Quinta-feira, 4 de Dezembro de 2008

Surpreendente

Jornal Linhas de Elvas

Nº 2.479 – 20-Novembro-1998

Conversas Soltas

 

 

 

Eu não tinha visto o programa.

Quando anunciam uma rubrica nova, vejo-a uma vez, ou duas, para fazer o meu próprio juízo. Depois, ou a excluo do meu interesse, ou a continuo a ver.

                   

Para estas” criações “da Teresa Guilherme confesso: não tenho poder de encaixe!

                                         

Cativada, como foi, a nossa atenção para o incidente havido com o programa do João Baião não resisti à curiosidade e...

                        

Surpreendente pelo menos para mim, foi a atitude de Santana Lopes!

Por mais que pense e repense não consigo vislumbrar porque atalho, caminho ou vereda foi ele desembocar naquela ideia peregrina de sair da vida política por uma rábula do João Baião!

Se o programa era da responsabilidade da S.I.C. processava a S.I.C. e deixava os ministros e o presidente da Republica na santa paz do Senhor.

                       

Como alternativa a esse procedimento, só encontro uma outra solução, que era sermos nós todos a processar a S. I.C. pela confusão que faz entre graça e chalaça, entre caricatura e insulto, entre temas susceptíveis de serem ironizados e outros que cabe a todos manter a salvo de qualquer beliscadura.

                                 

Por exemplo: - a que título para referenciar gastos, ou proventos, se invocam os filhos de Santana Lopes! Claro que esta seria uma das considerações a fazer, no caso do programa merecer alguma reflexão séria, que nem merece. Apenas suscita desprezo por ser moralmente nojento.

João Baião quando aparecia nos programas de La Féria, tinha a todos os títulos, muito nível. Emprestava aos textos a sua capacidade de representar e a sua graça!

Agora os papeis que lhe destinam são tão inferiores que apetece perguntar: onde está o João Baião? Mal empregado deixar-se afundar em tanta idiotice.

Mas, aqui o que me merece reflexão é o caminho que todos nós estamos permitindo que a nossa vivência comum esteja a ter. Sobre isso é que é urgente reflectir.

Quem somos nós que consentimos uma televisão tão sem qualidade e tão perniciosa?

Quem somos nós se somos capazes de rir, sem ser de dó, de piedade, por nós próprios, com espectáculos degradantes como alguns que a S.I.C nos impinge?

Estas coisas vêm na linha de outras...

Quando se contrata e acha graça que uma criança na horas em que deveria estar a dormir, esteja sobre um palco, a divertir adultos, cantando histórias de bacalhau e alho e outra sandices que tais, o que se espera senão a degradação progressiva dos costumes!

Quando se interdita o trabalho a menores mas se autoriza esse trabalho, embora nefasto para a formação e carácter de uma criança, como se pode contar com a responsabilidade de cada um pelos seus actos e respeito pelos outros! Estas atitudes encadeiam-se umas nas outras temos que o reconhecer.

Se alguém tivesse feito graça mas, graça de verdade, com afirmações de Santana Lopes, como por exemplo aquela de achar que quantas mais as sondagens lhe são favoráveis, mais o incomodam, até podia dar para rir.

Se ele como outros políticos, por aí andam a fazer, começasse os seus discursos a propósito de tudo e de nada a empertigar-se dizendo que são os mais votados e o melhores do mundo, essas atitudes são susceptíveis de ser ironizadas pelo ridículo que contêm, porém, a pessoa em si, não.

E quem não for capaz de reconhecer a fronteira, entre a graça possível e o insulto, entre a pessoa e o dito, entre a pessoa e a atitude, quem pisar essa fronteira e se tornar insidioso, que responda por ofensa a pessoas de bem.

                             

Às vezes, frente a certos programas, lembro-me da minha avó. Quando, em crianças, nos ouvia chamar burras, ou estúpidas, umas às outras. É que então, ela, dirigindo-se a minha mãe inquiria muito séria :- porque é que a menina ainda não lhes pôs pimenta na língua ? Vai ver que depois hão-de ter mais cuidado com o que dizem.

Pois é! Muitas vezes, agora, penso, que com piri-piri ou pimenta na língua – na hora certa – (que se calhar já passou) também se teria resolvido muita coisa...

 

 

Maria José Rijo

 cat2.jpg

estou:

publicado por Maria José Rijo às 00:44
| comentar | Favorito
partilhar
6 comentários:
De Adalgisa Alexandra a 4 de Dezembro de 2008 às 02:21
Mais um texto excelente.
Muitos Parabens pela maravilha que hoje nos
oferece.

Adorei o seu gato. Que meravilha tão linda.
Muitos Parabens tia
Mts Beijinhos
Gisa


De NUria Andrade a 4 de Dezembro de 2008 às 02:23
Sra. D. Maria José
Adorei o seu texto.
São sempre muito LINDOS.

;uitos Parabens

Nuria Andrade


De Maria José a 7 de Dezembro de 2008 às 19:34
Nuria Andrade
Obrigada pelo seu comentário
Aceite um abraço
Maria josé


De poetaporkedeusker a 4 de Dezembro de 2008 às 17:05
Minha querida amiga,
Venho desejar-lhe um Natal muito feliz, na companhia de toda a sua família e amigos. Não será a forma mais indicada para deixar um "cartãozinho" de Natal, esta, nos comentários, mas é uma forma sincera e, para mim, a única que tenho de chegar até si.
Desculpe-me o gesto. É nos comentários que estou a tentar deixar os meus votos de Boas Festas a todos os que têm feito o favor de passar pelo poetaporkedeusker.
Um grande, grande abraço!


De Maria José a 7 de Dezembro de 2008 às 19:29
Qualquer forma que usemos para dizer - Amiga - é sempre a melhor, para quem, de coração para coração, recebe a mensagem
Abraço-a com estima e admiração
Boas-Festas - maria José


De poetaporkedeusker a 7 de Dezembro de 2008 às 22:41
obrigada!


Comentar post

.Maria José Rijo

.pesquisar

 

.Agosto 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10
11
12

13
14
15
16
17
19

20
21
22
23
24
25
26

27
28
29
30
31


.posts recentes

. Parabéns Avelino

. Parabéns Luciano

. CONVITE

. Cá Estou ... - 2

. CORAL PÚBLIA HORTÊNSIA DE...

. CRIANÇA - 1990

. Parabéns

. A afilhada da Tia Zé

. Páscoa - 2017

. Homenagem a Maria José Ri...

.arquivos

.tags

. todas as tags

. Dia de Anos

. Então como é ?!

. Em nome de quem se cala.....

. Amarga Lucidez

. Com água no bico

. Elvas com alguma rima e ....

. 28 de Fevereiro...

. Obras do Cadete

. REGRESSO

. Feição de nobreza

.links

.Contador desde- 7-2-2007

Nova Contagem-17-4-2009 - @@@@@@@@@@@@@@@@ @@@@@@@@@@@@@@@

@@@@@@@@@@@@@@@ A Seguir-nos por aqui. Obrigado @@@@@@@@@@@@@@@@ free counters
Free counters @@@@@@

.Pensamentos de Mª José

@@@@@@@@@@@@@@@@@

@@@@ O caminho acaba ali... Ali onde começa a descoberta, O caminho é sempre estrada feita O fim do caminho É uma porta aberta... Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@ Quando o homem se render à força que o amor tem e a arma for oração pulsará na vida a paz como bate um coração. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Ser semente do futuro, é a mensagem de esperança, Que como um recado antigo, A vida nos dá a herança.- Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@ Eu penso, que é saudável e honesto reconhecer e respeitar as diferenças que nos individualizam no campo, também dosi deais.----- Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@ Há uma tal comunhão entre a obra e o autor Que até Deus concebe o Homem e o Homem - o Criador! Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ UMA IDEIA : É uma LUZ que se acende i nesperadamente no nossos espirito iluminando um caminho novo. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Sei para onde vou- pela ansia de galgar a distância- de onde estou- para o que não sou. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ A solidão é o que preenche o vazio de todas as ausências. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Quando na vida se perde, Um amigo ou um parente, P’ra que serve a Primavera? Se o frio está dentro da gente. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Mesmo sobre a saudade, a doçura do Natal, embala cada coração como uma música de esperança. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Em passadas de gigante nobre de traça e idade vem da nascente p'ras fontes dar de beber à cidade. -- Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Nas flores como nas pessoas, ás vezes a aparente fragilidade também pode esconder astúcias e artificiosos bluffes ”. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ A cada um seu direito, A cada terra seu uso, A cada boca um quinhão, A cada roca seu fuso, Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Seja cada dia um fruto- Cada fruto uma semente- Cada semente o produto- Dos passos dados em frente. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Coisas e loisas esparsas- Como a ferrugem – se pica- Como a lama dos caminhos- Se pisada… nos salpica. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Todos os dias amanhecem Crianças Pássaros Flores ! Sobre a noite das crianças Pássaros Flores que já não amanhecem Amanhecerá! Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Ao longe vejo Olivença Mais perto, Vila Real A meus pés o Guadiana Correndo manso – na crença De que tudo é Portugal Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Pátria sagrada de povo, Que emigrada- ganha pão, estás repartida- mas viva Se te bate o coração. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Portugal mais se define Onde a fronteira se traça Pode partir, mas não dobra Quem defende Pátria e Raça Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Bom seria se os recados do nosso coração chegassem ao ouvido de quem os motiva, porque então saberíamos como somos queridos e lembrados sem necessidade de telefones ou cartas. As comunicações seriam de coração para coração como a música de alma que se soltasse de um poema. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@

.ARTIGOS PUBLICADOS Em :

Jornal Linhas de Elvas - Desde 1950 @ @@@@@@@@@@@ Jornal da Beira - (Guarda) @@@@@@@@@@@ Jornal da Ilha Terceira (Açores) @@@@@@@@@@@ Jornal O Dia @@@@@@@@@@@ Jornal O Despertador @@@@@@@@@@@ Revista Norte Alentejo @@@@@@@@@@@

.LIVROS PUBLICADOS:

-E vim cantar- 1955@ -Paisagem- 1956@ -Rezas e Benzeduras- 2000@ @@@@@@@@@@@