Domingo, 23 de Agosto de 2009

A poesia e a letra

.Ibisco - III
 

A palavra, na prosa é o soldado em sentido
cabeça erecta - atento
compenetrado
senhor do seu dever
pode pois nascer impressa
mas, na poesia, não!
Aí , a palavra é solta, vadia, sofre, morde, ri
inventa, mente, canta, espoja-se
explode, arde, gela, incendeia...
não tem limites - é ela
deslumbra e assusta
como sangue solto a correr duma veia.
vive e morre
renasce como o destino
de quem se diz não ter tino...

escreve-se prosa em máquina
em letrinha certa, desenhada...

para a poesia isso é nada!

Poesia ! - Só escrita à mão
em letra hesitante ou apressada
desorientada, despenteada, emaranhada
enclavinhada na emoção
desse tormento - do sentimento
que a liga ao coração
ainda - quando a lágrima
a afoga
e morre
sem ser lida
num borrão.

 .

Maria José Rijo

 

estou: Livro Poemas - III
música: A poesia e a letra

publicado por Maria José Rijo às 21:25
| comentar | Favorito
partilhar
14 comentários:
De Magnolia a 23 de Agosto de 2009 às 21:43
Amiga
Foi com grande alegria que ao entrar nesta casa
notei como a Senhora - tia - era quase venerada
e só agora percebi porquê.
Realmente uma alma grande e tão especial
consegue entrar nos corações de quem a recebe.
O Aristeu tem um carinho tão Grande por si que
se comove sempre que fala ou mesmo quando
declama as suas lindas poesias.
Sabe que uma das cantadas que me fez - foi com
o seu poema - Magnolia.
Ofereceu-mo - depois escrito - num quadrinho
que tenho em casa.
Parabens é um poema Lindo.
Li todas as suas poesias - que Gilinho (como a
Tia lhe chama e ele adora) me deu num livrinho
especial que fez para mim. Mas também li tudo
no blog.

Obrigado pelas suas palavras - tão queridas e
amigas.

Adorei este poema minha Tia (se me permite)
e já gosto muito de si, acredite.

Um grande beijinho

Magnolia


De Maria José a 25 de Agosto de 2009 às 11:25
Magnólia - a fortuna é minha já que o vosso afecto - tão generoso - me enriquece a vida e enche o coração.
Obrigada pela atenção que , como diz a nossa Conchinha - esta velhota - vos merece.
Pena, muita pena, é que as distâncias nos privem do abraço, do sorriso, da palavra que se escuta e a que se responde na alegria dos encontos.
Pena - dos desencontros no tempo.
Mas... que nos conforte o que nos ficou.
A mim - a memória dum Menino - que me idealizava quando eu ainda sonhava com meninos iguais para a minha vida, e, para todos nós, esta comunhão de alma vivida à distância sonhando presenças que talvez, também, nunca aconteçam.
Agradeço a Deus a vossa estima e cuidado e, peço-LHE de todo o coração tudo de bom para vós
Beijinhos tia Zé


De Kiko Maciel a 23 de Agosto de 2009 às 21:50
Olá minha Tiazinha
Cá está o seu Kiko que é o Francisco.
A minha avozinha chama-me o Francisquinho.
Os meus pais Kiko.

Minha Tia
mas este seu poema é uma delicia.
A sua poesia é uma maravilha, como esta de hoje.
Os meus Parabens
e cá vou ficando a ler e a imprimir os textos/artigos
é que também eu quero ter um livro meu de tudo
o que gosto e admiro do que a tia escreve.

Beijinhos Tiazinha
do seu
K I K O


De maria José a 25 de Agosto de 2009 às 12:19
Kiko
Mesmo que o que escrevo, nada valha - valerá sempre o elo de coração que une as pessoas, seja qual for o motivo que lhe deu início - embora, como sabe, nada seja mais responsabilizante que o afecto.
Se alguém olhar para nós, olhando para cima, seremos convidados - a procurar - reflectir luz fixando o Alto.
Compromissos de Vida que aceitamos, ou não.
Beijinhos - tia zé


De Aristeu a 23 de Agosto de 2009 às 22:05
Lindo poema
Senhora minha Tia

Muito obrigado por mais uma maravilha. A Mag
adorou e foi ela a primeira a ler.
Adorou o seu comentario.
Muitos beijinhos tia

Aristeu


De Maria José a 25 de Agosto de 2009 às 12:46
Querido Aristeu
Será que alguma vez...
Não quero sonhar...
Onde está Vôvô Luciano?
Também gostaria que festejar com ele
Beijinhos
tia Zé




De Gustavo Frederich a 23 de Agosto de 2009 às 22:28
.
.
não tem limites - é ela
deslumbra e assusta
como sangue solto a correr duma veia.
vive e morre
renasce como o destino
de quem se diz não ter tino...
.
.

Tia Adorei
todo o poema é uma delicia.
Minha Tia é lindo
Agradeço-lhe este poema - que tem muita força
aliás, como todos os seus poemas.

Muitos beijinhos tia
e desculpe

Gus


De Maria José a 24 de Agosto de 2009 às 09:46
Sabe que não me lembro de não o ter no meu coração?
Beiinhos - tia Zé


De Gustavo Frederich a 24 de Agosto de 2009 às 16:32
Minha querida tia

grato pelas suas palavras.
A Senhora é uma tia tão querida, daquelas tias
que todos desejamos ter.
Grato pela força que sempre recebo de si.
Gosto muito de conversar consigo
quem sabe se um ainda dia vou ter consigo
veremos o que o tempo me deixa fazer...


...................
Lágrimas ocultas


Se me ponho a cismar em outras eras
Em que ri e cantei, em que era q'rida,
Parece-me que foi noutras esferas,
Parece-me que foi numa outra vida...


E a minha triste boca dolorida
Que dantes tinha o rir das Primaveras,
Esbate as linhas graves e severas
E cai num abandono de esquecida!


E fico, pensativa, olhando o vago...
Toma a brandura plácida dum lago
O meu rosto de monja de marfim...


E as lágrimas que choro, branca e calma,
Ninguém as vê brotar dentro da alma!
Ninguém as vê cair dentro de mim!

Florbela Espanca

.............

Beijinhos tia
Gus


De Maria José a 25 de Agosto de 2009 às 12:23
Confio que um dia,o olharei nos olhos comovida e lhe darei um abraço sem fim.
Seja em que mundo for
Beijinhos - tia Zé


De Luis carlos Presti a 23 de Agosto de 2009 às 22:45
Finalmente consegui chegar
A minha familia já dizia que nunca mais voltava
da minha viagem aos carpados
mas tive de ir fazer um estudo da florestação
e das especies para um trabalho especial.
Acabei por viver muma arvore durante uns dias
e acredite que tem os dois polos - o agradavel
e o desagradavel - mas já está!

E a minha tia?
Como está a minha tia?
Já tinha saudades de si e deste cantinho tão
querido.

Adoro a sua poesia é sempre tão deliciosa.
Vou impriimir para guardar - como todas as
outras.
Tirei também a foto sua com a sua linda
sobrinha para uma moldura que a minha
mulher já tinha comprado para a colocarmos
aqui - já tinhamos outra - mas esta é mais
actual e está muito bonita.

E a tia como se sente?
Está feliz?
Espero e desejo que sim.
Também eu gosto muito de si.

Luis Carlos Presti


De maria José a 25 de Agosto de 2009 às 11:11
Luis - pode pensar que é história, pode! - mas já não é a primeira vez que tal me acontece - estar a falar com a Paulinha comentando a sua ausência e decidindo perguntar por si, quando daí a pouco a Paula telefona a dizer : - vou editar o comentário, o "seu" Luis deu notícias.
Obrigada por não nos esquecer.
é claro que, melhor, seria que eu tivesse feito essa viagem na sua companhia! - estou mesmo a ver com o meu desembaraço - como vos teria sido útil!...
A sério: - que maravilha deve ter sido essa experiência.
Sinto-me em festa com o seu regresso.
Beijinhos - tia zé
Será que alguma vez vos verei?


De Malaquias Beirão de Sousa a 24 de Agosto de 2009 às 16:57
Lindo o seu poema.
Os meus Parabens por este blog Fantastico.

Realmente é um prazer ler os seus artigos
ou a sua poesia.

Um beijinho

Malaquias Beirão de Sousa


De Maria José a 25 de Agosto de 2009 às 11:55
Malaquias Beirão de Sousa
Sabe que tenho sempre as maiores dúvidas sobre a qualidade da poesia que escrevo?
Sinto-me muito mais segura em relação à prosa.
Na poesia há como que uma nudez, um despudor que me constrange quando a olho e leio.
Um abraço grato
maria josé
.


Comentar post

.Maria José Rijo


. ver perfil

. seguir perfil

. 55 seguidores

.pesquisar

 

.Dezembro 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
13
14
15
16

17
18
19
20
21
22
23

24
25
26
27
28
29
30

31


.posts recentes

. Apresentação do Livro de ...

. O Natal e os Poetas - 201...

. São Mateus 2017

. Participação - Programas ...

. Programa de São Mateus 20...

. Carta aos meus queridos A...

. Aniversário do Linhas - 2...

. Viagem a Fátima

. Reportagem do Jornal Linh...

. Parabéns Avelino

.arquivos

.tags

. todas as tags

. Dia de Anos

. Então como é ?!

. Em nome de quem se cala.....

. Amarga Lucidez

. Com água no bico

. Elvas com alguma rima e ....

. 28 de Fevereiro...

. Obras do Cadete

. REGRESSO

. Feição de nobreza

.links

.Contador desde- 7-2-2007

Nova Contagem-17-4-2009 - @@@@@@@@@@@@@@@@ @@@@@@@@@@@@@@@

@@@@@@@@@@@@@@@ A Seguir-nos por aqui. Obrigado @@@@@@@@@@@@@@@@ free counters
Free counters @@@@@@

.Pensamentos de Mª José

@@@@@@@@@@@@@@@@@

@@@@ O caminho acaba ali... Ali onde começa a descoberta, O caminho é sempre estrada feita O fim do caminho É uma porta aberta... Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@ Quando o homem se render à força que o amor tem e a arma for oração pulsará na vida a paz como bate um coração. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Ser semente do futuro, é a mensagem de esperança, Que como um recado antigo, A vida nos dá a herança.- Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@ Eu penso, que é saudável e honesto reconhecer e respeitar as diferenças que nos individualizam no campo, também dosi deais.----- Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@ Há uma tal comunhão entre a obra e o autor Que até Deus concebe o Homem e o Homem - o Criador! Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ UMA IDEIA : É uma LUZ que se acende i nesperadamente no nossos espirito iluminando um caminho novo. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Sei para onde vou- pela ansia de galgar a distância- de onde estou- para o que não sou. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ A solidão é o que preenche o vazio de todas as ausências. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Quando na vida se perde, Um amigo ou um parente, P’ra que serve a Primavera? Se o frio está dentro da gente. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Mesmo sobre a saudade, a doçura do Natal, embala cada coração como uma música de esperança. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Em passadas de gigante nobre de traça e idade vem da nascente p'ras fontes dar de beber à cidade. -- Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Nas flores como nas pessoas, ás vezes a aparente fragilidade também pode esconder astúcias e artificiosos bluffes ”. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ A cada um seu direito, A cada terra seu uso, A cada boca um quinhão, A cada roca seu fuso, Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Seja cada dia um fruto- Cada fruto uma semente- Cada semente o produto- Dos passos dados em frente. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Coisas e loisas esparsas- Como a ferrugem – se pica- Como a lama dos caminhos- Se pisada… nos salpica. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Todos os dias amanhecem Crianças Pássaros Flores ! Sobre a noite das crianças Pássaros Flores que já não amanhecem Amanhecerá! Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Ao longe vejo Olivença Mais perto, Vila Real A meus pés o Guadiana Correndo manso – na crença De que tudo é Portugal Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Pátria sagrada de povo, Que emigrada- ganha pão, estás repartida- mas viva Se te bate o coração. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Portugal mais se define Onde a fronteira se traça Pode partir, mas não dobra Quem defende Pátria e Raça Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Bom seria se os recados do nosso coração chegassem ao ouvido de quem os motiva, porque então saberíamos como somos queridos e lembrados sem necessidade de telefones ou cartas. As comunicações seriam de coração para coração como a música de alma que se soltasse de um poema. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@

.ARTIGOS PUBLICADOS Em :

Jornal Linhas de Elvas - Desde 1950 @ @@@@@@@@@@@ Jornal da Beira - (Guarda) @@@@@@@@@@@ Jornal da Ilha Terceira (Açores) @@@@@@@@@@@ Jornal O Dia @@@@@@@@@@@ Jornal O Despertador @@@@@@@@@@@ Revista Norte Alentejo @@@@@@@@@@@

.LIVROS PUBLICADOS:

-E vim cantar- 1955@ -Paisagem- 1956@ -Rezas e Benzeduras- 2000@ @@@@@@@@@@@