Sábado, 25 de Outubro de 2008

O Delfim

Jornal Linhas de Elvas

Nº 2.721 – 30-Maio-2003

Conversas Soltas

 

 

       Lagoa de Araruama com as águas paradas pela manhã. 

Na quietude das águas paradas dos lagos, onde as árvores se remiram projectadas em sombras de contornos quiméricos, às vezes nessa paz, basta a queda de uma única folha para gerar ondinhas circulares, concêntricas, que se alargam, afastam, até que se esvaem docemente.

Depois, daí a nada, a um nadinha, parece que nada aconteceu. O silêncio reconquista o ambiente, e a folha, a pequena folhinha, paira à superfície, flutuando, muda, e tão isolada, tão sem importância que parece ter feito desde sempre parte do lago e não da árvore de onde se desprendeu.

 

  Poderia começar desta maneira um conto de príncipes e de fadas, poderia, até porque, Delfim, era o título que se dava ao herdeiro do trono em França. Logo portanto, referir este assunto, pressupõe falar de monarquias, dado que só nelas, nas monarquias, o poder é hereditário.

                   

Lembrei-me destas circunstâncias, ao ouvir um socialista “encartado”, anunciar aos microfones o nome do seu Delfim, para quando o seu Santo Padroeiro não lhe permitir mais, entoar o velho estribilho: – daqui não saio, daqui ninguém me tira!

Não tenho nada, contra, nem a favor, de qualquer cantiga! Tenho apenas, e uso-a, a liberdade democrática, que me permite sorrir da incongruência de: - ver em tempos de exaltado socialismo, resquícios de totalitarismo na indigitação de apaniguados Delfins...

E, tal como na copa da árvore não se nota a falta da folha caída, também a breve mensagem se dilui, e apaga no volume da oratória, como se fora um recado sem importância, e não a confissão de um desígnio de futuro...

Daí a nada, a um nadinha, o rame–rame  retoma o ambiente...

E, parece que nada aconteceu...

                                          

 

Maria José Rijo

estou:

publicado por Maria José Rijo às 00:11
| comentar | Favorito
partilhar
8 comentários:
De Xavier Martins a 25 de Outubro de 2008 às 10:12
Um texto surpreendente.
Muito bem visto, como sempre cheio de boa prosa,
e muita lucidez.

Gosto imenso de ler os seus artigos de opinião.
Muito mesmo.
Parabens

Seu amigo

Xavier MArtins


De Maria José a 29 de Outubro de 2008 às 21:46
Meu Amigo consegui vir por a escrita em dia oque quer dizer que lhe venho dizer que não estamos equecidas do "tal" blog...
Um abraço - Maria José


De Amilcar Martins a 25 de Outubro de 2008 às 22:30
Mais um texto muito interessante.
A Senhora consegue sempre temas de grande
interesse e essa sua forma e escrever torna tão
mais interessantes os assuntos que aborda.

Os meus Parabens por este Delfim.
Muitos Parabens pelo blog que dignifica o seu nome
e o leva por estes caminhos da rede - um blog sério,
de optima qualidade, tanto no que se refere a prosa
ou de poesia.
Sem esquecer a beleza com que apresenta os
textos, tanto que os fazem excepcionais.

Os meus Parabens.
Seu admirador

Amilcar Martins


De Maria José a 26 de Outubro de 2008 às 22:39
Amilcar Martins - É bom ter amigos que nos mostram que não estamos a falar sós - obrigada pela sua
companhia que muito aprecio
Um abraço - maria José


De Adalgisa Alexandra a 25 de Outubro de 2008 às 22:32
Minha querida tia
Cá estou eu...
Vim ver de novidades - mas ainda não as temos...
Volto, pois, mais tarde.

Um grande beijinho e desejos de que tenha tido um
sábado cheio de sol.

Gisa


De Aristeu a 25 de Outubro de 2008 às 22:44
Olá Tia
Gostei imenso do texto e o meu Pai também, aliás,
ele já o conhecia e contou-me algumas histórias.

Hoje também lhe quero contar-lhe que o Gílio já tem
uma nova namorada... a Cilene foi para Minas e diz
que já não quer voltar.
Nem sei que lhe diga...

Muitos beijinhos Tia

Aristeu


De Augusta Silva Torres a 25 de Outubro de 2008 às 22:59
Minha cara Maria José

Dirá, aquela velhota de 92 anos nunca mais me veio
ver aqui a nossa casa.
Mas engana-se porque todos os dias passo por aqui
e tenho estado MUITO Feliz e admirada com a sua
LINDA exposição.
Aqui todas nós adoramos ver as suas peças
maravilhosas, a perfeição dos seus bonecos, a
beleza dos seus presépios de conchas.
E os seus óleos - Meu Deus, as suas árvores são
de uma beleza que até me faltam as palavras.
Ohhh e os registos... Lindos...
Eu cá em casa tenho uma colecção enorme que era
de minha mãe e de tias, que me ofereceram uns e
outros me ficaram de herança.
Gostamos também e MUITO da sua Santa - Será
Nossa Senhora da Conceição? Será que nos pode
mostrar mais de perto?
É que me pareceu tão linda.
Gostamos de tudo e temos imensa pena de estarmos
a tantos quilometros , e eu tão velhota - senão
iamos todas em escursão conhece-la.

Realmente, minha amiga, a Senhora é uma Sorte
para alguém que tenha a SORTE de a encontrar no
caminho da vida.
Pena eu te-la encontrado só agora e eu estar com
esta idade tão avançada.
Mas é assim a vida. Posso no entanto considerar-me
com alguma sorte - afinal -mesmo deste modo - os
nossos caminhos cruzaram-se.

Augusta Silva Torres


De Maria José a 26 de Outubro de 2008 às 22:34
Minha Amiga Augusta SIlva Torres - Fico sempre contente quando o meu trabalho agrada. Obrigada pelas bonitas palavras que me dirigiu.
Mas, lindas, lindas, na minha vida são as minhas "sobrinhas bisnetas". Se quiser espreitá-las - vale a pena, creia - é só clicar na banda lateral - "Por onde deambulo" - para ficar a conhece-las.
Um abraço grande - Maria José


Comentar post

.Maria José Rijo

.pesquisar

 

.Agosto 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10
11
12

13
14
15
16
17
19

20
21
22
23
24
25
26

27
28
29
30
31


.posts recentes

. Parabéns Avelino

. Parabéns Luciano

. CONVITE

. Cá Estou ... - 2

. CORAL PÚBLIA HORTÊNSIA DE...

. CRIANÇA - 1990

. Parabéns

. A afilhada da Tia Zé

. Páscoa - 2017

. Homenagem a Maria José Ri...

.arquivos

.tags

. todas as tags

. Dia de Anos

. Então como é ?!

. Em nome de quem se cala.....

. Amarga Lucidez

. Com água no bico

. Elvas com alguma rima e ....

. 28 de Fevereiro...

. Obras do Cadete

. REGRESSO

. Feição de nobreza

.links

.Contador desde- 7-2-2007

Nova Contagem-17-4-2009 - @@@@@@@@@@@@@@@@ @@@@@@@@@@@@@@@

@@@@@@@@@@@@@@@ A Seguir-nos por aqui. Obrigado @@@@@@@@@@@@@@@@ free counters
Free counters @@@@@@

.Pensamentos de Mª José

@@@@@@@@@@@@@@@@@

@@@@ O caminho acaba ali... Ali onde começa a descoberta, O caminho é sempre estrada feita O fim do caminho É uma porta aberta... Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@ Quando o homem se render à força que o amor tem e a arma for oração pulsará na vida a paz como bate um coração. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Ser semente do futuro, é a mensagem de esperança, Que como um recado antigo, A vida nos dá a herança.- Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@ Eu penso, que é saudável e honesto reconhecer e respeitar as diferenças que nos individualizam no campo, também dosi deais.----- Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@ Há uma tal comunhão entre a obra e o autor Que até Deus concebe o Homem e o Homem - o Criador! Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ UMA IDEIA : É uma LUZ que se acende i nesperadamente no nossos espirito iluminando um caminho novo. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Sei para onde vou- pela ansia de galgar a distância- de onde estou- para o que não sou. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ A solidão é o que preenche o vazio de todas as ausências. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Quando na vida se perde, Um amigo ou um parente, P’ra que serve a Primavera? Se o frio está dentro da gente. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Mesmo sobre a saudade, a doçura do Natal, embala cada coração como uma música de esperança. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Em passadas de gigante nobre de traça e idade vem da nascente p'ras fontes dar de beber à cidade. -- Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Nas flores como nas pessoas, ás vezes a aparente fragilidade também pode esconder astúcias e artificiosos bluffes ”. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ A cada um seu direito, A cada terra seu uso, A cada boca um quinhão, A cada roca seu fuso, Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Seja cada dia um fruto- Cada fruto uma semente- Cada semente o produto- Dos passos dados em frente. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Coisas e loisas esparsas- Como a ferrugem – se pica- Como a lama dos caminhos- Se pisada… nos salpica. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Todos os dias amanhecem Crianças Pássaros Flores ! Sobre a noite das crianças Pássaros Flores que já não amanhecem Amanhecerá! Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Ao longe vejo Olivença Mais perto, Vila Real A meus pés o Guadiana Correndo manso – na crença De que tudo é Portugal Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Pátria sagrada de povo, Que emigrada- ganha pão, estás repartida- mas viva Se te bate o coração. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Portugal mais se define Onde a fronteira se traça Pode partir, mas não dobra Quem defende Pátria e Raça Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Bom seria se os recados do nosso coração chegassem ao ouvido de quem os motiva, porque então saberíamos como somos queridos e lembrados sem necessidade de telefones ou cartas. As comunicações seriam de coração para coração como a música de alma que se soltasse de um poema. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@

.ARTIGOS PUBLICADOS Em :

Jornal Linhas de Elvas - Desde 1950 @ @@@@@@@@@@@ Jornal da Beira - (Guarda) @@@@@@@@@@@ Jornal da Ilha Terceira (Açores) @@@@@@@@@@@ Jornal O Dia @@@@@@@@@@@ Jornal O Despertador @@@@@@@@@@@ Revista Norte Alentejo @@@@@@@@@@@

.LIVROS PUBLICADOS:

-E vim cantar- 1955@ -Paisagem- 1956@ -Rezas e Benzeduras- 2000@ @@@@@@@@@@@