Sexta-feira, 4 de Dezembro de 2009

Subtilezas

Jornal Linhas de Elvas

Nº 2.740 – 19-Dezembro de 2003

Conversas Soltas

SUBTILEZAS

 

Chove.

O céu está cinzento, e as vizinhas casas caiadas da paisagem que me cerca e já de cor conheço, estão lavadas, repassadas da água que já escorre dos beirais, em catadupa.

Não vale alongar o olhar. Não vale a pena.

A dois passos de distância o horizonte está fechado, opressivo, como se a escuridão tivesse engolido o resto do mundo lá por detrás...

Até as nesgas de verde da erva nascente, que por esta época de Natal cobrem o chão, de tão empapuçadas em lama não têm mais o seu ar comovente de relvinha tenra de presépio.

Só palavras pesadas de sentido me ocorrem – preto, negro, negrume...

Preto, negro, negrume, palavras pesadas, tristes, quase aziagas como presságios maus, como a carranca deste dia húmido e escuro.

Onde andará o sol, a luz, que faz a alegria da cor?

Onde andará o sorriso do tempo, onde andarão as nuvens fugazes, esvoaçantes, loucas, que percorrem os céus vaporosas como sonhos fluidos, belos e vagos como tudo o que fascina, embriaga e não se domina jamais...

Para onde se terá mudado o mundo de azuis, essa escala monocromática, que faz o esplendor do azul na paleta do céu?

Porque terá a luz tanto que ver com a alegria, e porque se ligará tanto à tristeza, a sombra, o escuro, o negrume.

Como se tristeza e dor não fossem possíveis em dias jubilosos...

Que diferença haverá entre negro e negrume, fico a pensar, e dou comigo a achar que negrume é mais do que negro. Senão no tom pelo menos no significado de volume e vastidão que transmitem.

Negro, parece ser só ali, num ponto, talvez... mas, se for: negrume, já é, ou parece ser imenso, incontrolável...

E, branco? – Branco, não tem cor. Mas, se for alvo já é branco com luz, ou não será?

Porém, se se disser: branco de jaspe, já é frio, cortante como gelo, embora seja ainda branco.

É que jaspe é pedra. Já pode sugerir o túmulo. A morte.

Pensa-lo, já arrepia.

Prefiro o branco da cal.

Esse, tem o cheiro da limpeza. Esse, põe as casas a alvejar, tem o calor do sangue que no trabalho, alimenta a vida da gente, que por intuição ou instinto, até, procura a beleza na simplicidade castiça dos costumes herdados.

Porém é também com uma pá de cal que os corpos descem à terra.

Como tudo pode ser contraditório.

Perco-me por entre as subtilezas da nossa língua. Perco-me , mas delicio-me.

Em dias soalheiros, minha Mãe ao acordar-nos, sempre dizia: está um dia de rosas!

Levantem-se!

E, já se sabia que era um dia radioso, era o verdadeiro dia novo em que os instantes se sucediam como se em cada um deles o dia estivesse a renascer belo, luminoso, por estrear, em folha!

Já se o dia era de chuva, lhe chamavam copiosa... Também as palavras têm destinos distintos. Pois se copioso é farto, é abundante, porque é a chuva copiosa – sendo muita – mas é esplendoroso o sol, se nos inunda!

As palavras são um inesgotável manancial de assunto e de mistério, com elas me distrai, e entretanto a chuva parou.

Engraçado é que eu queria contar, e por pouco, já me esquecia a história do menino francês que andando a aprender português resolveu certo dia anunciar que ele e a família iam “ quebrar” para Lisboa, e perante o riso dos circunstantes fez questão de provar que partir e quebrar eram sinónimos...e, até tinha razão... só que ainda lhe escapavam as subtilezas – em que é pródiga – a nossa língua.

 

 Maria José Rijo 

estou: Subtilezas - 2003

publicado por Maria José Rijo às 23:12
| comentar | Favorito
partilhar
6 comentários:
De Gustavo Frederich a 4 de Dezembro de 2009 às 23:32
Este artigo é especial.
Sabe que muito me tocam os seus artigos quando
fala da senhora sua Mãe.
Toca-me o coração a forma sábia e carinhosa como
a tia dela fala.

Muitos Parabens minha tia
Beijinhos

Gus


De Eva Mateus a 4 de Dezembro de 2009 às 23:34
Gosto.
Gosto imenso de tudo o que a Senhora escreve.
Sou uma apaixonada por este blog.
Os meus Parabens

Eva mateus


De Maria José a 9 de Dezembro de 2009 às 21:25
Eva Mateus
Que poderia eu dizer de mais verdadeiro senão que fico feliz sempre que descubro que alguém gosta de"estar na minha companhia?"
Um abraço grato
Maria José


De Aristeu a 5 de Dezembro de 2009 às 00:18
Que sorte que temos nós os seus leitores.
Artigos sempre lindos - lindos - como este.
Ultimamente tem sido assim - Só textos de grande
beleza - textos lindos escritos promorosamente
como estes e tantos, tantos outros já publicados
nesta maravilha de blog.

Quando leio os seus artigos, aqueles em que
divaga por esses caminhos da sua bela alma
fico sempre encantado, admirado com o seu
belo espolio literario.
Gostei imenso, tia. Gosto imenso tia.
Muitos Parabens .
Sempre muitos Parabens.

Tia o nosso ilustre Julião foi passear , em lua de
mel, para o pantanal. Ele e a sua florzinha.
É só rir.
A tia não imagina a quantidade de pessoas , amigos,
que vêm ver as fotos do Gilinho. Um sussessão.
Agora estamos - algo de ferias - por assim dizer
mas penso que para o Natal teremos o casalinho
cá em casa.
Vamos ver se não é.
Breve daremos mais noticias.

Beijinhos Tia

Aristeu


De Ana Maria Lourenço a 5 de Dezembro de 2009 às 00:22
Que artigo Lindo minha Senhora.
Gosto muito deste tipo de artigos, o que me deixa tão
feliz.
Realmente a Senhora escreve tão maravilhosamente.
A sua lucidez é tremenda - como costuma dizer o
meu marido, em conversa com os colegas do banco.
Todos leiem e quando tocam a politica - ficam tão
mais contentes e falm sobre a sua lucidez.
Alguns comentam aqui também.

beijinhos e muitos Parabens

Ana Maria Lourenço


De Helder Sabino a 19 de Dezembro de 2009 às 00:15
Caríssima Sra
Não seria eu se aqui não viesse deste simples modo para lhe desejar um bom Natal.Creia-me seu admirador e amigo.Tenha muita saúde e que Deus a abençoe.
Helder Sabino
Elvas


Comentar post

.Maria José Rijo


. ver perfil

. seguir perfil

. 55 seguidores

.pesquisar

 

.Dezembro 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
13
14
15
16

17
18
19
20
21
22
23

24
25
26
27
28
29
30

31


.posts recentes

. Apresentação do Livro de ...

. O Natal e os Poetas - 201...

. São Mateus 2017

. Participação - Programas ...

. Programa de São Mateus 20...

. Carta aos meus queridos A...

. Aniversário do Linhas - 2...

. Viagem a Fátima

. Reportagem do Jornal Linh...

. Parabéns Avelino

.arquivos

.tags

. todas as tags

. Dia de Anos

. Então como é ?!

. Em nome de quem se cala.....

. Amarga Lucidez

. Com água no bico

. Elvas com alguma rima e ....

. 28 de Fevereiro...

. Obras do Cadete

. REGRESSO

. Feição de nobreza

.links

.Contador desde- 7-2-2007

Nova Contagem-17-4-2009 - @@@@@@@@@@@@@@@@ @@@@@@@@@@@@@@@

@@@@@@@@@@@@@@@ A Seguir-nos por aqui. Obrigado @@@@@@@@@@@@@@@@ free counters
Free counters @@@@@@

.Pensamentos de Mª José

@@@@@@@@@@@@@@@@@

@@@@ O caminho acaba ali... Ali onde começa a descoberta, O caminho é sempre estrada feita O fim do caminho É uma porta aberta... Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@ Quando o homem se render à força que o amor tem e a arma for oração pulsará na vida a paz como bate um coração. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Ser semente do futuro, é a mensagem de esperança, Que como um recado antigo, A vida nos dá a herança.- Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@ Eu penso, que é saudável e honesto reconhecer e respeitar as diferenças que nos individualizam no campo, também dosi deais.----- Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@ Há uma tal comunhão entre a obra e o autor Que até Deus concebe o Homem e o Homem - o Criador! Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ UMA IDEIA : É uma LUZ que se acende i nesperadamente no nossos espirito iluminando um caminho novo. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Sei para onde vou- pela ansia de galgar a distância- de onde estou- para o que não sou. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ A solidão é o que preenche o vazio de todas as ausências. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Quando na vida se perde, Um amigo ou um parente, P’ra que serve a Primavera? Se o frio está dentro da gente. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Mesmo sobre a saudade, a doçura do Natal, embala cada coração como uma música de esperança. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Em passadas de gigante nobre de traça e idade vem da nascente p'ras fontes dar de beber à cidade. -- Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Nas flores como nas pessoas, ás vezes a aparente fragilidade também pode esconder astúcias e artificiosos bluffes ”. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ A cada um seu direito, A cada terra seu uso, A cada boca um quinhão, A cada roca seu fuso, Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Seja cada dia um fruto- Cada fruto uma semente- Cada semente o produto- Dos passos dados em frente. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Coisas e loisas esparsas- Como a ferrugem – se pica- Como a lama dos caminhos- Se pisada… nos salpica. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Todos os dias amanhecem Crianças Pássaros Flores ! Sobre a noite das crianças Pássaros Flores que já não amanhecem Amanhecerá! Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Ao longe vejo Olivença Mais perto, Vila Real A meus pés o Guadiana Correndo manso – na crença De que tudo é Portugal Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Pátria sagrada de povo, Que emigrada- ganha pão, estás repartida- mas viva Se te bate o coração. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Portugal mais se define Onde a fronteira se traça Pode partir, mas não dobra Quem defende Pátria e Raça Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Bom seria se os recados do nosso coração chegassem ao ouvido de quem os motiva, porque então saberíamos como somos queridos e lembrados sem necessidade de telefones ou cartas. As comunicações seriam de coração para coração como a música de alma que se soltasse de um poema. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@

.ARTIGOS PUBLICADOS Em :

Jornal Linhas de Elvas - Desde 1950 @ @@@@@@@@@@@ Jornal da Beira - (Guarda) @@@@@@@@@@@ Jornal da Ilha Terceira (Açores) @@@@@@@@@@@ Jornal O Dia @@@@@@@@@@@ Jornal O Despertador @@@@@@@@@@@ Revista Norte Alentejo @@@@@@@@@@@

.LIVROS PUBLICADOS:

-E vim cantar- 1955@ -Paisagem- 1956@ -Rezas e Benzeduras- 2000@ @@@@@@@@@@@