Sexta-feira, 6 de Novembro de 2009

Pontuação

Á Lá Minute

Jornal Linhas de Elvas

Nº 2.037 – 6 Abril de 1990

Pontuação

 

Quando era garota e frequentava a instrução primária, era costume exemplificar a importância da pontuação com uma frase que julgo, era usada em todas as escolas nesses velhos tempos.

        

“Um caçador tinha um cão e a mãe do caçador era também a mãe do cão”

Lia-se tudo isto duma assentada e depois com a pontuação nos sítios certos. Aprendíamos assim a conhecer que bastava esse “pequeno truque” para não ser possível pensar que a mãe do caçador era a mãe do cão – mas que o caçador era dono de um cão e da cadela-mãe desse dito cão.

      

Divertida com a confusão a criançada gravava a chamada de atenção que lhe era feita para assunto tão importante, na linguagem escrita e falada – a pontuação.

Ora acontece que já ando longe da escola há mais de meio século e que, portanto, não sei se agora essas histórias ainda valem, se não há outras, ou, simplesmente não há nenhumas para servir tal efeito.

O que sei é que é muito frequente os locutores das rádios, no meio de um noticiário, chamarem outro pelo nome e deixarem as coisas tão baralhadas como a história do caçador.

        

Numa destas manhãs de passado recente – prestava eu atenção ao noticiário (que uma senhora lia) quando ouvi mais ou menos isto:

“Em Coimbra foi inaugurado um novo sector da universidade Pedro Mesquita”.

Na pausa, que se seguiu, fiquei a cogitar quem seria o Pedro Mesquita, que dera o nome à universidade, quando ouvi uma voz de homem retomar a leitura dos acontecimentos e, divertida, reconheci que se tratava simplesmente do locutor que tinha a seu cuidado comparticipar na locução.

Lembrei-me então de muitas vezes em que isto já acontecera e achei engraçado trazer aqui esta observação.

               

Alguns comentários se podem tecer sobre este assunto – mais ou menos razoáveis – a meu é este:

O facto de os profissionais estarem à vontade uns com os outros, não deve permitir que os noticiários se processem como conversas de família entre eles.

          

Os ouvintes estão do outro lado e não estão interessados nas “palmadinhas nas costas que se trocam inter-pares” – mas sim, nas noticias que deverão ser transmitidas com clareza – isenção e distanciamento do “tu cá, tu lá”, no dia a dia entre parceiros do mesmo ofício.

 

Maria José Rijo

 

 

estou: Pontuação - 1990
música: Pontuação

publicado por Maria José Rijo às 18:42
| comentar | Favorito
partilhar
15 comentários:
De Adalgisa Alexandra a 6 de Novembro de 2009 às 19:50
Muito boa noite
minha tia
Já tinha muitas saudades de andar por aqui, mas
acontece que estive internada, parti o pulso e tive
de ser operada.
Uma chatice grande.
Agora cá estou... vamos andando.
E a tia como está? Já se sente melhorzita?
Espero e desejo que sim, fico muito feliz por si.
A tia merece todo o carinho do mundo.
Muitos beijinhos

E parabens por mais esta texto tão interessante.
Beijinhos

Gisa


De António Piedade a 6 de Novembro de 2009 às 19:53
Gosto!
Aliás eu até gosto sempre dos seus artigos de
opinião, porque estão sempre actualizados, seja
lá qual for o ano en que foi publicado.
Estão sempre actuais e nem todos os escritores
têm esse dom.
Os meus mais sinceros Parabens.
Com enorme admiração

António Piedade


De Maria José a 16 de Novembro de 2009 às 21:29
António Piedade
Penso que só este profundo sentimento de gratidão pela atenção que os meus amigos me dispensam me faz quebrar a inércia e vir á net, como agora, para vos dizer de todo o coração - obrigada
Um abraço
maria josé


De Gustavo Frederich a 6 de Novembro de 2009 às 22:00
Queridissima tia
Mais um artigo especial, aliás todos e cada um dos
seus textos são especiais porque são unicos e
porque, mesmo com o passar dos anos, se
manteem actuais. Esta situação acontece, ainda
hoje nas radios e também na televisão.

Gosto muito de si.
Beijinhos
Gus


De Armando Franco a 6 de Novembro de 2009 às 23:13
Parabens
Por mais este belo texto.
Todo o seu blog é de uma beleza sem igual.
Adoro os seus artigos e tudo o que publica aqui.
A senhora tem mesmo o Dom da escrita.

Cumprimenta-a
Armando Franco


De Maria José a 17 de Novembro de 2009 às 19:59
Armando Franco
Obrigada pela sua opinião tão simpática que me deixou lisongeada.
Na verdade a ideia e a feitura deste blog - que me não prtencem - mas sim à minha sobrinha Paula - tem-me enriquecido com o vosso convívio e alegrado um pouco a minha vida.
Obrigada
maria José


De Luis carlos Presti a 6 de Novembro de 2009 às 23:15
Tia
Vim saber de si e se está bem?
Quero-a bem e feliz.
As Tias são, a seguir, as mães as pessoas mais
queridas -para os sobrinhos.
Muitos beijinhos
no seu coração

Luis Carlos Presti


De maria José a 17 de Novembro de 2009 às 20:11
Luis Carlos

Sabe que sempre ouvi dizer que as tias verdadeiras são as que não têm filhos?
Tem uma certa lógica. Estando os filhos em posição priveligiada no coração das Mães - cabe às tias encher o coração com o amor dos sobrinhos.
Assim sendo - depreende-se que os meus sobrinhos são a minha riqueza.
Obrigada pelo seu cuidado com a minha saude.
Cá vamos andando e desandando, como diz o povo, porque o caminho é já a descer. No entanto a paisagem é igual há que reconhecer e agradecer a Deus o dom da Vida.
Um abraço grande - tia zé


De Dolores e Avelino a 6 de Novembro de 2009 às 23:22
Olá
Boa noite nossa tia
Cá estamos os três para saber de si, se está
melhor e se sente bem com o seu amigo.
Eu já estou habituada ao meu, embora me prenda
um pouco um que outro movimento, mas então,
algo se tem que pagar por usar o presente.
Não gosto muito de ter de me afastar do micro ondas,
do telefone e passar em passos largos nos
supermercados, mas se tem de ser, tem de ser...
Fora isso tudo ok...
Mas preferia não ter...

Gostamos do seu artigo. Sempre primorosamente
bem escritos.
A Tia é mesmo uma querida.
É a nossa escritora e poetisa preferida, acredite
porque é a verdade.

Muitos beijinhos e bom fim de semana
Dolores


De Dolores e Avelino a 6 de Novembro de 2009 às 23:24
...
e beijinhos também do Avelino e da Magé...
que a Dolores se esqueceu de aqui escrever.
Avelino
Magé...


De Maria José a 16 de Novembro de 2009 às 21:38
Meus queridos
os vossos silêncios - preocupam-me sempre
Espero não ter razão para isso.
Peço a Deus que não.
Como calculam ainda anda a "aprender" a viver com este embrulhinho que me puseram debaixo do braço e me enerva um bocadinho...
Daí a irregularidade com que faço tudo,no entanto não me esqueci do dia oito e de tantas coisas mais de que ás vezes é melhor nem falar
Beijinhos para os tres da tia muito amiga
maria josé


De Aristeu a 7 de Novembro de 2009 às 14:21
Minha tão querida Tia
Queria vir trazer-lhe noticias boas e até muito boas
mas a meu filho está na mesma, ali está deitado a
dormir, ferido porque lhe bateram, tem um golpe no
rosto, um dente partido... eu sei lá que mais... mas
o médico continua a dizer que vai acordar.
Espero em Deus que tenha razão e que seja para
breve.

Lá em casa - como sabe - apareceu o Julião que
veio acompanhado com a nova/antiga namorada.
Pois bem, foi o coração enorme do Sr. meu Pai
que os convidou a regressar ao Brasil, já que queriam
casar-se por cá. Assim lá estão em passeios, visitas
guiadas e nem sei mais o quê.
A Florzinha como ele lhe chama sabe uma grande
maioria dos sonetos da Florbela de cor, pelo que
fazem seroadas onde ela declama os sonetos.
Nem sei minha tia, mas se não fosse tudo tão
tragico - poderia rir-me um bocado. mas...

E a tia está melhorzinha? Como se encontra?
Recomendo-lhe que faça passeios a pé mas não se
deixe prender, as pernas precisam de andar. O meu
Pai todos os dias faz uma caminhada, já se estava
a acomodar a cadeirinha e não pode ser.
Cuide-se minha tia querida.
Beijinhos

Aristeu


De Aristeu a 8 de Novembro de 2009 às 00:02
Tia querida
estou tão contente
Telefonaram da clinica - O Gilinho acordou ...
ou já para lá mas não queria ir sem lhe deixar
aqui esta alegria.
Amanhã quando acordar e vier aqui - tem esta
alegria.
Muitos beijinhos e obrigado pelas suas oraçoes.
Como vê, vale sempre a pena.
Bom Domingo.
Beijinhos
Aristeu


De Maria José a 8 de Novembro de 2009 às 19:08
Queridos

Tive um dia algo maçador porque caíram as prateleiras dum armário onde guardo trabalhos meus.
Felizmente só uma peça se partiu, assim passaram as horas sem me darem espaço a vir aqui falar um pouco. Porém a notícia sobre o despertar do Gilinho,que até pôs a minha mana a chorar de alegria, tinha que ter também o sinal do alívio do meu coração aflito.
Beijinhos grandes para ele e um grande abraço para todos- maria josé


De Xavier Martins a 7 de Novembro de 2009 às 22:14
Magnifico artigo.
Como sempre encontramos aqui a cada dia.
Está um blog perfeito, interessante e repleto de
artigos e poesias fantasticas.
Acredita que em conversa com o meu médico, em
Lisboa, chegamos a mesma conclusão, que ambos
lemos o seu blog.
Então fiquei a saber que também ele copia os artigos
de que mais gosta e guarda tudo numa pasta, onde
lê sempre que lhe dá vontade.
Fiquei encantado.
Vim contar-lhe porque gostei da coincidencia.
Um abraço e muitos Parabens

Xavier Martins


Comentar post

.Maria José Rijo

.pesquisar

 

.Junho 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9

11
12
13
14
15
16
17

18
19
20
21
23
24

25
26
27
28
29
30


.posts recentes

. Parabéns Luciano

. CONVITE

. Cá Estou ... - 2

. CORAL PÚBLIA HORTÊNSIA DE...

. CRIANÇA - 1990

. Parabéns

. A afilhada da Tia Zé

. Páscoa - 2017

. Homenagem a Maria José Ri...

. Cá Estou ... - 1

.arquivos

.tags

. todas as tags

. Dia de Anos

. Então como é ?!

. Em nome de quem se cala.....

. Amarga Lucidez

. Com água no bico

. Elvas com alguma rima e ....

. 28 de Fevereiro...

. Obras do Cadete

. REGRESSO

. Feição de nobreza

.links

.Contador desde- 7-2-2007

Nova Contagem-17-4-2009 - @@@@@@@@@@@@@@@@ @@@@@@@@@@@@@@@

@@@@@@@@@@@@@@@ A Seguir-nos por aqui. Obrigado @@@@@@@@@@@@@@@@ free counters
Free counters @@@@@@

.Pensamentos de Mª José

@@@@@@@@@@@@@@@@@

@@@@ O caminho acaba ali... Ali onde começa a descoberta, O caminho é sempre estrada feita O fim do caminho É uma porta aberta... Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@ Quando o homem se render à força que o amor tem e a arma for oração pulsará na vida a paz como bate um coração. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Ser semente do futuro, é a mensagem de esperança, Que como um recado antigo, A vida nos dá a herança.- Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@ Eu penso, que é saudável e honesto reconhecer e respeitar as diferenças que nos individualizam no campo, também dosi deais.----- Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@ Há uma tal comunhão entre a obra e o autor Que até Deus concebe o Homem e o Homem - o Criador! Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ UMA IDEIA : É uma LUZ que se acende i nesperadamente no nossos espirito iluminando um caminho novo. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Sei para onde vou- pela ansia de galgar a distância- de onde estou- para o que não sou. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ A solidão é o que preenche o vazio de todas as ausências. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Quando na vida se perde, Um amigo ou um parente, P’ra que serve a Primavera? Se o frio está dentro da gente. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Mesmo sobre a saudade, a doçura do Natal, embala cada coração como uma música de esperança. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Em passadas de gigante nobre de traça e idade vem da nascente p'ras fontes dar de beber à cidade. -- Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Nas flores como nas pessoas, ás vezes a aparente fragilidade também pode esconder astúcias e artificiosos bluffes ”. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ A cada um seu direito, A cada terra seu uso, A cada boca um quinhão, A cada roca seu fuso, Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Seja cada dia um fruto- Cada fruto uma semente- Cada semente o produto- Dos passos dados em frente. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Coisas e loisas esparsas- Como a ferrugem – se pica- Como a lama dos caminhos- Se pisada… nos salpica. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Todos os dias amanhecem Crianças Pássaros Flores ! Sobre a noite das crianças Pássaros Flores que já não amanhecem Amanhecerá! Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Ao longe vejo Olivença Mais perto, Vila Real A meus pés o Guadiana Correndo manso – na crença De que tudo é Portugal Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Pátria sagrada de povo, Que emigrada- ganha pão, estás repartida- mas viva Se te bate o coração. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Portugal mais se define Onde a fronteira se traça Pode partir, mas não dobra Quem defende Pátria e Raça Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Bom seria se os recados do nosso coração chegassem ao ouvido de quem os motiva, porque então saberíamos como somos queridos e lembrados sem necessidade de telefones ou cartas. As comunicações seriam de coração para coração como a música de alma que se soltasse de um poema. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@

.ARTIGOS PUBLICADOS Em :

Jornal Linhas de Elvas - Desde 1950 @ @@@@@@@@@@@ Jornal da Beira - (Guarda) @@@@@@@@@@@ Jornal da Ilha Terceira (Açores) @@@@@@@@@@@ Jornal O Dia @@@@@@@@@@@ Jornal O Despertador @@@@@@@@@@@ Revista Norte Alentejo @@@@@@@@@@@

.LIVROS PUBLICADOS:

-E vim cantar- 1955@ -Paisagem- 1956@ -Rezas e Benzeduras- 2000@ @@@@@@@@@@@