Segunda-feira, 20 de Outubro de 2008

O Mais dos Mais

Jornal Linhas de Elvas

Nº 2.902 – 25-Janeiro- 2007

Conversas Soltas

 

 

Quase todas as revistas e jornais, mais ou menos, conforme a sua índole, referem os nomes dos dez portugueses escolhidos para o apuramento final do concurso que Maria Elisa apresenta na RTP.

Confesso que também votei e voltaria a votar, na minha escolha de perdedora consciente.

                          

Os dez mais quês? – Não entendo muito bem.

Se é do ponto de vista humanitário; seria um. Se for por coragem, por bravura, seria outro. Se for por mérito literário, outro seria; do ponto de vista da ciência mais outro ainda; por estratégia, já não seria o mesmo, e assim sucessivamente.

Qual destas características é a mais importante – não sei. Dependerá sempre das circunstâncias a considerar no momento em que se equacionam as emergentes necessidades para resolver a situação, com a qual nos confrontamos.

                              

Para quem se afoga, logicamente, o mais importante é quem saiba nadar e tenha coragem de se atirar à água...

Para quem soçobra sob uma infecção, nada lhe vale que Fleming tenha ganho o Nobel da medicina com a descoberta da penicilina se não tiver à mão o medicamento... é tudo tão relativo!

Embora não sendo passível de unanimidade, parecer-me-ia mais fácil fazer uma escolha entre pares. Como para o Nobel. Escritores com escritores, físicos com físicos, químicos com químicos e por aí fora, sempre unidades da mesma espécie.

Mas, como é evidente, isto são pensamentos de quem é leigo entre os leigos, o que, como também é evidente não inibe quem quer que seja de pensar.

Olho a lista final: Salazar e Cunhal! Aristides Sousa Mendes, Fernando Pessoa, Camões, Vasco da Gama, D. Afonso Henriques, o Marquês de Pombal, D. João II, e o Infante D. Henrique.

Sempre quero ver como os defensores de cada qual, se irão desvencilhar desta confusão de narizes...

Vale a pena estar atento, tanto mais que os “defensores”são verdadeiros fenómenos na comunicação e no saber.

Pessoalmente acho que Salazar e Cunhal, não deveriam constar da lista. Estão demasiado perto de nós, no tempo, para que a história os possa olhar com a isenção e objectividade necessárias, e a sua vida de ascetas não me comove. Não tinham nada deles! E, para que precisariam ter, se nada de essencial lhes faltava ?

                                        

Fruíram do que lhes foi necessário. Bastou. Para o outro lado nada do que se possua se leva!

Todos os demais, se resistiram aos séculos alguma forte estrutura os suportará...

Porém, se bem pensarmos, reis e ministros, descobridores, poetas e sábios, todos, todos, sem excepção conseguiram fama servindo-se para consumar os seus feitos da “mão de obra” do homem comum. O Soldado Desconhecido.

O que executa as ordens, obedece, dá a vida para que os grandes feitos encham outros de glória.

Uns sonham, estudam, narram, ousam, mas é sempre o homem comum que executa.

A peça mais importante deste xadrez é o peão – o anónimo peão... sem o qual, não teria havido consolidação de Reinos Descobrimentos de caminhos marítimos e de Brasis, reconstrução de Lisboa, Epopeia de Lusíadas e tudo o mais...

Em tudo, em todos os tempos, o mais dos mais é sempre o Homem .

Assim pensando voto em Aristides Sousa Mendes  que – sozinho - pelo irmão Homem, tudo arriscou e perdeu, menos a consciência de que ricos pobres, pretos brancos ou amarelos, todos somos filhos de Deus e fez com risco da própria Vida    o seu trajecto para a privação de todos os bens materiais  com a coragem com que outros rumam à fama, à fortuna e à glória.

 

 Maria José Rijo

 


publicado por Maria José Rijo às 23:51
| comentar | Favorito
partilhar
1 comentário:
De Xavier Martins a 21 de Outubro de 2008 às 11:21
Lindo este seu texto.
Aliás a Senhora tem muitos, muitos textos de
grande qualidade.
Sinto-me feliz por ter esta oportunidade de ler o
seu blog, de ter acesso a tanta sensibilidade.
Bem haja D. Maria José por este blog e por nos dar
a conhecer a Mulher sensivel que foi e é e sempre
será.
Muitos Parabens

Xavier martins


Comentar post

.Maria José Rijo


. ver perfil

. seguir perfil

. 53 seguidores

.pesquisar

 

.Setembro 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
13
14
15
16

17
19
21
22
23

24
27
28
29
30


.posts recentes

. São Mateus 2017

. Participação - Programas ...

. Programa de São Mateus 20...

. Carta aos meus queridos A...

. Aniversário do Linhas - 2...

. Viagem a Fátima

. Reportagem do Jornal Linh...

. Parabéns Avelino

. Parabéns Luciano

. CONVITE

.arquivos

.tags

. todas as tags

. Dia de Anos

. Então como é ?!

. Em nome de quem se cala.....

. Amarga Lucidez

. Com água no bico

. Elvas com alguma rima e ....

. 28 de Fevereiro...

. Obras do Cadete

. REGRESSO

. Feição de nobreza

.links

.Contador desde- 7-2-2007

Nova Contagem-17-4-2009 - @@@@@@@@@@@@@@@@ @@@@@@@@@@@@@@@

@@@@@@@@@@@@@@@ A Seguir-nos por aqui. Obrigado @@@@@@@@@@@@@@@@ free counters
Free counters @@@@@@

.Pensamentos de Mª José

@@@@@@@@@@@@@@@@@

@@@@ O caminho acaba ali... Ali onde começa a descoberta, O caminho é sempre estrada feita O fim do caminho É uma porta aberta... Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@ Quando o homem se render à força que o amor tem e a arma for oração pulsará na vida a paz como bate um coração. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Ser semente do futuro, é a mensagem de esperança, Que como um recado antigo, A vida nos dá a herança.- Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@ Eu penso, que é saudável e honesto reconhecer e respeitar as diferenças que nos individualizam no campo, também dosi deais.----- Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@ Há uma tal comunhão entre a obra e o autor Que até Deus concebe o Homem e o Homem - o Criador! Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ UMA IDEIA : É uma LUZ que se acende i nesperadamente no nossos espirito iluminando um caminho novo. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Sei para onde vou- pela ansia de galgar a distância- de onde estou- para o que não sou. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ A solidão é o que preenche o vazio de todas as ausências. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Quando na vida se perde, Um amigo ou um parente, P’ra que serve a Primavera? Se o frio está dentro da gente. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Mesmo sobre a saudade, a doçura do Natal, embala cada coração como uma música de esperança. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Em passadas de gigante nobre de traça e idade vem da nascente p'ras fontes dar de beber à cidade. -- Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Nas flores como nas pessoas, ás vezes a aparente fragilidade também pode esconder astúcias e artificiosos bluffes ”. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ A cada um seu direito, A cada terra seu uso, A cada boca um quinhão, A cada roca seu fuso, Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Seja cada dia um fruto- Cada fruto uma semente- Cada semente o produto- Dos passos dados em frente. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Coisas e loisas esparsas- Como a ferrugem – se pica- Como a lama dos caminhos- Se pisada… nos salpica. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Todos os dias amanhecem Crianças Pássaros Flores ! Sobre a noite das crianças Pássaros Flores que já não amanhecem Amanhecerá! Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Ao longe vejo Olivença Mais perto, Vila Real A meus pés o Guadiana Correndo manso – na crença De que tudo é Portugal Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Pátria sagrada de povo, Que emigrada- ganha pão, estás repartida- mas viva Se te bate o coração. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Portugal mais se define Onde a fronteira se traça Pode partir, mas não dobra Quem defende Pátria e Raça Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Bom seria se os recados do nosso coração chegassem ao ouvido de quem os motiva, porque então saberíamos como somos queridos e lembrados sem necessidade de telefones ou cartas. As comunicações seriam de coração para coração como a música de alma que se soltasse de um poema. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@

.ARTIGOS PUBLICADOS Em :

Jornal Linhas de Elvas - Desde 1950 @ @@@@@@@@@@@ Jornal da Beira - (Guarda) @@@@@@@@@@@ Jornal da Ilha Terceira (Açores) @@@@@@@@@@@ Jornal O Dia @@@@@@@@@@@ Jornal O Despertador @@@@@@@@@@@ Revista Norte Alentejo @@@@@@@@@@@

.LIVROS PUBLICADOS:

-E vim cantar- 1955@ -Paisagem- 1956@ -Rezas e Benzeduras- 2000@ @@@@@@@@@@@