Terça-feira, 5 de Maio de 2009

Reminiscencia - 23

Jornal Linhas de Elvas

Nº 2.825 – 8-Agosto-2005

Conversas Soltas

Reminiscência – 23

 

Sabedoria popular

 Image Hosted by ImageShack.us

Antes do evento da libertação feminina que permite a orgulhosa produção independente de filhos.

Quando ainda se acreditava que a melhor coisa para uma criança, era nascer tendo pai e mãe, e crescer, fruindo do amor e protecção de ambos...

Quando era impensável, meter, até no rol dos pesadelos, quanto mais no real! – Que se possa dar por destino a uma criança não lhes chamarei, um lar, mas a hipótese de crescer no reduto onde habitem parelhas quer, de homens, quer de mulheres, unidos por ligações sexuais...

                      

Quando estavam estabelecidos alguns valores, que embora, pudesse acontecer serem levados a um exagero quase acéfalo, serviam de referências morais que balizavam as condutas, tidas, então por correctas aconteciam situações, por vezes, engraçadas.

Ora é desses tempos a histórinha, picaresca, que hoje conto.

Todas as donzelas se queriam apresentar como virtuosas, porém, como já vem de longe no tempo a confusão entre virgindade e dignidade, era obrigatório esconder qualquer procedimento mais ousado, qualquer intimidade que se tivesse avançado.

Alguma, que por mais fogosa, chegasse ao casamento já grávida; escondia como se fora um crime, sem perdão, o resultado das suas aventuras proibidas.

E, se umas eram sinceras e corajosamente assumiam que se “haviam apressado”, outras, julgando-se mais espertas, mentiam, simulavam estratagemas vários para fazer crer que a pressa não fora delas e dos parceiros, mas sim dos nascituros que apareciam antes dos nove meses da praxe!

                

Nesses tempos, ninguém nascia em hospitais e eram as “comadres”, mulheres já velhas e cheias de experiência, nesses rotineiros tramites que exerciam as funções de parteiras.

Acontece, que certa dama, uma vez, precisando dos serviços de uma dessas comadres, pretendeu com arrogância fazer crer que com ela eram impossíveis, leves suspeitas, sequer, de que pudesse ter chegado ao casamento, já no seu estado interessante.

            

Então a velhota, do alto da sua sabedoria popular disse-lhe com complacência: - não se amofine a senhora.

 Não vale a pena!

A senhora tem toda a razão.

Quer ver? Casou em Março, não foi?

Conte lá comigo! – Março, mamarço e o mês de Março vão tres!

Abril, mabril, com o mês de Abril, dá seis...

Maio, mamaio, mais o mês de Maio, aqui tem a senhora os nove meses.

Vê, que não há engano! - as crianças, nascem sempre de tempo! A gente é que às vezes é que se distrai e conta mal.

 

Meu conto acabado, meu feito jurado.

 

Maria José Rijo

 

estou: Reminiscencia - 23
música: Nº 2.825 - 18 de Agosto de 2005

publicado por Maria José Rijo às 23:17
| comentar | Favorito
partilhar
4 comentários:
De Aristeu a 6 de Maio de 2009 às 00:15
Tia
As suas reminiscencias - São Lindas.
Todas e cada uma delas.
Fico sempre sem saber o que dizer...
a não ser que gostaria muito de fazer parte delas...
de estar numa delas...
... imaginação minha...

Muitos beijinhos

Aristeu


De Maria José a 7 de Maio de 2009 às 21:50
Meu querido Aristeu -ontem não consegui vir aqui para a conversa porque vim de Evora com dor de cabeça e, já se sabe que quando assim acontece, não é um dia só.
O tempo aqueceu de repente de modo que saír em dias assim pelas horas de calor resulta um pesadelo.
Mas, já passou.
Dia 12 voltarei para fazer novos exames e depois trei que tirar as cataratas, o que vai ser bom para voltar a ver melhor. Tenho esperança que depois a net não me canse tanto e possa ficar aqui muito mais tempo
na vossa companhia.
O Aristeu diz gostar de pensar que entra nas minhas reminiscências! - melhor do que isso - porque essas são passado e o meu querido sobrinho faz parte - da parte boa - desta minha vida onde amizades como as vossas são o meu apoio.
Muitos beijinhos para os tres e faz favor de lembrar ao meu amigo- seu Pai -que não dispenso a presença dele mesmo que seja para para me dizer o que eu muito bem sei : - somos velhotes .
Aguardo - Maria José


De Adalgisa Alexandra a 6 de Maio de 2009 às 00:23
Li e gostei.
Como sempre aqui só há maravilhas e quem não
goste nem precisa de cá entrar.
Muitos beijinhos Tia

Gisa


De Maria José a 7 de Maio de 2009 às 21:56
Querida Gisa nunca mais me falou dos seu amigos bichanos!
Muitas vezes apetecia-me poder voar e ir-vos visitar.
Será que não vos chegarei a conhecer? - que bom um dia dar-vos um abraço
Beijinhos tia Zé


Comentar post

.Maria José Rijo


. ver perfil

. seguir perfil

. 55 seguidores

.pesquisar

 

.Dezembro 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
13
14
15
16

17
18
19
20
21
22
23

24
25
26
27
28
29
30

31


.posts recentes

. Apresentação do Livro de ...

. O Natal e os Poetas - 201...

. São Mateus 2017

. Participação - Programas ...

. Programa de São Mateus 20...

. Carta aos meus queridos A...

. Aniversário do Linhas - 2...

. Viagem a Fátima

. Reportagem do Jornal Linh...

. Parabéns Avelino

.arquivos

.tags

. todas as tags

. Dia de Anos

. Então como é ?!

. Em nome de quem se cala.....

. Amarga Lucidez

. Com água no bico

. Elvas com alguma rima e ....

. 28 de Fevereiro...

. Obras do Cadete

. REGRESSO

. Feição de nobreza

.links

.Contador desde- 7-2-2007

Nova Contagem-17-4-2009 - @@@@@@@@@@@@@@@@ @@@@@@@@@@@@@@@

@@@@@@@@@@@@@@@ A Seguir-nos por aqui. Obrigado @@@@@@@@@@@@@@@@ free counters
Free counters @@@@@@

.Pensamentos de Mª José

@@@@@@@@@@@@@@@@@

@@@@ O caminho acaba ali... Ali onde começa a descoberta, O caminho é sempre estrada feita O fim do caminho É uma porta aberta... Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@ Quando o homem se render à força que o amor tem e a arma for oração pulsará na vida a paz como bate um coração. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Ser semente do futuro, é a mensagem de esperança, Que como um recado antigo, A vida nos dá a herança.- Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@ Eu penso, que é saudável e honesto reconhecer e respeitar as diferenças que nos individualizam no campo, também dosi deais.----- Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@ Há uma tal comunhão entre a obra e o autor Que até Deus concebe o Homem e o Homem - o Criador! Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ UMA IDEIA : É uma LUZ que se acende i nesperadamente no nossos espirito iluminando um caminho novo. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Sei para onde vou- pela ansia de galgar a distância- de onde estou- para o que não sou. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ A solidão é o que preenche o vazio de todas as ausências. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Quando na vida se perde, Um amigo ou um parente, P’ra que serve a Primavera? Se o frio está dentro da gente. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Mesmo sobre a saudade, a doçura do Natal, embala cada coração como uma música de esperança. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Em passadas de gigante nobre de traça e idade vem da nascente p'ras fontes dar de beber à cidade. -- Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Nas flores como nas pessoas, ás vezes a aparente fragilidade também pode esconder astúcias e artificiosos bluffes ”. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ A cada um seu direito, A cada terra seu uso, A cada boca um quinhão, A cada roca seu fuso, Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Seja cada dia um fruto- Cada fruto uma semente- Cada semente o produto- Dos passos dados em frente. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Coisas e loisas esparsas- Como a ferrugem – se pica- Como a lama dos caminhos- Se pisada… nos salpica. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Todos os dias amanhecem Crianças Pássaros Flores ! Sobre a noite das crianças Pássaros Flores que já não amanhecem Amanhecerá! Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Ao longe vejo Olivença Mais perto, Vila Real A meus pés o Guadiana Correndo manso – na crença De que tudo é Portugal Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Pátria sagrada de povo, Que emigrada- ganha pão, estás repartida- mas viva Se te bate o coração. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Portugal mais se define Onde a fronteira se traça Pode partir, mas não dobra Quem defende Pátria e Raça Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Bom seria se os recados do nosso coração chegassem ao ouvido de quem os motiva, porque então saberíamos como somos queridos e lembrados sem necessidade de telefones ou cartas. As comunicações seriam de coração para coração como a música de alma que se soltasse de um poema. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@

.ARTIGOS PUBLICADOS Em :

Jornal Linhas de Elvas - Desde 1950 @ @@@@@@@@@@@ Jornal da Beira - (Guarda) @@@@@@@@@@@ Jornal da Ilha Terceira (Açores) @@@@@@@@@@@ Jornal O Dia @@@@@@@@@@@ Jornal O Despertador @@@@@@@@@@@ Revista Norte Alentejo @@@@@@@@@@@

.LIVROS PUBLICADOS:

-E vim cantar- 1955@ -Paisagem- 1956@ -Rezas e Benzeduras- 2000@ @@@@@@@@@@@