Quinta-feira, 4 de Dezembro de 2008

É bom lembrar

Jornal Linhas de Elvas

Nº – 2.474 – 16- Outubro -1998

Conversas Soltas

        

 

 

(A propósito de um livro do Dr. Martinho Botelho)

 

Quando a pastelaria “FLOR” encerrou fui das poucas pessoas que nada disse sobre o facto. No entanto, o seu desaparecimento, atingiu-me com um sentimento de perda irreparável.

É que simultaneamente, com a mágoa, me agradava que tivessem sido os seus proprietários a tomar tal decisão sem que qualquer adversidade a tanto os tivesse impelido. Assim senti um misto de desilusão e conforto que me remeteu ao silêncio.

Para alem da excelente doçaria, do acolhimento de patrões e empregados, do ambiente de família que lá se desfrutava, para mim, e julgo que para muitos outros, a pastelaria “FLOR” era, também, a imagem de uma certa época em que o convívio não se alimentava de “copos” nas noitadas mas, da boa cavaqueira à luz do dia, com chazinho ou capilé e salsa parrilha, para não secar a garganta.

Estou a pensar naquele tempo em que José Tello se sentava invariavelmente à direita quando se entrava, numa mesa que lá estava, às vezes na companhia de sua mulher e, ali naquele cantinho, fazia sala aos seus amigos e admiradores que escutando-o sempre alguma coisa iam aprendendo de Elvas e das suas pessoas ilustres. Gente e histórias que ele conhecia e contava como mais ninguém.

                   

José Tello era um homem de personalidade forte, leal aos seus amigos e de convicções seguras, era um homem ilustre, senhor de uma invejável cultura e sabedoria.

                                                

Muitas vezes me falou de António Sardinha, que muito admirava, de quem foi amigo verdadeiro ao ponto de ter sido ele quem o amortalhou, segundo me contou sua mulher e minha querida amiga S.ª Dona Maria Vitória.

Não era demais que em Elvas se fizesse uma edição de muitos dos seus escritos que dormem esquecidos em arquivos de jornais.

Esta ideia foi lançada aqui, no Linhas de Elvas, pelo Senhor Dr. Martinho Botelho ainda em vida de José Tello, e sei que lhe foi grata.

            

Ao ler um livro (Apontamentos) sobre Campo Maior da autoria do Martinho Botelho - em edição do autor datada de 1996 - livro que durante algum tempo tive à cabeceira e que de vez em quando ainda vou relendo, sem quase dar por isso, associei os dois .

Homens sábios, a quem, por vezes, as suas próprias gentes não pagam como eles merecem a dedicação e a generosidade com que, quase esbanjando, partilham conhecimentos que no estudo e na inteligente observação e investigação foram acumulando sem mais pedirem do que a consolação intima de cumprir um dever. Ensinar, dar a conhecer, fazer amar as terras que lhe são berço é o objectivo que os guia.

                       Libri_books2

Confesso que gosto “de revisitar”, (como diz um grande amigo meu) de vez em quando, trabalhos como este do Dr. Martinho Botelho que num estilo coloquial, como quem conversa com os seus amigos, desbobina e liga histórias de pessoas, acontecimentos, circunstâncias, que no seu conjunto nos fazem descobrir as raízes dessa terra castiça e bonita que só quase é conhecida pela habilidade criativa com que a suas gente a veste de flores por altura das festas do povo.

povo

Homens destes, são memória viva, são história, são corações pesados de conhecimento a pulsar numa entrega abnegada aos outros homens. São os beneméritos da alma. Quase se escondem. Quase pedem perdão.do valor que têm e vão passando quase ignorados. Depois, quando um dia partem, então, pelo vazio que a sua ausência cria todos se apercebem de como foram notáveis e generosas as suas existências.

Com a consciência de que todas as horas de esquecimento podem ser por nós transformadas em horas de justiça; a dois anos de distância da sua publicação, cabe-me

pela negligencia, pedir desculpa ao autor de “Apontamentos” por só agora expressar publicamente o meu apreço e gratidão  pelos ensinamentos que do seu trabalho recolhi.

.Obrigada. Muito obrigada.

 

 

Maria José Rijo

 

Gato.jpg

estou:

publicado por Maria José Rijo às 22:26
| comentar | Favorito
partilhar
6 comentários:
De Amilcar Martins a 5 de Dezembro de 2008 às 00:13
Mais um excelente texto.
Muitos Parabens D. Maria José. Tem aqui um blog
cheio de beleza a todos os niveis.
Gosto imensoooooooo dos seus textos e a prova
das minhas palavras, é a minha vinda a este blog
e os comentarios que deixo todos os dias.

Bem haja

Amilcar martins


De Maria José a 7 de Dezembro de 2008 às 19:39
E eu estou muitooooooo grata pela sua presença
Um abraço
Maria José


De Flor do Cardo a 5 de Dezembro de 2008 às 00:23
Minha boa amiga
Acabei de ler mais este texto super-BOM de
optimas fotos (como sempre).

Muitos Parabens amiga por mais esta maravilha.
São todos optimos os seus textos.
Fico sempre feliz quando vejo (surpreendo-me até)
como o blog cresce dia a dia, ficando mais e mais
bonito e também maior.
Os meus Parabens

Luciano


Ah e sobre o assunto daquela cobra devo contar-lhe
que ainda estive um bocado mal, mas logo o meu
filho e o neto tomor conta do assunto -e...estou
novamente de pé e fino.

Um abraço

Luciano


De Maria José a 7 de Dezembro de 2008 às 21:13
Meu Amigo
O que seria de mim sem o apoio excepcional dos meus queridos amigos?
Este blog nem existiria. é costume dizer-se que só os loucos falam sozinhos...
Como vê escrevo porque tenho a sorte de ter amigos que me prestam atenção
Um abraço grato
Maria José


De Luis Afonso de Medeiros a 5 de Dezembro de 2008 às 09:17
D. Maria José Rijo
Não me conhece, nem eu a si, no entanto hoje faz
dois meses que em silencio, caminho a seu lado,
lendo este blog de "fio a pavio" e devo, e quero
confessar-lhe que tem aqui uma obra de fazer
inveja. Tem Imensos textos magnificos, atrevo-me a
dizer que gostei da grande maioria, e já são um
numero consideravel.
Boa Literatura, boas opiniões, belissima poesia e
tenho de lhe dizer que a forma de apresentação dos
textos, do proprio blog, é uma delicia para quem
aprecia o "bonito".
Muitos Parabens e continue assim com esta lógica de
uma lucidez magnifica.

Bem haja por ter V. Exª, on line , uma maravilha -
do principio ao fim - de belissimas paginas.

Gostei imenso de a conhecer.
Continuarei a seguir, com muita admiração, o seu
blog.

Seu leitor de coração

Luis Afonso de Medeiros


De maria José a 7 de Dezembro de 2008 às 21:20
Luis Afonso de Medeiros
Que mais poderia eu deejar do que um novo amigo para conviver, ainda que apenas por escrito!
Estou-lhe grata pela paciência que teve de ler todo o blog e deixo-lhe por tudo um abraço de coração
Obrigada e seja bem vindo!
Maria José


Comentar post

.Maria José Rijo

.pesquisar

 

.Setembro 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
13
14
15
16

17
19
21
22
23

24
25
26
27
28
29
30


.posts recentes

. Programa de São Mateus 20...

. Carta aos meus queridos A...

. Aniversário do Linhas - 2...

. Viagem a Fátima

. Reportagem do Jornal Linh...

. Parabéns Avelino

. Parabéns Luciano

. CONVITE

. Cá Estou ... - 2

. CORAL PÚBLIA HORTÊNSIA DE...

.arquivos

.tags

. todas as tags

. Dia de Anos

. Então como é ?!

. Em nome de quem se cala.....

. Amarga Lucidez

. Com água no bico

. Elvas com alguma rima e ....

. 28 de Fevereiro...

. Obras do Cadete

. REGRESSO

. Feição de nobreza

.links

.Contador desde- 7-2-2007

Nova Contagem-17-4-2009 - @@@@@@@@@@@@@@@@ @@@@@@@@@@@@@@@

@@@@@@@@@@@@@@@ A Seguir-nos por aqui. Obrigado @@@@@@@@@@@@@@@@ free counters
Free counters @@@@@@

.Pensamentos de Mª José

@@@@@@@@@@@@@@@@@

@@@@ O caminho acaba ali... Ali onde começa a descoberta, O caminho é sempre estrada feita O fim do caminho É uma porta aberta... Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@ Quando o homem se render à força que o amor tem e a arma for oração pulsará na vida a paz como bate um coração. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Ser semente do futuro, é a mensagem de esperança, Que como um recado antigo, A vida nos dá a herança.- Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@ Eu penso, que é saudável e honesto reconhecer e respeitar as diferenças que nos individualizam no campo, também dosi deais.----- Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@ Há uma tal comunhão entre a obra e o autor Que até Deus concebe o Homem e o Homem - o Criador! Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ UMA IDEIA : É uma LUZ que se acende i nesperadamente no nossos espirito iluminando um caminho novo. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Sei para onde vou- pela ansia de galgar a distância- de onde estou- para o que não sou. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ A solidão é o que preenche o vazio de todas as ausências. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Quando na vida se perde, Um amigo ou um parente, P’ra que serve a Primavera? Se o frio está dentro da gente. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Mesmo sobre a saudade, a doçura do Natal, embala cada coração como uma música de esperança. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Em passadas de gigante nobre de traça e idade vem da nascente p'ras fontes dar de beber à cidade. -- Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Nas flores como nas pessoas, ás vezes a aparente fragilidade também pode esconder astúcias e artificiosos bluffes ”. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ A cada um seu direito, A cada terra seu uso, A cada boca um quinhão, A cada roca seu fuso, Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Seja cada dia um fruto- Cada fruto uma semente- Cada semente o produto- Dos passos dados em frente. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Coisas e loisas esparsas- Como a ferrugem – se pica- Como a lama dos caminhos- Se pisada… nos salpica. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Todos os dias amanhecem Crianças Pássaros Flores ! Sobre a noite das crianças Pássaros Flores que já não amanhecem Amanhecerá! Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Ao longe vejo Olivença Mais perto, Vila Real A meus pés o Guadiana Correndo manso – na crença De que tudo é Portugal Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Pátria sagrada de povo, Que emigrada- ganha pão, estás repartida- mas viva Se te bate o coração. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Portugal mais se define Onde a fronteira se traça Pode partir, mas não dobra Quem defende Pátria e Raça Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Bom seria se os recados do nosso coração chegassem ao ouvido de quem os motiva, porque então saberíamos como somos queridos e lembrados sem necessidade de telefones ou cartas. As comunicações seriam de coração para coração como a música de alma que se soltasse de um poema. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@

.ARTIGOS PUBLICADOS Em :

Jornal Linhas de Elvas - Desde 1950 @ @@@@@@@@@@@ Jornal da Beira - (Guarda) @@@@@@@@@@@ Jornal da Ilha Terceira (Açores) @@@@@@@@@@@ Jornal O Dia @@@@@@@@@@@ Jornal O Despertador @@@@@@@@@@@ Revista Norte Alentejo @@@@@@@@@@@

.LIVROS PUBLICADOS:

-E vim cantar- 1955@ -Paisagem- 1956@ -Rezas e Benzeduras- 2000@ @@@@@@@@@@@