Terça-feira, 3 de Fevereiro de 2009

Permitam – me que discorde!

Jornal Linhas de Elvas

12-Maio-2005 – Nº 2.813

Conversas Soltas

 

                     PR.jpg

O Senhor Presidente da Republica – que muito respeito – fez uma presidência aberta para chamar a atenção sobre os desmandos que se praticam na condução automóvel no nosso País.

Foi uma ideia absolutamente louvável e, acredito que teve e terá consequências muito positivas para a resolução do arrepiante caos a que chegou o trânsito nas nossas estradas.

Há porém uma afirmação que o Senhor Presidente proferiu que me ficou a martelar na consciência e não resisto a comentar.

Afirmou sua Excelência que acha -  e para o facto chamou a atenção do senhor ministro que tutela a respectiva pasta – que a polícia da estrada deve andar à paisana e, em carros civis !

Logo, logo pareceu-me nem ter percebido bem. Porém, quando consciencializei o que realmente tinha escutado senti-me um tanto perturbada.

Uma polícia nesses moldes, é uma polícia secreta!

– Ou, não é?

Ora as autoridades policiais, ao que me parece, devem estar convenientemente identificadas! - Nunca disfarçadas.

O cidadão comum tem que saber – tem esse direito – deve saber a lei em que vive.

E, tem que poder reconhecer as pessoas a quem está entregue a defesa da segurança de todos nós.

Se já aparecem assaltantes vestindo fardas da GNR e da polícia a mandar parar carros, como vai ser com essa nova medida?

[continencia.jpg]

Quem viaja como deverá proceder?

Obedece? – Não obedece? – Pára? – Não pára? - Como é?...

Quem garante a segurança?!

Que se incluam desde os infantários – se possível – aulas de civismo no currículo escolar, que se faça tudo o que é possível e, até o que possa parecer impossível para educar a população, para mudar a mentalidade obtusa e medíocre de quem pensa que com um volante na mão, ultrapassando tudo e todos, supera as suas ocultas frustrações, – concordo.

image

Porém, que se crie uma polícia secreta como se todos nós fossemos delinquentes perigosos sem direito ao respeito que nos é devido como pessoas e como cidadãos, permita-me que muito democraticamente discorde seja lá de quem for, até, e muito principalmente, do Senhor Presidente da Republica!

Estamos nos pós 25 de Abril.

Eliminaram das escolas a educação moral e cívica porque era coisa de fascistas!

            

Em troca deixaram um espaço vazio onde só tem proliferado a libertinagem, a droga, e, por aí fora...

Quando será que a sabedoria dos simples entra na cabeça dos eruditos.

O que é bom é sempre bom! - Venha de que mão vier – lá dizia o Ti Carrapiço! - Que viveu a apascentar vacas e nunca ouviu falar nem em progressistas nem em fascistas, nem isso jamais lhe fez falta para destrinçar o Bem do Mal...

E, como eu, agora diria: - nada, absolutamente nada, deverá restaurar entre nós a armadilha traiçoeira, a suspeição generalizada o bafo nojento da denúncia sem rosto e outras arbitrariedades quejandas, como era uso no tempo em que até se espiava quem tinha, ou não, licença de isqueiro!

 

Maria José Rijo

estou:

publicado por Maria José Rijo às 22:54
| comentar | Favorito
partilhar
4 comentários:
De Adalgisa Alexandra a 3 de Fevereiro de 2009 às 23:43
Olá de novo.
Li e gostei.
Um bom texto. Uma prosa excelente.

Gostaria eu de ter conhecido o Ti carrapiço.
Deve de ter sido um homem cheio de saber de vida.
beijinhos

Gisa


De mgraça a 4 de Fevereiro de 2009 às 00:28
Policia à paisana , vem-nos logo á cabeça a tal PIDE.Todos em geral ,temos aversão a isso.Também acho uma ideia infeliz.Concordo com esta apreciação .O ti Carrapiço está coberto de razão...
Boa noite `a Senhora.


De Malaquias Miguel a 4 de Fevereiro de 2009 às 00:29
Parabens .
Um texto de 2005mas mt lucido.
Gosto sinceramente do que escreve.

Com amizade

Miguel Malaquias


De Dolores e Avelino a 4 de Fevereiro de 2009 às 00:56
Tia querida
Muitos beijinhos desta sua familia cá de França.
Sempre, todos os dias cá estamos para ler as suas
belissimas actualizações.
Hoje 2 posts o que muito nos agradou.
O Avelino adora as suas entrevistas - ele diz que
"ouvir" o que a Senhora diz e como diz - é como
estar sentado a seu lado.
Gosta imenso dos seus textos.
São belos.
Eu também acho.

Muitos Parabens
Beijinhos enormes para si
Um abracinho da Bagé para si
e também para sua mana.

Tenha cuidado com os frios tia, com estas
chuvas.
Não se deixe constipar.
Beijinhos
Dolores e Avelino e bagé


Comentar post

.Maria José Rijo


. ver perfil

. seguir perfil

. 55 seguidores

.pesquisar

 

.Dezembro 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
13
14
15
16

17
18
19
20
21
22
23

24
25
26
27
28
29
30

31


.posts recentes

. Apresentação do Livro de ...

. O Natal e os Poetas - 201...

. São Mateus 2017

. Participação - Programas ...

. Programa de São Mateus 20...

. Carta aos meus queridos A...

. Aniversário do Linhas - 2...

. Viagem a Fátima

. Reportagem do Jornal Linh...

. Parabéns Avelino

.arquivos

.tags

. todas as tags

. Dia de Anos

. Então como é ?!

. Em nome de quem se cala.....

. Amarga Lucidez

. Com água no bico

. Elvas com alguma rima e ....

. 28 de Fevereiro...

. Obras do Cadete

. REGRESSO

. Feição de nobreza

.links

.Contador desde- 7-2-2007

Nova Contagem-17-4-2009 - @@@@@@@@@@@@@@@@ @@@@@@@@@@@@@@@

@@@@@@@@@@@@@@@ A Seguir-nos por aqui. Obrigado @@@@@@@@@@@@@@@@ free counters
Free counters @@@@@@

.Pensamentos de Mª José

@@@@@@@@@@@@@@@@@

@@@@ O caminho acaba ali... Ali onde começa a descoberta, O caminho é sempre estrada feita O fim do caminho É uma porta aberta... Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@ Quando o homem se render à força que o amor tem e a arma for oração pulsará na vida a paz como bate um coração. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Ser semente do futuro, é a mensagem de esperança, Que como um recado antigo, A vida nos dá a herança.- Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@ Eu penso, que é saudável e honesto reconhecer e respeitar as diferenças que nos individualizam no campo, também dosi deais.----- Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@ Há uma tal comunhão entre a obra e o autor Que até Deus concebe o Homem e o Homem - o Criador! Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ UMA IDEIA : É uma LUZ que se acende i nesperadamente no nossos espirito iluminando um caminho novo. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Sei para onde vou- pela ansia de galgar a distância- de onde estou- para o que não sou. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ A solidão é o que preenche o vazio de todas as ausências. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Quando na vida se perde, Um amigo ou um parente, P’ra que serve a Primavera? Se o frio está dentro da gente. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Mesmo sobre a saudade, a doçura do Natal, embala cada coração como uma música de esperança. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Em passadas de gigante nobre de traça e idade vem da nascente p'ras fontes dar de beber à cidade. -- Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Nas flores como nas pessoas, ás vezes a aparente fragilidade também pode esconder astúcias e artificiosos bluffes ”. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ A cada um seu direito, A cada terra seu uso, A cada boca um quinhão, A cada roca seu fuso, Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Seja cada dia um fruto- Cada fruto uma semente- Cada semente o produto- Dos passos dados em frente. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Coisas e loisas esparsas- Como a ferrugem – se pica- Como a lama dos caminhos- Se pisada… nos salpica. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Todos os dias amanhecem Crianças Pássaros Flores ! Sobre a noite das crianças Pássaros Flores que já não amanhecem Amanhecerá! Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Ao longe vejo Olivença Mais perto, Vila Real A meus pés o Guadiana Correndo manso – na crença De que tudo é Portugal Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Pátria sagrada de povo, Que emigrada- ganha pão, estás repartida- mas viva Se te bate o coração. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Portugal mais se define Onde a fronteira se traça Pode partir, mas não dobra Quem defende Pátria e Raça Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Bom seria se os recados do nosso coração chegassem ao ouvido de quem os motiva, porque então saberíamos como somos queridos e lembrados sem necessidade de telefones ou cartas. As comunicações seriam de coração para coração como a música de alma que se soltasse de um poema. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@

.ARTIGOS PUBLICADOS Em :

Jornal Linhas de Elvas - Desde 1950 @ @@@@@@@@@@@ Jornal da Beira - (Guarda) @@@@@@@@@@@ Jornal da Ilha Terceira (Açores) @@@@@@@@@@@ Jornal O Dia @@@@@@@@@@@ Jornal O Despertador @@@@@@@@@@@ Revista Norte Alentejo @@@@@@@@@@@

.LIVROS PUBLICADOS:

-E vim cantar- 1955@ -Paisagem- 1956@ -Rezas e Benzeduras- 2000@ @@@@@@@@@@@