Quinta-feira, 30 de Abril de 2009

Não aceito mas agradeço !

Jornal Linhas de Elvas

Nº 2.879 – 17 de Agosto de 2006

Conversas Soltas

 

              

Como é sabido, recebi de: Marco André Lourenço Matroca, uma carta com data de 31 de Julho.

Carta, essa, que é cópia de uma outra que fora enviada ao jornal Linhas de Elvas solicitando publicação; pretensão que o Jornal – por justiça de critério – democraticamente, não deferiu.

Essa tal missiva que me foi endereçada, pretende esclarecer a minha ignorância com a extensa lista de “graças” que a cidade de Elvas deve ao seu actual Presidente, e aproveita para me elucidar que a perda da maternidade, quartéis etc (factos que, aliás, nem citei, nem referi) são perdas irrelevantes a que a presidência da Câmara é alheia.

Proporciona-me depois uma lição de história com o desbobinar da biografia de Rondão Almeida, enquanto ilustre cidadão e, também como Presidente da edilidade elvense, que é, ( na opinião do cronista) apresentado como a pessoa que tudo tem feito e  pago em Elvas.(Do seu bolso, depreende-se!)

(Vou pedir que a carta, que refiro, seja colocada na internet) porque é um documento em que vale a pena meditar, e é injusto que alguém possa ter a veleidade de pensar que as obras na nossa terra são pagas com dinheiro dos nossos impostos, subsídios da C.E. e, por aí fora, quando é sua Excelência que tudo nos oferece!

Eu pensara não me referir mais a esta carta; porém, acabo de receber um papelinho para me inscrever, se o desejar, nos passeios que a Câmara proporciona.

Não aceito, mas venho agradecer publicamente, porque receio que depois me venham explicar que a oferta é do Senhor Presidente, e que eu, por forçada gratidão me veja na contingência de ter que lhe agradecer com votos, ou subscrevendo palavras que outros bestuntos congeminam, o que, por honestidade, coragem de postura, coerência e sentido de dignidade, me sinto incapaz de fazer. 

Também gostava de entender porque a Ex.ª Câmara em lugar de dirigir a sua reacção de desagrado à carta de Vasco Pulido Valente – ao próprio – que a escreveu - a tivessem silenciado sem protestos, com tão recatado decoro, e tivessem feito tão má digestão dos meus modestos comentários ao facto!!!

Merecerei eu mais importância do que ele?

Ou : - é que o rato não é violento para o gato porque sabe que é sempre comido?”

 

Li, que –Kant Kant- escreveu os seus melhores textos aos setenta e quatro anos.

Verdi  - compôs a sua Ave-maria aos oitenta e cinco.

Goethe - completou o Fausto aos oitenta e dois.

Rubenstein - aos oitenta e quatro era admirado por gente de todas as idades.

Ticiano – pintou o seu mais célebre quadro aos noventa e oito!

 Eu, ainda, só tenho oitenta e já - a excelentíssima Câmara – acaba de me consagrar - num panfleto de rua ( amarelo, como bílis) que Rondão de Almeida , também pagou – certamente – dando-me a honra de afirmar que : - escrevo bem!

Rendida a tão alto sentido de justiça que do poder instituído emana, resta-me, extasiada, exclamar:

Já posso morrer, a posteridade aguarda-me!

Obrigada!

Muito obrigada!

 

Maria José Rijo

 

estou:

publicado por Maria José Rijo às 22:21
| comentar | Favorito
partilhar
5 comentários:
De Adalgisa Alexandra a 30 de Abril de 2009 às 22:40
Querida TIa
Sempre fotos Lindas. A sua cidade é muito bonita.
Tia querida que tenha um fim-de-semana muito
bom e que possa descançar e sentir-se feliz.

Muitos beijinhos
Gisa


De Aristeu a 30 de Abril de 2009 às 23:04
Tia
Passei só para deixar um beijinho.
Aqui em casa tudo na mesma - a onda de triste
mantem-se.

Fique com Deus

Aristeu


De Maria José a 1 de Maio de 2009 às 11:01
Meus Queridos - Sinto-me em falta com todos vós , mas, mais ainda com o meu amigo Luciano que por todos os motivos, e mais este, entendo muito bem... Ora, acontece que , quando ontem me preparava para vos vir aqui dar uma palavinha e conforto fui surpreendida por um telefonema que me avisava da perda para sempre da presença entre nós da minha querida amiga de colégio Isabel Roque. Perdi o fio à meada como se costuma dizer e, para aqui fiquei entre orações e lembranças vendo a noite caír na
aconchegada solidão em que vivo.
Hoje, vim como de costume, espreitar a net e, embora não faça ideia da hora a que a Paulinha possa por este comentário on line, porque ela anda atarefadíssima com a feira canina e outros ossos do ofício - venho aqui marcar a minha presença pensando que saberem-me convosco vos pode dar
algum alento. Não sei como será o meu dia, nem aonde poderei chegar... agora a minha moda é cansar-me - mas onde quer que vá levo-os no meu coração.
Vamos ter força?! - volto a repetir que vir até Elvas poderia ser agradável
beijinhos - tia Zé


De António Piedade a 30 de Abril de 2009 às 23:07
Sempre Textos repletos desta sua LUCIDEZ
que tanto me fascina.
Tem mais coragem e lucidez que muitos homens
que falam só no anonimato - como dizer "Com as
botas do meu Pai também sou homem"!!!

Os meus Parabens

Beijo-lhe as mãos
António Piedade


De Xavier Martins a 30 de Abril de 2009 às 23:17
De Louvar.
Resposta excelente. Imagino como seria essa
cartita recebida... para uma resposta deste nível.
Os meus e mais sinceros Parabens.
Grato por este blog estar on-Line eu sinceramente
acho que estes seus artigos - todos e cada um
deles têm mesmo que estar On-Line - Todos eles
porque a sua opinião tem mesmo que ser lida por
muitos.
É pena que tenha sido apenas publicada num
jornal de provincia. Mas agora com este blog vai
muito mais longe e um sem fim de pesoas poderão
ler e apreciar a sua excelente forma de escrever.
Os meus PARABENS

Um abraço e bom fim de semana

Xavier Martins


Comentar post

.Maria José Rijo

.pesquisar

 

.Junho 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9

11
12
13
14
15
16
17

18
19
20
21
23
24

25
26
27
28
29
30


.posts recentes

. Parabéns Luciano

. CONVITE

. Cá Estou ... - 2

. CORAL PÚBLIA HORTÊNSIA DE...

. CRIANÇA - 1990

. Parabéns

. A afilhada da Tia Zé

. Páscoa - 2017

. Homenagem a Maria José Ri...

. Cá Estou ... - 1

.arquivos

.tags

. todas as tags

. Dia de Anos

. Então como é ?!

. Em nome de quem se cala.....

. Amarga Lucidez

. Com água no bico

. Elvas com alguma rima e ....

. 28 de Fevereiro...

. Obras do Cadete

. REGRESSO

. Feição de nobreza

.links

.Contador desde- 7-2-2007

Nova Contagem-17-4-2009 - @@@@@@@@@@@@@@@@ @@@@@@@@@@@@@@@

@@@@@@@@@@@@@@@ A Seguir-nos por aqui. Obrigado @@@@@@@@@@@@@@@@ free counters
Free counters @@@@@@

.Pensamentos de Mª José

@@@@@@@@@@@@@@@@@

@@@@ O caminho acaba ali... Ali onde começa a descoberta, O caminho é sempre estrada feita O fim do caminho É uma porta aberta... Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@ Quando o homem se render à força que o amor tem e a arma for oração pulsará na vida a paz como bate um coração. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Ser semente do futuro, é a mensagem de esperança, Que como um recado antigo, A vida nos dá a herança.- Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@ Eu penso, que é saudável e honesto reconhecer e respeitar as diferenças que nos individualizam no campo, também dosi deais.----- Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@ Há uma tal comunhão entre a obra e o autor Que até Deus concebe o Homem e o Homem - o Criador! Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ UMA IDEIA : É uma LUZ que se acende i nesperadamente no nossos espirito iluminando um caminho novo. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Sei para onde vou- pela ansia de galgar a distância- de onde estou- para o que não sou. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ A solidão é o que preenche o vazio de todas as ausências. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Quando na vida se perde, Um amigo ou um parente, P’ra que serve a Primavera? Se o frio está dentro da gente. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Mesmo sobre a saudade, a doçura do Natal, embala cada coração como uma música de esperança. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Em passadas de gigante nobre de traça e idade vem da nascente p'ras fontes dar de beber à cidade. -- Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Nas flores como nas pessoas, ás vezes a aparente fragilidade também pode esconder astúcias e artificiosos bluffes ”. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ A cada um seu direito, A cada terra seu uso, A cada boca um quinhão, A cada roca seu fuso, Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Seja cada dia um fruto- Cada fruto uma semente- Cada semente o produto- Dos passos dados em frente. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Coisas e loisas esparsas- Como a ferrugem – se pica- Como a lama dos caminhos- Se pisada… nos salpica. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Todos os dias amanhecem Crianças Pássaros Flores ! Sobre a noite das crianças Pássaros Flores que já não amanhecem Amanhecerá! Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Ao longe vejo Olivença Mais perto, Vila Real A meus pés o Guadiana Correndo manso – na crença De que tudo é Portugal Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Pátria sagrada de povo, Que emigrada- ganha pão, estás repartida- mas viva Se te bate o coração. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Portugal mais se define Onde a fronteira se traça Pode partir, mas não dobra Quem defende Pátria e Raça Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Bom seria se os recados do nosso coração chegassem ao ouvido de quem os motiva, porque então saberíamos como somos queridos e lembrados sem necessidade de telefones ou cartas. As comunicações seriam de coração para coração como a música de alma que se soltasse de um poema. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@

.ARTIGOS PUBLICADOS Em :

Jornal Linhas de Elvas - Desde 1950 @ @@@@@@@@@@@ Jornal da Beira - (Guarda) @@@@@@@@@@@ Jornal da Ilha Terceira (Açores) @@@@@@@@@@@ Jornal O Dia @@@@@@@@@@@ Jornal O Despertador @@@@@@@@@@@ Revista Norte Alentejo @@@@@@@@@@@

.LIVROS PUBLICADOS:

-E vim cantar- 1955@ -Paisagem- 1956@ -Rezas e Benzeduras- 2000@ @@@@@@@@@@@