Sábado, 28 de Fevereiro de 2009

Um ar que lhe deu!

Jornal Linhas de Elvas

Nº 2.678 – 4 de Outubro de 2002

Conversas Soltas

       

Luís de Sttau Monteiro foi um escritor, e mais do que tudo um dramaturgo, daqueles que deixam o nome ligado a uma obra que a posteridade não pode esquecer.

Se fosse vivo teria agora setenta e seis anos, pois nasceu em 1926.

Julgo, que não há ninguém, minimamente informado nestas lides de livros e escritores que não tenha ouvido referências, lido ou visto representar: - “Felizmente há Luar” ou,

“Todos os Anos pela Primavera”etc...etc...etc...peças de teatro que ficaram nos anais da literatura portuguesa.

Aliás, Sttau Monteiro, aparecia com alguma frequência na televisão, em júris de concursos literários, pelo que a sua imagem era bem conhecida do grande público.

Mas... ao que vem esta evocação? – Pode perguntar-se.

É que Sttau Monteiro, – durante anos, talvez, – teve uma participação, salvo erro, no “Diário de Lisboa” que deliciava o país inteiro.

Eram as redacções da Guidinha.

Era uma prosa falsamente ingénua, construída com mão de mestre, como se fora de uma criança do ensino primário, em que fazia o balanço semanal da vida política portuguesa.

Lembrei-me desta circunstância ao ler no “Linhas” a participação de uma nova colaboradora.

É que, também, as suas redacções são falsamente ingénuas, só que não fazem rir.

Fazem pasmar e reflectir.

Como pode uma pessoa tratar de forma tão despicienda a inteligência de outra que tanto admira?

Ou será que ninguém reparou que aquele tom maternalista com que se pretende levar os “ignorantes munícipes” a ler por uma só cartilha, é desprimoroso para todos nós? E, não engrandece a imagem da pessoa que nos quer impor?

Não se vê que – “Por Elvas”- na circunstância, soa a falso?

Não vê que é o gato escondido com o rabo de fora?

Não se reparou que um Presidente de Câmara não se engrandece por ter comprado mil vassouras ou outros tantos contentores de lixo?

Que o mérito não está aí.

O mérito, estaria, ou está, sim, no programa que criou essas necessidades, no planeamento dessas acções, e, na sua correcta e oportuna execução.

            

Inúteis minúcias já vêm descritas até à exaustão no Boletim Municipal, onde esses relatórios podem ter, mais ou menos, cabimento.

Por muito verdadeiras que sejam as afirmações proferidas, não se me afigura coerente com o nível intelectual que se costuma atribuir a pessoas com grau académico aquela indisfarçada tentativa de catequizar tolos e parolos, que parece acreditar sermos todos nós.

Claro, que se têm feito coisas certas.

Ninguém de bom senso o negaria, e não são precisas dissimulações, atitudes melífluas nem palavrinhas mansas para o reconhecer ou afirmar

É evidente.

Que se seja frontal, que se fale bem do que se acha bem.

Que se faça com convicção, abertamente, o que se acha dever ser feito.

É justo que se defendam, a nossas opiniões, as nossas ideias, e que se louvem as pessoas que admiramos.

Isso respeita-se, e é legítimo.

Mas, escrever em jeito subserviente, como quem faz recados visando alertar mentecaptos, pondo o ramo num lado e vendendo noutro... não vale a pena.

É triste e é feio.

Pela parte que me toca, registei com admiração a eternidade que o plástico e o vidro levam a decompor-se.

Em contrapartida o encanto, o equilíbrio e a nobre austeridade do Centro Histórico, como se sabe: foi um ar que lhe deu!

                 

Esta é a resposta que me ocorre à pergunta formulada em “por Elvas” de 20 de Setembro p. p., depois de reflectir, como nos era recomendado.

 

 

Maria José Rijo

 

estou:

publicado por Maria José Rijo às 23:02
| comentar | Favorito
partilhar
3 comentários:
De Adalgisa Alexandra a 1 de Março de 2009 às 00:02
Minha querida Tia
Cá estou eu...
Desculpe não ter aparecido mas a minha Mãe faria
anos... e eu gosto de ir passar o dia a Fátima...
gosto de andar por lá, como como fazia sempre
com ela, já nos meus aniversários faço sempre a
mesma coisa.
Nestes dias gosto de estar só, não gosto de ter
companhia nenhuma - por isso faço assim - vou
para Fatima e por lá me deixo ficar.
Manias!!

Beijinhos Tia
e que tenha um bom Domingo

Gisa


De Xavier Martins a 1 de Março de 2009 às 00:55
Mais um excelente texto.
Muitos parabens .
Sabe eu gostava muito das recordações da
Guidinha, muito eu me ria.

Sabe que quando leio um texto (como hoje)
já estou pensando no que será amanhã... e até
que não saia o post não desligo o computador.
Acredite que é mesmo assim.

Um grande abraço e desejos
de um Feliz Domingo

Xavier martins


De poetaporkedeusker a 1 de Março de 2009 às 16:33
Venho apenas deixar o meu abraço.


Comentar post

.Maria José Rijo


. ver perfil

. seguir perfil

. 53 seguidores

.pesquisar

 

.Setembro 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
13
14
15
16

17
19
21
22
23

24
27
28
29
30


.posts recentes

. São Mateus 2017

. Participação - Programas ...

. Programa de São Mateus 20...

. Carta aos meus queridos A...

. Aniversário do Linhas - 2...

. Viagem a Fátima

. Reportagem do Jornal Linh...

. Parabéns Avelino

. Parabéns Luciano

. CONVITE

.arquivos

.tags

. todas as tags

. Dia de Anos

. Então como é ?!

. Em nome de quem se cala.....

. Amarga Lucidez

. Com água no bico

. Elvas com alguma rima e ....

. 28 de Fevereiro...

. Obras do Cadete

. REGRESSO

. Feição de nobreza

.links

.Contador desde- 7-2-2007

Nova Contagem-17-4-2009 - @@@@@@@@@@@@@@@@ @@@@@@@@@@@@@@@

@@@@@@@@@@@@@@@ A Seguir-nos por aqui. Obrigado @@@@@@@@@@@@@@@@ free counters
Free counters @@@@@@

.Pensamentos de Mª José

@@@@@@@@@@@@@@@@@

@@@@ O caminho acaba ali... Ali onde começa a descoberta, O caminho é sempre estrada feita O fim do caminho É uma porta aberta... Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@ Quando o homem se render à força que o amor tem e a arma for oração pulsará na vida a paz como bate um coração. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Ser semente do futuro, é a mensagem de esperança, Que como um recado antigo, A vida nos dá a herança.- Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@ Eu penso, que é saudável e honesto reconhecer e respeitar as diferenças que nos individualizam no campo, também dosi deais.----- Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@ Há uma tal comunhão entre a obra e o autor Que até Deus concebe o Homem e o Homem - o Criador! Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ UMA IDEIA : É uma LUZ que se acende i nesperadamente no nossos espirito iluminando um caminho novo. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Sei para onde vou- pela ansia de galgar a distância- de onde estou- para o que não sou. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ A solidão é o que preenche o vazio de todas as ausências. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Quando na vida se perde, Um amigo ou um parente, P’ra que serve a Primavera? Se o frio está dentro da gente. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Mesmo sobre a saudade, a doçura do Natal, embala cada coração como uma música de esperança. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Em passadas de gigante nobre de traça e idade vem da nascente p'ras fontes dar de beber à cidade. -- Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Nas flores como nas pessoas, ás vezes a aparente fragilidade também pode esconder astúcias e artificiosos bluffes ”. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ A cada um seu direito, A cada terra seu uso, A cada boca um quinhão, A cada roca seu fuso, Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Seja cada dia um fruto- Cada fruto uma semente- Cada semente o produto- Dos passos dados em frente. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Coisas e loisas esparsas- Como a ferrugem – se pica- Como a lama dos caminhos- Se pisada… nos salpica. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Todos os dias amanhecem Crianças Pássaros Flores ! Sobre a noite das crianças Pássaros Flores que já não amanhecem Amanhecerá! Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Ao longe vejo Olivença Mais perto, Vila Real A meus pés o Guadiana Correndo manso – na crença De que tudo é Portugal Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Pátria sagrada de povo, Que emigrada- ganha pão, estás repartida- mas viva Se te bate o coração. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Portugal mais se define Onde a fronteira se traça Pode partir, mas não dobra Quem defende Pátria e Raça Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Bom seria se os recados do nosso coração chegassem ao ouvido de quem os motiva, porque então saberíamos como somos queridos e lembrados sem necessidade de telefones ou cartas. As comunicações seriam de coração para coração como a música de alma que se soltasse de um poema. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@

.ARTIGOS PUBLICADOS Em :

Jornal Linhas de Elvas - Desde 1950 @ @@@@@@@@@@@ Jornal da Beira - (Guarda) @@@@@@@@@@@ Jornal da Ilha Terceira (Açores) @@@@@@@@@@@ Jornal O Dia @@@@@@@@@@@ Jornal O Despertador @@@@@@@@@@@ Revista Norte Alentejo @@@@@@@@@@@

.LIVROS PUBLICADOS:

-E vim cantar- 1955@ -Paisagem- 1956@ -Rezas e Benzeduras- 2000@ @@@@@@@@@@@