Sexta-feira, 13 de Fevereiro de 2009

Ocupei outra vez!

Jornal Linhas de Elvas

3 – Março – 2005 – Nº 2.803

Conversas Soltas

Reminiscência – 15

 

 

Lá na aldeia, naqueles anos trinta, as mulheres trabalhadoras do campo, carregadas de filhos, de cuidados e de miséria, por vezes, confessavam em lágrimas qualquer nova gravidez dizendo num lamento:”- ocupei outra vez!”

E, choravam.

Choravam frente ao peso dum destino cruel e injusto que as fazia sentir como maldição aquilo que mais amavam: - “ ter os seus filhos, os mocinhos, as criencinhas, os injinhos os enocentes” – que a designação bebé, como a de papá ou de mamã ainda não tinha entrado no seu vocabulário genuíno, onde as palavras pai e mãe eram pronunciadas com a unção de quem dissesse – santo. Era um tempo em que se lhes pedia a benção ao começar e ao findar do dia, não se tratavam os pais por tu, mas sim por senhora ou senhor.

           

Reminiscências...

Não havia retórica na comunicação, as conversas eram autênticas, directas, nascidas dos sentimentos impressos a sangue, a sofrimento nas suas almas como os calos do peso das enxadas nas suas mãos. As palavras não eram pronunciadas com exactidão académica, a sua pronúncia era modelada pela emoção e facilidade de expressão.

Mas uma coisa é a pronúncia certa e a fonética, outra são os sentimentos subjacentes ao que se deseja expressar, e, aí, não havia, nem poderia haver, nem jamais houve, erro.

Aí falava um povo analfabeto mas sábio de vida, formado em raiva (como de si próprio dizia o professor Agostinho) e em privações.

Aprendi a ler – lá – entre crianças com fome de conforto nos olhos – lá – onde esses olhares me marcaram o coração e a consciência com as mesmas cicatrizes que as pedras do chão marcavam os seus pés descalços, chagados de frieiras na dureza dos Invernos que me faziam ter pudor de andar calçada.

Por estas e outras razões, ao ver políticos bem enfarpelados em roupas de marca, neste rescaldo eleitoral a propor à pressa (como com medo que alguém se lhe antecipe e ganhe a maratona)–o aborto -  como panaceia para a negligência social, impõe-se-me o direito e a obrigação da revolta, da raiva que me impele a perguntar:

Como é que uma esquerda que se diz avançada, progressista, pode ter como solução para um problema de ordem social, (já não direi moral, porque isso sendo uma das objecções de consciência dos católicos parece não a tocar) apenas e tão só a solução simplista da pura eliminação do efeito, sem atender às causas?

 Não será esta uma forma, direi terrorista, de tentar resolver um problema tão premente, tão grave que o próprio Papa acaba de mais uma vez o estigmatizar?

Será que a urgência não é lutar para que se cumpram os direitos das crianças?

Será que aqueles que detêm o poder não têm – antes de tudo como obrigação maior - garantir o direito à vida, à saúde, ao trabalho, à educação, ao apoio social, condições de dignidade sem o facilitismo  da eliminação com leis perversas e desumanizantes?

Não será essa, entre outras, uma das funções dum estado de direito?

             

Difícil? – Certamente! - Mas esse é que é o desafio.

Isso é que se pode considerar vanguardismo revolucionário

E, os que sabem “quanto vale um sorriso de criança”, também devem ponderar quanto vale a dor de uma qualquer mulher, quando, mesmo que a coberto da impunidade de uma lei cobarde, tenha tido como única opção eliminar uma Vida dentro de si, transformando o seu ventre fértil num sarcófago.

Antecipar, prever, evitar, são os verdadeiros caminhos do progresso.

Ninguém nasce porque quer, nem é verdade que alguém seja dono do seu corpo, é só pensar:

Vida, beleza, saúde, juventude, quem as retém?

Não há democracia onde nascer não seja um direito de quem foi gerado. Porque a essência da democracia – ao que julgo – é dar voz e protecção aos mais fracos e desprotegidos.      

 

Maria José Rijo

                                                                                                              

estou: reminiscencis
música: Reminiscencia - 15 - 2005

publicado por Maria José Rijo às 20:19
| comentar | Favorito
partilhar
4 comentários:
De Armando Franco a 13 de Fevereiro de 2009 às 21:58
Muito boa noite
Ler o seu blog é uma forma de ler honestamente
as suas opiniões.
Gosto da forma lucida como escreve.
Gosto de tudo o que aqui publicou.
Muitos Parabens

Bem haja por este blog

Armando Franco


De Aristeu a 13 de Fevereiro de 2009 às 22:06
Querida tia
Mais uma das suas excelentes reminiscencias.
Gosto sempre muito das histórias, do seu passado,
que nos conta.
Gosto porque as conta de uma forma muito especial,
aliás, como é toda a sua forma de contar.

Adoro o seu blog.
Beijinhos

Aristeu


De Claudia Salvador a 13 de Fevereiro de 2009 às 23:02
Lindo o seu post.
Muitos Parabens D. Maria José rijo
Gosto mt do seu blog.

Claudia Salvador


De António Piedade a 13 de Fevereiro de 2009 às 23:34
Linda esta sua reminiscencia.
Os meus Parabens minha amiga.
É sempre uma surpresa.

Um abraço

António Piedade


Comentar post

.Maria José Rijo

.pesquisar

 

.Agosto 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10
11
12

13
14
15
16
17
19

20
21
22
23
24
25
26

27
28
29
30
31


.posts recentes

. Parabéns Avelino

. Parabéns Luciano

. CONVITE

. Cá Estou ... - 2

. CORAL PÚBLIA HORTÊNSIA DE...

. CRIANÇA - 1990

. Parabéns

. A afilhada da Tia Zé

. Páscoa - 2017

. Homenagem a Maria José Ri...

.arquivos

.tags

. todas as tags

. Dia de Anos

. Então como é ?!

. Em nome de quem se cala.....

. Amarga Lucidez

. Com água no bico

. Elvas com alguma rima e ....

. 28 de Fevereiro...

. Obras do Cadete

. REGRESSO

. Feição de nobreza

.links

.Contador desde- 7-2-2007

Nova Contagem-17-4-2009 - @@@@@@@@@@@@@@@@ @@@@@@@@@@@@@@@

@@@@@@@@@@@@@@@ A Seguir-nos por aqui. Obrigado @@@@@@@@@@@@@@@@ free counters
Free counters @@@@@@

.Pensamentos de Mª José

@@@@@@@@@@@@@@@@@

@@@@ O caminho acaba ali... Ali onde começa a descoberta, O caminho é sempre estrada feita O fim do caminho É uma porta aberta... Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@ Quando o homem se render à força que o amor tem e a arma for oração pulsará na vida a paz como bate um coração. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Ser semente do futuro, é a mensagem de esperança, Que como um recado antigo, A vida nos dá a herança.- Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@ Eu penso, que é saudável e honesto reconhecer e respeitar as diferenças que nos individualizam no campo, também dosi deais.----- Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@ Há uma tal comunhão entre a obra e o autor Que até Deus concebe o Homem e o Homem - o Criador! Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ UMA IDEIA : É uma LUZ que se acende i nesperadamente no nossos espirito iluminando um caminho novo. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Sei para onde vou- pela ansia de galgar a distância- de onde estou- para o que não sou. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ A solidão é o que preenche o vazio de todas as ausências. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Quando na vida se perde, Um amigo ou um parente, P’ra que serve a Primavera? Se o frio está dentro da gente. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Mesmo sobre a saudade, a doçura do Natal, embala cada coração como uma música de esperança. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Em passadas de gigante nobre de traça e idade vem da nascente p'ras fontes dar de beber à cidade. -- Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Nas flores como nas pessoas, ás vezes a aparente fragilidade também pode esconder astúcias e artificiosos bluffes ”. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ A cada um seu direito, A cada terra seu uso, A cada boca um quinhão, A cada roca seu fuso, Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Seja cada dia um fruto- Cada fruto uma semente- Cada semente o produto- Dos passos dados em frente. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Coisas e loisas esparsas- Como a ferrugem – se pica- Como a lama dos caminhos- Se pisada… nos salpica. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Todos os dias amanhecem Crianças Pássaros Flores ! Sobre a noite das crianças Pássaros Flores que já não amanhecem Amanhecerá! Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Ao longe vejo Olivença Mais perto, Vila Real A meus pés o Guadiana Correndo manso – na crença De que tudo é Portugal Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Pátria sagrada de povo, Que emigrada- ganha pão, estás repartida- mas viva Se te bate o coração. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Portugal mais se define Onde a fronteira se traça Pode partir, mas não dobra Quem defende Pátria e Raça Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Bom seria se os recados do nosso coração chegassem ao ouvido de quem os motiva, porque então saberíamos como somos queridos e lembrados sem necessidade de telefones ou cartas. As comunicações seriam de coração para coração como a música de alma que se soltasse de um poema. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@

.ARTIGOS PUBLICADOS Em :

Jornal Linhas de Elvas - Desde 1950 @ @@@@@@@@@@@ Jornal da Beira - (Guarda) @@@@@@@@@@@ Jornal da Ilha Terceira (Açores) @@@@@@@@@@@ Jornal O Dia @@@@@@@@@@@ Jornal O Despertador @@@@@@@@@@@ Revista Norte Alentejo @@@@@@@@@@@

.LIVROS PUBLICADOS:

-E vim cantar- 1955@ -Paisagem- 1956@ -Rezas e Benzeduras- 2000@ @@@@@@@@@@@