Quinta-feira, 12 de Fevereiro de 2009

Reminiscência - nº 13

Jornal Linhas de Elvas

Nº 2.801 – 17-Fevereiro-2005

Conversas Soltas

Reminiscências - XIII - O Barbilho

 

                                

O vinte e cinco de Abril, foi em setenta e quatro. (no século passado, mas bem perto ainda.)

Talvez por isso, vira e volta por isto e por aquilo ou sem sequer vir a propósito se cita a lei da rolha que Salazar impunha à imprensa!

                 25 de Abril: Fraca consciência democrática pode pôr em causa a liberdade de imprensa

Falam e até têm razão porque o relato dos factos chega até nós por via testemunhal, e os maus feitos dessa época estavam tão descaradamente a descoberto que não dando o tempo distanciamento suficiente para falar com inteira isenção dum passado ainda tão recente – quero dizer: para fazer história –  quem viveu esses acontecimentos  permite-se, justamente, guardar deles lembranças , formular opiniões e intimamente fazer comparações, que por vezes libertam algumas reminiscências.

           

É o caso:

Lá no campo, onde cresci, quando as cabras saiam do curral, era costume o pastor recomendar aos seus “ajudas”: - nã dexem-nos chibos sair sem brabilhos por modo logo à tarde termos lête à farta p´ra atabafar p`ró quêjo!

        O genuino Chibo Alentejano por Manuel Faisco.

E, os cabritos lá iam ao lado das mães, berrando e espinoteando de alegria, que isto de sair de supetão do aprisco escuro e receber de frente o ar fresco, mesmo duma falsa liberdade, embebeda de prazer e aturde os sentidos de qualquer um, até mesmo irracional, na euforia desse primeiro impacto.

Porém, tal como escreveu Sebastião da Gama referindo o grilo aprisionado, que por estar na gaiola já não era preto, mas, estava, sim, de luto; também os jovens caprinos, descobriam logo, logo, que liberdade não é andar à solta!

– Liberdade é muito e bem mais do que isso.

E aprendiam que, um niquinho de um ramo de árvore aparado à navalha, até com arte, (que os pastores são, por via de regra, gente experiente, sabida, até sábia por vezes e habilidosa) posto de atravessado na boca e atado sem violência ao redor do pescoço, não é propriamente um elemento decorativo, um colar. Pode, como nesta circunstância ser o frágil disfarce que faz a diferença entre a possibilidade de cada elemento usar plenamente a sua condição de ser livre. É o estratagema que dá aos donos do rebanho o controlo da produção.

        

É a ténue, mas incontrolável fronteira entre a aparência e o ser, ou não ser livre de verdade.

Os donos dos rebanhos poderiam optar por ter gado mais gordo e mais feliz... mas sendo o prado vasto e muitos os pastores, cada qual costuma impor as suas regras e, com a desculpa do negócio do queijo, lá se vão usando os barbilhos que, não chegando a ser rolhas causam o mesmo efeito selectivo.

Se calhar eu deveria ter falado de flores...mas tem chovido tão pouco!

 – Está tudo tão seco, tão árido!

       

E, lembro-me de tantas coisas que acho que devo delas dar testemunho, nem que seja, só, para a história local.

E porque são pequenas minúcias que fazem parte das nossas raízes rurais, das nossas origens, não acho mal falar nelas.                           

Também poderia (?) falar de política, porém, achoSócrates terá assinado projectos de outras pessoas durante anos 80 Sócrates, tão palaciano, tão artificial, tão ardiloso que evocá-lo me assusta como a venenosa cicuta que matou o filósofo do mesmo nome.

Santana, (em quem ainda acredito) é demasiado honesto, humano, e transparente no que diz e no que faz, para não se tornar alvo de invejas e prato forte da astúcia dos adversários.

(veja-se que por idênticas razões soçobrou o socialista Guterres também entre os seus), e os que acreditamos em José Gil, um português considerado entre os 25 maiores pensadores do mundo, que afirma: “ em Portugal a INVEJA não é um sentimento, é um sistema”...teremos que meditar...

Portas é extremamente inteligente e, só com uma educação de igual quilate consegue aguentar tanta e tanta perfídia.

Loução, mostrou o que vale na entrevista repleta de insinuações dignas da melhor escola fascista, ao procurar rebaixar Portas, como pessoa, em lugar de arvorar – o que lhe era pedido -  sabedoria  política.

O novo secretário do partido comunista, vê-se nitidamente que é um homem sério, estruturado, honesto, mas serve a filosofia do seu decrépito partido.

 

 

 

 

 

Ora isto são coisas que toda a gente sabe e vê, portanto mais não direi.

 

Maria José Rijo

 

estou: nº 2.801--17 de Fevereiro 2005
música: Reminiscência - 13 - o Barbilho

publicado por Maria José Rijo às 23:15
| comentar | Favorito
partilhar
2 comentários:
De Adalgisa Alexandra a 13 de Fevereiro de 2009 às 00:26
Minha querida tia
Muitos beijinhos e os meus Parabens por mais este
excelente texto.

São sempre tão interessantes e actuais.
Gosto.
Gosto imenso das suas reminiscências, tento
sempre imaginar esses tempos.

Beijinhos

Gisa


De António Piedade a 13 de Fevereiro de 2009 às 18:29
Excelente texto
Muitos Parabens por esta sua reminiscência.
Gosto sempre de ver e ler todos os seus artigos.

É norma neste blog.
Artigos de uma qualidade caracteristica de quem
pensa como Deus manda - Bem.
Parabens

António Piedade


Comentar post

.Maria José Rijo


. ver perfil

. seguir perfil

. 53 seguidores

.pesquisar

 

.Setembro 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
13
14
15
16

17
19
21
22
23

24
27
28
29
30


.posts recentes

. São Mateus 2017

. Participação - Programas ...

. Programa de São Mateus 20...

. Carta aos meus queridos A...

. Aniversário do Linhas - 2...

. Viagem a Fátima

. Reportagem do Jornal Linh...

. Parabéns Avelino

. Parabéns Luciano

. CONVITE

.arquivos

.tags

. todas as tags

. Dia de Anos

. Então como é ?!

. Em nome de quem se cala.....

. Amarga Lucidez

. Com água no bico

. Elvas com alguma rima e ....

. 28 de Fevereiro...

. Obras do Cadete

. REGRESSO

. Feição de nobreza

.links

.Contador desde- 7-2-2007

Nova Contagem-17-4-2009 - @@@@@@@@@@@@@@@@ @@@@@@@@@@@@@@@

@@@@@@@@@@@@@@@ A Seguir-nos por aqui. Obrigado @@@@@@@@@@@@@@@@ free counters
Free counters @@@@@@

.Pensamentos de Mª José

@@@@@@@@@@@@@@@@@

@@@@ O caminho acaba ali... Ali onde começa a descoberta, O caminho é sempre estrada feita O fim do caminho É uma porta aberta... Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@ Quando o homem se render à força que o amor tem e a arma for oração pulsará na vida a paz como bate um coração. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Ser semente do futuro, é a mensagem de esperança, Que como um recado antigo, A vida nos dá a herança.- Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@ Eu penso, que é saudável e honesto reconhecer e respeitar as diferenças que nos individualizam no campo, também dosi deais.----- Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@ Há uma tal comunhão entre a obra e o autor Que até Deus concebe o Homem e o Homem - o Criador! Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ UMA IDEIA : É uma LUZ que se acende i nesperadamente no nossos espirito iluminando um caminho novo. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Sei para onde vou- pela ansia de galgar a distância- de onde estou- para o que não sou. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ A solidão é o que preenche o vazio de todas as ausências. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Quando na vida se perde, Um amigo ou um parente, P’ra que serve a Primavera? Se o frio está dentro da gente. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Mesmo sobre a saudade, a doçura do Natal, embala cada coração como uma música de esperança. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Em passadas de gigante nobre de traça e idade vem da nascente p'ras fontes dar de beber à cidade. -- Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Nas flores como nas pessoas, ás vezes a aparente fragilidade também pode esconder astúcias e artificiosos bluffes ”. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ A cada um seu direito, A cada terra seu uso, A cada boca um quinhão, A cada roca seu fuso, Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Seja cada dia um fruto- Cada fruto uma semente- Cada semente o produto- Dos passos dados em frente. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Coisas e loisas esparsas- Como a ferrugem – se pica- Como a lama dos caminhos- Se pisada… nos salpica. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Todos os dias amanhecem Crianças Pássaros Flores ! Sobre a noite das crianças Pássaros Flores que já não amanhecem Amanhecerá! Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Ao longe vejo Olivença Mais perto, Vila Real A meus pés o Guadiana Correndo manso – na crença De que tudo é Portugal Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Pátria sagrada de povo, Que emigrada- ganha pão, estás repartida- mas viva Se te bate o coração. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Portugal mais se define Onde a fronteira se traça Pode partir, mas não dobra Quem defende Pátria e Raça Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Bom seria se os recados do nosso coração chegassem ao ouvido de quem os motiva, porque então saberíamos como somos queridos e lembrados sem necessidade de telefones ou cartas. As comunicações seriam de coração para coração como a música de alma que se soltasse de um poema. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@

.ARTIGOS PUBLICADOS Em :

Jornal Linhas de Elvas - Desde 1950 @ @@@@@@@@@@@ Jornal da Beira - (Guarda) @@@@@@@@@@@ Jornal da Ilha Terceira (Açores) @@@@@@@@@@@ Jornal O Dia @@@@@@@@@@@ Jornal O Despertador @@@@@@@@@@@ Revista Norte Alentejo @@@@@@@@@@@

.LIVROS PUBLICADOS:

-E vim cantar- 1955@ -Paisagem- 1956@ -Rezas e Benzeduras- 2000@ @@@@@@@@@@@