Terça-feira, 2 de Dezembro de 2008

“ Ele há cada coisa”

Jornal Linhas de Elvas

Nº 2.334 – de 19 de Janeiro de 1996

Conversas Soltas

                   

O País escolheu o seu Presidente da República.

Escolheu – está escolhido.

Decidiu a voz da maioria. Aqueles que indiferentes, revoltados, indecisos ou apenas por comodismo e preguiça se abstiveram, que não foram capazes de assumir a sua dignidade de eleitores – pesaram no resultado – quer agora rejubilem ou se recriminem.

Portugal tem um novo Presidente.

                     

Há que felicitar os portugueses que determinaram a escolha.

Há que felicitar o vencedor.

Há que respeitar o vencido.

Há que ajudar e colaborar com Sampaio e Guterres para que

 

a vida dos portugueses decorra o melhor possível e possam ser cumpridas as promessas que todos desejamos ver realizadas e, tão generosamente, foram espalhadas aos sete ventos.

Com muitas outras pessoas, assisti, interessada às reportagens das televisões.

Ouvi as opiniões e conferi com lápis e papel as contas das percentagens.

Pelas ruas de Elvas, cedo começou a correr á solta o buzinão da euforia e, quase sem dar por isso comecei a recordar outras mudanças a que já assisti.

Olhei então para dentro de mim, para a minha viva consciência cívica de cidadã eleitora e recordei...

... Estava em Beja aquando do 25 de Abril.

                                          

No dia 1º de Maio seguinte – naquela imensidão de gente que enchia as ruas seguia o Rancho Coral de Cuba. Descobrindo-me numa janela, gritaram em coro o nome do meu Pai. Fizeram parar por momentos aquela avalanche humana e cantaram para mim, em sua memória.

Meu Pai jamais tivera cargos ilustres.

Fora mais do que isso – porque ao longo de 81 anos da sua existência – foi apenas um Homem de Bem.

Um exemplo de dignidade, honradez, bondade e civismo.

Um cristão de alma.

Um democrata na vivência. Quando faleceu, ninguém se sentou, até que foi sepultado, no seu lugar preferido do café que frequentava – (pertença de um comunista).

Foi uma homenagem espontânea, como outras.

Estas recordações permanecem vivas em mim e ligam-se a outras mais.

Como ele gostaria de ter vivido o 25 de Abril. Que alegria para o seu sentido nato de liberdade e justiça!

– Pensava eu

Bem... Depois, foi o eclodir da esquerda e tudo o mais que se sabe e viu.

Agora os tempos são diferentes.

Porém, a grande massa das pessoas é a mesma. Vive na fúria do: venha a nós!

E, eu, que vivi e sofri vendo as tresloucadas desordens que as grandes maiorias causaram...

Os mandatos de captura em branco que Otelo fornecia...

               

As listas das projectadas matanças da Páscoa...

O: “vamos saltar à corda com as tripas dos Rotários”...

As infames decisões de prisões tomadas em cafés e tabernas entre cigarros, vinho e chalaças...

As reformas de ministérios que se sabiam, antes de noticiadas na imprensa, num restaurante da estrada de Serpa...

Os tiros, na rua, frente à nossa casa.

O povo armado e sem norte...

As fogueiras dos jornais que não eram “da cor” na via pública...

O espancamento dos donos das tabacarias que persistiam em querer vendê-los...

Os bons homens do meu Alentejo dopados por propagandas falsas armados de grosso “cacheiros” – com o ar perdido – de quem é mandado – a teimarem em ter acesso ao “dinheiro do povo” – referiam-se aos cofres do Banco de Portugal...

Enfim!... Um sem número de atropelos, vinganças, injustiças, crueldades, arbitrariedades, humilhações de um rol sem fim a que eu assisti e vivi.

A nossa empregada – a Palmira – a querer piedosamente recolher-nos em sua casa porque Meu Marido pelo facto de ser gerente dum Banco – estava na lista dos condenados – a que ela como filiada do M.E.S. tinha acesso!...

Claro que os tempos são outros.

Reconheçamos no entanto, todos, que não foi para mudar o campo das injustiças e abusos e agravá-las que se fez a revolução!

Todos!

Todos sem excepção aprendemos qualquer coisa, ou muito, com o passado.

Veja-se! Lembre-se!

Honre-se o próprio Dr. Mário Soares e outros que corajosamente sustaram a avalanche que em nome de puros ideais que as suas vidas comprovavam – provocaram – e, quase os esmagou...

Com o seu exemplo reforcei a coragem aprendida de meu Pai de assumir frontalmente a minha opinião.

E, se por vezes, me abstenho de o fazer nas horas fáceis de glória – quando os dividendos estão à mão – não me dou a essa comodidade quando o caminho não é de rosas.

Até hoje mantive-me independente de qualquer filiação partidária.

Quando pressionada para o fazer numa altura em que isso me teria rendido dinheiro e vantagem – deliberadamente disse : - não !

Porém, hoje, agora, ponho a mim própria a dúvida de estarem criadas, ou não, as condições que me obriguem a requerer a minha filiação como militante de base do P.S.D..

Nada tenho contra as preciosas chuvadas. Mas, todas as cautelas e precauções que nos defendem das enxurradas, não me parecem demais.

Aliás, a Social Democracia é uma boa forma política de orientar um País.

Entretanto me decido, vou-me entretendo a pensar no que o povo quer dizer quando deseja que Sampaio siga a postura de “monarca” que atribue a Mário Soares – Ele há cada coisa !

 

Maria José Rijo

 

estou: ele há cada coisa!

publicado por Maria José Rijo às 23:22
| comentar | Favorito
partilhar
6 comentários:
De Xavier Martins a 3 de Dezembro de 2008 às 00:48
Excelente texto, minha amiga.

Foram tempos dificeis para todos e eu que o diga
que andava de arma na mão...
Era mesmo assim como conta, episódios uns atras de
outros...

Mas sem duvidas que é honesto e verdadeiro o seu
depoimento.
Gostei deste seu olhar na história que eu também
vivi e convivi...

Um grande abraço

Xavier Martins


De António Piedade a 3 de Dezembro de 2008 às 00:51
EXcelente texto D. MAria José Rijo

Cada pessoa tem uma história para contar desse
tempo incrivel do 25 de Abril.
Eu também estava no Alentejo e não foi facil.
Precisamente em Évora.

Parabens pelo texto, realmente a Senhora tem o
dom de saber contar e de que forma - sublime o
faz.

Muitos Parabens por mais este formidavel texto.

Bem haja

António Piedade


De Maria José a 7 de Dezembro de 2008 às 21:43
António Piedade
Évora - Beja _ Cuba... onde meus pais moravam...
A história repetia-se.
Não foram tempos fáceis. Se já não tivesse tanta idade, penso que ainda tentaria escrever essas memórias, porque estaria a falar de gente que conheço bem e que é afinal a gente do meu Alentejo - a minha gente.Até porque penso que só quem os ama tem esse direito , ou esse dever. Nem sei.
Um abraço
Maria José


De Flor do Cardo a 3 de Dezembro de 2008 às 00:55
TEmpos dificeis que a Sehora retrata muito bem.
A sua experiencia é realmente inesquecível e
a foma como conta dá mesmo para nós conseguirmos
imaginar o que viu.

São situações que se não esquecem.
Contadas nesta sua forma especial que é como
estarmos, lado a lado, a conversar...
simplesmente assim numa conversa especial.

Um grande abraço

Luciano


De Dolores a 3 de Dezembro de 2008 às 02:21
Longe na distancia
mas perto do coração.

Já cá estamos neste novo, lindo, mas ainda estranho
pais e cidade.
A nossa menina parece bem e está bem.
Já temos o nosso Ap e estamos a tentar iniciar esta
nova vida, em que todo o resto dela será para a nossa
menina.

E a Tia está bem? Espero bem qie sim.
MUitos beijinhos

Dolores


De Avelino a 3 de Dezembro de 2008 às 12:51
Nossa e tão amiga
Tia Zé

Cá estamos nesta terra, novamente desconhecida.
Tudo é novo, frio, sombrio... um pouco como estou
por dentro.
A nossa menina é linda e parecida com a Luizinha
o que doi muito olhar para ela - mas é carne da
nossa carne, do nosso sangue, o que nos resta...
é toda a nossa esperança.

Venho agradecer as suas palavras, sempre doces
e queridas.
A Tia (se me permite) é um amor para nós.
A dolores está esgotada mas se "Deus nos ajudar
a vida vai sorrir" - eram palavras da minha santa
Mãe.

Que Deus a ajude a si.
Muito obrigada por tudo.
Um grande abraço
Avelino


Comentar post

.Maria José Rijo


. ver perfil

. seguir perfil

. 53 seguidores

.pesquisar

 

.Setembro 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
13
14
15
16

17
19
21
22
23

24
27
28
29
30


.posts recentes

. São Mateus 2017

. Participação - Programas ...

. Programa de São Mateus 20...

. Carta aos meus queridos A...

. Aniversário do Linhas - 2...

. Viagem a Fátima

. Reportagem do Jornal Linh...

. Parabéns Avelino

. Parabéns Luciano

. CONVITE

.arquivos

.tags

. todas as tags

. Dia de Anos

. Então como é ?!

. Em nome de quem se cala.....

. Amarga Lucidez

. Com água no bico

. Elvas com alguma rima e ....

. 28 de Fevereiro...

. Obras do Cadete

. REGRESSO

. Feição de nobreza

.links

.Contador desde- 7-2-2007

Nova Contagem-17-4-2009 - @@@@@@@@@@@@@@@@ @@@@@@@@@@@@@@@

@@@@@@@@@@@@@@@ A Seguir-nos por aqui. Obrigado @@@@@@@@@@@@@@@@ free counters
Free counters @@@@@@

.Pensamentos de Mª José

@@@@@@@@@@@@@@@@@

@@@@ O caminho acaba ali... Ali onde começa a descoberta, O caminho é sempre estrada feita O fim do caminho É uma porta aberta... Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@ Quando o homem se render à força que o amor tem e a arma for oração pulsará na vida a paz como bate um coração. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Ser semente do futuro, é a mensagem de esperança, Que como um recado antigo, A vida nos dá a herança.- Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@ Eu penso, que é saudável e honesto reconhecer e respeitar as diferenças que nos individualizam no campo, também dosi deais.----- Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@ Há uma tal comunhão entre a obra e o autor Que até Deus concebe o Homem e o Homem - o Criador! Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ UMA IDEIA : É uma LUZ que se acende i nesperadamente no nossos espirito iluminando um caminho novo. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Sei para onde vou- pela ansia de galgar a distância- de onde estou- para o que não sou. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ A solidão é o que preenche o vazio de todas as ausências. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Quando na vida se perde, Um amigo ou um parente, P’ra que serve a Primavera? Se o frio está dentro da gente. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Mesmo sobre a saudade, a doçura do Natal, embala cada coração como uma música de esperança. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Em passadas de gigante nobre de traça e idade vem da nascente p'ras fontes dar de beber à cidade. -- Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Nas flores como nas pessoas, ás vezes a aparente fragilidade também pode esconder astúcias e artificiosos bluffes ”. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ A cada um seu direito, A cada terra seu uso, A cada boca um quinhão, A cada roca seu fuso, Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Seja cada dia um fruto- Cada fruto uma semente- Cada semente o produto- Dos passos dados em frente. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Coisas e loisas esparsas- Como a ferrugem – se pica- Como a lama dos caminhos- Se pisada… nos salpica. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Todos os dias amanhecem Crianças Pássaros Flores ! Sobre a noite das crianças Pássaros Flores que já não amanhecem Amanhecerá! Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Ao longe vejo Olivença Mais perto, Vila Real A meus pés o Guadiana Correndo manso – na crença De que tudo é Portugal Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Pátria sagrada de povo, Que emigrada- ganha pão, estás repartida- mas viva Se te bate o coração. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Portugal mais se define Onde a fronteira se traça Pode partir, mas não dobra Quem defende Pátria e Raça Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Bom seria se os recados do nosso coração chegassem ao ouvido de quem os motiva, porque então saberíamos como somos queridos e lembrados sem necessidade de telefones ou cartas. As comunicações seriam de coração para coração como a música de alma que se soltasse de um poema. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@

.ARTIGOS PUBLICADOS Em :

Jornal Linhas de Elvas - Desde 1950 @ @@@@@@@@@@@ Jornal da Beira - (Guarda) @@@@@@@@@@@ Jornal da Ilha Terceira (Açores) @@@@@@@@@@@ Jornal O Dia @@@@@@@@@@@ Jornal O Despertador @@@@@@@@@@@ Revista Norte Alentejo @@@@@@@@@@@

.LIVROS PUBLICADOS:

-E vim cantar- 1955@ -Paisagem- 1956@ -Rezas e Benzeduras- 2000@ @@@@@@@@@@@