Sábado, 21 de Fevereiro de 2009

Carnaval - Reminiscencia V

Jornal Linhas de Elvas

Nº 2.489 – 5 – Fevereiro - 1999

Conversas Soltas

Reminiscências 5

 Carnaval

Ora ainda bem que o Carnaval chegou!

Só assim, com máscara, serei capaz de contar algumas reminiscências especiais, o que, se calhar, noutra altura, não me atreveria a fazer.

Começo por uma história que sempre ouvi referir como aprendida em Barrancos.

Até calha bem! - Barrancos, agora está na berlinda.

Creio, que em boa verdade, o contador, senão, o inventor, desta brincadeira situava em Barrancos todas as anedotas que contava. Ele tinha um bom motivo. Era a mistura de espanhol e português que compõe o dialecto que por lá se usa. Usando-o tornava a linguagem mais colorida e conseguia da assistência reacções mais efusivas

Então a garotada delirava de riso. Mas vamos à história!

Parece que um santeiro quis comprar a uma mulher o tronco de uma velha laranjeira para com ele esculpir um S. Cristóvão. A proprietária do cobiçado material, não estava muito disposta ao negócio porque era lá que atava o burro sempre que o arreava para ir à vila tratar da sua vida ou, no regresso, para descarregar os seus avios.

Porém ao perceber a finalidade a que se destinava o tronco, cedeu prontamente. A partir de então tornou-se devota do santo e quase o considerava como membro da sua família.

Ia vezes sem conta à capela onde a imagem era venerada e com ela mantinha em pensamento conversas sem fim. Ora acontece que uma das suas filhas ficou para casar e a nossa heroina lá foi mais uma vez desabafar com o seu santo. Contou-lhe das suas dúvidas e receios por tal casamento e concluiu as suas preces, de pé, em frente da imagem enaltecendo e valorizando assim a sua intimidade:

                  

                   S. Cristóvão poderoso

Milagreiro

Obra prima do santeiro

Pureza de criatura

Maravilha de escultura

Varão santo

Cara de anjo

Olhar doce

Divinal

Milagre da natureza

Da estaquita do meu burro

Sois irmãozito carnal

 

Mas... há sempre um mas; e, o dito casamento foi uma verdadeira catástrofe e a nossa heroína ofendida com a negligência do santo, que não cuidou de servi-la a contento, como ela pensava, ser de sua obrigação, dada a sua origem que lhe era tão familiar - não fez mais nada -  cruzou o xaile no peito, avançou furibunda para o santo e em altas vozes deu largas ao seu ressentimento dizendo:

 

S.Cristóvão

Cristobaça

Pataça

Manaça

Cara de cuerno

Patifon

Assim como tendes las fuças

Assim me deste el genro

 

E, assim, numa brincadeira, se põe a nu a mudança que se opera nas pessoas quando os seus interesses são beliscados.

Passam, os ídolos invocados, de santos a demónios e, no auge da ira, por não puderem por o mundo a rolar a seu gosto, esquecem as blandícias com que pretendem levar os outros a servi-los e mostram, até na linguagem, a verdade dos seus corações.

Sábio é o povo. Tolo, será, quem não o entender.

 

 

Maria José Rijo

 

estou: Carnaval
música: Reminiscencia - 5 - 1999

publicado por Maria José Rijo às 22:41
| comentar | Favorito
partilhar
1 comentário:
De Adalgisa Alexandra a 21 de Fevereiro de 2009 às 23:34
CArnaval...
Hoje foi um dia muito divertido.
Gosto dos Carnavais, divirto-me com os bailes e as
festas, dos disfarces e tudo o que envolve a festa.
Espero que a tia esteja melhor (li o seu comentario)
Gosto muito de si tia.

Beijinhos

Gisa


Comentar post

.Maria José Rijo

.pesquisar

 

.Junho 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9

11
12
13
14
15
16
17

18
19
20
21
23
24

25
26
27
28
29
30


.posts recentes

. Parabéns Luciano

. CONVITE

. Cá Estou ... - 2

. CORAL PÚBLIA HORTÊNSIA DE...

. CRIANÇA - 1990

. Parabéns

. A afilhada da Tia Zé

. Páscoa - 2017

. Homenagem a Maria José Ri...

. Cá Estou ... - 1

.arquivos

.tags

. todas as tags

. Dia de Anos

. Então como é ?!

. Em nome de quem se cala.....

. Amarga Lucidez

. Com água no bico

. Elvas com alguma rima e ....

. 28 de Fevereiro...

. Obras do Cadete

. REGRESSO

. Feição de nobreza

.links

.Contador desde- 7-2-2007

Nova Contagem-17-4-2009 - @@@@@@@@@@@@@@@@ @@@@@@@@@@@@@@@

@@@@@@@@@@@@@@@ A Seguir-nos por aqui. Obrigado @@@@@@@@@@@@@@@@ free counters
Free counters @@@@@@

.Pensamentos de Mª José

@@@@@@@@@@@@@@@@@

@@@@ O caminho acaba ali... Ali onde começa a descoberta, O caminho é sempre estrada feita O fim do caminho É uma porta aberta... Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@ Quando o homem se render à força que o amor tem e a arma for oração pulsará na vida a paz como bate um coração. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Ser semente do futuro, é a mensagem de esperança, Que como um recado antigo, A vida nos dá a herança.- Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@ Eu penso, que é saudável e honesto reconhecer e respeitar as diferenças que nos individualizam no campo, também dosi deais.----- Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@ Há uma tal comunhão entre a obra e o autor Que até Deus concebe o Homem e o Homem - o Criador! Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ UMA IDEIA : É uma LUZ que se acende i nesperadamente no nossos espirito iluminando um caminho novo. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Sei para onde vou- pela ansia de galgar a distância- de onde estou- para o que não sou. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ A solidão é o que preenche o vazio de todas as ausências. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Quando na vida se perde, Um amigo ou um parente, P’ra que serve a Primavera? Se o frio está dentro da gente. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Mesmo sobre a saudade, a doçura do Natal, embala cada coração como uma música de esperança. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Em passadas de gigante nobre de traça e idade vem da nascente p'ras fontes dar de beber à cidade. -- Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Nas flores como nas pessoas, ás vezes a aparente fragilidade também pode esconder astúcias e artificiosos bluffes ”. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ A cada um seu direito, A cada terra seu uso, A cada boca um quinhão, A cada roca seu fuso, Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Seja cada dia um fruto- Cada fruto uma semente- Cada semente o produto- Dos passos dados em frente. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Coisas e loisas esparsas- Como a ferrugem – se pica- Como a lama dos caminhos- Se pisada… nos salpica. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Todos os dias amanhecem Crianças Pássaros Flores ! Sobre a noite das crianças Pássaros Flores que já não amanhecem Amanhecerá! Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Ao longe vejo Olivença Mais perto, Vila Real A meus pés o Guadiana Correndo manso – na crença De que tudo é Portugal Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Pátria sagrada de povo, Que emigrada- ganha pão, estás repartida- mas viva Se te bate o coração. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Portugal mais se define Onde a fronteira se traça Pode partir, mas não dobra Quem defende Pátria e Raça Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Bom seria se os recados do nosso coração chegassem ao ouvido de quem os motiva, porque então saberíamos como somos queridos e lembrados sem necessidade de telefones ou cartas. As comunicações seriam de coração para coração como a música de alma que se soltasse de um poema. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@

.ARTIGOS PUBLICADOS Em :

Jornal Linhas de Elvas - Desde 1950 @ @@@@@@@@@@@ Jornal da Beira - (Guarda) @@@@@@@@@@@ Jornal da Ilha Terceira (Açores) @@@@@@@@@@@ Jornal O Dia @@@@@@@@@@@ Jornal O Despertador @@@@@@@@@@@ Revista Norte Alentejo @@@@@@@@@@@

.LIVROS PUBLICADOS:

-E vim cantar- 1955@ -Paisagem- 1956@ -Rezas e Benzeduras- 2000@ @@@@@@@@@@@