Segunda-feira, 17 de Novembro de 2008

OUTRA VEZ !!!

Á Lá Minute

Jornal Linhas de Elvas

Nº 1.835 – 2 Maio de 1986

                        

 

Será que as ilustres individualidades que põem e dispõem sobre rumos da nossa história, conhecem perfeitamente realidades e problemas do País que governam?

Duvido!

Não ponho reticências em acreditar que saibam tudo sobre as grandes capitais do mundo, e até que, porventura, as conheçam palmo a palmo!

Mas, as nossas cidades de província! – Mais ainda se não forem capitais de distrito! – Será que as conhecem? – Não o creio!

De Elvas, por exemplo, além de estar marcada com um pontinho no mapa das estradas que traça o rumo de Badajoz – o que saberão?

E que, se pensarem que é aqui – a partir de Elvas - Caia (e por esta fronteira entram centenas de milhares de turistas por ano) que Portugal se demarca de Espanha e se afirma como povo Lusíada – se o pensassem – saberiam que Elvas deveria ter ensino Universitário  - Conservatório – Escolas da dança – Teatro – Palácio de desportos – Instalações Hospitalares etc, etc.

Elvas nunca deveria ter sido deixada à mercê da influência sufocante duma cidade vizinha, onde a visão certa dos governantes defende todos esses e outros valores para salvaguardar da sua identidade cultural.

- Mas, não! – Não se cuida de estancar aqui a sangria que vai esvaindo usos e costumes, tradições e até a pureza do idioma – tudo quanto dá carácter a um povo!

                        

Agora a Senhora Ministra da Saúde – atenta contra o nosso Hospital!

Porquê?

Será que conhece Elvas?

Ou passou os olhos pelo mapa a sonhar mudanças, viu alguns pontinhos deixados por mosca irreverente e, pensando tratar-se de localidades tão pequenas que nem têm o nome gravado, cuidou de as trazer para a ribalta correndo atrás de utopias e esvaziando de valor instituições, cidades e populações que, se têm culpa – é apenas uma: - nunca desrespeitarem sequer quem tão pouco as respeita.

Ai, “Esta Elvas!” – “Esta Elvas!” – tão conhecida que até fica no caminho de Badajoz! – e, pelo que se vê – agora, também – e, mais uma vez – castigada porque ainda é Portugal.

 

Maria José Rijo

 

estou: Hospital de Elvas
música: 1986

publicado por Maria José Rijo às 22:38
| comentar | Favorito
partilhar
6 comentários:
De Adalgisa Alexandra a 17 de Novembro de 2008 às 23:42
Tia querida
Muitos beijinhos e Parabens por mais este texto
genial.
Realmente a Tia tem o dom da escrita...

Sua sobrinha

Gisa


De Manuel Barbosa a 17 de Novembro de 2008 às 23:45
Senhora D. Maria José Rijo

Tem aqui um texto excelente e de uma lucidez
arrepiante, aliás todos os seus textos têm este
importante pormenor - a LUCIDEZ .

Concordo consigo em genero, grau e número.
parabens

Manuel barbosa


De Maria José a 18 de Novembro de 2008 às 15:01
Manuel Barbosa
Este assunto do Hospital de Elvas Já tem anos e anos e muitas pessoas, como eu, têm lutado com toda a alma por ele, infelizmente em vâo.
Obrigada pelo apoio e pelo aprêço que muito considero.
Um abraço grato
maria José


De Dina a 18 de Novembro de 2008 às 00:43
1986?? A história é mesmo cíclica!


De Maria José a 18 de Novembro de 2008 às 15:06
Dina
Que alegria vê-la por aqui.
Um destes dias telefono-lhe .
Alguns problemas de família trazem~me muito preocupada. Coisa de casmentos de gente jovém.
Beijinhos sempre amigos
Maria José


De Fisga a 18 de Novembro de 2008 às 18:26
Olá Sra. Maria: A Sra. disse muito bem. Porque ainda é Portugal, se calhar o seu povo já não se sente Português. Porquê? Porque se não der mais prazer ir a Espanha comprar, pelo menos poupam-se alguns euros. Isto para não falar dos que já adoptaram Espanha como o seu local de trabalho. E fruto de que arvore? Da arvore do abandono a que Portugal está Botado, tirando as grandes cidades, os sucessivos governos têm considerado Portugal um esbirro da Europa. Um abraço e tudo de bom. Eduardo.


Comentar post

.Maria José Rijo


. ver perfil

. seguir perfil

. 53 seguidores

.pesquisar

 

.Setembro 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
13
14
15
16

17
19
21
22
23

24
27
28
29
30


.posts recentes

. São Mateus 2017

. Participação - Programas ...

. Programa de São Mateus 20...

. Carta aos meus queridos A...

. Aniversário do Linhas - 2...

. Viagem a Fátima

. Reportagem do Jornal Linh...

. Parabéns Avelino

. Parabéns Luciano

. CONVITE

.arquivos

.tags

. todas as tags

. Dia de Anos

. Então como é ?!

. Em nome de quem se cala.....

. Amarga Lucidez

. Com água no bico

. Elvas com alguma rima e ....

. 28 de Fevereiro...

. Obras do Cadete

. REGRESSO

. Feição de nobreza

.links

.Contador desde- 7-2-2007

Nova Contagem-17-4-2009 - @@@@@@@@@@@@@@@@ @@@@@@@@@@@@@@@

@@@@@@@@@@@@@@@ A Seguir-nos por aqui. Obrigado @@@@@@@@@@@@@@@@ free counters
Free counters @@@@@@

.Pensamentos de Mª José

@@@@@@@@@@@@@@@@@

@@@@ O caminho acaba ali... Ali onde começa a descoberta, O caminho é sempre estrada feita O fim do caminho É uma porta aberta... Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@ Quando o homem se render à força que o amor tem e a arma for oração pulsará na vida a paz como bate um coração. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Ser semente do futuro, é a mensagem de esperança, Que como um recado antigo, A vida nos dá a herança.- Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@ Eu penso, que é saudável e honesto reconhecer e respeitar as diferenças que nos individualizam no campo, também dosi deais.----- Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@ Há uma tal comunhão entre a obra e o autor Que até Deus concebe o Homem e o Homem - o Criador! Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ UMA IDEIA : É uma LUZ que se acende i nesperadamente no nossos espirito iluminando um caminho novo. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Sei para onde vou- pela ansia de galgar a distância- de onde estou- para o que não sou. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ A solidão é o que preenche o vazio de todas as ausências. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Quando na vida se perde, Um amigo ou um parente, P’ra que serve a Primavera? Se o frio está dentro da gente. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Mesmo sobre a saudade, a doçura do Natal, embala cada coração como uma música de esperança. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Em passadas de gigante nobre de traça e idade vem da nascente p'ras fontes dar de beber à cidade. -- Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Nas flores como nas pessoas, ás vezes a aparente fragilidade também pode esconder astúcias e artificiosos bluffes ”. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ A cada um seu direito, A cada terra seu uso, A cada boca um quinhão, A cada roca seu fuso, Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Seja cada dia um fruto- Cada fruto uma semente- Cada semente o produto- Dos passos dados em frente. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Coisas e loisas esparsas- Como a ferrugem – se pica- Como a lama dos caminhos- Se pisada… nos salpica. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Todos os dias amanhecem Crianças Pássaros Flores ! Sobre a noite das crianças Pássaros Flores que já não amanhecem Amanhecerá! Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Ao longe vejo Olivença Mais perto, Vila Real A meus pés o Guadiana Correndo manso – na crença De que tudo é Portugal Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Pátria sagrada de povo, Que emigrada- ganha pão, estás repartida- mas viva Se te bate o coração. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Portugal mais se define Onde a fronteira se traça Pode partir, mas não dobra Quem defende Pátria e Raça Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Bom seria se os recados do nosso coração chegassem ao ouvido de quem os motiva, porque então saberíamos como somos queridos e lembrados sem necessidade de telefones ou cartas. As comunicações seriam de coração para coração como a música de alma que se soltasse de um poema. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@

.ARTIGOS PUBLICADOS Em :

Jornal Linhas de Elvas - Desde 1950 @ @@@@@@@@@@@ Jornal da Beira - (Guarda) @@@@@@@@@@@ Jornal da Ilha Terceira (Açores) @@@@@@@@@@@ Jornal O Dia @@@@@@@@@@@ Jornal O Despertador @@@@@@@@@@@ Revista Norte Alentejo @@@@@@@@@@@

.LIVROS PUBLICADOS:

-E vim cantar- 1955@ -Paisagem- 1956@ -Rezas e Benzeduras- 2000@ @@@@@@@@@@@