Sexta-feira, 16 de Janeiro de 2009

HORAS… dão os relógios!

Jornal Linhas de Elvas

Nº 2.322 – 27 de Outubro de 1995

Conversas Soltas

 

                 

Acordar quando o relógio para; não é o previsto.

Mas, também acontece.

Previsto é acordar quando ele irrompe no momento aprazado a fazer estardalhaço.

Aquele pulsar metálico, seco, miudinho, miudinho… - aquela indiferença com que o relógio mastiga compassadamente o tempo de alegria ou de dor, das nossas vidas, sem lhe tomar o gosto -  segundo a segundo – faz parte das nossas noite. Embala-lhes o sono.

                stll_alarm_clock_snooze.jpg

Não é que durante o dia os relógios estejam parados.

Não! – Não é nada disso! – Mas, de dia os ruídos da vida sobrepõem-se-lhes.

Absorvem-lhe o pulsar. Diluem-nos.

Já, pelas noites dentro, no silêncio negro, o tiquetaque impera com a cadência ritmada dum metrónomo a impor o andamento.

No entanto, há relógios e … relógios.

                       

Porém, não é de relógios especiais que quero falar. Esses, são raridades fora do uso comum. Estão para as minhas memórias como os palácios para os montes alentejanos.

São mitos.

Fantasias.

O relógio que mais me cativa, é (era) o mais vulgar: - o Despertador.

O serviçal despertador.

Mas, quando digo despertador não penso nesses pequenos computadores sofisticados, de agora, que piscam, acendem luzes, ligam rádios, oferecem músicas e mais um mundo de variantes sedutoras como se fossem a porta dum circo em noite de espectáculo.Homem da Caverna

Vade retro! – Não é nada disso!

Esses fenomenais aparelhos, pluriprestativos, estão para os despertadores da minha afeição como os foguetões interplanetários para o homem das cavernas.

 

Despertador, para mim, é um relógio redondo, atarracado como um nabo. Com duas pernitas escanzeladas a suportar um ventre imenso, bojudo como uma melancia.

Numerado a negro. Com dois ponteiros como metades de bigode mal aparado pendurados de um eixo, também negro, que marca o centro dum mostrador liso, como um nariz de ervilha num rosto de lua cheia.

                        

Coroando o conjunto uma luzidia campânula, que se lhe ajusta como um solidéu.

Isso, é que é um despertador que se preza.

Uma peça à antiga.

Ruidoso, barulhento, abrutalhado (se quiserem) mas, fiel e resistente como um cão sem estirpe.

Há quem o renegue por incomodo e fora de moda.

Gostos.

Há gostos para tudo.

Gostos nem se discutem.

Tudo na vida é relativo e, eu, confesso ter também as minhas simpatias.

Aliás, gosto de relógios.

Quaisquer que sejam. Tendo, naturalmente as minhas preferências.

Pelo que já disse, é deduzível que prefiro os que conservem traços de origem quase artesanal.

                         clock

Nada arrebicados, pretensiosos, a parecer o que não são.

Relógio – é relógio.

Se é de pulso. É de pulso. Penso-os discretos, achatados como rebuçados peitorais.

“Seiva de pinheiro” ou “Santo Onofre”.

Só tem que ser discretos. Essa é a primeira obrigação. Como é a de uma secretária ou assistente.

Eficiente, prestável mas, não muito evidente. Não, necessariamente centro de atenções.

                Relógio antigo

Se for relógio de bolso! – Isso já torna as coisas diferentes! – Então se tiver corrente que o ate à casa do colete… oh! Aí, já tudo muda de figura.

Para quem pastorei o gado ou vá à caça ou à pesca em frias manhãs outoniças ou de duro inverno, fica a matar uma histórica “cebola”.

Dá um toque a preceito.

Faz a chamada às raízes. Ás velhas tradições que essas actividades evocam.

Quanto mais antiga for a peça – melhor.

Então, se herdada de pai, vinda já do avô ou do Bisavô…

Se for legado fiel ou oferta de padrinho – já não será apenas relógio – mas uma presença romântica do passado. E, toda a fantasia em seu redor se tornará crível. O relógio parecerá tão vivo quanto o cão e tão imprescindível como a água do cantil.

             

É evidente que um relógio assim já deixou de ser apenas um relógio e ganhou foro de parentela.

Mas… o despertador…

O despertador, quando se cala, gera um silêncio tão gelado e vazio que assusta.

Torna a solidão imensa, porque sem referência de tempo tudo perde o sentido e a memória convulsa asfixia como um pesadelo.

                 Despertador retro

Ora!Ora! – Que lembrança esta, hoje!

Todavia, para o meu tempo, como para o tempo de toda a gente – quem dás as horas – não é o relógio – embora horas, horas, – só o relógio dê…

 

Maria José Rijo

 

estou: 1995
música: Horas...dão os relógios...

publicado por Maria José Rijo às 20:46
| comentar | Favorito
partilhar
6 comentários:
De Adalgisa Alexandra a 16 de Janeiro de 2009 às 21:46
Muito bem.
Gostei muito deste texto dos relogios.
Uma boa lembrança, um bom tema.

Muitos Parabens
Mil beijinhos

Gisa


De Xavier Martins a 16 de Janeiro de 2009 às 21:58
Minha cara amiga
D. MAria José
Muito bom está este texto, também.
Foi um a boa lembrança, alias para se escrever
para um jornal, em todas as semanas, como fez,
faz e continua a fazer - todos os temas são válidos.
Nem só a actualidade politica ou desportista faz a
vida. As pequenas coisas também fazem parte da
vida.
E o despertador também é um objecto muito importante
no dia a dia das pessoas.
Nem todos acordam com o galo, ou porque sim...
muitos têm de usar despertador.

Gosto muito do seu blog porque tem textos/artigos
de varios anos - artigos sempre BONS - muito Bons
mesmo.
Está de Parabens e aquele prémio , que lhe deram
do blog de ouro, tem mesmo muito sentido.

Para mim é mesmo um blog dos melhores que
existem e cada um pense o que quizer.
Eu venho porque gosto de apreciar esta sua forma
tão especial de escrever.
E tenho dito.

Um grande abraço e desejos de um bom fim de
semana.

XAvier Martins





De Gustavo Frederich a 17 de Janeiro de 2009 às 01:27
Minha querida tia
Gostei imenso deste seu texto sobre o despertador
e as horas e os relogios.
Adoro a forma como a Tia aborda os assuntos, como
os eleva, lhes dás as voltas que tem de dar, como os
contorna, os faz brilhar, os empolga e a maneira
habil como termina.

São textos com história.
Principio, meio e fim.
Gosto dos ambientes, da forma lucida como nos
mostra o caminho dos seus pensamentos, como
emoldura sorrisos e caminha sobre folhas,ou como
espreita o arco iris.
Gosto tanto de caminhar a seu lado, sentindo o
perfume das flores, as nuvens nos céus, as flores
a abrir... as gotas nas folhas, os ninhos... sei lá...
os seus textos levam-me por caminhos até da minha
memória...

Gosto tanto desta forma sublime da sua escrita.
Das janelas abertas que nos mostra em cada um
destes seus olhares para o mundo.
Parabens minha Tia por este despertador.

Beijinhos

Gus


De Armando Franco a 17 de Janeiro de 2009 às 02:12
Realmente o Seu blog está Lindo ao olhar - sempre
com belissimas fotos, muito facil de encontrar o que
gostamos de ler

MAS

o bom mesmo do seu blog é a alegria que nos dão
os seus textos.
Não basta só estar lindo por fora e bem ornamentado
O BOM mesmo
são os seus textos, os artigos
a sua Prosa
a sua Poesia linda
as colecções de gastronomia com as receitas do
alentejo
E AINDA O LIvro das
REZAS E BENZEDURAS

Só tem aqui neste cantinho Prodigios - textos
em prosa e poesia que são admiraveis do inicio
ao fim.
É de louvar a beleza do blog - mas se não fosse
a maravilha do que a Senhora escreve - a beleza
estava incompleta.

Parabens a quem "arruma" este blog - tem
imenso gosto pelo que faz, e fa-lo com muito
carinho por si
MAS
Os textos de prosa e poesia valem o blog inteiro.
Bem haja
Dona Maria José Rijo
por tantas alegrias que tenho ao poder ler e
apreciar tanta "coisa" LINDA

SEU admirador e Amigo

Armando Franco


De poetaporkedeusker a 17 de Janeiro de 2009 às 03:11
Minha querida amiga,
Devo confessar que partilho essa sua particular afeição pelos despertadores grandes e bojudos, com as duas perninhas espetadas e a campânula do antigamente... e não é recente essa minha simpatia!
Vem de sempre. Vem desde que me lembro de ser eu.
Um grande abraço!


De Alice a 7 de Julho de 2010 às 04:30
EU AMO OS RELOGOS TEM GENTE QUE DIZ PARA NÃO OLHAR NO RELOGIO FALAM QUE O IMPORTANTE É APROVEITAR CADA SEGUNDO DA SUA VIDA.
EU NÃO APROVEITO PORQUE EU NÃO TENHO NIMGUEM ME SINTO SÓ,PARA MIM JÁ NÃO TENHO MAIS VIDA


Comentar post

.Maria José Rijo


. ver perfil

. seguir perfil

. 53 seguidores

.pesquisar

 

.Setembro 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
13
14
15
16

17
19
21
22
23

24
27
28
29
30


.posts recentes

. São Mateus 2017

. Participação - Programas ...

. Programa de São Mateus 20...

. Carta aos meus queridos A...

. Aniversário do Linhas - 2...

. Viagem a Fátima

. Reportagem do Jornal Linh...

. Parabéns Avelino

. Parabéns Luciano

. CONVITE

.arquivos

.tags

. todas as tags

. Dia de Anos

. Então como é ?!

. Em nome de quem se cala.....

. Amarga Lucidez

. Com água no bico

. Elvas com alguma rima e ....

. 28 de Fevereiro...

. Obras do Cadete

. REGRESSO

. Feição de nobreza

.links

.Contador desde- 7-2-2007

Nova Contagem-17-4-2009 - @@@@@@@@@@@@@@@@ @@@@@@@@@@@@@@@

@@@@@@@@@@@@@@@ A Seguir-nos por aqui. Obrigado @@@@@@@@@@@@@@@@ free counters
Free counters @@@@@@

.Pensamentos de Mª José

@@@@@@@@@@@@@@@@@

@@@@ O caminho acaba ali... Ali onde começa a descoberta, O caminho é sempre estrada feita O fim do caminho É uma porta aberta... Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@ Quando o homem se render à força que o amor tem e a arma for oração pulsará na vida a paz como bate um coração. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Ser semente do futuro, é a mensagem de esperança, Que como um recado antigo, A vida nos dá a herança.- Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@ Eu penso, que é saudável e honesto reconhecer e respeitar as diferenças que nos individualizam no campo, também dosi deais.----- Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@ Há uma tal comunhão entre a obra e o autor Que até Deus concebe o Homem e o Homem - o Criador! Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ UMA IDEIA : É uma LUZ que se acende i nesperadamente no nossos espirito iluminando um caminho novo. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Sei para onde vou- pela ansia de galgar a distância- de onde estou- para o que não sou. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ A solidão é o que preenche o vazio de todas as ausências. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Quando na vida se perde, Um amigo ou um parente, P’ra que serve a Primavera? Se o frio está dentro da gente. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Mesmo sobre a saudade, a doçura do Natal, embala cada coração como uma música de esperança. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Em passadas de gigante nobre de traça e idade vem da nascente p'ras fontes dar de beber à cidade. -- Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Nas flores como nas pessoas, ás vezes a aparente fragilidade também pode esconder astúcias e artificiosos bluffes ”. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ A cada um seu direito, A cada terra seu uso, A cada boca um quinhão, A cada roca seu fuso, Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Seja cada dia um fruto- Cada fruto uma semente- Cada semente o produto- Dos passos dados em frente. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Coisas e loisas esparsas- Como a ferrugem – se pica- Como a lama dos caminhos- Se pisada… nos salpica. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Todos os dias amanhecem Crianças Pássaros Flores ! Sobre a noite das crianças Pássaros Flores que já não amanhecem Amanhecerá! Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Ao longe vejo Olivença Mais perto, Vila Real A meus pés o Guadiana Correndo manso – na crença De que tudo é Portugal Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Pátria sagrada de povo, Que emigrada- ganha pão, estás repartida- mas viva Se te bate o coração. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Portugal mais se define Onde a fronteira se traça Pode partir, mas não dobra Quem defende Pátria e Raça Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Bom seria se os recados do nosso coração chegassem ao ouvido de quem os motiva, porque então saberíamos como somos queridos e lembrados sem necessidade de telefones ou cartas. As comunicações seriam de coração para coração como a música de alma que se soltasse de um poema. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@

.ARTIGOS PUBLICADOS Em :

Jornal Linhas de Elvas - Desde 1950 @ @@@@@@@@@@@ Jornal da Beira - (Guarda) @@@@@@@@@@@ Jornal da Ilha Terceira (Açores) @@@@@@@@@@@ Jornal O Dia @@@@@@@@@@@ Jornal O Despertador @@@@@@@@@@@ Revista Norte Alentejo @@@@@@@@@@@

.LIVROS PUBLICADOS:

-E vim cantar- 1955@ -Paisagem- 1956@ -Rezas e Benzeduras- 2000@ @@@@@@@@@@@