Sábado, 28 de Novembro de 2009

Não sei…

Á Lá Minute

Jornal Linhas de Elvas

Nº 1.934 – 1 de Abril de 1988

Não sei…

 

Num dos recentes serviços de noticiários sobre as hediondas guerras em que por ódios e ambições se sacrificam os povos – viram-se imagens impossíveis de esquecer ou classificar – neste Mundo que não mais perderá das consciências as marcas de Auschwitz.

         

Começo a pensar que terão que ser inventadas palavras novas para dar nome às atrocidades requintadas que o homem usa contra o Homem, nesta era em que já nem sequer a ignorância de que a guerra e a violência não podem servir de desculpa como soluça razoável – seja para o que for – porque – prova-o a História, nunca o foram.

              

Ver estendidas nas ruas lado a lado com os corpos de homens e mulheres, meninos indefesos.

          

Ver, emoldurado numa touquinha, um rostozito de criança que tinha o corpinho ainda fechado no abraço de sua mãe, que a carregava ao colo, e que mortas ambas permaneciam ainda unidas frente à fria objectiva que no-las trouxe a casa na hora do almoço … é qualquer coisa de confrangedor e terrorífico como confronto com a violência do direito de viver.

       

Talvez que indagados um por um qualquer individuo se confesse incapaz de cometer violências, quanto mais de matar. No entanto as coisas são como se sabe que são.

São como não se deveria admitir que pudessem ser e são obra humana.

       

As velhas e cruéis imagens de guerra parece que já todos nos acomodamos.

         

Começo a pensar que teremos também que admitir este dado novo para a nossa consciência de gente: - a guerra sem clima de guerra “clássico”, talvez cheirando a flores ou a frutos – cheirando a promessas de vida e dissimulando cinicamente a morte.

        

Quem sabe se tornando comuns e correntes as praticas dos campos de concentração nazis!

         

Decididamente são urgentes as palavras novas e diferentes para classificar as escalada do ódio nestes nossos tempos. As palavras antigas, como os factos antigos, foram ultrapassadas. Para se falar de sexo diz-se – amor – como se uma coisa significasse forçosamente a outra – talvez que para falar de Paz se não fale mais de Amor e sim de Morte.

Não sei.

 

Maria José Rijo

 

estou: Não sei…- 1988
música: Não sei…

publicado por Maria José Rijo às 21:18
| comentar | Favorito
partilhar
17 comentários:
De António Piedade a 28 de Novembro de 2009 às 21:45
Concordo com o comentario anterior.
Aqui neste blog a actualidade e a Lucidez
estão sempre em primeira linha.
É mesmo Fantastico - como diz o meu neto - é um
blog de categoria e com um portugues genuino.

Os meus Parabens D. Maria José
É um prazer e um privilegio por ler os seus artigos
de opinião.

António Piedade


De Maria José a 29 de Novembro de 2009 às 17:39
António Piedade - o comentário anterior também lhe pode ser dedicado a si. Acrescento apenas que com a força que me dão tão generosamente, qualquer dia voltarei a escrever- acredito!
Um abraço grato e amigo
maria José


Comentar post

.Maria José Rijo


. ver perfil

. seguir perfil

. 55 seguidores

.pesquisar

 

.Janeiro 2018

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
12
13

14
15
16
17
18
19
20

21
22
23
24
25
26
27

28
29
30
31


.posts recentes

. Dia de Saudades

. Ano Novo 2018

. Saudação

. Apresentação do Livro de ...

. O Natal e os Poetas - 201...

. São Mateus 2017

. Participação - Programas ...

. Programa de São Mateus 20...

. Carta aos meus queridos A...

. Aniversário do Linhas - 2...

.arquivos

.tags

. todas as tags

. Dia de Anos

. Então como é ?!

. Em nome de quem se cala.....

. Amarga Lucidez

. Com água no bico

. Elvas com alguma rima e ....

. 28 de Fevereiro...

. Obras do Cadete

. REGRESSO

. Feição de nobreza

.links

.Contador desde- 7-2-2007

Nova Contagem-17-4-2009 - @@@@@@@@@@@@@@@@ @@@@@@@@@@@@@@@

@@@@@@@@@@@@@@@ A Seguir-nos por aqui. Obrigado @@@@@@@@@@@@@@@@ free counters
Free counters @@@@@@

.Pensamentos de Mª José

@@@@@@@@@@@@@@@@@

@@@@ O caminho acaba ali... Ali onde começa a descoberta, O caminho é sempre estrada feita O fim do caminho É uma porta aberta... Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@ Quando o homem se render à força que o amor tem e a arma for oração pulsará na vida a paz como bate um coração. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Ser semente do futuro, é a mensagem de esperança, Que como um recado antigo, A vida nos dá a herança.- Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@ Eu penso, que é saudável e honesto reconhecer e respeitar as diferenças que nos individualizam no campo, também dosi deais.----- Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@ Há uma tal comunhão entre a obra e o autor Que até Deus concebe o Homem e o Homem - o Criador! Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ UMA IDEIA : É uma LUZ que se acende i nesperadamente no nossos espirito iluminando um caminho novo. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Sei para onde vou- pela ansia de galgar a distância- de onde estou- para o que não sou. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ A solidão é o que preenche o vazio de todas as ausências. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Quando na vida se perde, Um amigo ou um parente, P’ra que serve a Primavera? Se o frio está dentro da gente. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Mesmo sobre a saudade, a doçura do Natal, embala cada coração como uma música de esperança. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Em passadas de gigante nobre de traça e idade vem da nascente p'ras fontes dar de beber à cidade. -- Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Nas flores como nas pessoas, ás vezes a aparente fragilidade também pode esconder astúcias e artificiosos bluffes ”. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ A cada um seu direito, A cada terra seu uso, A cada boca um quinhão, A cada roca seu fuso, Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Seja cada dia um fruto- Cada fruto uma semente- Cada semente o produto- Dos passos dados em frente. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Coisas e loisas esparsas- Como a ferrugem – se pica- Como a lama dos caminhos- Se pisada… nos salpica. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Todos os dias amanhecem Crianças Pássaros Flores ! Sobre a noite das crianças Pássaros Flores que já não amanhecem Amanhecerá! Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Ao longe vejo Olivença Mais perto, Vila Real A meus pés o Guadiana Correndo manso – na crença De que tudo é Portugal Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Pátria sagrada de povo, Que emigrada- ganha pão, estás repartida- mas viva Se te bate o coração. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Portugal mais se define Onde a fronteira se traça Pode partir, mas não dobra Quem defende Pátria e Raça Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Bom seria se os recados do nosso coração chegassem ao ouvido de quem os motiva, porque então saberíamos como somos queridos e lembrados sem necessidade de telefones ou cartas. As comunicações seriam de coração para coração como a música de alma que se soltasse de um poema. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@

.ARTIGOS PUBLICADOS Em :

Jornal Linhas de Elvas - Desde 1950 @ @@@@@@@@@@@ Jornal da Beira - (Guarda) @@@@@@@@@@@ Jornal da Ilha Terceira (Açores) @@@@@@@@@@@ Jornal O Dia @@@@@@@@@@@ Jornal O Despertador @@@@@@@@@@@ Revista Norte Alentejo @@@@@@@@@@@

.LIVROS PUBLICADOS:

-E vim cantar- 1955@ -Paisagem- 1956@ -Rezas e Benzeduras- 2000@ @@@@@@@@@@@