Quinta-feira, 4 de Junho de 2009

Estava eu a ler Fernão Capelo Gaivota

Á LÁ MINUTE

Jornal Linhas de Elvas

Nº 1.923 – 15 de Janeiro de 1988

Estava eu a ler Fernão Capelo Gaivota

 

http://www.youtube.com/watch?v=veDtCRBlCII 

 

“… Tu que tens a liberdade de ser tu próprio,

o teu verdadeiro eu, aqui e agora:

nada se pode interpor no teu caminho.”

 gaivota.jpg picture by movimentoequi

“…,vocês têm de compreender que uma gaivota é uma ideia ilimitada de Liberdade…”

 

Foi então, que pensei: uma gaiola, por via de regra destina-se a ser ocupada por um pássaro.

Bem sei que as há bem pequenas, criadas de propósito para aprisionar grilos, e eu, que em criança tanto gostava de os caçar fazendo-os sair das suas pequenas luras com um

                                                  

junco ou uma palhinha seca, vejo agora como era cruel o que me parecia, então, uma inocente brincadeira.

Quem, aliás, que eu saiba, tratou esta situação com mais sensibilidade e humana ternura foi Sebastião da Gama quando escreveu:

 

http://www.youtube.com/watch?v=kkkQdv-fhns

               

“Os pássaros cantam é na linha dos telefones,

nas árvores, na beira dos telhados…”

 

Os grilos é na toca ou ao pé da serralha. Na gaiola, É o fado dos ferros.

Mas os que abriram a grade não entendem! Se eles abriram a grade! … e vá de não perceber que o fato preto de grilo já é outro, já não é o fato de trazer: o de luto. De luto por si mesmo.

         

Recordei estas coisas a propósito de outras bem distintas, mas que têm muito a ver com liberdade.

Um pássaro, é sempre um pássaro, e mal vai a vida quando para que o reconheçam como sendo o que é – ele tenha que aceitar a pata anilhada ou a gaiola.

                                        O grilo na gaiola azul por zwigmar.

Aliás, as aves, tendo tanto de semelhante como seja bico, asas, penas… são tão distintas nos tamanhos, cores e maneiras de voar ou nidificar que será curto de vistas quem não se aperceber da espécie, a que pertencem e só fechada na mão a entenda…

                   

Porquê! … depois! … depois … como diz Fernão Capelo Gaivota

 

“Vê mais longe a gaivota que voa mais alto”

 

Maria José Rijo

 

                                 

    

 

estou:

publicado por Maria José Rijo às 23:55
| comentar | Favorito
partilhar
5 comentários:
De Gustavo Frederich a 5 de Junho de 2009 às 00:47
A Minha Tia
Tem sempre textos lindos, inteligentes e sensiveis.
Gosto muito - mesmo muito da sua forma de
escrever desta forma sensivel de falar da vida e
das pessoas.
Gosto imenso da sua forma bela - como quem
caminha pela vida - olhando-a e falando-lhe por tu.

Gosto sempre da sua sensibilidade - dos caminhos
que escolhe - por entre tantos caminhos
que poderia ter seguido.

Tia este seu blog é um prodigio de beleza
e sensibilidade.
Bem haja agora e sempre pelo dia em que a minha
tela se abriu e me mostrou este MUNDO
O seu BELLO MUNDO contido neste blog que faz
a alegria da minha vida - na grande maioria das
horas.

Obrigada Tia
pela sua companhia - pelos seus sorrisos - imagens
e sensibilidade.
Obrigada SEMPRE

Gosto muito de si
Gus




De NUria Andrade a 5 de Junho de 2009 às 00:48
Muito boa noite

Um beijinho de Parabens por mais
esta M A R A V I L H A.

Grata

Nuria Andrade


De Xavier Martins a 5 de Junho de 2009 às 00:59
MInha Boa amiga
Subscrevo os comentarios anteriores.
Agradeço IMENSO que este blog exista.
Sabe-me mesmo muito bem ter acesso a todo
o seu espólio literário - a todas as suas opiniões
escritas em anos anteriores.

A minha mulher diz sempre - ao constatar os
muitos anos dos textos - "Já reparaste que estão
sempre actualizados?"
E é verdade - textos antigos não perdem NUNCA a
oportunidade de serem lidos e relidos.

Como outros aqui opinam que deveria ter um
Site - eu também concordo.
Pense nisso.
Os seus artigos são bons demais para estarem
fechados em livros, ou jornais arquivados.
Aqui - assim - estão sempre disponiveis para o
mundo.
Só acho que quem lê e gosta e aprecia deveria
deixar AQUI um comentario - como eu.

Um abraço
Deste seu admirador

Xavier Martins


De poetaporkedeusker a 5 de Junho de 2009 às 16:48
Minha amiga,
Hesitei em comentar assim, a correr, este texto, mas terei mesmo de o fazer. Está um prémio à sua espera no http://premiosemedalhas.blogs.sapo.pt/ . É o Prémio dos Afectos!
Um grande abraço!

Maria joão


De Eugenio a 5 de Junho de 2009 às 22:14
Olá! lindo blog,com belas passagens.visitando alguns blogs achei o teu e estou encantado.Gostaria que você também visitasse o meu.Abraço!

Gênio


Comentar post

.Maria José Rijo

.pesquisar

 

.Abril 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

17
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30


.posts recentes

. A afilhada da Tia Zé

. Páscoa - 2017

. Homenagem a Maria José Ri...

. Cá Estou ... - 1

. OLÁ Dolores

. 2007 - 2017 = 10 º Aniver...

. ENCONTROS DE CIRCUNSTÂNCI...

. Recado para os Sobrinhos ...

. Saudades

. A Feira de São Mateus 201...

.arquivos

.tags

. todas as tags

. Dia de Anos

. Então como é ?!

. Em nome de quem se cala.....

. Amarga Lucidez

. Com água no bico

. Elvas com alguma rima e ....

. 28 de Fevereiro...

. Obras do Cadete

. REGRESSO

. Feição de nobreza

.links

.Contador desde- 7-2-2007

Nova Contagem-17-4-2009 - @@@@@@@@@@@@@@@@ @@@@@@@@@@@@@@@

@@@@@@@@@@@@@@@ A Seguir-nos por aqui. Obrigado @@@@@@@@@@@@@@@@ free counters
Free counters @@@@@@

.Pensamentos de Mª José

@@@@@@@@@@@@@@@@@

@@@@ O caminho acaba ali... Ali onde começa a descoberta, O caminho é sempre estrada feita O fim do caminho É uma porta aberta... Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@ Quando o homem se render à força que o amor tem e a arma for oração pulsará na vida a paz como bate um coração. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Ser semente do futuro, é a mensagem de esperança, Que como um recado antigo, A vida nos dá a herança.- Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@ Eu penso, que é saudável e honesto reconhecer e respeitar as diferenças que nos individualizam no campo, também dosi deais.----- Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@ Há uma tal comunhão entre a obra e o autor Que até Deus concebe o Homem e o Homem - o Criador! Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ UMA IDEIA : É uma LUZ que se acende i nesperadamente no nossos espirito iluminando um caminho novo. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Sei para onde vou- pela ansia de galgar a distância- de onde estou- para o que não sou. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ A solidão é o que preenche o vazio de todas as ausências. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Quando na vida se perde, Um amigo ou um parente, P’ra que serve a Primavera? Se o frio está dentro da gente. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Mesmo sobre a saudade, a doçura do Natal, embala cada coração como uma música de esperança. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Em passadas de gigante nobre de traça e idade vem da nascente p'ras fontes dar de beber à cidade. -- Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Nas flores como nas pessoas, ás vezes a aparente fragilidade também pode esconder astúcias e artificiosos bluffes ”. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ A cada um seu direito, A cada terra seu uso, A cada boca um quinhão, A cada roca seu fuso, Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Seja cada dia um fruto- Cada fruto uma semente- Cada semente o produto- Dos passos dados em frente. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Coisas e loisas esparsas- Como a ferrugem – se pica- Como a lama dos caminhos- Se pisada… nos salpica. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Todos os dias amanhecem Crianças Pássaros Flores ! Sobre a noite das crianças Pássaros Flores que já não amanhecem Amanhecerá! Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Ao longe vejo Olivença Mais perto, Vila Real A meus pés o Guadiana Correndo manso – na crença De que tudo é Portugal Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Pátria sagrada de povo, Que emigrada- ganha pão, estás repartida- mas viva Se te bate o coração. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Portugal mais se define Onde a fronteira se traça Pode partir, mas não dobra Quem defende Pátria e Raça Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Bom seria se os recados do nosso coração chegassem ao ouvido de quem os motiva, porque então saberíamos como somos queridos e lembrados sem necessidade de telefones ou cartas. As comunicações seriam de coração para coração como a música de alma que se soltasse de um poema. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@

.ARTIGOS PUBLICADOS Em :

Jornal Linhas de Elvas - Desde 1950 @ @@@@@@@@@@@ Jornal da Beira - (Guarda) @@@@@@@@@@@ Jornal da Ilha Terceira (Açores) @@@@@@@@@@@ Jornal O Dia @@@@@@@@@@@ Jornal O Despertador @@@@@@@@@@@ Revista Norte Alentejo @@@@@@@@@@@

.LIVROS PUBLICADOS:

-E vim cantar- 1955@ -Paisagem- 1956@ -Rezas e Benzeduras- 2000@ @@@@@@@@@@@