Sábado, 6 de Fevereiro de 2010

O prometido é devido...

Aqui está o Cadete a desenhar a tacto

com tinta numa bisnaga do soro

 

 

estou:

publicado por Maria José Rijo às 00:07
| comentar | Favorito
partilhar
10 comentários:
De Xavier Martins a 6 de Fevereiro de 2010 às 01:18
Minha amiga
Realmente o Cadete é uma pessoa muito interessante
já tive o prazer de falar com ele, e é pena a pouca
visão.
Os trabalhos são muito bons!
Realmente tem uma técnica fantástica.
Já lá estiveram também umas pessoas amigas de
Lisboa - que eu dei o contacto - e adoraram.
Boa postagem a de hoje.
Talvez assim muitas pessoas de outros pontos do
país sintam curiosidade em conhecer a maravilha
da sua arte.
Os meus Parabens a ambos.

Um grande abraço
Xavier Martins


De Maria José a 7 de Fevereiro de 2010 às 17:58
Meus amigos fico sempre contente quando de qualquer forma me é dado chamar a atenção para alguém,como neste caso o Cadete, que só pela sua natural modéstia ficou apenas conhecido no seu meio, que aliás, salvo raras excepções não lhe deu o apoio que merecia.
Sempre pensei quando ele ilustrou aqueles preciosos livros sobre as espécies da flora portuguesa que aceitasse o insistente convite de ir para a América - mas... naquela época,alentejano que se presava , já dizia Fialho : - enforcava-se na trave do monte, mas não emigrava.
Um destes dias quando a vida da Paulinha estiver menos sobrecarregada, vou pedir-lhe que vos mostre algumas das suas maravilhas.
Um abraço grande
Maria José


De Flor do Cardo a 6 de Fevereiro de 2010 às 01:23
Minha boa amiga
Agradeço as suas amáveis palavras.
Cairam-me como um afago neste velho e cansado
coração.
Sabe que no entanto tenho imensa curiosidade em
conhecer, antes de partir, a ou o pequenote que
vem a caminho.
Tiro força daí... e dessa mesma sua força que
estão sempre nas suas palavras.
Quem sabe se com a primavera vem uma nova
lofada de vida, que o sol traga um quentinho
especial para as nossas vidas.
Daqui a pouco vai ter as suas belas Olaias a
abrulhar e depois vem a aquela cor que encanta...
Espero ver fotos da sua visita de saudar as
Olaias - como já fez outras vezes.
Nem sempre me esqueço de tudo...
Um grande abraço e desejos de um bom fim de
semana

Com amizade

Luciano


De Maria José a 7 de Fevereiro de 2010 às 18:13
Então, meu Amigo Luciano!
Por onde anda o charme dos "rapazes do meu tempo"
Que ideia é essa agora?
Estava eu aqui a preparar-me para o convidar para desfilarmos no corso do carnaval, e vem falar-me de prazos de vida!
Será que já não estão por aí Dona Florzinha e seu Julião?
Penso que melhor para fazer acreditar que a esperança e a alegria são condimentos preciosos para viver não devem existir.
Todos temos dias mais tristes e, quando se tem uma família tão querida por perto, deve ser por vezes difícil saber que "sempre" também é relativo.
Beijinhos para todos e um abração para si - maria José


De Manuel Azinhais Mendes a 6 de Fevereiro de 2010 às 11:20
Cara D. Maria José
Venho aprovar o seu belo blog e dizer-lhe
que estive no Museu de Fotografia e vi a
bela exposição do sr. Cadete.
Realmente merece este post dedicado a ele.
Os meus Parabens pela escolha.
É mesmo muito bom.

Gosto em saber que tem este belo blog on Line
Com amizade

Manuel Azinhais Mendes


De Maria José a 7 de Fevereiro de 2010 às 18:27
Manuel Azinhais
Fiquei feliz por não se ter sentido defraudado com a visita á exposição do Cadete.
Ele tem uma obra vastíssima e, nos últimos tempos dando largas à sua inteligente capacidade crítica fez uma série de desenhos dum humor um tanto caustico, comentando a vida política local, absolutamente brilhantes.Perseguiram-no como é obvio! - quando ele apenas mostrava que com banquetes, excursões e favores, ganham-se votos ,criam-se ditadores ,porém, não se gera progresso.
Obrigada pela visita - um abraço- Maria joséRijo


De Margarida Matias da Luz a 7 de Fevereiro de 2010 às 00:51
Já estive na exposição e devo dizer
que o Sr. Cadete é um artista.
Os meus Parabens pelo blog e pela exposição.

Com amizade

Margarida M. da Luz


De Maria José a 7 de Fevereiro de 2010 às 18:41
Margaridida Matias
Bem haja pela sua visita e pela alegria que me dá com a sua opinião sobre o Cadete.
É bom, que todos nós, que sabemos que para alem da sua qualidade de artista ele é um homem de honra nesta altura da sua vida em que a falta de visão tanto o fragiliza, mais do que nunca lhe mostremos que é apreciado, respeitado e muito querido pelos seus concidadãos.
Um abraço - maria José


De Gustavo Frederich a 7 de Fevereiro de 2010 às 09:14
sem duvida nenhuma um grande artista.
Bem haja tia por este talento e por o ter trazido
aqui. Estou longe, se estivesse mais perto iria
ver esta exposição, com todo o interesse.
A técnica é especial.
Parabens ao artista.

E a tia como está?
Espero que esteja a recuperar-se e por favor
descanse e fique longe dos frios.
Gosto muito de si, pode acreditar.

Muitos beijinhos
Gus


De Maria José a 7 de Fevereiro de 2010 às 19:11
Gus, meu querido.
tive de visita esta fim de semana uma sobrinha que me veio desafiar para ir com ela passar o Carnaval a Venesa.
Resisti à tenteção porque para alem de não querer arranjar problemas para quem quer que seja, também não sinto que tenha ainda " estaleca" passe o calão! - para tão largas aventuras.
Ficou no ar um passeio a Napoles, onde um filho da minha visita, meu sobrinho neto, exerce -por agora - como engenheiro naval umas funções relativas à sua formação académica.
Veremos!
Sonhar ajuda.
Veja que eu, ainda não deixei de acreditar que o Gus um dia me viria visitar!Anda tanto de país em país, que cheguei a acreditar que assim acontecesse.
Até porque sempre se acredita no que se deseja.
Alias estou a saber muito pouco de si. Ainda está em Pietrelcina? - aceitou a proposta que lhe haviam feito? - Sinto-o mais leve no que escreve, como se tivesse descoberto um sentido novo para o seu caminho. Isso conforta-me.
Enche-me de esperança.
Continua a ir passar o Carnaval a Veneza?
Conte coisas. Conte!
Diz-se que os povos felizes não têm história, eu acrescento que os povos menos felizes precisam de acreditar na felicidade esteja ela onde estiver. Com as pessoas deve ser igual.
Não esqueci o poema.Creia que comigo , tirando os pardais a comer nas minhas janelas e a minha Bia a ralhar dizendo que não consegue te-las limpas, nada mais me tem merecido grandes sorrisos.
Já pensei por um anúncio no jornal : - alegria precisa-se!
beijinhos , meu querido - tia Zé


Comentar post

.Maria José Rijo

.pesquisar

 

.Abril 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

17
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30


.posts recentes

. A afilhada da Tia Zé

. Páscoa - 2017

. Homenagem a Maria José Ri...

. Cá Estou ... - 1

. OLÁ Dolores

. 2007 - 2017 = 10 º Aniver...

. ENCONTROS DE CIRCUNSTÂNCI...

. Recado para os Sobrinhos ...

. Saudades

. A Feira de São Mateus 201...

.arquivos

.tags

. todas as tags

. Dia de Anos

. Então como é ?!

. Em nome de quem se cala.....

. Amarga Lucidez

. Com água no bico

. Elvas com alguma rima e ....

. 28 de Fevereiro...

. Obras do Cadete

. REGRESSO

. Feição de nobreza

.links

.Contador desde- 7-2-2007

Nova Contagem-17-4-2009 - @@@@@@@@@@@@@@@@ @@@@@@@@@@@@@@@

@@@@@@@@@@@@@@@ A Seguir-nos por aqui. Obrigado @@@@@@@@@@@@@@@@ free counters
Free counters @@@@@@

.Pensamentos de Mª José

@@@@@@@@@@@@@@@@@

@@@@ O caminho acaba ali... Ali onde começa a descoberta, O caminho é sempre estrada feita O fim do caminho É uma porta aberta... Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@ Quando o homem se render à força que o amor tem e a arma for oração pulsará na vida a paz como bate um coração. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Ser semente do futuro, é a mensagem de esperança, Que como um recado antigo, A vida nos dá a herança.- Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@ Eu penso, que é saudável e honesto reconhecer e respeitar as diferenças que nos individualizam no campo, também dosi deais.----- Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@ Há uma tal comunhão entre a obra e o autor Que até Deus concebe o Homem e o Homem - o Criador! Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ UMA IDEIA : É uma LUZ que se acende i nesperadamente no nossos espirito iluminando um caminho novo. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Sei para onde vou- pela ansia de galgar a distância- de onde estou- para o que não sou. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ A solidão é o que preenche o vazio de todas as ausências. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Quando na vida se perde, Um amigo ou um parente, P’ra que serve a Primavera? Se o frio está dentro da gente. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Mesmo sobre a saudade, a doçura do Natal, embala cada coração como uma música de esperança. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Em passadas de gigante nobre de traça e idade vem da nascente p'ras fontes dar de beber à cidade. -- Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Nas flores como nas pessoas, ás vezes a aparente fragilidade também pode esconder astúcias e artificiosos bluffes ”. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ A cada um seu direito, A cada terra seu uso, A cada boca um quinhão, A cada roca seu fuso, Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Seja cada dia um fruto- Cada fruto uma semente- Cada semente o produto- Dos passos dados em frente. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Coisas e loisas esparsas- Como a ferrugem – se pica- Como a lama dos caminhos- Se pisada… nos salpica. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Todos os dias amanhecem Crianças Pássaros Flores ! Sobre a noite das crianças Pássaros Flores que já não amanhecem Amanhecerá! Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Ao longe vejo Olivença Mais perto, Vila Real A meus pés o Guadiana Correndo manso – na crença De que tudo é Portugal Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Pátria sagrada de povo, Que emigrada- ganha pão, estás repartida- mas viva Se te bate o coração. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Portugal mais se define Onde a fronteira se traça Pode partir, mas não dobra Quem defende Pátria e Raça Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Bom seria se os recados do nosso coração chegassem ao ouvido de quem os motiva, porque então saberíamos como somos queridos e lembrados sem necessidade de telefones ou cartas. As comunicações seriam de coração para coração como a música de alma que se soltasse de um poema. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@

.ARTIGOS PUBLICADOS Em :

Jornal Linhas de Elvas - Desde 1950 @ @@@@@@@@@@@ Jornal da Beira - (Guarda) @@@@@@@@@@@ Jornal da Ilha Terceira (Açores) @@@@@@@@@@@ Jornal O Dia @@@@@@@@@@@ Jornal O Despertador @@@@@@@@@@@ Revista Norte Alentejo @@@@@@@@@@@

.LIVROS PUBLICADOS:

-E vim cantar- 1955@ -Paisagem- 1956@ -Rezas e Benzeduras- 2000@ @@@@@@@@@@@