17-4-2009 - @@@@@@@@@@@@@@@@ @@@@@@@@@@@@@@@

@@@@@@@@@@@@@@@ A Seguir-nos por aqui. Obrigado @@@@@@@@@@@@@@@@ free counters
Free counters @@@@@@

.Pensamentos de Mª José

@@@@@@@@@@@@@@@@@

@@@@ O caminho acaba ali... Ali onde começa a descoberta, O caminho é sempre estrada feita O fim do caminho É uma porta aberta... Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@ Quando o homem se render à força que o amor tem e a arma for oração pulsará na vida a paz como bate um coração. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Ser semente do futuro, é a mensagem de esperança, Que como um recado antigo, A vida nos dá a herança.- Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@ Eu penso, que é saudável e honesto reconhecer e respeitar as diferenças que nos individualizam no campo, também dosi deais.----- Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@ Há uma tal comunhão entre a obra e o autor Que até Deus concebe o Homem e o Homem - o Criador! Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ UMA IDEIA : É uma LUZ que se acende i nesperadamente no nossos espirito iluminando um caminho novo. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Sei para onde vou- pela ansia de galgar a distância- de onde estou- para o que não sou. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ A solidão é o que preenche o vazio de todas as ausências. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Quando na vida se perde, Um amigo ou um parente, P’ra que serve a Primavera? Se o frio está dentro da gente. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Mesmo sobre a saudade, a doçura do Natal, embala cada coração como uma música de esperança. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Em passadas de gigante nobre de traça e idade vem da nascente p'ras fontes dar de beber à cidade. -- Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Nas flores como nas pessoas, ás vezes a aparente fragilidade também pode esconder astúcias e artificiosos bluffes ”. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ A cada um seu direito, A cada terra seu uso, A cada boca um quinhão, A cada roca seu fuso, Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Seja cada dia um fruto- Cada fruto uma semente- Cada semente o produto- Dos passos dados em frente. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Coisas e loisas esparsas- Como a ferrugem – se pica- Como a lama dos caminhos- Se pisada… nos salpica. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Todos os dias amanhecem Crianças Pássaros Flores ! Sobre a noite das crianças Pássaros Flores que já não amanhecem Amanhecerá! Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Ao longe vejo Olivença Mais perto, Vila Real A meus pés o Guadiana Correndo manso – na crença De que tudo é Portugal Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Pátria sagrada de povo, Que emigrada- ganha pão, estás repartida- mas viva Se te bate o coração. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Portugal mais se define Onde a fronteira se traça Pode partir, mas não dobra Quem defende Pátria e Raça Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Bom seria se os recados do nosso coração chegassem ao ouvido de quem os motiva, porque então saberíamos como somos queridos e lembrados sem necessidade de telefones ou cartas. As comunicações seriam de coração para coração como a música de alma que se soltasse de um poema. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@

.ARTIGOS PUBLICADOS Em :

Jornal Linhas de Elvas - Desde 1950 @ @@@@@@@@@@@ Jornal da Beira - (Guarda) @@@@@@@@@@@ Jornal da Ilha Terceira (Açores) @@@@@@@@@@@ Jornal O Dia @@@@@@@@@@@ Jornal O Despertador @@@@@@@@@@@ Revista Norte Alentejo @@@@@@@@@@@

.LIVROS PUBLICADOS:

-E vim cantar- 1955@ -Paisagem- 1956@ -Rezas e Benzeduras- 2000@ @@@@@@@@@@@