Domingo, 5 de Abril de 2009

Vamos falar de Abril

Á Lá Minute

Jornal Linhas de Elvas

Nº 1730 – 13 Abril de 1984

  

Queria falar de Abril a meu jeito, a meu gosto.

Abril é um mês de maravilhas. Com, ou sem águas mil, coadas por um mandil, Abril é irresistível!...

Abril entra sorrateiro logo a seguir a Marçagão que dá – ou não dá – manhãs de Inverno e tardes de Verão.

Abril faz explodir para a vida em cada galho, em cada ramo, em cada vergôntea as folhas novas, os rebentos frescos que Março deixa no choco, enovelados em abrolhos.

            

Abril abre as flores loucas, inesperadas. Fala da Primavera com o arrojo dum aventureiro. Reveste com borbotões de flores vibrantes de cor, os troncos acinzentados das olaias,

mesmo antes que elas tenham tempo de compor as suas copas, como arvores que são.

Abril pendura cachos de perfume lilás nas latadas de glicínia em tudo quanto é muro gasto de quinta ou quintal antigo.

       foto

Abril inventa tempo de sorrisos e caretas em reviravoltas de humor como um velho fauno dos bosques. Alcatifa prados com milhares e milhares de pequeninos sóis amarelos que irradiam brilhantes pétalas brancas – verdadeiras constelações que nós pisamos, chamando-lhes, displicentemente – malmequeres…

            

Promete rosas para Maio em loucuras de botões.

Trapaceia-se com dias de frio e chuva como se quisesse, por birra, fazer regressar o Inverno, e fá-los suceder dos outros tão gostosos de aromas e calor, que dir-se-ia ser o dono do Verão e dele poder dispor a seu contento.

Em Abril tudo é promessa, tudo é aceno, tudo é esperança. Em Abril toda a verdade é mentira possível.

Abril foi sempre como é e será: ávido, incerto, prometido, esperado… distante…

Gosto de Abril por ser esperança…

        asabedoria.jpg

A Esperança renova-se, redescobre-se, refaz-se. A esperança por tudo e nada se perde e reencontra – como a fé.

Abril é o meu mês.

Abril é louco.

Tenho fé em Abril. Abril tem 30 dias, mas fez 31 quando meteu a foice em “tempo verde” imaginando um Verão que não chegara ainda.

Mesmo assim, Abril está sempre depois do longo caminho de Inverno…

 

De cravos rubros coroado

Feito o Junho – Abril reinou:

- Só brandindo o arco-íris

A Primavera o destronou.

 

Maria José Rijo

 

estou: O mês de Abril

publicado por Maria José Rijo às 18:10
| comentar | Favorito
partilhar
7 comentários:
De Adalgisa Alexandra a 5 de Abril de 2009 às 18:41
Muito lindo o seu texto minha Tia.
Gostei imenso porque a Tia consegue dar um ênfase
tão especial a tudo o que escreve que até se
consgue ver o que a tia nos mostra.

Parabens Tia e Bom domingo.
Muitos beijinhos

Gisa


De Aristeu a 5 de Abril de 2009 às 22:15
Lindo este seu texto minha tia.
Realmente, a tia, tem caminhos feitos de flores
para nos encantar com o que escreve.

Espero e desejo que amanhã - o seu caminho
seja de flores, de muitas flores perfumadas e
que possa sorrir de Felicidade.

Gosto muito de si, acredite.
Voltei - um pouco depois da meia noite.

Muitos beijinhos tia

Aristeu




De Gustavo Frederich a 5 de Abril de 2009 às 22:35
Pouco tempo falta...
Algumas horas para que o relógio do tempo dê o
salto... para o degrau que se segue, degrau florido
e perfumado para a minha tia.

Como o Aristeu também eu cá estarei um pouco depois da meia-noite- ambos seremos os primeiros
nestes caminhos feitos de distâncias, de céus e
oceanos por meio - no entanto estaremos perto...
como a poesia e o perfume das flores, longe se
faz perto...
Apenas corações falam na mesma lingua.

Beijinhos tia

Gus


De Dolores Maria a 5 de Abril de 2009 às 23:13
Também e gostei muito do seu texto
de Primavera e do mês de Abril.
A minha Luizinha iria adorar, ela gostava muito
da Primavera e das flores.
A Tia tem uma obra imensa, de grandes e especiais
artigos como este.
Os meus Paabens minha tia querida.

Gostamos muito de si

DOLORES


Ah e a sua mana está melhor?
Espero e desejo que SIM.
Beijinhos para ambas

Dolores


De Ana Maria Lourenço a 5 de Abril de 2009 às 23:58
Lindo este seu artigo
D. Maria José.
Que bom que escreve também, sobre a Primavera,
sobre as flores.
Adoro flores, tenho um jardim imenso de flores
que crescem a sorrir para o sol. O meu Jardineiro
o Sr. Ramos, gosta especialmente da sebe de
hortenses que estão junto da Pergola cravada de
rosas de todas as cores.
É um trabalho de mestre.
A minha filha diz que ele é um duende que cuida
do jardim, porque apenas se veste de verde e
usa um chapéu de palha e também tem uma
barbicha.

No lado Norte a minha glicinia esta linda, toda de
cachos. Gostava imenso que pudesse olhar e sentir
o perfume.

Muitos beijinhos
e muitos Parabens

Ana Maria Lourenço.


Ah queria dizer-lhe que na universidade a minha
filha mais velha fez um trabalho de curso e o
autor escolhido foi a Senhora.
Teve uma excelente nota e agora o professor é
um leitor assiduo do seu blog.
Ela usou as suas lindas poesias.
Espero não se incomode com este abuso, mas ela
adora a sua poesia e tem todos eles num unico
volume.
Muito obrigada por ter esta maravilha de blog e
dar assim, a conhecer a sua obra literária.
Um grande beijinho

Ana Maria Lourenço




De Aristeu a 6 de Abril de 2009 às 00:08
Meia noite e cinco minutos
... promessa é dívida...
e aqui estou eu... para deixar um beijinho muito
especial para o dia de hoje - neste dia 6 de Abril
da primavera presente.
Que a minha tia tão querida tenha, hoje, neste dia
6 de Abril, um dia muito Feliz, cheio de alegrias e
sorrisos, de muita luz e estrelas brilhantes.
Feliz dia

Beijinhos deste seu sobrinho de coração
Aristeu


De Gustavo Frederich a 6 de Abril de 2009 às 00:31
Neste segundo lugar cheguei...
serei o último a ler mas serei lido...
lido neste dia que renasce pela manhã quando a
tia olhar o sol.
O dia de aniversário tem a mesma intensidade, o
mesmo brilho, a mesma luz que no dia do nascimento
e recebemos aí as mesmas bençãos.
Pois que a minha tia receba em dobro as bençãos do
céu.
Que a partir de hoje um novo sorriso paire nos
seus lábios e um brilho novo no seu olhar.
Tia que seja muito Feliz
...........
Ai as almas dos poetas
Não as entende ninguém;
São almas de violetas
Que são poetas também.


Andam perdidas na vida,
Como as estrelas no ar;
Sentem o vento gemer
Ouvem as rosas chorar!


Só quem embala no peito
Dores amargas e secretas
É que em noites de luar
Pode entender os poetas


E eu que arrasto amarguras
Que nunca arrastou ninguém
Tenho alma pra sentir
A dos poetas também!
.................

Que a alegria contemple o seu coração...
que o caminho seja feito de rosas e perfumes
que se sinta muito querida .

Daqui... de longe...
de muito longe...
um grande beijinho de Parabens

Gus


Comentar post

.Maria José Rijo


. ver perfil

. seguir perfil

. 55 seguidores

.pesquisar

 

.Dezembro 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
13
14
15
16

17
18
19
20
21
22
23

24
25
26
27
28
29
30

31


.posts recentes

. Apresentação do Livro de ...

. O Natal e os Poetas - 201...

. São Mateus 2017

. Participação - Programas ...

. Programa de São Mateus 20...

. Carta aos meus queridos A...

. Aniversário do Linhas - 2...

. Viagem a Fátima

. Reportagem do Jornal Linh...

. Parabéns Avelino

.arquivos

.tags

. todas as tags

. Dia de Anos

. Então como é ?!

. Em nome de quem se cala.....

. Amarga Lucidez

. Com água no bico

. Elvas com alguma rima e ....

. 28 de Fevereiro...

. Obras do Cadete

. REGRESSO

. Feição de nobreza

.links

.Contador desde- 7-2-2007

Nova Contagem-17-4-2009 - @@@@@@@@@@@@@@@@ @@@@@@@@@@@@@@@

@@@@@@@@@@@@@@@ A Seguir-nos por aqui. Obrigado @@@@@@@@@@@@@@@@ free counters
Free counters @@@@@@

.Pensamentos de Mª José

@@@@@@@@@@@@@@@@@

@@@@ O caminho acaba ali... Ali onde começa a descoberta, O caminho é sempre estrada feita O fim do caminho É uma porta aberta... Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@ Quando o homem se render à força que o amor tem e a arma for oração pulsará na vida a paz como bate um coração. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Ser semente do futuro, é a mensagem de esperança, Que como um recado antigo, A vida nos dá a herança.- Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@ Eu penso, que é saudável e honesto reconhecer e respeitar as diferenças que nos individualizam no campo, também dosi deais.----- Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@ Há uma tal comunhão entre a obra e o autor Que até Deus concebe o Homem e o Homem - o Criador! Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ UMA IDEIA : É uma LUZ que se acende i nesperadamente no nossos espirito iluminando um caminho novo. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Sei para onde vou- pela ansia de galgar a distância- de onde estou- para o que não sou. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ A solidão é o que preenche o vazio de todas as ausências. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Quando na vida se perde, Um amigo ou um parente, P’ra que serve a Primavera? Se o frio está dentro da gente. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Mesmo sobre a saudade, a doçura do Natal, embala cada coração como uma música de esperança. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Em passadas de gigante nobre de traça e idade vem da nascente p'ras fontes dar de beber à cidade. -- Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Nas flores como nas pessoas, ás vezes a aparente fragilidade também pode esconder astúcias e artificiosos bluffes ”. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ A cada um seu direito, A cada terra seu uso, A cada boca um quinhão, A cada roca seu fuso, Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Seja cada dia um fruto- Cada fruto uma semente- Cada semente o produto- Dos passos dados em frente. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Coisas e loisas esparsas- Como a ferrugem – se pica- Como a lama dos caminhos- Se pisada… nos salpica. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Todos os dias amanhecem Crianças Pássaros Flores ! Sobre a noite das crianças Pássaros Flores que já não amanhecem Amanhecerá! Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Ao longe vejo Olivença Mais perto, Vila Real A meus pés o Guadiana Correndo manso – na crença De que tudo é Portugal Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Pátria sagrada de povo, Que emigrada- ganha pão, estás repartida- mas viva Se te bate o coração. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Portugal mais se define Onde a fronteira se traça Pode partir, mas não dobra Quem defende Pátria e Raça Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Bom seria se os recados do nosso coração chegassem ao ouvido de quem os motiva, porque então saberíamos como somos queridos e lembrados sem necessidade de telefones ou cartas. As comunicações seriam de coração para coração como a música de alma que se soltasse de um poema. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@

.ARTIGOS PUBLICADOS Em :

Jornal Linhas de Elvas - Desde 1950 @ @@@@@@@@@@@ Jornal da Beira - (Guarda) @@@@@@@@@@@ Jornal da Ilha Terceira (Açores) @@@@@@@@@@@ Jornal O Dia @@@@@@@@@@@ Jornal O Despertador @@@@@@@@@@@ Revista Norte Alentejo @@@@@@@@@@@

.LIVROS PUBLICADOS:

-E vim cantar- 1955@ -Paisagem- 1956@ -Rezas e Benzeduras- 2000@ @@@@@@@@@@@