Domingo, 1 de Novembro de 2009

UTOPIA

A La Minute

Jornal Linhas de Elvas

Nº 1.766 – 28 de Dezembro de 1984

 UTOPIA

       

A beira das estradas, pelo menos aqui no Alentejo – é frequente encontrarem-se bonitas casinhas de cantoneiros a esboroarem-se ao abandono, como coisas sem sentido.

Todas as ruínas me confrangem!

E se as ruínas de outras civilizações suscitam interesse apaixonado, curiosidade, estudo e dão testemunho da vida e da história dos povos que se foram sucedendo até chegar ao nosso tempo e merecem admiração e respeito – as ruínas das “nossas” casas abandonadas também testemunham – mas, talvez – a nossa incapacidade, a nossa falta de imaginação.

     

Casinhas à beira da estrada, com quintalinhos anexos – com roseiras ainda em flor rente aos olhos fundos das janelas já sem caixilhos rente às bocas escancaradas dos umbrais já sem portas…

        

- Terá mesmo que ser assim?

- Tera, só porque estão no rés da entrada?

- E… quando as estradas entram pelos povoados? – Não passam ao rés das casas?

E… as ruas onde são? – Senão entre filas de casas?

Porque não foram essas casinhas modestas, mas acolhedoras, aproveitadas?

Transformadas em abrigos de estradas?

Talvez para caçadores! – Talvez para escuteiros!

A Junta Autónoma poderia ter facultado as chaves mediante aluguer – a quem as solicitasse…

Uma chaminé – um lume de chão – uns toscos bancos – que mais faz falta para reunir escuteiros? – Caçadores? – Quem quer que desejasse um fim-de-semana diferente numa “quinta” de faz-de-conta”, longe de tudo e perto da estrada que nos leva ao destino desejado!

Utopia! – Talvez!

        

Mas, se nas ruínas as rosas persistem em florir e os gerânios ainda ousam mostrar a sua cor – eu preservo para mim este jeito de acreditar nas pessoas e nos sonhos possíveis.

 

Maria José Rijo

 

 

estou: UTOPIA - 1984
música: UTOPIA

publicado por Maria José Rijo às 21:18
| comentar | Favorito
partilhar
4 comentários:
De Xavier Martins a 1 de Novembro de 2009 às 21:30
Mais um - Menos um...
Assim diz a minha mulher sempre que novo texto
aparece on Line.

Cara amiga
Obg pelos seus comentarios, são eles que fazem
a nossa convivencia, pequenas conversas on-line.
É fabulosa a sua colecção de artigos.
Tem um expolio fantastico , tão bom que acho
que deveria estar aberto a publico - para todos
poderem apreciar .
Os meus muitos Parabens
Longa vida

Xavier Martins


De Aristeu a 2 de Novembro de 2009 às 20:59
Minha querida Tia
Venho agradecer as suas queridas palavras mas
o nosso Gilinho ainda não apareceu.
Estamos bem nervosos embora os policiais o
pocurem, mas até agora nada, o que muito
lamento.
Quem sabe amanhã...
Muitos beijinhos minha tia

Aristeu


De Adelaide Matias a 2 de Novembro de 2009 às 21:01
É LINDO
o seu blog.
Adoro tudo o que escreve e publica aqui.
Os meus Parabens

Adelaide Matias


De Maria José a 5 de Novembro de 2009 às 21:24
Minha querida Amiga
A sua presença traz sempre , como se fora uma flor ou um sorriso, um sinal da sua simpatia
Bem haja!
Um beijo grato
maria José


Comentar post

.Maria José Rijo

.pesquisar

 

.Abril 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

17
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30


.posts recentes

. A afilhada da Tia Zé

. Páscoa - 2017

. Homenagem a Maria José Ri...

. Cá Estou ... - 1

. OLÁ Dolores

. 2007 - 2017 = 10 º Aniver...

. ENCONTROS DE CIRCUNSTÂNCI...

. Recado para os Sobrinhos ...

. Saudades

. A Feira de São Mateus 201...

.arquivos

.tags

. todas as tags

. Dia de Anos

. Então como é ?!

. Em nome de quem se cala.....

. Amarga Lucidez

. Com água no bico

. Elvas com alguma rima e ....

. 28 de Fevereiro...

. Obras do Cadete

. REGRESSO

. Feição de nobreza

.links

.Contador desde- 7-2-2007

Nova Contagem-17-4-2009 - @@@@@@@@@@@@@@@@ @@@@@@@@@@@@@@@

@@@@@@@@@@@@@@@ A Seguir-nos por aqui. Obrigado @@@@@@@@@@@@@@@@ free counters
Free counters @@@@@@

.Pensamentos de Mª José

@@@@@@@@@@@@@@@@@

@@@@ O caminho acaba ali... Ali onde começa a descoberta, O caminho é sempre estrada feita O fim do caminho É uma porta aberta... Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@ Quando o homem se render à força que o amor tem e a arma for oração pulsará na vida a paz como bate um coração. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Ser semente do futuro, é a mensagem de esperança, Que como um recado antigo, A vida nos dá a herança.- Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@ Eu penso, que é saudável e honesto reconhecer e respeitar as diferenças que nos individualizam no campo, também dosi deais.----- Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@ Há uma tal comunhão entre a obra e o autor Que até Deus concebe o Homem e o Homem - o Criador! Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ UMA IDEIA : É uma LUZ que se acende i nesperadamente no nossos espirito iluminando um caminho novo. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Sei para onde vou- pela ansia de galgar a distância- de onde estou- para o que não sou. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ A solidão é o que preenche o vazio de todas as ausências. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Quando na vida se perde, Um amigo ou um parente, P’ra que serve a Primavera? Se o frio está dentro da gente. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Mesmo sobre a saudade, a doçura do Natal, embala cada coração como uma música de esperança. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Em passadas de gigante nobre de traça e idade vem da nascente p'ras fontes dar de beber à cidade. -- Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Nas flores como nas pessoas, ás vezes a aparente fragilidade também pode esconder astúcias e artificiosos bluffes ”. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ A cada um seu direito, A cada terra seu uso, A cada boca um quinhão, A cada roca seu fuso, Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Seja cada dia um fruto- Cada fruto uma semente- Cada semente o produto- Dos passos dados em frente. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Coisas e loisas esparsas- Como a ferrugem – se pica- Como a lama dos caminhos- Se pisada… nos salpica. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Todos os dias amanhecem Crianças Pássaros Flores ! Sobre a noite das crianças Pássaros Flores que já não amanhecem Amanhecerá! Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Ao longe vejo Olivença Mais perto, Vila Real A meus pés o Guadiana Correndo manso – na crença De que tudo é Portugal Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Pátria sagrada de povo, Que emigrada- ganha pão, estás repartida- mas viva Se te bate o coração. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Portugal mais se define Onde a fronteira se traça Pode partir, mas não dobra Quem defende Pátria e Raça Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Bom seria se os recados do nosso coração chegassem ao ouvido de quem os motiva, porque então saberíamos como somos queridos e lembrados sem necessidade de telefones ou cartas. As comunicações seriam de coração para coração como a música de alma que se soltasse de um poema. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@

.ARTIGOS PUBLICADOS Em :

Jornal Linhas de Elvas - Desde 1950 @ @@@@@@@@@@@ Jornal da Beira - (Guarda) @@@@@@@@@@@ Jornal da Ilha Terceira (Açores) @@@@@@@@@@@ Jornal O Dia @@@@@@@@@@@ Jornal O Despertador @@@@@@@@@@@ Revista Norte Alentejo @@@@@@@@@@@

.LIVROS PUBLICADOS:

-E vim cantar- 1955@ -Paisagem- 1956@ -Rezas e Benzeduras- 2000@ @@@@@@@@@@@