Sexta-feira, 16 de Janeiro de 2009

HORAS… dão os relógios!

Jornal Linhas de Elvas

Nº 2.322 – 27 de Outubro de 1995

Conversas Soltas

 

                 

Acordar quando o relógio para; não é o previsto.

Mas, também acontece.

Previsto é acordar quando ele irrompe no momento aprazado a fazer estardalhaço.

Aquele pulsar metálico, seco, miudinho, miudinho… - aquela indiferença com que o relógio mastiga compassadamente o tempo de alegria ou de dor, das nossas vidas, sem lhe tomar o gosto -  segundo a segundo – faz parte das nossas noite. Embala-lhes o sono.

                stll_alarm_clock_snooze.jpg

Não é que durante o dia os relógios estejam parados.

Não! – Não é nada disso! – Mas, de dia os ruídos da vida sobrepõem-se-lhes.

Absorvem-lhe o pulsar. Diluem-nos.

Já, pelas noites dentro, no silêncio negro, o tiquetaque impera com a cadência ritmada dum metrónomo a impor o andamento.

No entanto, há relógios e … relógios.

                       

Porém, não é de relógios especiais que quero falar. Esses, são raridades fora do uso comum. Estão para as minhas memórias como os palácios para os montes alentejanos.

São mitos.

Fantasias.

O relógio que mais me cativa, é (era) o mais vulgar: - o Despertador.

O serviçal despertador.

Mas, quando digo despertador não penso nesses pequenos computadores sofisticados, de agora, que piscam, acendem luzes, ligam rádios, oferecem músicas e mais um mundo de variantes sedutoras como se fossem a porta dum circo em noite de espectáculo.Homem da Caverna

Vade retro! – Não é nada disso!

Esses fenomenais aparelhos, pluriprestativos, estão para os despertadores da minha afeição como os foguetões interplanetários para o homem das cavernas.

 

Despertador, para mim, é um relógio redondo, atarracado como um nabo. Com duas pernitas escanzeladas a suportar um ventre imenso, bojudo como uma melancia.

Numerado a negro. Com dois ponteiros como metades de bigode mal aparado pendurados de um eixo, também negro, que marca o centro dum mostrador liso, como um nariz de ervilha num rosto de lua cheia.

                        

Coroando o conjunto uma luzidia campânula, que se lhe ajusta como um solidéu.

Isso, é que é um despertador que se preza.

Uma peça à antiga.

Ruidoso, barulhento, abrutalhado (se quiserem) mas, fiel e resistente como um cão sem estirpe.

Há quem o renegue por incomodo e fora de moda.

Gostos.

Há gostos para tudo.

Gostos nem se discutem.

Tudo na vida é relativo e, eu, confesso ter também as minhas simpatias.

Aliás, gosto de relógios.

Quaisquer que sejam. Tendo, naturalmente as minhas preferências.

Pelo que já disse, é deduzível que prefiro os que conservem traços de origem quase artesanal.

                         clock

Nada arrebicados, pretensiosos, a parecer o que não são.

Relógio – é relógio.

Se é de pulso. É de pulso. Penso-os discretos, achatados como rebuçados peitorais.

“Seiva de pinheiro” ou “Santo Onofre”.

Só tem que ser discretos. Essa é a primeira obrigação. Como é a de uma secretária ou assistente.

Eficiente, prestável mas, não muito evidente. Não, necessariamente centro de atenções.

                Relógio antigo

Se for relógio de bolso! – Isso já torna as coisas diferentes! – Então se tiver corrente que o ate à casa do colete… oh! Aí, já tudo muda de figura.

Para quem pastorei o gado ou vá à caça ou à pesca em frias manhãs outoniças ou de duro inverno, fica a matar uma histórica “cebola”.

Dá um toque a preceito.

Faz a chamada às raízes. Ás velhas tradições que essas actividades evocam.

Quanto mais antiga for a peça – melhor.

Então, se herdada de pai, vinda já do avô ou do Bisavô…

Se for legado fiel ou oferta de padrinho – já não será apenas relógio – mas uma presença romântica do passado. E, toda a fantasia em seu redor se tornará crível. O relógio parecerá tão vivo quanto o cão e tão imprescindível como a água do cantil.

             

É evidente que um relógio assim já deixou de ser apenas um relógio e ganhou foro de parentela.

Mas… o despertador…

O despertador, quando se cala, gera um silêncio tão gelado e vazio que assusta.

Torna a solidão imensa, porque sem referência de tempo tudo perde o sentido e a memória convulsa asfixia como um pesadelo.

                 Despertador retro

Ora!Ora! – Que lembrança esta, hoje!

Todavia, para o meu tempo, como para o tempo de toda a gente – quem dás as horas – não é o relógio – embora horas, horas, – só o relógio dê…

 

Maria José Rijo

 

estou: 1995
música: Horas...dão os relógios...

publicado por Maria José Rijo às 20:46
| comentar | Favorito
partilhar
6 comentários:
De Adalgisa Alexandra a 16 de Janeiro de 2009 às 21:46
Muito bem.
Gostei muito deste texto dos relogios.
Uma boa lembrança, um bom tema.

Muitos Parabens
Mil beijinhos

Gisa


De Xavier Martins a 16 de Janeiro de 2009 às 21:58
Minha cara amiga
D. MAria José
Muito bom está este texto, também.
Foi um a boa lembrança, alias para se escrever
para um jornal, em todas as semanas, como fez,
faz e continua a fazer - todos os temas são válidos.
Nem só a actualidade politica ou desportista faz a
vida. As pequenas coisas também fazem parte da
vida.
E o despertador também é um objecto muito importante
no dia a dia das pessoas.
Nem todos acordam com o galo, ou porque sim...
muitos têm de usar despertador.

Gosto muito do seu blog porque tem textos/artigos
de varios anos - artigos sempre BONS - muito Bons
mesmo.
Está de Parabens e aquele prémio , que lhe deram
do blog de ouro, tem mesmo muito sentido.

Para mim é mesmo um blog dos melhores que
existem e cada um pense o que quizer.
Eu venho porque gosto de apreciar esta sua forma
tão especial de escrever.
E tenho dito.

Um grande abraço e desejos de um bom fim de
semana.

XAvier Martins





De Gustavo Frederich a 17 de Janeiro de 2009 às 01:27
Minha querida tia
Gostei imenso deste seu texto sobre o despertador
e as horas e os relogios.
Adoro a forma como a Tia aborda os assuntos, como
os eleva, lhes dás as voltas que tem de dar, como os
contorna, os faz brilhar, os empolga e a maneira
habil como termina.

São textos com história.
Principio, meio e fim.
Gosto dos ambientes, da forma lucida como nos
mostra o caminho dos seus pensamentos, como
emoldura sorrisos e caminha sobre folhas,ou como
espreita o arco iris.
Gosto tanto de caminhar a seu lado, sentindo o
perfume das flores, as nuvens nos céus, as flores
a abrir... as gotas nas folhas, os ninhos... sei lá...
os seus textos levam-me por caminhos até da minha
memória...

Gosto tanto desta forma sublime da sua escrita.
Das janelas abertas que nos mostra em cada um
destes seus olhares para o mundo.
Parabens minha Tia por este despertador.

Beijinhos

Gus


De Armando Franco a 17 de Janeiro de 2009 às 02:12
Realmente o Seu blog está Lindo ao olhar - sempre
com belissimas fotos, muito facil de encontrar o que
gostamos de ler

MAS

o bom mesmo do seu blog é a alegria que nos dão
os seus textos.
Não basta só estar lindo por fora e bem ornamentado
O BOM mesmo
são os seus textos, os artigos
a sua Prosa
a sua Poesia linda
as colecções de gastronomia com as receitas do
alentejo
E AINDA O LIvro das
REZAS E BENZEDURAS

Só tem aqui neste cantinho Prodigios - textos
em prosa e poesia que são admiraveis do inicio
ao fim.
É de louvar a beleza do blog - mas se não fosse
a maravilha do que a Senhora escreve - a beleza
estava incompleta.

Parabens a quem "arruma" este blog - tem
imenso gosto pelo que faz, e fa-lo com muito
carinho por si
MAS
Os textos de prosa e poesia valem o blog inteiro.
Bem haja
Dona Maria José Rijo
por tantas alegrias que tenho ao poder ler e
apreciar tanta "coisa" LINDA

SEU admirador e Amigo

Armando Franco


De poetaporkedeusker a 17 de Janeiro de 2009 às 03:11
Minha querida amiga,
Devo confessar que partilho essa sua particular afeição pelos despertadores grandes e bojudos, com as duas perninhas espetadas e a campânula do antigamente... e não é recente essa minha simpatia!
Vem de sempre. Vem desde que me lembro de ser eu.
Um grande abraço!


De Alice a 7 de Julho de 2010 às 04:30
EU AMO OS RELOGOS TEM GENTE QUE DIZ PARA NÃO OLHAR NO RELOGIO FALAM QUE O IMPORTANTE É APROVEITAR CADA SEGUNDO DA SUA VIDA.
EU NÃO APROVEITO PORQUE EU NÃO TENHO NIMGUEM ME SINTO SÓ,PARA MIM JÁ NÃO TENHO MAIS VIDA


Comentar post

.Maria José Rijo

.pesquisar

 

.Setembro 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
13
14
15
16

17
19
21
22
23

24
25
26
27
28
29
30


.posts recentes

. Programa de São Mateus 20...

. Carta aos meus queridos A...

. Aniversário do Linhas - 2...

. Viagem a Fátima

. Reportagem do Jornal Linh...

. Parabéns Avelino

. Parabéns Luciano

. CONVITE

. Cá Estou ... - 2

. CORAL PÚBLIA HORTÊNSIA DE...

.arquivos

.tags

. todas as tags

. Dia de Anos

. Então como é ?!

. Em nome de quem se cala.....

. Amarga Lucidez

. Com água no bico

. Elvas com alguma rima e ....

. 28 de Fevereiro...

. Obras do Cadete

. REGRESSO

. Feição de nobreza

.links

.Contador desde- 7-2-2007

Nova Contagem-17-4-2009 - @@@@@@@@@@@@@@@@ @@@@@@@@@@@@@@@

@@@@@@@@@@@@@@@ A Seguir-nos por aqui. Obrigado @@@@@@@@@@@@@@@@ free counters
Free counters @@@@@@

.Pensamentos de Mª José

@@@@@@@@@@@@@@@@@

@@@@ O caminho acaba ali... Ali onde começa a descoberta, O caminho é sempre estrada feita O fim do caminho É uma porta aberta... Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@ Quando o homem se render à força que o amor tem e a arma for oração pulsará na vida a paz como bate um coração. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Ser semente do futuro, é a mensagem de esperança, Que como um recado antigo, A vida nos dá a herança.- Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@ Eu penso, que é saudável e honesto reconhecer e respeitar as diferenças que nos individualizam no campo, também dosi deais.----- Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@ Há uma tal comunhão entre a obra e o autor Que até Deus concebe o Homem e o Homem - o Criador! Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ UMA IDEIA : É uma LUZ que se acende i nesperadamente no nossos espirito iluminando um caminho novo. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Sei para onde vou- pela ansia de galgar a distância- de onde estou- para o que não sou. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ A solidão é o que preenche o vazio de todas as ausências. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Quando na vida se perde, Um amigo ou um parente, P’ra que serve a Primavera? Se o frio está dentro da gente. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Mesmo sobre a saudade, a doçura do Natal, embala cada coração como uma música de esperança. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Em passadas de gigante nobre de traça e idade vem da nascente p'ras fontes dar de beber à cidade. -- Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Nas flores como nas pessoas, ás vezes a aparente fragilidade também pode esconder astúcias e artificiosos bluffes ”. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ A cada um seu direito, A cada terra seu uso, A cada boca um quinhão, A cada roca seu fuso, Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Seja cada dia um fruto- Cada fruto uma semente- Cada semente o produto- Dos passos dados em frente. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Coisas e loisas esparsas- Como a ferrugem – se pica- Como a lama dos caminhos- Se pisada… nos salpica. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Todos os dias amanhecem Crianças Pássaros Flores ! Sobre a noite das crianças Pássaros Flores que já não amanhecem Amanhecerá! Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Ao longe vejo Olivença Mais perto, Vila Real A meus pés o Guadiana Correndo manso – na crença De que tudo é Portugal Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Pátria sagrada de povo, Que emigrada- ganha pão, estás repartida- mas viva Se te bate o coração. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Portugal mais se define Onde a fronteira se traça Pode partir, mas não dobra Quem defende Pátria e Raça Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Bom seria se os recados do nosso coração chegassem ao ouvido de quem os motiva, porque então saberíamos como somos queridos e lembrados sem necessidade de telefones ou cartas. As comunicações seriam de coração para coração como a música de alma que se soltasse de um poema. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@

.ARTIGOS PUBLICADOS Em :

Jornal Linhas de Elvas - Desde 1950 @ @@@@@@@@@@@ Jornal da Beira - (Guarda) @@@@@@@@@@@ Jornal da Ilha Terceira (Açores) @@@@@@@@@@@ Jornal O Dia @@@@@@@@@@@ Jornal O Despertador @@@@@@@@@@@ Revista Norte Alentejo @@@@@@@@@@@

.LIVROS PUBLICADOS:

-E vim cantar- 1955@ -Paisagem- 1956@ -Rezas e Benzeduras- 2000@ @@@@@@@@@@@