Segunda-feira, 22 de Março de 2010

Caminhos

Á Lá Minute

Jornal Linhas de Elvas

Nº 1771 – 1 de Fevereiro de 1985

CAMINHOS

 

Numa família qualquer, quando nasce uma criança – todos acorrem a debruçar-se sobre o berço e, como as fadas boas dos velhos contos lhe auguram as maiores venturas.

Assim, cada um, ao desejar para a criança que por amor lhe pertence o – “o melhor” – está quase sempre consciente ou inconsciente, desejando ver nela realizado o secreto ideal de felicidade – que lhe foi impossível a si próprio viver.

Também fisicamente a história se repete um pouco: - Cada um procura no recém-nascido qualquer pequeno indício ou vestígio de semelhança consigo ou outros familiares.

       

Não é raro que o menino ou a menina nos sejam descritos como tendo: - o pé da Mãe – a mão do Pai – a boca do avô – as orelhas da Avó e o sorriso, o nariz ou o cabelo de qualquer outro próximo parente.

Se bem pensarmos – teremos que dar conta que descrevemos um ser estranho (qual manta de retalhos!) feito de bocados velhos, já nossos conhecidos – em lugar da “criaturinha em botão” – que acaba de aparecer na dependência do nosso amor e protecção.

Cada pessoa é – como é!

Nasce uma vez e morre uma vez!

O percurso da vida que faz – por muito semelhante que se deseja a este, ou àquele modelo – terá sempre a marca do individuo que a percorrer…

Ninguém vive ou morre em lugar de ninguém!

Como cada árvore, cada um dará os frutos das potenciais sementes que trouxer em si.

E todos nós somos capazes de fazer milagres para oferecer um sorriso que seja a uma criança que nasceu doente; nós que inventamos a coragem e a força para recriar os gestos e paciência que são precisos em cada dia para ajudar a superar deficiências… - nós… temos certa dificuldade em aceitar que aqueles que nasceram escorreitos – escolheram destinos totalmente diferentes do que sonhamos para eles.

Se somos capazes de ser heróicos frente à adversidade porque não sabemos ser humildes frente à verdade?

Porque não seremos espontâneos a ajudar os nossos a ser felizes nos caminhos possíveis das próprias escolhas, se elas não colidirem com o Bem e a Justiça.

Porque estaremos sempre a enfiar-lhes as roupagens das nossas ambições?

 Por muito novas que estejam (em folha, até por as não termos usado) talvez apenas “mascarem” em lugar de “vestir” – quem por ser de agora – sonha amanhã! – E não ontem…

É isto, que me surpreende, também me fascina e dá que pensar…

 

Se a verdade – por espelho

Onde o meu olhar contemplo…

Educar – será – Amar,

Ensinar pelo exemplo…

 

Maria José Rijo

 

 

 

 

estou: caminhos - 1985

publicado por Maria José Rijo às 22:18
| comentar | Favorito
partilhar
6 comentários:
De Aristeu a 22 de Março de 2010 às 22:41
Estamos encantados com esta maravilha Tia.
Os meus Parabens por este docinho de artigo.
Sabia que este era um dos preferidos de minha
Mãe. Ela achava que era tudo uma verdade.
O meu Pai confirma, já que ele destas coisas
tem uma memoria de elefante.

Uma maravilha tia.
E a tia como está?

Muitos beijinhos toa

Aristeu


De Cilene a 22 de Março de 2010 às 22:43
Lindo tia.
Cada um é bem melhor que o anterior.
Fantastico o seu blog.
Sempre artigos de grande lucidez.
Parabens

Cilene


De Maria José a 25 de Março de 2010 às 21:57
Querida Cilene
Sabe que recentmente eu tinha comentado com a Paulinha a sua ausência e de mais dois ou tres outros amigos de quem estranhava a ausência e, de imediato, como se me tivessem escutado apareceram o que para além de alegria me tranquilizou.
Como está a menininha?
Beijinhos minha querida - tia Zé


De Xavier Martins a 22 de Março de 2010 às 22:49
Minha boa amiga
MAs que texto bonito.
Realmente a Senhora tem o dom de fazer
textos que depois de muitos anos ainda
estão actualissimos.

È um DOM de Deus. Esta capacidade de
escrever - assim como a Senhora tão bem
consegue.

Comprei, neste fim de semana o Linhas de
Elvas e realmente sem os seus artigos
não tem interesse - falo por mim
obviamente.
Prefiro vir aqui e ler e reler o que me
~interessa.
Ah estive no Museu de fotografia a ver
a exposição das Papoilas e gostei muito.
O Dr. carpinteiro é uma simpatia.
Quando vou - tenho tido a sorte de falar
com ele.

Bem haja D. Maria José

Xavier Martins


De Margarida Almeida a 23 de Março de 2010 às 20:52
Muito boa noite
Acabei de encontrar o seu blog e quero muito
dizer-lhe que me fascinou.
Adoro a sua forma de escrever.
É uma prosa magnifica - não só pela qualidade
mas também pela muita lucidez e por conseguir que
artigos escritos em 1985 estejam actualissimos.
É - para mim - um dom escrever assim desta
forma maravilhosa.
Os meus PARABENS e muito muito obrigado
pelo seu blog.

Com muita admiração
Margarida de Almeida


De Maria José a 25 de Março de 2010 às 22:05
Margarida de Almeida
bem vinda à famíilia que se tem organizado em torno do blog que a minha sobrinha Paula criou para amenizar a solidão que me calhou neste entardecer de vida
Um abraço grato - Maria José


Comentar post

.Maria José Rijo


. ver perfil

. seguir perfil

. 53 seguidores

.pesquisar

 

.Setembro 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
13
14
15
16

17
19
21
22
23

24
27
28
29
30


.posts recentes

. São Mateus 2017

. Participação - Programas ...

. Programa de São Mateus 20...

. Carta aos meus queridos A...

. Aniversário do Linhas - 2...

. Viagem a Fátima

. Reportagem do Jornal Linh...

. Parabéns Avelino

. Parabéns Luciano

. CONVITE

.arquivos

.tags

. todas as tags

. Dia de Anos

. Então como é ?!

. Em nome de quem se cala.....

. Amarga Lucidez

. Com água no bico

. Elvas com alguma rima e ....

. 28 de Fevereiro...

. Obras do Cadete

. REGRESSO

. Feição de nobreza

.links

.Contador desde- 7-2-2007

Nova Contagem-17-4-2009 - @@@@@@@@@@@@@@@@ @@@@@@@@@@@@@@@

@@@@@@@@@@@@@@@ A Seguir-nos por aqui. Obrigado @@@@@@@@@@@@@@@@ free counters
Free counters @@@@@@

.Pensamentos de Mª José

@@@@@@@@@@@@@@@@@

@@@@ O caminho acaba ali... Ali onde começa a descoberta, O caminho é sempre estrada feita O fim do caminho É uma porta aberta... Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@ Quando o homem se render à força que o amor tem e a arma for oração pulsará na vida a paz como bate um coração. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Ser semente do futuro, é a mensagem de esperança, Que como um recado antigo, A vida nos dá a herança.- Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@ Eu penso, que é saudável e honesto reconhecer e respeitar as diferenças que nos individualizam no campo, também dosi deais.----- Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@ Há uma tal comunhão entre a obra e o autor Que até Deus concebe o Homem e o Homem - o Criador! Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ UMA IDEIA : É uma LUZ que se acende i nesperadamente no nossos espirito iluminando um caminho novo. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Sei para onde vou- pela ansia de galgar a distância- de onde estou- para o que não sou. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ A solidão é o que preenche o vazio de todas as ausências. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Quando na vida se perde, Um amigo ou um parente, P’ra que serve a Primavera? Se o frio está dentro da gente. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Mesmo sobre a saudade, a doçura do Natal, embala cada coração como uma música de esperança. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Em passadas de gigante nobre de traça e idade vem da nascente p'ras fontes dar de beber à cidade. -- Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Nas flores como nas pessoas, ás vezes a aparente fragilidade também pode esconder astúcias e artificiosos bluffes ”. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ A cada um seu direito, A cada terra seu uso, A cada boca um quinhão, A cada roca seu fuso, Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Seja cada dia um fruto- Cada fruto uma semente- Cada semente o produto- Dos passos dados em frente. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Coisas e loisas esparsas- Como a ferrugem – se pica- Como a lama dos caminhos- Se pisada… nos salpica. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Todos os dias amanhecem Crianças Pássaros Flores ! Sobre a noite das crianças Pássaros Flores que já não amanhecem Amanhecerá! Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Ao longe vejo Olivença Mais perto, Vila Real A meus pés o Guadiana Correndo manso – na crença De que tudo é Portugal Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Pátria sagrada de povo, Que emigrada- ganha pão, estás repartida- mas viva Se te bate o coração. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Portugal mais se define Onde a fronteira se traça Pode partir, mas não dobra Quem defende Pátria e Raça Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Bom seria se os recados do nosso coração chegassem ao ouvido de quem os motiva, porque então saberíamos como somos queridos e lembrados sem necessidade de telefones ou cartas. As comunicações seriam de coração para coração como a música de alma que se soltasse de um poema. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@

.ARTIGOS PUBLICADOS Em :

Jornal Linhas de Elvas - Desde 1950 @ @@@@@@@@@@@ Jornal da Beira - (Guarda) @@@@@@@@@@@ Jornal da Ilha Terceira (Açores) @@@@@@@@@@@ Jornal O Dia @@@@@@@@@@@ Jornal O Despertador @@@@@@@@@@@ Revista Norte Alentejo @@@@@@@@@@@

.LIVROS PUBLICADOS:

-E vim cantar- 1955@ -Paisagem- 1956@ -Rezas e Benzeduras- 2000@ @@@@@@@@@@@