Segunda-feira, 15 de Dezembro de 2008

Palavras, Contas e Bolinhas...

Jornal Linhas de Elvas

Nº 2.552 – 21-Abril-2000

Conversas Soltas

.

( Relendo  Cesariny )

                 Photo Sharing and Video Hosting at Photobucket

Dizia minha Avó que as contas, só são contas, porque são furadas. Não fora essa circunstância e seriam apenas bolinhas.

Assim que, muito embora algumas vezes se possa afirmar: - conto fazer ou: - não conto fazer, – não deixe dúvidas a ninguém que: - conto – usado nessa acepção é apenas a confissão de um desejo, de um propósito, e nunca um compromisso de honra; liberdade que um: - não – e menos um: - nunca – ou, um – jamais – permitirão a quem quer que seja.

                                   Foto: Endividamento

As palavras deveriam ser pensadas e usadas com prudência e cautela. Com respeito. As palavras são armas de dois gumes. As palavras valem pelas intenções de quem as profere e valem pelo valor que lhes atribui quem as escuta, bem como pelo peso de consciência daqueles a quem são dirigidas.

                 

As palavras, porque com elas se exprimem sentimentos, podem encerrar em si toda a força que cabe no amor, no ódio, no desprezo, na indiferença, na raiva, na ternura, na bondade, na condescendência, na tolerância, na vingança, no perdão, na esperança, no medo, na dor...

Com palavras se fere e se consola.

Com palavras se ameaça.

Com palavras se enaltece, se denigre, se destrói, se louva, se acarinha, se ofende, se mente, se corrompe, se culpa e desculpa, se acusa, se julga, se amaldiçoa.

Com palavra se fala verdade, com palavras se esclarece, se confunde, se aconselha, dá alvitres, opiniões, com palavras se concorda ou discorda.

         

Com palavras se reza, se blasfema, se abençoa...

Com palavras se canta e chora...se esconjura...

Com palavras se escreve, se faz história, poesia, se passa testemunho Com palavras se insinua e se afirma. Com palavras se nega e, no entanto, com toda a força e poder que as palavras encerram sempre as palavras ficarão aquém do sentimento de que se querem imbuir.

Entre as palavras e a força interior que as gera estará sempre a pessoa que as pensa e as solta em nome do tumulto de emoções de onde germinaram.

Como entre a nuvem e a chuva em que ela se desfaz há o espaço entre céu e terra onde a água vem cair.

Nesse caminho se altera. Capta poeiras. Acusa as temperaturas. Torna-se bátega, chuva mansa, neve, granizo... Porém, sempre já alterada chegará ao solo que é seu destino.

E também aí se transmuda.

Charcos com ela reviverão. Rios com ela engrossarão seus caudais. A terra a beberá, e, no entanto, o que dá vida também pode causar morte. Enchentes destroem. Enchentes arrasam. Enchentes afogam. Enchentes assolam...

        http://lua.weblog.com.pt/arquivo/agua-thumb.jpg - 14 kb

E tudo provém da mesma raiz – a água – que, tal como a palavra, pode ser mansa e tranquila como um lago parado ou violenta, impetuosa, arrasadora, incontrolável...

Entre nós e as palavras que fique sempre atento o coração que as sopese e a luz da inteligência que as ilumine na voz que as profere.

A palavra recria.

A palavra é livre, mas é engajadora.

Porém, apesar dos riscos, e com todos eles, entre nós e as palavras ficará de pé, erecto, como de gente que somos o nosso inalienável dever e direito de falar.

 

Maria José Rijo

 

estou:

publicado por Maria José Rijo às 16:25
| comentar | Favorito
partilhar
6 comentários:
De Fisga a 15 de Dezembro de 2008 às 18:09
Olá Sra. Maria José. Obrigado e parabéns pelo alerta sobre o valor das palavras. As palavras estão para definir quem somos, como o enólogo esta para determinar se o vinho é ou não bom. Pena é que muitas pessoas, entre elas estou eu, que só depois de proferir as palavras é que as mede. Por isso comecei agradecendo o alerta. Desejo-lhe um bom e santo Natal, e também para todas as pessoas que lhe são queridas Eduardo.


De Adalgisa Alexandra a 15 de Dezembro de 2008 às 23:53
Tia querida
Tem tantos textos tão bonitos.
O seu blog (já um bocadinho meu - afinal venho
cá todos os dias e até varias vezes) é LINDo.
Gosto mesmo muito.

Tia ofereceram-me um gatinho todo branco,
agora tenho dois. Ei já tinha uma gatinha e agora
o gatinho.
É bom, são companheiros - para mim que estou
tão sozinha.
Sinto muitas saudades da minha mãe.
Estou carente tiazinha.

Muitos beijinhos e muitos Parabens por mais
esta maravilhaaaaaaaaaaaaaaaa.

Gisa




De Flor do Cardo a 16 de Dezembro de 2008 às 01:53
Boa Amiga
Finalmente consegui chegar a este blog, a esta casa
onde gosto sempre de a encontrar, mas creia-me
que pensava não conseguir cá chegar.
Penso que isto... qualquer dia termina... comigo
não será diferente, mas agora penso...
Bom não vou dizer porque o que eu penso, neste
momento, tão próximo do Natal - não será tão
necessário dizer, mas... nem sei se lá chegarei...
Como sabe o Américo já cá está de vez e quero
contar-lhe que hoje recebi todas as novidades de
Elvas no correio - pois sim - desta vez não foi o
Américo - Não é a Maria Antónia uma prima do
Américo que anda cá e lá - isto é entre Elvas e
vila Viçosa - que por sua vez tem uma amiga em
Elvas que lhe guarda tudo o que é interessante de
obter, como jornais , revistas, boletins e tudo o
demais.

Uma maravilhosa surpresa - receber tantas coisas.

Mas minha Amiga e a Senhora como se encontra?
No que diz respeito aos artigos - vejo que está em
forma e que não perdeu a mão - os textos continuam
excelentes onde a sua LUCIDEZ impressionante
marca a sua escrita.
E a saude?
Espero que tudo esteja bem. e que esteja em forma.

Um abraço e boa semana
Seu admirador (agora) cá do Brasil

Luciano


De Gustavo Frederich a 16 de Dezembro de 2008 às 02:06
Faz-me o favor...

Faz-me o favor de não dizer absolutamente nada!
Supor o que dirá
Tua boca velada
É ouvir-te já.

É ouvir-te melhor
Do que o dirias.
O que és nao vem à flor
Das caras e dos dias.

Tu és melhor -- muito melhor!
Do que tu. Não digas nada. Sê
Alma do corpo nu
Que do espelho se vê.

Mario Cesariny

---
Este é o meu poema preferido, um dos que sei de cor
um que muito me agrada.
Dos seus posso dizer quase todos de cor, porque
são como orações que digo sem sacrificio.
Gosto de os saber, de os declamar... gosto muito
dos seus poemas Tia.

Gostei Imenso desta prosa - que adorei. A sua
avozinha deveria ser muito querida. Tenho para
mim que seria.
Tal como a tia também o é.

Obrigado Tia por escolher textos tão lindos para
nos oferecer aqui - nesta pagina on-line.

Ah e o nome para o meu gato??
O que a Tia disser assim será o baptismo.

Um grande beijinho

Deste seu sobrinho

Gus


De Dolores e Avelino a 16 de Dezembro de 2008 às 19:13
Minha querida tia
Estou tão contente e sabe porquê - simplesmente
porque agora já tenho a minha casinha toda decorada
com fotos nas paredes e tudo.
O quartinho da magé está como nós sabiamos que a
nossa Luizinha iria fazer. Tem todos os quadros com
os poeminhas seus e desenhos que ela fez, com
muito gosto, as suas fotos (sim porque ela tinha um
quadro com fotos suas - das que mais gostava e
tirava da net. )
Agora a esta distancia - até parece que a Tia e ela
tinham uma enorme convivência porque ela escutava
tudo o que lhe dizia e tentava não se afastar do seu
pensamento.
Hoje - quero agradecer-lhe a ajuda que sempre nos
deu, mesmo nos dias mais desesperantes.
Estamos Gratos a esse seu carinho e amizade que
recebemos de si em todo este tempo.
Acredite que é muito importante nas nossas vidas.
Gostamos muito de si.

Beijinhos Tia querida.
DO LO RES
Avelino
e
Magé


De Aristeu a 16 de Dezembro de 2008 às 20:05
Minha Querida Tia

Espero que a Tia esteja muito bem de saúde cá para
este lado as coisas agora estão mais ou menos.
O Tio Américo está muito Feliz, apesar de dormir
(eu acho) um pouco demais mas... deve mesmo
precisar mesmo de dormir...

O meu Pai agora - imagine - recomeçou os serões
ou por vezes tardes
de leituras - na nossa pequena biblioteca - chama
os interessados (porque já têm um grupinho
especial e não só daqui... imagine)
Em cada serão têm um autor que lêm e comentam
a prosa e a poesia, isto tudo acompanhado ao
piano, ou outro tipo de instrumento.
Como de outras vezes , o Senhor Mau Pai - leva
dos seus poemas ou textos - onde todos ouvem e
discutem.
Acho mesmo uma ideia engraçada, no entanto os
participantes são todos dos 75 para cima.
Imagine.
Oferece-se um lanche, um passeio ao campo e
há sempre um fotografo que grava tudo e fotografa.
É muito interessante e eles estão entretidos.

É a nova fase destas vidas...

E a Tia? Está bem disposta?
Espero que sim e que esteja Feliz.

Muitos beijinhos e até breve.

Aristeu


Comentar post

.Maria José Rijo


. ver perfil

. seguir perfil

. 55 seguidores

.pesquisar

 

.Dezembro 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
13
14
15
16

17
18
19
20
21
22
23

24
25
26
27
28
29
30

31


.posts recentes

. Apresentação do Livro de ...

. O Natal e os Poetas - 201...

. São Mateus 2017

. Participação - Programas ...

. Programa de São Mateus 20...

. Carta aos meus queridos A...

. Aniversário do Linhas - 2...

. Viagem a Fátima

. Reportagem do Jornal Linh...

. Parabéns Avelino

.arquivos

.tags

. todas as tags

. Dia de Anos

. Então como é ?!

. Em nome de quem se cala.....

. Amarga Lucidez

. Com água no bico

. Elvas com alguma rima e ....

. 28 de Fevereiro...

. Obras do Cadete

. REGRESSO

. Feição de nobreza

.links

.Contador desde- 7-2-2007

Nova Contagem-17-4-2009 - @@@@@@@@@@@@@@@@ @@@@@@@@@@@@@@@

@@@@@@@@@@@@@@@ A Seguir-nos por aqui. Obrigado @@@@@@@@@@@@@@@@ free counters
Free counters @@@@@@

.Pensamentos de Mª José

@@@@@@@@@@@@@@@@@

@@@@ O caminho acaba ali... Ali onde começa a descoberta, O caminho é sempre estrada feita O fim do caminho É uma porta aberta... Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@ Quando o homem se render à força que o amor tem e a arma for oração pulsará na vida a paz como bate um coração. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Ser semente do futuro, é a mensagem de esperança, Que como um recado antigo, A vida nos dá a herança.- Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@ Eu penso, que é saudável e honesto reconhecer e respeitar as diferenças que nos individualizam no campo, também dosi deais.----- Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@ Há uma tal comunhão entre a obra e o autor Que até Deus concebe o Homem e o Homem - o Criador! Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ UMA IDEIA : É uma LUZ que se acende i nesperadamente no nossos espirito iluminando um caminho novo. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Sei para onde vou- pela ansia de galgar a distância- de onde estou- para o que não sou. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ A solidão é o que preenche o vazio de todas as ausências. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Quando na vida se perde, Um amigo ou um parente, P’ra que serve a Primavera? Se o frio está dentro da gente. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Mesmo sobre a saudade, a doçura do Natal, embala cada coração como uma música de esperança. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Em passadas de gigante nobre de traça e idade vem da nascente p'ras fontes dar de beber à cidade. -- Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Nas flores como nas pessoas, ás vezes a aparente fragilidade também pode esconder astúcias e artificiosos bluffes ”. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ A cada um seu direito, A cada terra seu uso, A cada boca um quinhão, A cada roca seu fuso, Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Seja cada dia um fruto- Cada fruto uma semente- Cada semente o produto- Dos passos dados em frente. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Coisas e loisas esparsas- Como a ferrugem – se pica- Como a lama dos caminhos- Se pisada… nos salpica. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Todos os dias amanhecem Crianças Pássaros Flores ! Sobre a noite das crianças Pássaros Flores que já não amanhecem Amanhecerá! Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Ao longe vejo Olivença Mais perto, Vila Real A meus pés o Guadiana Correndo manso – na crença De que tudo é Portugal Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Pátria sagrada de povo, Que emigrada- ganha pão, estás repartida- mas viva Se te bate o coração. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Portugal mais se define Onde a fronteira se traça Pode partir, mas não dobra Quem defende Pátria e Raça Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Bom seria se os recados do nosso coração chegassem ao ouvido de quem os motiva, porque então saberíamos como somos queridos e lembrados sem necessidade de telefones ou cartas. As comunicações seriam de coração para coração como a música de alma que se soltasse de um poema. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@

.ARTIGOS PUBLICADOS Em :

Jornal Linhas de Elvas - Desde 1950 @ @@@@@@@@@@@ Jornal da Beira - (Guarda) @@@@@@@@@@@ Jornal da Ilha Terceira (Açores) @@@@@@@@@@@ Jornal O Dia @@@@@@@@@@@ Jornal O Despertador @@@@@@@@@@@ Revista Norte Alentejo @@@@@@@@@@@

.LIVROS PUBLICADOS:

-E vim cantar- 1955@ -Paisagem- 1956@ -Rezas e Benzeduras- 2000@ @@@@@@@@@@@