Segunda-feira, 30 de Novembro de 2009

O Mondeguinho

Á Lá Minute

Jornal Linhas de Elvas

Nº 1811 – 15 Novembro de 1985

O Mondeguinho

        

Por certo nem só a mim acontece, estar ás vezes, desprevenidamente, frente ao televisor, pronta para entreter de forma ligeira um bocado de serão, e nele, surgirem imagens que nos atingem como assaltos à mão armada.

     

Foi assim, agora, com esta série que relembra como a televisão, ao contar com imagens – em directo, por vezes – alterou o impacto da narração falada ou escrita, e põe como participantes na vivencia de guerras, crimes, fomes e misérias, na terrível posição de poder julgar – tudo e todos – fora do “clima” em que as situações foram vividas e “resolvidas” de formas tão cruéis que – ainda a olha-las – da sua veracidade se duvida.

        

Tenho a certeza de que ninguém volta a ser como era, depois de saber possíveis, atrocidades tais. Como tenho a certeza de que ninguém esquecerá tais coisas, se as viu.

     

Parte-se sempre de onde se está. Tudo quanto se vê ou sente, se soma ao que já se viu ou sentiu.

          

Estou a pensar numa pequena lápide incrustada na rocha, à beira de um rio nascente na Serra da Estrela.

    

Recordo que a primeira vez que a li, tive uma comoção, como se tem ao ver alguém que se julga perdido ou morto, e de repente – como uma aparição – nos surge vivo e são.

          

 Uma daquelas alegrias inesperadas, que nos entontecem e põem a rir e chorar ao mesmo tempo – porque nos inundam de paz e nos renovam a fé na vida.

          

Lá no alto, na Serra da Estrela – à beira duma pequena fonte de onde jorra água muito fria e transparente – alguém gravou:

                   

“Mondeguinho – nascente do Rio Mondego”

Só isto!

Só isto e basta para pensar e sentir, que são os mesmos homens que matam e odeiam – que se enternecem à vista de um veiozinho de água, que brota da terra, e o minam desta maneira!

          

O Mondego, é sabido – é o nosso maior rio nascido em Portugal – mas lá na Estrela, ao vê-lo pequenino, foi olhado com a alma de joelhos, como se olha um presépio, e como se lhe pegasse ao colo, porque o via nascer – carinhosamente o Homem baptizou-o: - Mondeguinho!

         

Olho estes programas que a televisão nos mostra as vezes – numa angústia que me dá até sofrimento físico – mas sei que a água é pura na nascente, e só se suja no caminho – e acho licito conservar a minha esperança.

 

Maria José Rijo

 

estou: o Mondeguinho - 1985
música: O Mondeguinho

publicado por Maria José Rijo às 23:01
| comentar | Favorito
partilhar
7 comentários:
De António Piedade a 30 de Novembro de 2009 às 23:12
Lindo.
Realmente a Senhora tem sempre um tema
especial para nos mostrar.
O Mondeguinho também conheço e a água é
realmente muito fria e transparente.
Os meus Parabens
e que tenha um bom Feriado

António Piedade


De Maria José a 9 de Dezembro de 2009 às 22:13
António Piedade
Quando li o seu comentário lembrei-me duns versos - já nem sei de que autor - onde se expressava o sonho de " subir a todos os montes - beber em todas as fontes"
Quem não o desejaria?
Nesta, alguns de nós tivemos a felicidade de beber.
Um abraço
maria josé


De Aristeu a 30 de Novembro de 2009 às 23:19
Especial tia

Também fui ao Mondeguinho quando era criança,
na companhia dos meus pais.
Temos algumas fotos dessa época.
A minha Mãe adorava fotografia e então tinha
uma belissima maquina.
O meu Pai diz que se esqueceu de a oferecer ao
João Carpinteiro - lá para o Museu dele.
Quem sabe um dia.

Querida tia obrigado pelas boas recordações
que me trouxe com este seu lindo texto.
Gosto mesmo muito de si.

Aristeu


De Dolores a 30 de Novembro de 2009 às 23:27
Concordo com o Aristeu
Porque aqui nós também nos trouxe muitas
recordações.
Certa vez fizemos um pique-nique junto da fonte,
e foi muito feliz. A minha menina adorava passeios
como este. E claro, terminamos na Serra da Estrela.

Também lhe queri agradecer estas recordações
tia querida.
É sempre tão bom ler os seus lindos artigos.

Tia o Avelino lá anda de volta das orquideas agora
estão quase a florir umas novas orquideas que ele
cripu, cruzou - eu sei lá... mas estou ansiosa por
ver o que vai de lá sair.
Tem uma musiquinha classica, uma luz especial e
lá está a espera que abram. Nem sei se se vem
deitar ou se fica por lá.
Valha-me Deus.
A Magé está muito bonita, parecida com a mãe.
De saude está melhorzinha e já diz mãe - chama
mãe a toda a gente.

Tia muitos beijinhos e bom feriado
Dos sobrinhos
Dolores e Avelino e Magé


De Cilene a 30 de Novembro de 2009 às 23:39
Olá minha Tiazinha
E como está a tia? espero que bem. Eu cá vou
andando na minha vidinha.
Tudo está a correr mais ou menos, e a tia?
Sente-se melhor com o seu marcapassos?
Espero e desejo que assim seja.
Lindo o seu textinho. Gosto sempre muito do
que a tia escreve. Beleza.
A minha tia escritora - e eu gosto disso, viu.
Muitos beijinhos tia
Fique com Deus
Beijinhos no seu coração

Cilene


De Maria José a 9 de Dezembro de 2009 às 22:25
Querida Cilene
Não pensou por certo que me esqueci de si!
Sabe que tudo quando faço dizia minha Mãe com graça, é por empreitadas.
Começo a costurar e parece uma doença - não penso noutra coisa.
Se me dá para pintar é outro desatino.
Assim, também, para usar o computador é outra onda.calhou hoje, já não suportar mais o desconforto de não vir falar convosco e aqui estou falando um pouco com cada um de vós.
Obrigada pelas suas notícias e, quando puder diga-nos , por favor ,a data de nascimento da sua Maria
Beijinhos -tia Zé


De Gustavo Frederich a 30 de Novembro de 2009 às 23:48
Tia
o seu comentario para mim foi especial.
Também gostaria poder estar a seu lado, ouvindo-a
falar e não aqui a imaginar o que gostaria de ser.
Quem sabe, se ainda será possivel, quem sabe eu
vá ainda a Portugal, quem sabe...
Gosto muito de si porque a tia é um ser diferente
da grande maioria das pessoas, tem uma alma
imensa e uma percepção real da vida, e do que é
a vida, dos sofrimentos e das alegrias, da vida.
É especial e já o nosso amigo padre dizia o mesmo.
A sua poesia revela grande profundidade e
conhecimento de si e do mundo e dos próprios
sentimentos.
Obrigado tia por existir na minha vida, mesmo
sendo assim por estes caminhos generosos da net.
Obrigado minha tia
Beijinhos
Gus


Comentar post

.Maria José Rijo

.pesquisar

 

.Agosto 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10
11
12

13
14
15
16
17
19

20
21
22
23
24
25
26

27
28
29
30
31


.posts recentes

. Parabéns Avelino

. Parabéns Luciano

. CONVITE

. Cá Estou ... - 2

. CORAL PÚBLIA HORTÊNSIA DE...

. CRIANÇA - 1990

. Parabéns

. A afilhada da Tia Zé

. Páscoa - 2017

. Homenagem a Maria José Ri...

.arquivos

.tags

. todas as tags

. Dia de Anos

. Então como é ?!

. Em nome de quem se cala.....

. Amarga Lucidez

. Com água no bico

. Elvas com alguma rima e ....

. 28 de Fevereiro...

. Obras do Cadete

. REGRESSO

. Feição de nobreza

.links

.Contador desde- 7-2-2007

Nova Contagem-17-4-2009 - @@@@@@@@@@@@@@@@ @@@@@@@@@@@@@@@

@@@@@@@@@@@@@@@ A Seguir-nos por aqui. Obrigado @@@@@@@@@@@@@@@@ free counters
Free counters @@@@@@

.Pensamentos de Mª José

@@@@@@@@@@@@@@@@@

@@@@ O caminho acaba ali... Ali onde começa a descoberta, O caminho é sempre estrada feita O fim do caminho É uma porta aberta... Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@ Quando o homem se render à força que o amor tem e a arma for oração pulsará na vida a paz como bate um coração. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Ser semente do futuro, é a mensagem de esperança, Que como um recado antigo, A vida nos dá a herança.- Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@ Eu penso, que é saudável e honesto reconhecer e respeitar as diferenças que nos individualizam no campo, também dosi deais.----- Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@ Há uma tal comunhão entre a obra e o autor Que até Deus concebe o Homem e o Homem - o Criador! Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ UMA IDEIA : É uma LUZ que se acende i nesperadamente no nossos espirito iluminando um caminho novo. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Sei para onde vou- pela ansia de galgar a distância- de onde estou- para o que não sou. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ A solidão é o que preenche o vazio de todas as ausências. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Quando na vida se perde, Um amigo ou um parente, P’ra que serve a Primavera? Se o frio está dentro da gente. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Mesmo sobre a saudade, a doçura do Natal, embala cada coração como uma música de esperança. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Em passadas de gigante nobre de traça e idade vem da nascente p'ras fontes dar de beber à cidade. -- Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Nas flores como nas pessoas, ás vezes a aparente fragilidade também pode esconder astúcias e artificiosos bluffes ”. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ A cada um seu direito, A cada terra seu uso, A cada boca um quinhão, A cada roca seu fuso, Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Seja cada dia um fruto- Cada fruto uma semente- Cada semente o produto- Dos passos dados em frente. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Coisas e loisas esparsas- Como a ferrugem – se pica- Como a lama dos caminhos- Se pisada… nos salpica. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Todos os dias amanhecem Crianças Pássaros Flores ! Sobre a noite das crianças Pássaros Flores que já não amanhecem Amanhecerá! Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Ao longe vejo Olivença Mais perto, Vila Real A meus pés o Guadiana Correndo manso – na crença De que tudo é Portugal Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Pátria sagrada de povo, Que emigrada- ganha pão, estás repartida- mas viva Se te bate o coração. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Portugal mais se define Onde a fronteira se traça Pode partir, mas não dobra Quem defende Pátria e Raça Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Bom seria se os recados do nosso coração chegassem ao ouvido de quem os motiva, porque então saberíamos como somos queridos e lembrados sem necessidade de telefones ou cartas. As comunicações seriam de coração para coração como a música de alma que se soltasse de um poema. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@

.ARTIGOS PUBLICADOS Em :

Jornal Linhas de Elvas - Desde 1950 @ @@@@@@@@@@@ Jornal da Beira - (Guarda) @@@@@@@@@@@ Jornal da Ilha Terceira (Açores) @@@@@@@@@@@ Jornal O Dia @@@@@@@@@@@ Jornal O Despertador @@@@@@@@@@@ Revista Norte Alentejo @@@@@@@@@@@

.LIVROS PUBLICADOS:

-E vim cantar- 1955@ -Paisagem- 1956@ -Rezas e Benzeduras- 2000@ @@@@@@@@@@@