Segunda-feira, 1 de Junho de 2009

Dia da Criança - 1989

Á Lá Minute

Jornal Linhas de Elvas

Nº 1.994 – 9 de Junho de 1989

Dia da Criança

 

Deixou-me o carteiro notícias, da minha infância distante, com uma carta de amigos perdidos no tempo há muitos anos.

Casa-lhes a filha única e, quiseram repartir essa alegria com aqueles da sua geração ao lado de quem brincaram, estudaram e sonharam futuro.

             

“Sou da minha infância como de um país”

 escreveu St.Exupéry.

 

Logo me ocorreu a lembrança da frase que nos ensina a identificar a nossa segunda pátria.

Evoca-se, vida fora, mais do que a terra onde se nasceu, a infância vivida onde quer que fosse: mais do que ruas e paisagens, a lembrança que cada um transportará sempre dentro de si, é a do “espaço de amor” onde cresceu e lhe ensinou a confiar e a crer, lhe deu segurança para caminhar, ou a falta dele. Doce ou amarga a infância é sempre a raiz de onde se provém e onde se esboça a nossa qualidade de gente: a fonte, o país de origem da nossa maneira de ser e estar entre os demais.

Por alguma razão se nasce tão pequenino que se cabe inteiro num abraço que tem que ser apertado para nos acolher a segurar, e se depende dum coração que nos tenha desejado ou nos perfilhe e aceite.

Dia da Criança, quase se poderia ou deveria dizer – dia da sementeira – ou dia do pão, como se chama neste nosso bendito Alentejo, à seara de onde se tira o sustento de cada dia.

      espiga[1].jpg

A diferença é que o “Pão” rega-o a chuva, cria-o o ar, o vento, o sol que do céu nos vem.

Para as crianças – pão do futuro – somos nós o sol, a chuva, o bom e o mau tempo que as forma ou deforma , que, presente do céu – são elas – nós, apenas terra de amor ou indiferença – país de infância, a que jamais fugirão.

“Sou da minha infância como de um pais..”

… Escreveu-me uma amiga desse “país” distante, tantos anos volvidos.

Ninguém esquece ninguém que lhe toque o coração para o bem ou para o mal.

Permanece-se, sem que disso nos demos conta, na textura da sensibilidade de muitos por quem passamos distraídos ou indiferentes, quando por nós esperavam.

Deve ser esse o maior risco da aventura de viver – passar sem ver!

É nossa a hora!

A obra é nossa.

Por uma única vez – da única forma possível: - definitivamente – saibamos construir esse país da infância - a que sempre pertencerão as crianças de hoje, as que de nós dependem.

 

Se for esse o nosso desejo mais sincero nas extremidades frágeis dos nossos gestos imperfeitos – hão-de nascer flores.

 

 

Maria José Rijo

 

estou:

publicado por Maria José Rijo às 00:41
| comentar | Favorito
partilhar
5 comentários:
De Xavier Martins a 1 de Junho de 2009 às 01:10
Realmente minha amiga
Maria josé
Aqui temos sempre BELISSIMOS textos
independentemente do tema em questão.

sim senhora - parabens por mais esta
maravilha.
É realmente o meu blog favoritos por todas as
razões.

Parabens
Deste seu e muito admirador

Xavier Martins


De Pedro Paulo Fonseca a 1 de Junho de 2009 às 01:15
Concordo com o comentario anterior.
Realmente a Senhora tem textos fantásticos.
Qualquer dos temas aqui mencionados - mesmo
longe da data presente - apresentam uma
actualidade magnifica.

Sigo este blog praticamente desde o inicio e devo
dizer-lhe que estou enamorado da sua forma de
escrever.
A Senhora é mesmo uma pessoa ESPECIAL como
se diz e repetem os comentarios.
Parabens por este blog - sempre actualizado -
muito comentado e comentado com muita amizade
para consigo.
A Senhora merece realmente ser mimada.

Os meus Parabens e continue.
Gosto mesmo de verdade.

os meus Parabens

pedro Paulo Fonseca


De Luis Coronado a 1 de Junho de 2009 às 01:18
Boa noite
Sigo - acompanho diariamente este blog.
Não desde o inicio como o comentario anterior
mas quero confessar-lhe qie LI de fio a pavio -
todos e cada um dos posts.

Gostei IMENSO
Gosto e todos os dias passo por aqui.
Costumo indicar o seu blog aos meus amigos
dizendo ser a minha Tia.
É que sinto um certo orgulho deste blog - é LINDO.

Parabens
Seu muito admirador

Luis Coronado


De Aristeu a 1 de Junho de 2009 às 23:01
Minha tão querida Tia
Não estará certamente mas deixo-lhe aqui
um grande beijinhos e desejos de boas limpezas.
Gosto muito de si e dos seus belos artigos.
Muitos beijinhos

Aristeu


De Xavier Martins a 1 de Junho de 2009 às 23:04
Que fotos de CRIANÇAS LINDAS
tem aqui nos seus posts.

É uma beleza poder ler os seus artigos.
Sempre tão actuais.

Um abraço
Cumprimentos

Xavier Martins


Comentar post

.Maria José Rijo


. ver perfil

. seguir perfil

. 53 seguidores

.pesquisar

 

.Setembro 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
13
14
15
16

17
19
21
22
23

24
27
28
29
30


.posts recentes

. São Mateus 2017

. Participação - Programas ...

. Programa de São Mateus 20...

. Carta aos meus queridos A...

. Aniversário do Linhas - 2...

. Viagem a Fátima

. Reportagem do Jornal Linh...

. Parabéns Avelino

. Parabéns Luciano

. CONVITE

.arquivos

.tags

. todas as tags

. Dia de Anos

. Então como é ?!

. Em nome de quem se cala.....

. Amarga Lucidez

. Com água no bico

. Elvas com alguma rima e ....

. 28 de Fevereiro...

. Obras do Cadete

. REGRESSO

. Feição de nobreza

.links

.Contador desde- 7-2-2007

Nova Contagem-17-4-2009 - @@@@@@@@@@@@@@@@ @@@@@@@@@@@@@@@

@@@@@@@@@@@@@@@ A Seguir-nos por aqui. Obrigado @@@@@@@@@@@@@@@@ free counters
Free counters @@@@@@

.Pensamentos de Mª José

@@@@@@@@@@@@@@@@@

@@@@ O caminho acaba ali... Ali onde começa a descoberta, O caminho é sempre estrada feita O fim do caminho É uma porta aberta... Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@ Quando o homem se render à força que o amor tem e a arma for oração pulsará na vida a paz como bate um coração. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Ser semente do futuro, é a mensagem de esperança, Que como um recado antigo, A vida nos dá a herança.- Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@ Eu penso, que é saudável e honesto reconhecer e respeitar as diferenças que nos individualizam no campo, também dosi deais.----- Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@ Há uma tal comunhão entre a obra e o autor Que até Deus concebe o Homem e o Homem - o Criador! Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ UMA IDEIA : É uma LUZ que se acende i nesperadamente no nossos espirito iluminando um caminho novo. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Sei para onde vou- pela ansia de galgar a distância- de onde estou- para o que não sou. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ A solidão é o que preenche o vazio de todas as ausências. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Quando na vida se perde, Um amigo ou um parente, P’ra que serve a Primavera? Se o frio está dentro da gente. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Mesmo sobre a saudade, a doçura do Natal, embala cada coração como uma música de esperança. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Em passadas de gigante nobre de traça e idade vem da nascente p'ras fontes dar de beber à cidade. -- Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Nas flores como nas pessoas, ás vezes a aparente fragilidade também pode esconder astúcias e artificiosos bluffes ”. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ A cada um seu direito, A cada terra seu uso, A cada boca um quinhão, A cada roca seu fuso, Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Seja cada dia um fruto- Cada fruto uma semente- Cada semente o produto- Dos passos dados em frente. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Coisas e loisas esparsas- Como a ferrugem – se pica- Como a lama dos caminhos- Se pisada… nos salpica. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Todos os dias amanhecem Crianças Pássaros Flores ! Sobre a noite das crianças Pássaros Flores que já não amanhecem Amanhecerá! Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Ao longe vejo Olivença Mais perto, Vila Real A meus pés o Guadiana Correndo manso – na crença De que tudo é Portugal Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Pátria sagrada de povo, Que emigrada- ganha pão, estás repartida- mas viva Se te bate o coração. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Portugal mais se define Onde a fronteira se traça Pode partir, mas não dobra Quem defende Pátria e Raça Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Bom seria se os recados do nosso coração chegassem ao ouvido de quem os motiva, porque então saberíamos como somos queridos e lembrados sem necessidade de telefones ou cartas. As comunicações seriam de coração para coração como a música de alma que se soltasse de um poema. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@

.ARTIGOS PUBLICADOS Em :

Jornal Linhas de Elvas - Desde 1950 @ @@@@@@@@@@@ Jornal da Beira - (Guarda) @@@@@@@@@@@ Jornal da Ilha Terceira (Açores) @@@@@@@@@@@ Jornal O Dia @@@@@@@@@@@ Jornal O Despertador @@@@@@@@@@@ Revista Norte Alentejo @@@@@@@@@@@

.LIVROS PUBLICADOS:

-E vim cantar- 1955@ -Paisagem- 1956@ -Rezas e Benzeduras- 2000@ @@@@@@@@@@@