Quarta-feira, 18 de Fevereiro de 2009

Assumo!

Jornal Linhas de Elvas

Nº 2.826 – 11 – Agosto - 2005

Conversas Soltas

 

Assumo e não me envergonho de o dizer, que chorei ao ver o resultado das obras na Praça da Republica.

                      Praça da República

Dormi mal e tive pesadelos com aqueles volumes estranhos deslocados naquele contexto como um balde com esfregona estaria à porta da Sé, pretendendo ser decorativo...

 

Juro por Deus que é verdade.

Só me lembro de viver emoção igual, quando em Angra do Heroísmo assisti ao terramoto e vi a Sé desmoronada por terra.

Não ouso, nunca ousaria faze-lo – comentar a obra em si que penso será de grande qualidade, e digna até dos mais rasgados elogios. Creio mesmo que do ponto de vista da engenharia ela é um êxito.

Não falo do que não entendo.

Mas como a maior parte das pessoas desta cidade, continuo a pensar, e, agora, mais do que antes, que não era aquele o local para tal realização.

 

Desta vez, ainda bem que com o parque logo nasceu mais uma placa.

 É bom que fique bem claro o nome de quem destruiu o sóbrio equilíbrio daquele nobre espaço, o inutilizou como sala de visitas que era, desde o Senhor rei D. Manuel o Venturoso,  quem privou a cidade de Elvas da possibilidade que teve durante séculos de fruir com deleite os passeios em noites de Verão pelo tabuleiro da praça, ou de se sentar nos bancos circundantes, em paz e silêncio vendo o luar pratear o casario antigo .

Eu sei, já todos perceberam que em seu lugar, ganharam um escorrega gigante, “uma enorme glissagem” para o ski sem gelo nem patins!...

Não estou a escrever estes comentários porque muita gente mo tivesse pedido, embora telefonemas e algumas cartas que tenho recebido a isso me pudessem induzir.

Uma delas, (que aqui agradeço) particularmente bem escrita e, até com um humor bem justamente sarcástico, envia-me em verso aquilo que designa por:

“Retrato de um urbanicida que tem assassinado o centro da nossa cidade” 

Outros pedem que não lhes cite os nomes, com receio de represálias, etc. etc. etc. o que como é evidente nunca faria, porque a Câmara, confessam, (se bem que com o nosso dinheiro de contribuintes) é que dá os passeios, os almoços, os empregos, as benesses.

No entanto, também quero referir que uma pessoa, houve que me disse ter gostado.

Disse-me que a praça, cito: “ está engraçadinha”!

Se as pessoas que estão de acordo com tais estragos acham a obra “engraçadinha”, também deverão, por força de igual critério, achar que a Sé tem piada, e o Aqueduto parece bordado de ilhós porque tem muitos buraquinhos!

 

Quando aos espaços, ou às obras, não se reconhece, valor histórico, imponência, majestade, nobreza, estilo, beleza ou grandiosidade que nos encantem e comovam!..

Quando o nosso coração, a nossa sensibilidade, a nossa alma não vibram sentindo-as...

 Quando uma praça – única - no coração de uma cidade,- da cidade que mais peso teve na independência do nosso país - é transformada em zona de serviços...

Mal vai o país que assim se deixa governar...

Quando a Sé caiu, em Angra, muita gente, como eu, se abraçou chorando, ao olhá-la.

A gente nasce e vive sabendo que a morte nos levará; e aceita - é a lei da Vida.

Porém, quando se vê destruído, ou irremediavelmente adulterado um testemunho da história – sofre-se – com a dor da perda do futuro que se empobrece, com os nossos erros, as nossas vaidades, as nossas insaciáveis ambições...

    cuidando de nossa casa comum, a terra

Cuidado! – a terra não é nossa...temo-la de empréstimo...é bom não esquecer.

E, que Deus nos possa perdoar tanto ultraje já consumado a um bem - de que somos apenas fieis depositários, mas responsáveis  perante a história - a nossa Cidade.

 

 Maria José Rijo

 

Elvas Praça da Republica  por FelixBenavi.

 

estou: Praça da Republica

publicado por Maria José Rijo às 21:14
| comentar | Favorito
partilhar
4 comentários:
De Adalgisa Alexandra a 18 de Fevereiro de 2009 às 22:09
Tia Tia
Cá estou eu e gosto de ler sempre a sua forma
frontal de dizer a sua opinião.
Eu também acho que quando não gostamos temos
de dizer porquê (como a tia tao bem fez) - nem
todos somos obrigados a gostar de tudo - mesmo
que a grande maioria ache o contrário.
Cada um terá a sua ideia sobre cada coisa, quem
não tem e segue a maioria... nem sei que nome
dar a essas pessoas.
Gosto sempre muito da sua lucidez.
Um grande beijinho

Gisa


De Xavier Martins a 18 de Fevereiro de 2009 às 23:29
Boa noite
D. Maria José Rijo partilho desta sua opinião, mas
como sabea maioria gosta de tudo, acham sempre
tudo lindissimo pelo que opiniões (para essa maioria)
nem vale a pena.
partilho da sua opinião.
Os meus parabens por mais este excelente artigo.

Xavier Martins


De Flor do Cardo a 18 de Fevereiro de 2009 às 23:43
Excelente cara amiga
Compartilhei, então, consigo este mesmo sentimento
(para mim) de perda da Praça antiga.
Publicado na hora certa, a sua especial opinião.
Muitos pensavam assim na altura agora acredito
que todos esses tenham mudado de opinião, são
assim as pessoas - com o passar do tempo chegam
a amar o que antes odiaram.
Acredito que se cair um pedaço da muralha
certamente se aproveita para fazer mais uma porta.
É o progresso e o passado vai ser engolido e todos
vão aplaudir de alegria.
É assim e o mesmo vai acontecer com essa cidade.
Sabe minha amiga eu já desisti de me preocupar
ou de lutar ... não vale mais a pena.
Compreende o que quero dizer, não é.?
Pois que seja...

E vamos ao carnaval que está na porta.
Um abraço

Luciano


De Malaquias Beirão de Sousa a 19 de Fevereiro de 2009 às 00:11
Excelente texto
É sempre bom que nas cidades haja sempre pessoas
lucidas que alertem, com as suas opiniões, o que
muitos não enxergam por motivos, para cada um,
mais convenientes que a verdade a seus olhos.
Minha amiga o tempo sempre se encarrega de
mostrar a verdade dos factos.
Gosto imenso dos seus artigos de opinião, desde a
primeira hora (que conheço este blog - que para mim
é um BLOG LITERÁRIO onde existe da melhor
prosa e poesia, acompanhado sempre por
lindas imegens - comentadores afaveis, simpaticos
que convivem como numa familia sem se atirar
pedras ou "cuspidelas" nónimas.
Um abraço daqui destes lugares do Norte

Seu admirador

Malaquias Beirão de Sousa


Comentar post

.Maria José Rijo


. ver perfil

. seguir perfil

. 55 seguidores

.pesquisar

 

.Dezembro 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
13
14
15
16

17
18
19
20
21
22
23

24
25
26
27
28
29
30

31


.posts recentes

. Apresentação do Livro de ...

. O Natal e os Poetas - 201...

. São Mateus 2017

. Participação - Programas ...

. Programa de São Mateus 20...

. Carta aos meus queridos A...

. Aniversário do Linhas - 2...

. Viagem a Fátima

. Reportagem do Jornal Linh...

. Parabéns Avelino

.arquivos

.tags

. todas as tags

. Dia de Anos

. Então como é ?!

. Em nome de quem se cala.....

. Amarga Lucidez

. Com água no bico

. Elvas com alguma rima e ....

. 28 de Fevereiro...

. Obras do Cadete

. REGRESSO

. Feição de nobreza

.links

.Contador desde- 7-2-2007

Nova Contagem-17-4-2009 - @@@@@@@@@@@@@@@@ @@@@@@@@@@@@@@@

@@@@@@@@@@@@@@@ A Seguir-nos por aqui. Obrigado @@@@@@@@@@@@@@@@ free counters
Free counters @@@@@@

.Pensamentos de Mª José

@@@@@@@@@@@@@@@@@

@@@@ O caminho acaba ali... Ali onde começa a descoberta, O caminho é sempre estrada feita O fim do caminho É uma porta aberta... Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@ Quando o homem se render à força que o amor tem e a arma for oração pulsará na vida a paz como bate um coração. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Ser semente do futuro, é a mensagem de esperança, Que como um recado antigo, A vida nos dá a herança.- Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@ Eu penso, que é saudável e honesto reconhecer e respeitar as diferenças que nos individualizam no campo, também dosi deais.----- Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@ Há uma tal comunhão entre a obra e o autor Que até Deus concebe o Homem e o Homem - o Criador! Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ UMA IDEIA : É uma LUZ que se acende i nesperadamente no nossos espirito iluminando um caminho novo. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Sei para onde vou- pela ansia de galgar a distância- de onde estou- para o que não sou. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ A solidão é o que preenche o vazio de todas as ausências. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Quando na vida se perde, Um amigo ou um parente, P’ra que serve a Primavera? Se o frio está dentro da gente. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Mesmo sobre a saudade, a doçura do Natal, embala cada coração como uma música de esperança. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Em passadas de gigante nobre de traça e idade vem da nascente p'ras fontes dar de beber à cidade. -- Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Nas flores como nas pessoas, ás vezes a aparente fragilidade também pode esconder astúcias e artificiosos bluffes ”. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ A cada um seu direito, A cada terra seu uso, A cada boca um quinhão, A cada roca seu fuso, Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Seja cada dia um fruto- Cada fruto uma semente- Cada semente o produto- Dos passos dados em frente. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Coisas e loisas esparsas- Como a ferrugem – se pica- Como a lama dos caminhos- Se pisada… nos salpica. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Todos os dias amanhecem Crianças Pássaros Flores ! Sobre a noite das crianças Pássaros Flores que já não amanhecem Amanhecerá! Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Ao longe vejo Olivença Mais perto, Vila Real A meus pés o Guadiana Correndo manso – na crença De que tudo é Portugal Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Pátria sagrada de povo, Que emigrada- ganha pão, estás repartida- mas viva Se te bate o coração. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Portugal mais se define Onde a fronteira se traça Pode partir, mas não dobra Quem defende Pátria e Raça Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Bom seria se os recados do nosso coração chegassem ao ouvido de quem os motiva, porque então saberíamos como somos queridos e lembrados sem necessidade de telefones ou cartas. As comunicações seriam de coração para coração como a música de alma que se soltasse de um poema. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@

.ARTIGOS PUBLICADOS Em :

Jornal Linhas de Elvas - Desde 1950 @ @@@@@@@@@@@ Jornal da Beira - (Guarda) @@@@@@@@@@@ Jornal da Ilha Terceira (Açores) @@@@@@@@@@@ Jornal O Dia @@@@@@@@@@@ Jornal O Despertador @@@@@@@@@@@ Revista Norte Alentejo @@@@@@@@@@@

.LIVROS PUBLICADOS:

-E vim cantar- 1955@ -Paisagem- 1956@ -Rezas e Benzeduras- 2000@ @@@@@@@@@@@