Quinta-feira, 22 de Janeiro de 2009

Recado

.


Quando meus olhos
fecharem de vez
põe sobre o meu coração
um caroço de fruto
cereja, pêssego, ameixa!
qualquer um...
e deixa! - deixa que assim
a Vida iluda a morte
de tal sorte
que em cada Primavera
eu volte a respirar
com as folhas verdes
as flores cheirosas
e os frutos
pão de pássaros, insectos
e lagartas...
... e as borboletas
hão-de anunciar-me
quando as rosas florirem

é só isso que precisarei saber - sempre.

.
Maria José Rijo

 

estou:

publicado por Maria José Rijo às 23:18
| comentar | Favorito
partilhar
14 comentários:
De Adalgisa Alexandra a 22 de Janeiro de 2009 às 23:49
Minha querida Tia

Nem sei o que dizer...
O seu poema tocou-me fundo, muito fundo.
ADOREI
... mas eu acho que a Tia é daquelas pessoas
que não podem partir... :(
Não podem mesmo...
Almas grandes, sorrisos únicos -- como costumava
dizer a minha querida e saudosa Mãe.

Muitos beijinhos

Gisa


De Maria José a 25 de Janeiro de 2009 às 12:36
Querida Gisa
Não pense que não reparei na sua mágoa por lhe atropelarem o gatinho!
Eu leio sempre com o maior interesse todos os comentários e, como muitas vezes repito, adoraria ficar aqui à conversa durante horas. Acontece que, algum convívio que ainda mantenho e este hábito de escrever para o jornal, acabam por me ocupar e, como diz o ditado: enquanto se canta, não se assobia...
Beijinhos - tia zé


De Aristeu a 23 de Janeiro de 2009 às 00:55
LINDO Lindo Lindo

Ohminha querida Tia, mas que poeminha tão
lindo.
Concordo com a Gisa mas eu não queria ter de
saber que... :(
Não queria, não quero...
Esta aproximação (mesmo por aqui) faz-me bem,
gosto de conversar consigo, de ler os seus artigos,
os seus poemas...
Gosto e isso deixa-me feliz.

O meu trabalho na universidade - é bom, gostoso, a
parte familiar também me faz bem, esta vidinha de
familia sorriso MAS este nosso convivio diário faz-me
bem,na medida que vai lá... dentro de mim, buscar
tantas recordações, de sorrisos, gestos, olhares que
para uma criança foram - um raio de luz...
Não sei se me entende, mas quando se é criança
pouca coisa, ou quase nada - jé é muito e tanto
que marca - até hoje.

Obrigado Tia por continuar a sorrir para mim.
.
Sobre
o meu Pai e o Tio Américo lá andam em amena
cavaqueira, recordando o passado, sorrindo, lendo
e relendo os seus artigos e poemas - em salas
cheias de amigos - em conversas e discussões
de literatura.
Andam entusiasmados MAS o seu blog é olhado,
lido e relido 2 a 3 vezes por dia.
É assim que os meus velhotes (e eles que me não
oiçam) passam os dias.
.
O Gílio tem agora trabalhadores que o ajudam
diariamente com o gado, as culturas e tudo o meis
enquanto que ele resolveu terminar os estudos
mesmo aqui na capital.
Estou contente por ele ir terminar o curso mas
sobre o casar ... penso que ficara para outra
ocasião... está só, nesse aspecto.
Vamos ver...
..

Tia querida
Muitos beijinhos
e até amanhã

Gosto muito de si.

Aristeu


De Maria josé a 25 de Janeiro de 2009 às 12:57
Meus queridos
è sempre bom saber e vós e receber a ternura que tranborda das vossas palavras e da vossa saudade.
Que bom arrimo para a vida nos dá a amizade para as agruras do caminho.
Estou contente com a decisão do Gilinho de voltar à Universidade. Afinal, ir acabar o curso é ir buscar o que é dele - a oportunidae que a família e a juventude lhe oferecem na hora mais certa. Diga-lhe que rezei por isso e... também, para que não resolva à pressa, por impulso,outras coisas importantes.
É que essa pressa me faz pensar que nem tudo está - ainda- completamente sarado. Pensamentos de ´gente de muita idade? - Será? - Também - admito.
Pense "que o tempo a tudo dá talho"...
E, perdoe a intromissão de quem reza por ele, valeu?
Adoro a vossa horta e os comícios literários de que sou componente - distante!
Que maravilha que esses "velhotes" leiam poemas desta "jovem!"
Vale um sorriso enternecido e um abraço para todos
Beijinhos - Maria José


De Gustavo Frederich a 23 de Janeiro de 2009 às 01:08
Minha Tia
Já faz uma hora que estou aqui defronte das suas
palavras - olhando, lendo, releeeeeeeeeeeeeendo
este seu LINDO, Magnificat - Poema...

Pensei muito
Tinha um imenso discurso para dizer sobre
o prodigioso poema de hoje
Tinha
mas agora - neste instante - nem tenho palavras
que sejam - as que merece ouvir ...

Telefonei ao novo amigo padre,
Li, traduzi o poema
ele ouviu e depois de uns instantes de silencio
disse na sua voz grave
" Profundo, rico, especial... tem uma alma grande
acariciada por Deus - Gostei muito..."

Estou emocionado... creia que estou...
é um poema que mostra como pensa sobre esse
pedacinho - do atravessar "el umbral" para a vida,
a outra vida...

Tia...
Muitos beijinhos
Muito grato por este poema prometido
Estou veramente emocionado

Um grande abraço

Gus


De maria José a 25 de Janeiro de 2009 às 13:23
Meu Sobrinho Querido
Como lhe confidenciei, tenho andado a dar volta a papelada e, a reler tudo que vou encontrando.
Nesse arquivo também encontrei , num papel já castanho, isto que vou transcrever para si, não antes de lhe dizer, que SE voltasse a editar mais alguns poemas gostaria de juntar-lhes as suas traduções.
Afinal é melhor andar em boa companhia do que estar só
Como se chama este seu novo amigo Padre?
Pelo menos vou ganhando quem abençoe os meus delírios!
Beijinhos muito amigos
Tia Zé

"Ao meu caro bacilo"
era a morte que espreitava
era o meu corpo que no leito tremia
e o meu "eu", como espectador
que sentado em frente
de perna cruzada
olhava p´ra nós - troçava e ria...
- falei-lhe zangada
como o não fazia
desde que me conheço
e o conhecia...
- retome o seu lugar!
tenha juizo!
pois enquanto o seu corpo treme
você troça e fica tal e qual
como se não desse por tal?
veio a resposta...
meio cínica, assim:
- como a carne é cobarde,
que mesmo à vista do fim
ainda treme por ela
e não por mim!
Maria josé




De Sindarin a 23 de Janeiro de 2009 às 12:46
Olá amiga! Estou em falta para consigo não tendo vindo comentar desculpe, mas este lindo poema fez-me emocionar até...está lindo, espectacular. Deixo-lhe um beijinho e as minhas desculpas.


De Maria José a 25 de Janeiro de 2009 às 14:52
Sindarim
Só se desculpa, quem tem culpa - coisa que por aqui não existe
Aqui, em falta , só este abraço grato e amigo que eu sempre lhe deverei
Obrigada
Maria José


De Luis carlos Presti a 23 de Janeiro de 2009 às 21:45
Olá tia
Cá estou a fazer a minha visita que lhe devia fazia já
imenso tempo MAS, minha querida Tia tem sido dificil
porque tive um incendio em casa e perdi o
computador e muitas outras coisas.
Foi muito chato e iamos morremdo os dois porque o
incendio foi durante a noite - com um curto circuito.
E isto depois da minha mulher ter perdido o bébé...
Estamos mesmo muito tristes...

Tia
Gostei muito deste seu poema mas recuso-me
a pensar que possa partir - está fora de cogitação
tal pensamento. A tia é única e escreve desta
forma sublime.
Muitos Parabens por mais este poema GRANDE.

Muitos beijinhos

Luis Carlos Presti


De Maria José a 25 de Janeiro de 2009 às 15:24
Luis Carlos
Que bom saber-vos bem depois de tantos percalços e tão desagradáveis.
Muitas vezes pensava em vós, mas sempre os idealizava como vos desejo - felizes, a namorar e a passear aproveitando o estado de graça de serem novos e apaixonados.
Que pena que assim não tivesse sido - mas - se como ensinava minha Mãe, todas as léguas têm seu bocado de mau caminho!...
Assim sendo, partamos do princípio que "o vosso bocado " já passou - se Deus quiser.
Espero e desejo de todo o coração que esqueçam o mau tempo até porque os dias já estão muito maiores, já há muita luz e, a vida está aí à vossa espera.
Quando o sol brilha, já cheira a Primavera.Faço ideia aí em Florença!
Beijinhos e saiba que é sempre desejada a sua presença
Façam favor de ser felizes
Tia zé


De Xavier Martins a 23 de Janeiro de 2009 às 22:01
D. Maria José

Que maravilhoso poema, triste, sentido, intimista
mas uma maravilha.

Gosto desta forma brilhante de sentir e dizer assim...
desta maneira tão natural.
Muitos Parabens
minha amiga

Xavier Martins


De mgraça a 24 de Janeiro de 2009 às 10:14
Olá minha Senhora!-Poema lindo...mas sinto pelo que vemos aqui, que irá ter sempre , um ramos de rosas brancas e ou malmequeres ,frescos .Mas não será tão depressa.Muita saúde.
Respeitosamente


De Maria josé a 25 de Janeiro de 2009 às 15:31
Que simpatia a sua - Mgraça!
Obrigada
Um xi-coração
Maria josé


De Maria josé a 25 de Janeiro de 2009 às 15:28
Xavier Martins
Mesmo sem o "seu" blog tem sempre a delicadeza de aparecer aqui no nosso
Obrigada - um abraço
Maria José


Comentar post

.Maria José Rijo


. ver perfil

. seguir perfil

. 53 seguidores

.pesquisar

 

.Setembro 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
13
14
15
16

17
19
21
22
23

24
27
28
29
30


.posts recentes

. São Mateus 2017

. Participação - Programas ...

. Programa de São Mateus 20...

. Carta aos meus queridos A...

. Aniversário do Linhas - 2...

. Viagem a Fátima

. Reportagem do Jornal Linh...

. Parabéns Avelino

. Parabéns Luciano

. CONVITE

.arquivos

.tags

. todas as tags

. Dia de Anos

. Então como é ?!

. Em nome de quem se cala.....

. Amarga Lucidez

. Com água no bico

. Elvas com alguma rima e ....

. 28 de Fevereiro...

. Obras do Cadete

. REGRESSO

. Feição de nobreza

.links

.Contador desde- 7-2-2007

Nova Contagem-17-4-2009 - @@@@@@@@@@@@@@@@ @@@@@@@@@@@@@@@

@@@@@@@@@@@@@@@ A Seguir-nos por aqui. Obrigado @@@@@@@@@@@@@@@@ free counters
Free counters @@@@@@

.Pensamentos de Mª José

@@@@@@@@@@@@@@@@@

@@@@ O caminho acaba ali... Ali onde começa a descoberta, O caminho é sempre estrada feita O fim do caminho É uma porta aberta... Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@ Quando o homem se render à força que o amor tem e a arma for oração pulsará na vida a paz como bate um coração. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Ser semente do futuro, é a mensagem de esperança, Que como um recado antigo, A vida nos dá a herança.- Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@ Eu penso, que é saudável e honesto reconhecer e respeitar as diferenças que nos individualizam no campo, também dosi deais.----- Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@ Há uma tal comunhão entre a obra e o autor Que até Deus concebe o Homem e o Homem - o Criador! Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ UMA IDEIA : É uma LUZ que se acende i nesperadamente no nossos espirito iluminando um caminho novo. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Sei para onde vou- pela ansia de galgar a distância- de onde estou- para o que não sou. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ A solidão é o que preenche o vazio de todas as ausências. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Quando na vida se perde, Um amigo ou um parente, P’ra que serve a Primavera? Se o frio está dentro da gente. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Mesmo sobre a saudade, a doçura do Natal, embala cada coração como uma música de esperança. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Em passadas de gigante nobre de traça e idade vem da nascente p'ras fontes dar de beber à cidade. -- Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Nas flores como nas pessoas, ás vezes a aparente fragilidade também pode esconder astúcias e artificiosos bluffes ”. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ A cada um seu direito, A cada terra seu uso, A cada boca um quinhão, A cada roca seu fuso, Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Seja cada dia um fruto- Cada fruto uma semente- Cada semente o produto- Dos passos dados em frente. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Coisas e loisas esparsas- Como a ferrugem – se pica- Como a lama dos caminhos- Se pisada… nos salpica. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Todos os dias amanhecem Crianças Pássaros Flores ! Sobre a noite das crianças Pássaros Flores que já não amanhecem Amanhecerá! Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Ao longe vejo Olivença Mais perto, Vila Real A meus pés o Guadiana Correndo manso – na crença De que tudo é Portugal Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Pátria sagrada de povo, Que emigrada- ganha pão, estás repartida- mas viva Se te bate o coração. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Portugal mais se define Onde a fronteira se traça Pode partir, mas não dobra Quem defende Pátria e Raça Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Bom seria se os recados do nosso coração chegassem ao ouvido de quem os motiva, porque então saberíamos como somos queridos e lembrados sem necessidade de telefones ou cartas. As comunicações seriam de coração para coração como a música de alma que se soltasse de um poema. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@

.ARTIGOS PUBLICADOS Em :

Jornal Linhas de Elvas - Desde 1950 @ @@@@@@@@@@@ Jornal da Beira - (Guarda) @@@@@@@@@@@ Jornal da Ilha Terceira (Açores) @@@@@@@@@@@ Jornal O Dia @@@@@@@@@@@ Jornal O Despertador @@@@@@@@@@@ Revista Norte Alentejo @@@@@@@@@@@

.LIVROS PUBLICADOS:

-E vim cantar- 1955@ -Paisagem- 1956@ -Rezas e Benzeduras- 2000@ @@@@@@@@@@@