Sábado, 16 de Janeiro de 2010

Uma subtil diferença

Á Lá Minute

Jornal Linhas de Elvas

Nº 2019 – 1 de Dezembro de 1989

Uma subtil diferença

       

Anda por aí um anúncio de televisão que acho seriamente perturbante.

Faz-se com imagens, a meu ver “macro” crueldade, a propaganda que se pretende eficiente, aos fornos micro-ondas.

Estamos, ou andamos por aí todos tão preocupados com horários, impostos, subida de preços e mais mil e não sei quantas coisas que, por vezes, nos passam quase sem reparo outras, que olhadas e repensadas também se reconhecem preocupantes.

Refiro-me a alguns anúncios que nos entram casa dentro e que, se bem que os olhemos distraidamente, deixam qualquer coisa de incomodo, mal identificada, que se agarra a nossa consciência, mas que vai moendo, moendo, como uma dor ralinha que não se percebe bem de onde nasce e porquê, mas que incomoda e não nos da descanso.

É assim por vezes.

Agora, pelo menos, foi assim, outra vez.

Aparece um forno lustroso, bonito, maneirinho, prático e funcional, ao que se anuncia.

            

Económico em relação a tempo e a dinheiro, o que lhe acresce as virtudes. Porém, para realçar essas qualidades, usa-se um processo que repudio de tremendo mau gosto pela evidente crueldade de que se reveste.

       

Junta-se à imagem do forno nada mais, nada menos, do que as imagens de vida e felicidade de uma truta a nadar em águas cristalinas transparentes, um ganso branquinho e um leitão rosado como um peluche de trazer ao colo.

         

Assim, o forno de cozinhar alimentos, ganha foros de cadeira eléctrica ou qualquer outro invento de terror criado para suprimir vidas.

Convenhamos que não está certo.

Arrepia ver exibir tão pouco respeito pelos animais, embora todos saibamos que muitas vezes, eles são apenas criados para servirem de alimento.

              

Só que á vida em qualquer forma que ela se nos apresente é devida uma dignidade e um respeito próprios, e sempre que é necessário sacrificar animais, em nosso proveito, isso não poderá ser usado como quem conta uma anedota gratuita e solta uma gargalhada divertida.

Vida é sempre vida.

Aliás, todos podemos colher rosas, poderíamos até caminhar sobre elas – se o merecêssemos – mas… nunca espezinha-las.

É essa a subtil diferença.

 

Maria José Rijo

 

estou: Uma subtil diferença - 1989
música: Uma subtil diferença

publicado por Maria José Rijo às 23:15
| comentar | Favorito
partilhar
4 comentários:
De Xavier Martins a 17 de Janeiro de 2010 às 01:17
Excelente texto
Recordo bem esse anuncio.
Os animais tão bonitos e depois... o prato confeccionado...
Achava repugnante...

Como sempre mais um texto actual...
É verdade que sim.

feliz fim de semana
Um abraço

Xavier Martins


De Lucas Marquês a 17 de Janeiro de 2010 às 01:19
Como sempre...
é a marca deste blog - artigos com cabeça - tronco
e membros.

Bem observado.
Parabens e feliz 2010
Cumprimenta-a

Lucas marquês


De Aristeu a 17 de Janeiro de 2010 às 01:24
Olá minha tiazinha
neste sabado venho deixar-lhe muitos beijinhos
e dizer que nós aqui estamos torcendo...
imenso
para ver novos artigos de 2010 publicados neste
blog.
O Sr. Luciano já suspendeu o envio dos Jornais
Linhas - pois (eu também concordo) - que já não
vale a pena recebe-los aqui no Brasil.
Como sabe era um amigo que os enviava para cá.
Mas... sem os seus artigos o Jornal - para nós, é
claro - perdeu todo o interesse.
Mas as coisas são mesmo assim...

Aguardaremos - quando for será...

Por aqui vamos andando menos mal.
Desde que se tenha saude - tudo está perfeito.

E a tia e a sua mana?
Como estão?
daqui enviamos muitos beijinhos e saudades
desta sua familia no Brasil

Aristeu


De Rosa Guerreiro Dias a 19 de Janeiro de 2010 às 21:10
Parabéns pela mensagem
Continue a deliciar-nos com seus textos inteligentes.
Serão sempre bem-vindos.
Aquele abraço da amiga certa
Rosa Dias


Comentar post

.Maria José Rijo

.pesquisar

 

.Maio 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
12
13

14
15
16
17
19
20

21
22
23
24
25
26
27

28
29
30
31


.posts recentes

. Parabéns

. A afilhada da Tia Zé

. Páscoa - 2017

. Homenagem a Maria José Ri...

. Cá Estou ... - 1

. OLÁ Dolores

. 2007 - 2017 = 10 º Aniver...

. ENCONTROS DE CIRCUNSTÂNCI...

. Recado para os Sobrinhos ...

. Saudades

.arquivos

.tags

. todas as tags

. Dia de Anos

. Então como é ?!

. Em nome de quem se cala.....

. Amarga Lucidez

. Com água no bico

. Elvas com alguma rima e ....

. 28 de Fevereiro...

. Obras do Cadete

. REGRESSO

. Feição de nobreza

.links

.Contador desde- 7-2-2007

Nova Contagem-17-4-2009 - @@@@@@@@@@@@@@@@ @@@@@@@@@@@@@@@

@@@@@@@@@@@@@@@ A Seguir-nos por aqui. Obrigado @@@@@@@@@@@@@@@@ free counters
Free counters @@@@@@

.Pensamentos de Mª José

@@@@@@@@@@@@@@@@@

@@@@ O caminho acaba ali... Ali onde começa a descoberta, O caminho é sempre estrada feita O fim do caminho É uma porta aberta... Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@ Quando o homem se render à força que o amor tem e a arma for oração pulsará na vida a paz como bate um coração. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Ser semente do futuro, é a mensagem de esperança, Que como um recado antigo, A vida nos dá a herança.- Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@ Eu penso, que é saudável e honesto reconhecer e respeitar as diferenças que nos individualizam no campo, também dosi deais.----- Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@ Há uma tal comunhão entre a obra e o autor Que até Deus concebe o Homem e o Homem - o Criador! Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ UMA IDEIA : É uma LUZ que se acende i nesperadamente no nossos espirito iluminando um caminho novo. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Sei para onde vou- pela ansia de galgar a distância- de onde estou- para o que não sou. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ A solidão é o que preenche o vazio de todas as ausências. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Quando na vida se perde, Um amigo ou um parente, P’ra que serve a Primavera? Se o frio está dentro da gente. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Mesmo sobre a saudade, a doçura do Natal, embala cada coração como uma música de esperança. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Em passadas de gigante nobre de traça e idade vem da nascente p'ras fontes dar de beber à cidade. -- Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Nas flores como nas pessoas, ás vezes a aparente fragilidade também pode esconder astúcias e artificiosos bluffes ”. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ A cada um seu direito, A cada terra seu uso, A cada boca um quinhão, A cada roca seu fuso, Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Seja cada dia um fruto- Cada fruto uma semente- Cada semente o produto- Dos passos dados em frente. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Coisas e loisas esparsas- Como a ferrugem – se pica- Como a lama dos caminhos- Se pisada… nos salpica. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Todos os dias amanhecem Crianças Pássaros Flores ! Sobre a noite das crianças Pássaros Flores que já não amanhecem Amanhecerá! Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Ao longe vejo Olivença Mais perto, Vila Real A meus pés o Guadiana Correndo manso – na crença De que tudo é Portugal Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Pátria sagrada de povo, Que emigrada- ganha pão, estás repartida- mas viva Se te bate o coração. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Portugal mais se define Onde a fronteira se traça Pode partir, mas não dobra Quem defende Pátria e Raça Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Bom seria se os recados do nosso coração chegassem ao ouvido de quem os motiva, porque então saberíamos como somos queridos e lembrados sem necessidade de telefones ou cartas. As comunicações seriam de coração para coração como a música de alma que se soltasse de um poema. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@

.ARTIGOS PUBLICADOS Em :

Jornal Linhas de Elvas - Desde 1950 @ @@@@@@@@@@@ Jornal da Beira - (Guarda) @@@@@@@@@@@ Jornal da Ilha Terceira (Açores) @@@@@@@@@@@ Jornal O Dia @@@@@@@@@@@ Jornal O Despertador @@@@@@@@@@@ Revista Norte Alentejo @@@@@@@@@@@

.LIVROS PUBLICADOS:

-E vim cantar- 1955@ -Paisagem- 1956@ -Rezas e Benzeduras- 2000@ @@@@@@@@@@@