Sexta-feira, 10 de Outubro de 2008

De mim

.Paisagens do Alentejo
Medrei só - entre gentios
papoila rubra entre verdes
nomada, cigana, sensual, pagã
telúrica, profana
sonho e pão
cacho de uvas escondido
rente ao chão
pelas parras do vinhedo
por acaso, não por medo...
Fui flor - fruto - caminho
Uva que não deu vinho...
Graça? - desgraça?
Palavras contam e calam
A Vida - passa

 

Maria José Rijo

estou: Poema para o Gus
música: Poemas

publicado por Maria José Rijo às 22:23
| comentar | Favorito
partilhar
10 comentários:
De Gustavo Frederich a 10 de Outubro de 2008 às 22:43
Muito bem.
Um bom poema como este tinha mesmo de estar
bem visivel par que todos possom sentir a sua
linda poesia.

parabens tia

Gus


De Aristeu a 10 de Outubro de 2008 às 23:28
Tia
Cá vim eu olhar bem de perto as novidades do seu
dia.
Este poema é uma beleza e está muito bem
acompanhado por uma excelente fotografia.

O meu pai ficou encantado com este lindo poema,
está encantado.
E eu também.

Finalmente o fim de semana. Estou muito cansado
com o trabalho e ainda com a fazenda. O Gílio já
voltou porque um dos cavalos adoeceu e ele fáz
questão de estar por perto.
Mas imagine comprou uma boiada para a outra
fazenda mais a sul. Este rapaz esta mesmo a
tornar-se num fazendeiro.
Ah vou-lhe contar que comprou uma carruagem
semelhante às doRei D. Pedro e agora- lá na
fazenda a Cilene anda de carruagem como uma
rainha.
O senhor Luciano quer ir passar uns dias também
na fazenda. Imagine tanta loucura.

Beijinhos tia
Fique com Deus

Aristeu


De Virgilio Fernandes a 11 de Outubro de 2008 às 01:12
Sentir...
é enxergar de olhos fechados.

Lindo poema.
Adoro a sua poesia tem qualquer coisa de
extraordinário e sempre que a leio
só me lembro de Florbela.

Adoro ambas.
Parabens

Virgilio Fernandes


De Virgilio Fernandes a 11 de Outubro de 2008 às 01:15
Sentir...
é enxergar de olhos fechados.

Lindo poema.
Adoro a sua poesia tem qualquer coisa de
extraordinário e sempre que a leio
só me lembro de Florbela.

Adoro ambas.
Parabens

Virgilio Fernandes
ou seja
Gílinho

como a tia gosta de dizer.
Gosto muito de si e adorava que estivesse sempre
aqui a viver connosco.
A tia é um ser muito especial da nossa casa.
Beijinhos
Gosto muito de si.

Gílinho


De DOLORES a 11 de Outubro de 2008 às 10:34
Minha querida Tia
Nem imagina o quanto tem sido dificil acordar todos os
dias, para um novo dia.
A nossa vida deu uma volta de 360graus, num piscar
de olhos. Ainda estou em orbita e nem sei como
seguir...
Está tudo ainda um bocado periclitante, como se
estivesse a caminhar a uma altura sem numero e
sobre um arame...
Mas Deus vai-nos ajudar, tenho fé que sim.
Esta mudança de ares foi coisa do Avelino. Resolveu
que mais não queria aquelas raizes e cortou-as até
sangrar.
Aqui a nossa casa, é bonita, com jardim e espaço
para os nossos animais, mas ainda não estamos na
nossa casa.
A Luizinha anda muito triste e por vezes a barriga é
mais um empecilho que um bem (não sei se me
entende) pensa em tirar. Nem lhe digo mais.
Cá vamos andando e desejando o Sol...

Tia querida
desculpe este pequeno afastamento - mas agora
tudo vai entrar nos eixos.
Estive a ler e a ver com extremo cuidado a sua
LINDA exposição. Realmente a Senhora minha Tia
tem umas mãos de ouro e uma sensibilidade enorme.
Gosto muito, muito de si, acredite.
Parabens pelo seu blog que a cada dia está mais
bonito.
Beijinhos
desta sua sobrinha e amiga

DO LO RES


De Maria José a 11 de Outubro de 2008 às 11:29
Minha querida Dolores - mais do que nunca o meu coração está atento a vós. Minha irmã e eu hoje vamos almoçar fora com uns amigos e pela tarde receberemos em nossa casa uns outros em cuja companhia minha irmã regressará a Lisboa, se Deus quiser. Não tenho por isso tempo para conversar - agora- com todos vós como desejaria. No entanto porque sinto quanto este vosso tempo é difícil vim aqui PEDIR que nunca se sintam sós. Sei, com uma certeza do meu coração que têm muitos amigos que estão atentos e preocupados convosco e que rezam para que tudo se normalize rapidamente. Porém, o que hoje venho dizer é que se a Luizinha quiser vir estar comigo aqui em Elvas , se achar que isso lhe faz bem que venha. Está bem?
As tias velhotas têm que ter algum préstimo.
Beijinhos para todos.
Nunca agradecerei bastante a alegria e companhia que os vossos comentários e também os do Gus, me deram ao longo de mais de um ano.
Beijinhos tia Zé


De Dolores a 11 de Outubro de 2008 às 13:55
Querida tia
Muito, muito obrigado pelo seu comentário que foi lido
pela própria Luizinha, para todos nós.
Comoveu-nos bastante a sua gentileza e prestimos
o que lhe agradecemos de coração.
É mesmo a nossa querida tia do coração.
Obrigado.

Muitos beijinhos

Dolores


De Xavier Martins a 11 de Outubro de 2008 às 11:31
Minha boa amiga
Desculpe esta minha falta de presença, mas aconteceu
que a minha irmã teve um acidente de viação
e faleceu daí a minha ausencia forçada.
Parece que para nós o caminho para o fim do ano
não está a ser nada agradável.
Mas parece que a vida é mesmo assim, parte quem,
por vezes, deveria ficar ou vice-versa - já nem sei.

Mas referente a este seu e nosso blog - tenho de
dizer que ao abrir a net - este é o meu Percurso, é
aqui que inicio e termino sempre as minhas voltas
nestes espaços da rede.
Este seu poema é Lindissimo, é uma beleza especial,
aliás como são todos os seus poemas - cheguei a essa
conclusão.
É a prosa, é a poesia, é a pintura, o artesanato em
diversos artes... gosto - gosto mesmo do seu trabalho
a todos os níveis.
São de uma beleza bem significativa - chega a
comover-me tanta beleza.

Minha amiga
Muito grato por este blog e pelas maravilhas que nele
encontro.
Hoje neste dia de chuva
deixo-lhe um beijinho de Parabens
e já fui ver a sua exposição.
Não me identifiquei - a Senhora não estava e eu não
me lembrei de a prevenir - também foi tudo muito
rápido.
Sabe que fui atendido por uma menina, de nome
Mafalda, que por acaso ouvi chama-la assim e fixei.
É muito simpática o que dá um ar doce a quem visita
o espaço.
Perdoe-me por não ter escrito no seu livro, mas o~
tempo não era muito e saimos assim.
Fica aqui o meu comentário
e um grande louvor por um PERCURSO lindo.
Adorei a sua exposição.

Cumprimentos

Xavier Martins


De Dina a 11 de Outubro de 2008 às 12:22
Como é que consegue em tão poucas palavras dizer tanto?
Mas ...não sei porque me admiro, logo eu que tantas vezes tive oportunidade de falar consigo sobre tantas coisas...
Bom fim de semana!!


De Margarida Teixeira a 11 de Outubro de 2008 às 17:17
Lindo poema
Senhora D. Maria José Rijo

Gostei imenso do seu blog.
Tem uma belissima prosa e poesia.
Está muito bem apresentado e tem sempre
fotos muito bonitas que acompanham o texto, as
suas palavras.
Gostei imenso da sua sensibilidade.

Muitos Parabens

Margarida


Comentar post

.Maria José Rijo


. ver perfil

. seguir perfil

. 53 seguidores

.pesquisar

 

.Setembro 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
13
14
15
16

17
19
21
22
23

24
27
28
29
30


.posts recentes

. São Mateus 2017

. Participação - Programas ...

. Programa de São Mateus 20...

. Carta aos meus queridos A...

. Aniversário do Linhas - 2...

. Viagem a Fátima

. Reportagem do Jornal Linh...

. Parabéns Avelino

. Parabéns Luciano

. CONVITE

.arquivos

.tags

. todas as tags

. Dia de Anos

. Então como é ?!

. Em nome de quem se cala.....

. Amarga Lucidez

. Com água no bico

. Elvas com alguma rima e ....

. 28 de Fevereiro...

. Obras do Cadete

. REGRESSO

. Feição de nobreza

.links

.Contador desde- 7-2-2007

Nova Contagem-17-4-2009 - @@@@@@@@@@@@@@@@ @@@@@@@@@@@@@@@

@@@@@@@@@@@@@@@ A Seguir-nos por aqui. Obrigado @@@@@@@@@@@@@@@@ free counters
Free counters @@@@@@

.Pensamentos de Mª José

@@@@@@@@@@@@@@@@@

@@@@ O caminho acaba ali... Ali onde começa a descoberta, O caminho é sempre estrada feita O fim do caminho É uma porta aberta... Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@ Quando o homem se render à força que o amor tem e a arma for oração pulsará na vida a paz como bate um coração. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Ser semente do futuro, é a mensagem de esperança, Que como um recado antigo, A vida nos dá a herança.- Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@ Eu penso, que é saudável e honesto reconhecer e respeitar as diferenças que nos individualizam no campo, também dosi deais.----- Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@ Há uma tal comunhão entre a obra e o autor Que até Deus concebe o Homem e o Homem - o Criador! Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ UMA IDEIA : É uma LUZ que se acende i nesperadamente no nossos espirito iluminando um caminho novo. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Sei para onde vou- pela ansia de galgar a distância- de onde estou- para o que não sou. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ A solidão é o que preenche o vazio de todas as ausências. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Quando na vida se perde, Um amigo ou um parente, P’ra que serve a Primavera? Se o frio está dentro da gente. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Mesmo sobre a saudade, a doçura do Natal, embala cada coração como uma música de esperança. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Em passadas de gigante nobre de traça e idade vem da nascente p'ras fontes dar de beber à cidade. -- Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Nas flores como nas pessoas, ás vezes a aparente fragilidade também pode esconder astúcias e artificiosos bluffes ”. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ A cada um seu direito, A cada terra seu uso, A cada boca um quinhão, A cada roca seu fuso, Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Seja cada dia um fruto- Cada fruto uma semente- Cada semente o produto- Dos passos dados em frente. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Coisas e loisas esparsas- Como a ferrugem – se pica- Como a lama dos caminhos- Se pisada… nos salpica. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Todos os dias amanhecem Crianças Pássaros Flores ! Sobre a noite das crianças Pássaros Flores que já não amanhecem Amanhecerá! Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Ao longe vejo Olivença Mais perto, Vila Real A meus pés o Guadiana Correndo manso – na crença De que tudo é Portugal Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Pátria sagrada de povo, Que emigrada- ganha pão, estás repartida- mas viva Se te bate o coração. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Portugal mais se define Onde a fronteira se traça Pode partir, mas não dobra Quem defende Pátria e Raça Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Bom seria se os recados do nosso coração chegassem ao ouvido de quem os motiva, porque então saberíamos como somos queridos e lembrados sem necessidade de telefones ou cartas. As comunicações seriam de coração para coração como a música de alma que se soltasse de um poema. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@

.ARTIGOS PUBLICADOS Em :

Jornal Linhas de Elvas - Desde 1950 @ @@@@@@@@@@@ Jornal da Beira - (Guarda) @@@@@@@@@@@ Jornal da Ilha Terceira (Açores) @@@@@@@@@@@ Jornal O Dia @@@@@@@@@@@ Jornal O Despertador @@@@@@@@@@@ Revista Norte Alentejo @@@@@@@@@@@

.LIVROS PUBLICADOS:

-E vim cantar- 1955@ -Paisagem- 1956@ -Rezas e Benzeduras- 2000@ @@@@@@@@@@@