Domingo, 9 de Novembro de 2008

Meditação

Hibisco 01.

Talvez este poeminha de 92

possa ter agora alguma

oportunidade

 

Como quem consuma

um amor

capaz de redimir

da solidão de ser

nos possui a morte

nesse abraço forte

onde tudo se esquece

porque é a Vida

que adormece

 

Maria José Rijo

1992

 

estou: Meditação
música: Poema

publicado por Maria José Rijo às 23:13
| comentar | Favorito
partilhar
11 comentários:
De Adalgisa Alexandra a 10 de Novembro de 2008 às 00:14
Oh tia
que lindo o seu poema.
Dirá que eu gosto sempre de tudo, mas eu gosto
mesmo de tudo.
Adoro esta sua linda forma de sentir.
Muitos Parabens
... por tudo.

Obg por ter este lindo blog on line Tia
Gostei imensooooo

Gisa


De Maria José a 11 de Novembro de 2008 às 09:02
minha querida Gisa - penso que mais do que complicada a Vida é complexa...muito complexa!
Veja-se a soma de sentimentos, cada um tão distinto dos demais que podem coexistir em simultâneo.
Todos, (família dete blog) nos sentimos tocados por estes trites acontecimentos ainda bem recentes. No meu caso, ainda não me situei.
Talvez pelo peso da experiêncis de vida vivida.
Mas, eu vinha apenas dizer que é bom ter sobrinhas amigas como a Gisa e deixar-lhe um beijão
Tia Zé


De Adelaide Matias a 10 de Novembro de 2008 às 09:41
Lindo o seu poema.
Gostei mioto da entrevista.

Os meus PArabens pelo lindo blog que tem.
Um beijinho

Adelaide Matias


De Maria josé a 11 de Novembro de 2008 às 09:06
Adelaide Matias
Que contente fico que lhe agrade a minha poesia.
Se soubesse os medos com que me debato...
Um abraço grande - Maria José


De Ana Maria Lourenço a 10 de Novembro de 2008 às 09:43
Olá
muito bom dia
Gosto sempre muito de vir pasear e olhar o seu blog.
Gostei imenso da sua entrevista e este poeminha é
muito bonito, com muito sentimento.

Parabens Dona Maria José Rijo.
Gosto de estar aqui.

Um abraço

Ana MAria Lourenço


De maria José a 11 de Novembro de 2008 às 09:10
Ana maria Lourenço - tambem com um grande abraço lhe trago o meu agradecimento pela sua presença e apreço neste blog - Maria José


De Gustavo Frederich a 10 de Novembro de 2008 às 10:42
Esperava eu um poema,
um poema seu.
Um poema lindo como este.
Dirá que eu gosto de todos eles, é verdade.
Assumo que gosto dos seus poemas.
E gosto porque me identifico com eles, porque me
falam ao coração, a esta alma alma minha, que
muito necessita de poesia... agora da sua poesia.
Pensará que sou estranho, talvez até seja um bocado.
Mas no que toca à poesia - é da sua que eu gosto,
é com ela que me identifico, é com ela que eu
medito.

Pena tenho eu de já não ter o nosso amigo padre,
que de igual modo, muitas vezes me dizia, lá na
meia luz da sua igreja, que a sua poesia era tocada
por Deus, tal como os seus textos de nuances
poéticas...

Quando me olho, vejo-me nos olhos de minha tia.
Fui sempre menino daquele olhar, que eu sei, me
amava.
Cedo perdi os meus pais, ela criou-me como o seu
próprio filho e desde cedo me incutiu o gosto pela
poesia.
Amo a poesia, não toda a poesia, claro, fazem-se
escolhas, é preciso conhecer e sentir. A poesia
vive do sentimento, do olhar longe por entre as
roseiras.

Tia desculpe.
Gosto muito de si.

Seu sobrinho
Gus


De Maria josé a 10 de Novembro de 2008 às 11:16
li o seu comentário e, talvez porque ainda estou "muito desarmada" com as emoções que sabe
quero dizer-lhe já o que daqui a pouco talvez não conseguisse, e de que - talvez - já me comece a arrepender - preciso de si - gostava de conhecer quem vive com uma alma tão dolorida e tão cheia de fé como a minha
beijinhos - tia zé


De Gustavo Frederich a 10 de Novembro de 2008 às 19:07
Querida tia
Comoveu-me o seu comentario, as suas palavras são
sempre especiais como a sua poesia, os seus textos,
os seus trabalhos.
A sua exposição é a prova de como a sua
sensibilidade é algo mais que uma sensibilidade
qualquer, a sua sensibilidade é feita de alegrias, dor,
amor e muita liberdade.
A tia tem uma alma livre
que tanto pode esta a sobrevoar o mar, como em
terra firme...
a sua lucidez vai mais além, como eu
costumava dizer ao nosso amigo padre, e ele
replicava que a Tia é alguém de coração puro, só
os puros de coração conseguem tanta elevação.
Não sei se me baralhei com as palavras, se
consegue ohar-se como eu a olho...
Não sei, coisas de sobrinhos e tias.
Mas foi aqui através das suas palavras, da sua
prosa e poesia que eu me emocionei e me
emociono - como agora.

Obrigado tia
eu também preciso e muito deste convivio diário.

Grato sempre

Gus


De Dolores a 10 de Novembro de 2008 às 20:55
Tia querida

Hoje em que sentimos mais e mais a falta da nossa
menina , aqui estamos... ora aqui ora na maternidade
para ver a nossa Magézinha. Aquela coisinha que está
a resistir bem. Estão-lhe fazendo exames e exames
para saber tudo e parece ser normal... Deus queira
que sim.

Tia não esteja triste, o que aconteceu agora, já
aconteceu outras vezes só que agora foi uma dose
muito maior e aconteceu assim...
Eu nunca lhe tinha comentado mas era assunto meio
tabu, entende não é... e o meio também não é o
propicio para grandes coisas...

Querida tia
irei dando noticias e deixe ver o que vai ser da nossa
vida, parece que aqui não iremos ficar estamos a
ponderar a situação...

Muitos beijinhos Tia querida
Ah e a sua exposição já terminou?
Foi no domingo dia 9, não foi?
E então, foi bom? teve muita gente a visitar e a ver
os seus lindos trabalhos?
Pelo que vi aqui no blog era uma exposição
LINDISSIMA o que não era novidade para mim.

Muitos beijinhos e obg pelo seu carinho.

Dolores e Avelino


De maria José a 11 de Novembro de 2008 às 10:04
Meus Queridos -
Penso que tudo quanto tenho para vos dizer cabe neste vocativo : - Meus Queridos.
Obrigada pelas vossas confidências que não peço, quer pelo meio - como contactamos - quer pela dor que elas causam aos vossos corações.
Queria no entanto dizer-vos que " sinto" que a vossa Menina morreu de Amor. Deve ter esperado da Vida - um retorno de felicidade igual à esperança com que nela confiou. O sonho foi maior do que ela, e deve ter escolhido adormecer porque acordar para a realidade
do que lhe aconteceu, era superior ás suas forças.
Que os anjos a embalem agora - 22 anos é muito pouco tempo para tanta experiência dolorosa.
Já tenho autorização dos pais do Quico para vo-lo mostrar. Ele nasceu também pesando menos do que um pacote de açucar e, é um milagre de graça.
Beijinhos - tia Zé


Comentar post

.Maria José Rijo


. ver perfil

. seguir perfil

. 53 seguidores

.pesquisar

 

.Setembro 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
13
14
15
16

17
19
21
22
23

24
27
28
29
30


.posts recentes

. São Mateus 2017

. Participação - Programas ...

. Programa de São Mateus 20...

. Carta aos meus queridos A...

. Aniversário do Linhas - 2...

. Viagem a Fátima

. Reportagem do Jornal Linh...

. Parabéns Avelino

. Parabéns Luciano

. CONVITE

.arquivos

.tags

. todas as tags

. Dia de Anos

. Então como é ?!

. Em nome de quem se cala.....

. Amarga Lucidez

. Com água no bico

. Elvas com alguma rima e ....

. 28 de Fevereiro...

. Obras do Cadete

. REGRESSO

. Feição de nobreza

.links

.Contador desde- 7-2-2007

Nova Contagem-17-4-2009 - @@@@@@@@@@@@@@@@ @@@@@@@@@@@@@@@

@@@@@@@@@@@@@@@ A Seguir-nos por aqui. Obrigado @@@@@@@@@@@@@@@@ free counters
Free counters @@@@@@

.Pensamentos de Mª José

@@@@@@@@@@@@@@@@@

@@@@ O caminho acaba ali... Ali onde começa a descoberta, O caminho é sempre estrada feita O fim do caminho É uma porta aberta... Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@ Quando o homem se render à força que o amor tem e a arma for oração pulsará na vida a paz como bate um coração. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Ser semente do futuro, é a mensagem de esperança, Que como um recado antigo, A vida nos dá a herança.- Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@ Eu penso, que é saudável e honesto reconhecer e respeitar as diferenças que nos individualizam no campo, também dosi deais.----- Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@ Há uma tal comunhão entre a obra e o autor Que até Deus concebe o Homem e o Homem - o Criador! Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ UMA IDEIA : É uma LUZ que se acende i nesperadamente no nossos espirito iluminando um caminho novo. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Sei para onde vou- pela ansia de galgar a distância- de onde estou- para o que não sou. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ A solidão é o que preenche o vazio de todas as ausências. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Quando na vida se perde, Um amigo ou um parente, P’ra que serve a Primavera? Se o frio está dentro da gente. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Mesmo sobre a saudade, a doçura do Natal, embala cada coração como uma música de esperança. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Em passadas de gigante nobre de traça e idade vem da nascente p'ras fontes dar de beber à cidade. -- Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Nas flores como nas pessoas, ás vezes a aparente fragilidade também pode esconder astúcias e artificiosos bluffes ”. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ A cada um seu direito, A cada terra seu uso, A cada boca um quinhão, A cada roca seu fuso, Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Seja cada dia um fruto- Cada fruto uma semente- Cada semente o produto- Dos passos dados em frente. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Coisas e loisas esparsas- Como a ferrugem – se pica- Como a lama dos caminhos- Se pisada… nos salpica. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Todos os dias amanhecem Crianças Pássaros Flores ! Sobre a noite das crianças Pássaros Flores que já não amanhecem Amanhecerá! Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Ao longe vejo Olivença Mais perto, Vila Real A meus pés o Guadiana Correndo manso – na crença De que tudo é Portugal Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Pátria sagrada de povo, Que emigrada- ganha pão, estás repartida- mas viva Se te bate o coração. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Portugal mais se define Onde a fronteira se traça Pode partir, mas não dobra Quem defende Pátria e Raça Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Bom seria se os recados do nosso coração chegassem ao ouvido de quem os motiva, porque então saberíamos como somos queridos e lembrados sem necessidade de telefones ou cartas. As comunicações seriam de coração para coração como a música de alma que se soltasse de um poema. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@

.ARTIGOS PUBLICADOS Em :

Jornal Linhas de Elvas - Desde 1950 @ @@@@@@@@@@@ Jornal da Beira - (Guarda) @@@@@@@@@@@ Jornal da Ilha Terceira (Açores) @@@@@@@@@@@ Jornal O Dia @@@@@@@@@@@ Jornal O Despertador @@@@@@@@@@@ Revista Norte Alentejo @@@@@@@@@@@

.LIVROS PUBLICADOS:

-E vim cantar- 1955@ -Paisagem- 1956@ -Rezas e Benzeduras- 2000@ @@@@@@@@@@@