Quinta-feira, 3 de Setembro de 2009

Ser ou Não Ser...

Á Lá Minute

Jornal Linhas de Elvas

Nº 1.958 – 16 de Setembro 1988

 “SER ou NÃO SER “

            

Ir ou ficar, dizer ou calar, fazer ou não fazer, lutar ou desistir e outras, ou todas as demais formas de afirmação, positivas ou negativas, são apenas, rodeios em torno da eterna questão de “SER ou NÃO SER”.

 Quando qualquer de nós, se põe a pensar nestas coisas, surpreende-se, ás vezes, em como é obvio reconhecer que todos temos direito, em qualquer circunstância, ao nosso próprio espaço de ser.

        

O espaço de ser, não é espaço físico, é íntimo e interior por isso se torna tão apaixonante descobrir ou considerar qual é o conceito ou o conhecimento que se tem da nossa própria individualidade. Delimitando exactamente o que se julga ser, ou a meta para que se tende, pode ter-se a perspectiva do caminho vedado ou permitido para lá chegar, como os rios à foz.

         

No rame-rame da vida rotineira, do dia a dia pachorrento, do tempo não pensado, cai-se, ás vezes, de cedência em cedência, na paz pobre da acomodação abúlica e o percurso do rio faz-se sem historia e sem grandeza.

Porém, às vezes, repentinamente, surge o espaço onde o rio se espraia, se faz logo e descansa, outras, vencendo a agressão do ambiente a corrente saltará os obstáculos que lhe barram o caminho e precisará ser açude para não deixar de ser rio até chegar ao mar que lhe está prometido.

        

Independentemente do percurso, contidas pela inquietação de “SER ou NÃO SER” como os rios pelas margens – pessoas e águas sempre, um dia, é fatal, chegarão à foz!

 

Maria José Rijo

 

estou: Ser ou não ser
música: Ser ou não ser - 1988

publicado por Maria José Rijo às 23:44
| comentar | Favorito
partilhar
5 comentários:
De Gustavo Frederich a 4 de Setembro de 2009 às 00:35
O solilóquio de Hamlet
(Ato III, Cena 1)


Ser ou não ser; essa é toda a questão:
Se mais nobre é em mente suportar
Dardos e flechas de ultrajante sina
Ou tomar armas contra um mar de angústias
E firme, dar-lhes fim. Morrer: dormir;
Não mais; dizer que um sono porá fim
À dor do coração e aos mil embates
De que é herdeira a carne!... é um desenlace
A aspirar com fervor. Morrer, dormir;
Dormir, talvez sonhar: eis o dilema,
Pois no sono da morte quaisquer sonhos
- Ao nos livrarmos deste caos mortal -
A paz nos devem dar. Esta é a razão
De a vida longa ser calamidade,
Pois quem do mundo os males sofreria:
A injustiça, a opressão, a vã injúria,
O amor magoado, as delongas da lei,
O abuso do poder e a humilhação
Que do indigno o valoroso sofre,
Quando ele próprio a paz encontraria
Em seu punhal? Quem fardo arrastaria,
Grunhindo, suarento, em triste vida,
Senão porque o pavor do após-a-morte
- Ignota região de cujas linhas
Não se volta - a vontade nos confunde
E nos faz preferir males que temos
A buscar outros que desconhecemos?
Assim nos faz covardes a consciência,
E o natural fulgor da decisão
Sucumbe à débil luz da reflexão;
E assim projetos de vigor e urgência
Em vista disto seus cursos desviam
E perdem o nome de ação. Oh, cala-te!
A bela Ofélia! - Ninfa, em tuas preces
Lembrados sejam todos meus pecados.*

---

Este seu Ser ou não Ser
fez-me lembrar Hamlet - que muito me diz.

Parabens minha tia por esta pequena Maravilha.
São sempre excelentes.
Beijinhos tia
Gus


Ah não lhe queria dizer mas também faz parte
da minha tristeza
envenenaram os meus gatos. Morreram os dois
na semana passada.
Realmente ... só desgostos...
Espero não perder agora o Antares...
Parece que a má sorte me rodeia.
Beijinhos tia

Gus


De Maria José a 9 de Setembro de 2009 às 13:23
Sabe querido do meu coração que por vezes me arripia a sua percepção do meu estado de espirito?
Dias 13- 14 - 15 - e Deu quiser estaremos em Fátima, minha Irmâ e eu.
Um sobrinho de meu Marido,e sua mulher, levam-nos em cada ano. Já temos as marcações no covento onde adoramos ficar.
è um ambiente de modésti, paz e oração. O "nosso" amigo Padre, fica na nossa mesa. Sabe que as religiosas abrem casas num dos cantos dos guardanapos dos sacerdotes para que os abotoem no botâo da camisa e não ponham nódoas na roupa?
Este espírito de proteção familiar - encanta-me.
Mais tarde falaremos sobre aquela arripiante frase das falas de Hamlet - "esta é a razão de a vida longa ser calamidade."
ESta "montra" inibe-me bastante.
Sejamos felizes com o que temos dizia minha Santa Mãe.
Aprendizagem difícil - sempre pensei...
beijinhos, muitos - tia Zé


De Aristeu a 4 de Setembro de 2009 às 00:45
MInha querida tia
O Gilinho já está nos estates e deixou beijinhos
com um pedido de desculpas por não poder
cumprir o que lhe prometera mas o Amor espera-o
lá...
O meu Pai está indignado com a desconsideração.
Tão indignado que passou mal e esteve
hospitalizado dois dias.
Agora já está de novo em casa.
Ele depois virá falar consigo mais tarde.
A Magnolia manda beijinhos no seu coração tão lindo.

e eu também minha querida tia.
Fique com Deus

Aristeu


De Xavier Martins a 4 de Setembro de 2009 às 21:34
Muito lindo este texto.
A Senhora realmente tem um expolido excelente,
fantástico.
Adoro a sua forma de escrever. É excelente
este seu blog, não me canso de dizer.
Sabe que o meu cardiologista me deu o
endereço do seu blog, contando que era excelente.
Depois até nos rimos quando eu lhe disse que
era o meu blog favorito e que em todos os dias
passo e fico por lá.

MAis uma vez o meu muito obrigado por ter este
blog. tão maravilhoso.
Cumprimentos

Xavier MArtins


De Dolores a 4 de Setembro de 2009 às 21:52
Minha tão querida tiazinha
Que texto interessante este seu aliás como a
grande maioria.
Minha querida tia já me sinto bem melhor acredita
que ontem fui a um baile aqui e dancei uma valsa
o que me deixou com tantas saudades dos tempos
daqueles bailes da saudade.
Que saudades daqueles tempos felizes e sem aqueles
problemas da minha filha.

Tia este fim de semana vou assar o meu ultimo
porquinho, é o aniversário da pequena e vamos
fazer-lhe uma festinha. Coisa pequena.
Ela está tão engraçada , adoraria poder levar-lha
para o seu colinho como a mãe dela tanto
queria ter feito.

Minha querida tia.
E a tia está bem? Sinto tanta preocupação
consigo.
E a sua mana a Tia Barbara, como está?
Se falar com ela diga-lhe que a Dolores lhe
manda beijinhos, está bem?
Desejo que a tia esteja bem de saude.
Gosto mesmo muito de si.
Da sua
Dolores


Comentar post

.Maria José Rijo

.pesquisar

 

.Junho 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9

11
12
13
14
15
16
17

18
19
20
21
23
24

25
26
27
28
29
30


.posts recentes

. Parabéns Luciano

. CONVITE

. Cá Estou ... - 2

. CORAL PÚBLIA HORTÊNSIA DE...

. CRIANÇA - 1990

. Parabéns

. A afilhada da Tia Zé

. Páscoa - 2017

. Homenagem a Maria José Ri...

. Cá Estou ... - 1

.arquivos

.tags

. todas as tags

. Dia de Anos

. Então como é ?!

. Em nome de quem se cala.....

. Amarga Lucidez

. Com água no bico

. Elvas com alguma rima e ....

. 28 de Fevereiro...

. Obras do Cadete

. REGRESSO

. Feição de nobreza

.links

.Contador desde- 7-2-2007

Nova Contagem-17-4-2009 - @@@@@@@@@@@@@@@@ @@@@@@@@@@@@@@@

@@@@@@@@@@@@@@@ A Seguir-nos por aqui. Obrigado @@@@@@@@@@@@@@@@ free counters
Free counters @@@@@@

.Pensamentos de Mª José

@@@@@@@@@@@@@@@@@

@@@@ O caminho acaba ali... Ali onde começa a descoberta, O caminho é sempre estrada feita O fim do caminho É uma porta aberta... Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@ Quando o homem se render à força que o amor tem e a arma for oração pulsará na vida a paz como bate um coração. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Ser semente do futuro, é a mensagem de esperança, Que como um recado antigo, A vida nos dá a herança.- Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@ Eu penso, que é saudável e honesto reconhecer e respeitar as diferenças que nos individualizam no campo, também dosi deais.----- Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@ Há uma tal comunhão entre a obra e o autor Que até Deus concebe o Homem e o Homem - o Criador! Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ UMA IDEIA : É uma LUZ que se acende i nesperadamente no nossos espirito iluminando um caminho novo. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Sei para onde vou- pela ansia de galgar a distância- de onde estou- para o que não sou. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ A solidão é o que preenche o vazio de todas as ausências. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Quando na vida se perde, Um amigo ou um parente, P’ra que serve a Primavera? Se o frio está dentro da gente. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Mesmo sobre a saudade, a doçura do Natal, embala cada coração como uma música de esperança. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Em passadas de gigante nobre de traça e idade vem da nascente p'ras fontes dar de beber à cidade. -- Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Nas flores como nas pessoas, ás vezes a aparente fragilidade também pode esconder astúcias e artificiosos bluffes ”. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ A cada um seu direito, A cada terra seu uso, A cada boca um quinhão, A cada roca seu fuso, Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Seja cada dia um fruto- Cada fruto uma semente- Cada semente o produto- Dos passos dados em frente. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Coisas e loisas esparsas- Como a ferrugem – se pica- Como a lama dos caminhos- Se pisada… nos salpica. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Todos os dias amanhecem Crianças Pássaros Flores ! Sobre a noite das crianças Pássaros Flores que já não amanhecem Amanhecerá! Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Ao longe vejo Olivença Mais perto, Vila Real A meus pés o Guadiana Correndo manso – na crença De que tudo é Portugal Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Pátria sagrada de povo, Que emigrada- ganha pão, estás repartida- mas viva Se te bate o coração. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Portugal mais se define Onde a fronteira se traça Pode partir, mas não dobra Quem defende Pátria e Raça Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Bom seria se os recados do nosso coração chegassem ao ouvido de quem os motiva, porque então saberíamos como somos queridos e lembrados sem necessidade de telefones ou cartas. As comunicações seriam de coração para coração como a música de alma que se soltasse de um poema. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@

.ARTIGOS PUBLICADOS Em :

Jornal Linhas de Elvas - Desde 1950 @ @@@@@@@@@@@ Jornal da Beira - (Guarda) @@@@@@@@@@@ Jornal da Ilha Terceira (Açores) @@@@@@@@@@@ Jornal O Dia @@@@@@@@@@@ Jornal O Despertador @@@@@@@@@@@ Revista Norte Alentejo @@@@@@@@@@@

.LIVROS PUBLICADOS:

-E vim cantar- 1955@ -Paisagem- 1956@ -Rezas e Benzeduras- 2000@ @@@@@@@@@@@